-cezareduardo Eduardo Cezar

Foi em uma quarta-feira. Eu não tinha como saber que seria aquele o dia em que eu encontraria o primeiro amor. Talvez seja por isso que o primeiro contato com o amor seja tão arrebatador: porque não sabemos quando vai acontecer. Mesmo não tendo como adivinhar meu destino à minha frente, minha intuição dizia que Caio teria uma grande participação.


Romantizm Contemporary Tüm halka açık.

#romantico #adolescente #258
15
964 GÖRÜNTÜLEME
Devam etmekte - Yeni bölüm Her 30 günde bir
okuma zamanı
AA Paylaş

Capítulo I

Foi em uma quarta-feira. Eu não tinha como saber que seria aquele o dia em que eu encontraria o primeiro amor. Talvez seja por isso que o primeiro contato com o amor seja tão arrebatador: porque não sabemos quando vai acontecer. Não temos controle sobre isso. Ele estava junto com os garotos que jogam futebol. Muito distante das histórias americanas, aqui não usamos casacos de times e não ganhamos bolsas estudantis na faculdade por aptidões. Mas o feitio do grupo de meninos que pratica esportes permanece o mesmo. São, em sua maioria, héteros, barulhentos e desfilam com uniformes dos seus times de futebol favoritos. São um grupo do qual nunca fiz parte e sempre tentei manter distância.

Ah, e esse grupo, à semelhança do americano, também tem um líder, que não necessariamente é o capitão do time, mas o capitão do bullying. Bullying do qual eu era a vítima. O rei de todos os babacas, Douglas Mello Neto. Filho dos Mello, donos de metade da cidade, obviamente. O Mello avô já havia falecido há muito, mas o Mello pai ainda estava assinando cheques e erguendo prédios. E o neto me sacaneando na escola.

Mas naquela quarta-feira felizmente Douglas não tinha ido a aula. Era o primeiro período de educação física e eu estava feliz por estar de atestado naquela semana. Quinze minutos depois de soar o sinal, surgiram na quadra Daniela e um garoto, cabelos cacheados, olhos escuros e o início de uma barbixa. Não havia novidade nenhuma que Daniela chegasse atrasada e, também, acompanhada de um garoto extremamente lindo. Mas logo percebi que ela não fazia a menor ideia de quem era aquele menino. Enquanto se aproximavam, Dani fez um sinal com a cabeça em direção ao garoto como quem diz "Quem será?". Logo atrás, a supervisora da escola apareceu e chamou o professor para um canto.

Enquanto os garotos corriam e suavam (não vou ser hipócrita ao dizer que não adorava ver eles correndo com aqueles calções curtíssimos de jogar bola) eu lia sentado na arquibancada.

Observei Daniela entrar em jogo enquanto o garoto esperava alguma coisa acontecer. Pelo o que pude ver, a turma jogava handebol. Dos jogos com bola esse era o único possível para eu jogar: não era alto suficiente para basquete – muito menos vôlei – e não envolvia coordenação motora com os pés. Mas eu estava muito bem acomodado lendo Jane Austen na arquibancada para colocar a integridade do meu pulso em risco. O professor e a supervisora conversaram com o garoto novo e, para minha infelicidade, o professor apontou direto para mim e, logo em seguida, pediu que eu descesse até onde se encontravam. Merda.

— Vocês dois. Informática.

**

Como já fui uma vez um garoto novo na escola, eu dei todas as instruções necessárias para a sobrevivência estudantil naquele colégio. Quem namorava quem, a professora mais legal, o professor mais insuportável, nunca grite no corredor de baixo, nunca corra no corredor de cima. Quais as aulas que teriam naquela manhã e nas outras.

— Como é seu nome, mesmo? — Ele perguntou.

— Edgar. E o seu?

— Caio.

— Muito prazer.

Paulo, o professor de educação física, pediu que nós fizéssemos uma pesquisa sobre as regras do handebol. Caio usava o uniforme, regata e shorts. Os braços eram fortes como o dos garotos que vão na academia. Os cabelos eram comedidos, ainda que um ou outro fio fugiam da sua alinhadura curva. Me perguntava o motivo pelo qual ele não estava lá na quadra correndo e arremessando a pequena bola do handebol.

— Posso te fazer uma pergunta? — Ele disse.

— Pode.

— O que você fez no pulso?

— Eu caí. Fraturei. Doeu horrores, ainda dói.

— Ah, eu sei como é. Já fraturei o tornozelo uma vez.

Caio voltou a copiar algumas linhas em seu caderno.

— Jogando bola? — eu perguntei.

— Hm?

— Você joga futebol?

— Ah. Não sou muito fã. Mas é, foi jogando, sim.

Sabia. Enquanto ele escrevia qualquer regra em seu caderno eu o observei. Era dono de uma letra muito caprichosa e bonita. Fiquei encantado ao vê-lo escrevendo. Devo ter perdido a noção do tempo enquanto admirava Caio escrevendo porque o sinal para o segundo período soou, me tirando do transe.

Os períodos de português passaram rápido. Durante a aula logo depois das tarefas continuei a ler Orgulho e preconceito. A data para devolução era para aquele mesmo dia, então fui direto à biblioteca no intervalo.

— Jane Austen? — Caio surgiu dentre as estantes enquanto eu estava na fila para a renovação do livro.

— Oi. É. Vou precisar de mais uma semaninha.

— Do jeito que você lê não vai demorar muito.

— Como assim?

— Passou metade da aula só lendo esse livro. Nem viu que eu sentei atrás de você.

Eu realmente não tinha visto Caio atrás de mim durante a aula. Me limitei a menear com a cabeça um sorriso sem jeito. Quando recebi o livro com a nova data Caio já havia sumido da biblioteca.

Os dois últimos períodos eram reservados a aula de Literatura com a professora Aline. Tínhamos começado os estudos sobre Romantismo.

— Essa é a professora mais legal da escola?

— É, como eu te disse.

— E ela é a professora mais legal da escola porque ela é professora de livros ou porque ela é legal mesmo?

— Bom, eu acho que quem vai decidir isso é você.

Eu já estava começando a perceber meus sentimentos correndo soltos por todo o meu corpo no final daquela manhã. Mesmo não tendo como adivinhar meu destino à minha frente, minha intuição dizia que Caio teria uma grande participação.

22 Nisan 2020 00:01:06 3 Rapor Yerleştirmek Hikayeyi takip edin
10
Sonraki bölümü okuyun Capítulo II

Yorum yap

İleti!
Fabiana Souza Fabiana Souza
Muito sensível. Já amei! <3 E tive uma nostalgia de ler nas aulas de educação física. Não por ter machucado nada, mas porque ninguém fazia questão de participar das aulas de educação física, na minha escola, exceto que a atletas. Uns jogavam truco. Eu ficava lendo nas arquibancadas. Hahahaha.
May 08, 2021, 01:23
Alexis Rodrigues Alexis Rodrigues
Olá! Tudo bem? Faço parte do Time de Verificação e venho lhe parabenizar pela Verificação da sua história! Gostaria de começar dizendo que AMEI a forma como você foi nos apresentando o personagem e o mundo que o cerca, de forma simples e tão sincera. A adolescência tende a ser um período complicado nas nossas vidas, e bullying por parte dos colegas não facilita as coisas. Gostaria de dizer que eu tive vontade de guardar e proteger o Ed de todo o mal, e o trecho em que ele discorre a respeito de reconhecer genialidades foi um momento mágico. Para mim, aquele momento foi um paralelo do momento em que eu percebi a maravilha que era a voz do meu cantor favorito. Reconhecer genialidades realmente nos deixa impactados. A forma como você escreve fez com que eu me sentisse caminhando com o Edgar conforme as cenas se desenrolavam, acompanhando sua ótica enquanto descobrimos suas opiniões já formadas a respeito de quem o cerca e sua relação com essas pessoas, fazendo com que seja fácil nos identificarmos com ele. Há uma frase que me deixou um pouco confusa: "Não havia novidade nenhuma que Daniela chegasse atrasada". Para tornar a frase mais completa, eu sugeriria inserir "no fato de" antes de Daniela retirando o "que", e conjugando o verbo chegar no infinitivo, "chegar", ou talvez apenas retirar o verbo "haver" e inserir o verbo "era". Notei a ausência de crase na frase: "[...] Douglas não tinha ido a aula", e eu sugeriria trocar o "na academia" por "à academia" na frase: "[...] dos garotos que vão na academia". Algo que me chamou a atenção foi o fato de Edgar, no decorrer dos capítulos, ler "Orgulho e Preconceito", um livro clássico cujos leitores em sua maioria são mulheres. Acredito que sua escolha para o personagem tenha sido deveras interessante, pois colabora para a quebra de um velho clichê que lemos na cultura mainstream: o que de homens não leem e de que não são sensíveis, pois não é másculo (o que sabemos não ser verdade, mas poucos escritores homens escrevem personagens sensíveis e introvertidos de forma que o leitor se identifique, que seja verossímil). No mais, estou curiosa e ansiosa para ler os próximos capítulos da história de Edgar para descobrir como a história dele se desenrolará com o Caio. Parabéns pela ótima história!
December 12, 2020, 13:18

  • Eduardo Cezar Eduardo Cezar
    Meu deus eu amei o teu review. Fico muito agradecido com a tua análise, inclusive me deu vontade de voltar a escrever essa história. As vezes eu abandono as histórias pra clarear as ideias, talvez esse seja o momento de voltar a escrevê-la. Muito obrigado, de verdade! January 26, 2021, 20:52
~

Okumaktan zevk alıyor musun?

Hey! Hala var 4 bu hikayede kalan bölümler.
Okumaya devam etmek için lütfen kaydolun veya giriş yapın. Bedava!