aoi_haruki21591468778 Aoi Haruki

Para o "Desafio do Mês do Orgulho LGBTQI+ " do grupo Esquadrão da Escrita. Os capítulos não serão sequenciais, mas serão com personagens de uma história original ABO/Omegaverse que estou trabalhando ainda, principalmente as protagonistas Kirsten Helewise e Katsumi Felgrom. Cada dia possui um tema.


LGBT+ Sadece 18 yaş üstü için.

#abo
2
3.2k GÖRÜNTÜLEME
Devam etmekte - Yeni bölüm Her Pazartesi
okuma zamanı
AA Paylaş

Dia 1 "Saindo do Armário"

Notas iniciais do capítulo

Esse capítulo se passa antes de Katsumi e Kirsten se conhecerem.
Kirsten, uma ômega, vai "sair do armário" para sua mamãe beta, Lucrécia.
Espero que gostem!

OBS: Kirsten trabalha como alquimista para o rei (o alfa William Maximova) e Lucrécia é a costureira real.


________________________________________________________


Kirsten estava suando frio.

Após alguns anos do término de sua adolescência, finalmente falaria abertamente com sua mãe, Lucrécia, sobre sua preferência sexual. Lucrécia era uma mulher bondosa e compreensiva, criou Kirsten com muito amor e competência mesmo sendo viúva, mas isso não deixava a ômega menos insegura.

Sua mãe ainda era uma beta comum vinda de um círculo familiar inteiramente beta, e habituada a conviver apenas com relacionamentos heterossexuais ao seu redor. Logo, mesmo que ela dissesse entender que sua filha, por ser uma mulher ômega, priorizaria alfas acima do gênero, não encurtava a grande distância entre o que era dito e o visto.

A ruiva encarou longamente a xícara de chá sobre a mesa de centro, esperando a cor vermelha da garra-de-dragão - uma flor comum nos jardins do castelo - fazer efeito na água quente.

Por fim, Lucrécia retornou do banheiro após seu banho demorado. Seus cabelos loiros estavam
úmidos e soltos e ela trajava sua camisola habitual. A rotina de mãe e filha consistia após longas jornadas de trabalho durante o dia no castelo e, após o jantar, estavam liberadas para voltar à sua ala e ter seus momentos de rotina - tais como higiene pessoal - antes de dormir.

— Ah, o chá está com um cheiro ótimo! - Lucrécia exclamou, sentando confortavelmente no sofá à frente da poltrona em que a filha estava sentada.

Pegou sua xícara, começando a bebericar o líquido ainda quente, mas interrompeu seu ato ao ver o olhar pensativo de Kirsten, perdido no nada.

— Querida? Seu chá vai esfriar.

— S-sim! Desculpe, eu... - Kirsten voltou a realidade, apressando-se em começar a beber de sua xícara.

— Teve um dia cheio, não? - Lucrécia sorriu amavelmente, afagando o joelho da mais nova.

— É, hm, mais ou menos. Acho que andei exigindo mais da minha mente do que o normal hoje. - a Helewise mais nova sorriu sem graça, tentando achar a melhor oportunidade para chegar ao ponto que queria com sua progenitora.

— Não me admira que William esteja cheio de elogios para você durante o jantar, ultimamente. - Lucrécia provocou, com segundas intenções em seu tom.

— C-como assim? - Kirsten corou. Não era habituada a ouvir elogios sobre seu trabalho, normalmente.

— Ah, sabe como é. Ser a costureira real tem lá suas vantagens. - a beta deu de ombros e Kirsten logo soube que a mãe estava se referindo às fofocas na cozinha.

— Claro, esqueci disso. - Kirsten riu sem graça.

— E bem, eu ainda não entendo completamente sobre todo esse negócio de alfas e ômegas, embora eu esteja cercada por eles e até trabalhe para eles! - Lucrécia começou, com um tom mesclado entre espanto e admiração. - Meu marido e minha filha são ômegas, mas enfim, o que quero dizer é... Ômegas se atraem por alfas, não?

Kirsten ergueu seus olhos do chá para encarar os azuis da mãe. Se bem a conhecia, já podia prever o que a Helewise mais velha diria, e boa coisa que não era.

— Sim, geralmente.

— Pois diga, minha filha... - Lucrécia olhou aos arredores do cômodo, como se procurasse as palavras certas para dizer o que queria. - Você, como ômega... Não se interessa por William, que é um alfa?

Bingo.

Ao mesmo tempo que agradeceu por sua própria mãe ter abordado o assunto que queria chegar desde o princípio, amaldiçoou mentalmente por não ser nem de longe da forma que desejava.

— Então, minha mãe... Era sobre isso que eu queria falar com a senhora hoje a noite.

— Ah, então eu sabia! Você tem uma paixão secreta por William, não tem? A intuição de uma mãe está sempre cert-

Antes que Lucrécia continuasse com seu tom orgulhoso, Kirsten pôs sua xícara sobre a mesa e pôs ambas as mãos nos joelhos da mãe à sua frente, para interrompê-la. Após a cabeça baixa por alguns segundos e perguntas confusas da parte da costureira, a jovem alquimista ergueu os olhos azuis, lacrimejados.

— Eu... Não, mamãe. É impossível que eu me apaixone por William, ou por qualquer outro homem, mesmo que seja um alfa, porque... - ela não soube continuar.

Durante boa parte de sua vida nunca realmente havia se questionado a que tipos de alfas se
sentia atraída, até ter sua mestra de magia Simena Ghrun - e seu primeiro caso, coincidentemente. Ela não amava Simena, mas a apreciava e admirava, sentia-se atraída por ela. E mesmo depois de três anos, não podia evitar se sentir-se atraída por mulheres alfas, mesmo que não tenha tido outros casos além de Simena.

— Porque eu... Não gosto de homens. Não consigo.

A voz de Kirsten saiu com dificuldade enquanto ela engolia o choro, receosa pela reação de sua mãe. Eram apenas as duas no mundo, e Lucrécia mesma já disse explicitamente - como alguns minutos atrás - sobre não compreender os genes alfa e ômega em totalidade. E se sua mãe, que sempre fora um poço de compreensão e amor, não a compreendesse naquele momento mais
crucial, sobre algo imutável em sua vida?

Entretanto, todas as suas inseguranças foram pausadas ao sentir a mão gentil da mais velha sobre sua cabeça.

— Ah filha, sinto muito por ter tirado conclusões precipitadas. Acredito que a magoei supondo coisas entre você e William, não? - a voz da beta emanava calor maternal.

Kirsten soltou as lágrimas ainda mais, não evitando de abraçar o tronco da mãe com força enquanto soluçava.

— N-não, eu... Não magoou, mãe.

— Sei que magoei, olhe como você está soluçando... Eu confesso que já tinha minhas suspeitas, embora você nunca tenha realmente se apaixonado por alguém. Nunca a vi com ninguém, pelo menos.

Kirsten engoliu em seco, mas agradeceu à... ciência? Por sua mãe não saber sobre o caso que ela e Simena tiveram. Por ela, aquilo continuaria oculto para sempre.

— B-bom, eu não estou chorando pelo que a senhora disse. Eu só... Não esperava que... -

Kirsten se afastou, secando o rosto com as mãos.

— Diga-me, querida. Por quê eu me incomodaria por qual sexo minha filha se atrai se, sendo um ou uma alfa, poderei ter netos do mesmo jeito?

A expressão de Kirsten congelou por um momento.

E se ela se apaixonasse por uma mulher beta?

Sua mãe estava ok com tudo desde que fosse uma mulher alfa, logo ela poderia engravidar e ter uma família do modo convencional, sem precisar recorrer a adoção ou até mesmo alquimia, ao que parecia.

Suspirou profundamente e forjou o melhor sorriso que poderia para sua progenitora. Ela já havia tido sua vivência e, querendo ou não, tinha idade mais avançada que a sua, pedir para que entendesse possibilidades seria, talvez, demais.

— Sim, realmente, você está certa, minha mãe. - Kirsten balançou a cabeça, sorrindo em conformidade e sentando-se ao lado da mãe no sofá.

— Eu a amo, querida. Muito. Você me lembra tanto seu pai, mas tanto... - foi a vez do olhar de Lucrécia marejar, perdendo-se no canto da sala, onde havia uma mesa com um retrato de Kenneth com ela e uma Kirsten bebê. - Mesmo que você fizesse algo que fosse contra tudo que acho certo, eu não seria capaz de renegá-la.

O peso nos ombros de Kirsten cedeu e ela repousou a cabeça no ombro da Helewise mais velha sem mais receios, sentindo todo o amor maternal que a beta possuía por si transbordar pelo ambiente.

— Obrigada, mamãe.

— Sempre estarei aqui, meu amor. - Lucrécia sorriu, beijando o topo da cabeça da ruiva.

06 Haziran 2020 19:00:20 1 Rapor Yerleştirmek Hikayeyi takip edin
2
Sonraki bölümü okuyun Dia 2 "Primeiro Amor"

Yorum yap

İleti!
Viktoria Wannanova Viktoria Wannanova
Kirsten, sempre tão delicada.. Mas aposto que dentro de si, deve habitar alguma força ainda não descoberta, seja lá de que natureza ela for... <3
June 20, 2020, 16:04
~

Okumaktan zevk alıyor musun?

Hey! Hala var 3 bu hikayede kalan bölümler.
Okumaya devam etmek için lütfen kaydolun veya giriş yapın. Bedava!