thaliiahelena Thalia Helena

Fazia dias que Carly estava sentindo Sam estranha, mas especificamente há um mês. Um mês que ela e Freddie haviam terminado. O que ela poderia fazer quando a própria Sam se recusava a falar sobre isso.


Фанфик Сериалы/Дорамы/Мыльные оперы 13+.

#SamXFreddie #amizade #sam #freddie #carly #seddie #icarly
0
1.0k ПРОСМОТРОВ
В процессе - Новая глава Каждую пятницу
reading time
AA Поделиться

Uma Conversa Com Carly

— Eu juro, eu tô bem — Sam revirava os olhos pela oitava vez naquela conversa.


Ambas estavam no quarto de Carly, mais uma vez a loira havia se auto convidado para dormir lá, segundo ela era mil vezes melhor aturar Carly do que sua mãe e o namorado novo dela, mas não aquela noite. Ela voltaria atrás na mesma hora se soubesse que sua melhor amiga tocaria no assunto proibido: Seu namoro com Freddie.


— Não Sam, você finge estar bem — mais uma vez a morena insistiu — E eu sei que você costuma superar as coisas batendo nelas e quando não pode, você ignora, mas isso não é qualquer coisa, quer dizer, você a....


— Cala a boca! — gritou a interrompendo — Carly, somos amigas há muito tempo, mas se você continuar eu juro que mato você!


— ...Ama o Freddie.


Sam deu um grito gutural antes de ir para cima de Carly e a jogar deitada na cama, subiu em cima dela e a atingiu diversas vezes com o travesseiro.


— Não repete isso.


Carly ria e se defendia como podia, mas se não se protegesse com os braços era capaz de se machucar de verdade. Sam conseguia fazer uma meia de manteiga virar uma arma mortal, um travesseiro nas mãos dela não era muito diferente.


— Sam, por favor — falava em meio aos golpes — Vamos conversar!


Sam gritou de novo e se afastou levantando da cama e indo para fora do quarto. Carly não precisava ser nenhuma adivinha para saber onde a loira tinha ido. Apenas suspirou e seguiu para cozinha, não se surpreendendo ao encontrar Sam com a geladeira aberta, com um frango frito preso na boca e metade de uma torta nas mãos.


— Vai me ouvir agora? — cruzou os braços esperando a amiga lhe responder.


— Cara esse frango é muito bom — disse devorando pedaço por pedaço, depois indo para torta, chegando a sujar o rosto por simplesmente meter a cara na comida — Hmm, essa torta é incrível. Eu vou me casar com essa torta.


— Bom saber que a comida tem mais chances que o Freddie.


Sam parou, olhou para Carly furiosa e deixou a embalagem da torta sobre a bancada, limpou o rosto com a costa da mão. Seus olhos eram como o de um felino faminto, meticulosamente analisando sua presa antes de atacar.


— Parabéns Shay, estragou a torta.


— E você tá estragando a sua vida! — bateu o pé já irritada com toda a situação — Olha, se não quiser voltar com ele, beleza, mas por favor, vamos conversar… Tem mais de um mês que você anda abatida por causa do término e isso tá bem claro para mim.


Sam suspirou e andou até o sofá, abraçou uma almofada e aguardou, não por muito tempo, Carly vir sentar à sua frente.


— Eu tô bem, só… Preciso de um tempo.


— Sam, tem um mês que você diz isso. Isso tá afetando o ICarly e principalmente a sua vida. Você tem se isolado muito, Sam.


— Eu só… — abraçou mais forte a almofada — Acho que não consigo mais fazer o ICarly.


Carly passou a mão no próprio cabelo incomodada. Nem ela e nem Freddie estavam bem trabalhando juntos, era óbvio que ainda se gostavam e teimava em querer superar, deixar o tempo passar. Eram tão diferentes, mas tão parecidos.


— Olha, eu… Conversei com o Freddie — disse um pouco insegura.


Sam olhou em seus olhos com medo. Era a primeira vez em todo aquele tempo que a vulnerabilidade dela estava clara. Sam estava com muito medo. Era óbvio que ela não queria deixar o webshow, ou o grupo de amigos, mas sabia que a situação estava complicada demais. E não tinha como simplesmente fazer Freddie desaparecer para ela conseguir ignorá-lo, pelo amor de Deus, ele era vizinho de Carly, colega de trabalho, colega de escola e, por mais que ela morra antes de admitir, seu melhor amigo.


Sam não disse uma palavra, apenas esperou que Carly continuasse, receosa com o rumo da conversa.


— Ele me disse que por enquanto, talvez fosse melhor deixar o Brad na parte técnica — Sam analisou com cuidado as palavras, mas antes que dissesse algo, Carly prosseguiu — Ele acha que vai ser melhor se ele se afastar por um tempo.


— Não — a voz da loira saiu fraca demais, se ambas não estivessem sozinhas em um total silêncio, jamais teria ouvido — Não é… Justo.


— Sam, e tem outra opção? — Carly deu um suspiro pesado — Eu também não acho justo, mas você mesma disse que precisa de um tempo e ele…


Silêncio…


Não Carly não podia continuar com aquilo, ela havia sim conversado com Freddie e bem mais do que ela está contando para a loira, mas não podia novamente se meter entre os dois, nas brigas e conflitos dos dois. Ela não tinha o direito de contar a real situação de Freddie.


Sim, ele estava mal. Talvez igual ou pior que Sam. Freddie lhe revelou que sentia falta dela, de literalmente tudo nela. Lembrava-se bem das palavras dele:


“ Sabe, eu nunca achei que ia sentir saudades dos socos dela, ou de como ela implicava comigo, ou das nossas apostas ridículas e discussões piores ainda, mas toda vez que nos encontramos para gravar o programa ou na escola, eu só… Fico torcendo para que ela venha, me bata, grite comigo… Se isso é o que for preciso para ter ela de volta”


Carly só queria trancar os dois em algum lugar para que se resolvessem depois de ouvir Freddie falar essas palavras. Ela nunca esteve tão certa dos sentimentos do Freddie pela Sam, quer dizer, desde o começo em um consenso geral era só um ponto de vista da Sam.


Coisas como quando ela começou a gostar dele, Sam disse para ela que tinha sido em um momento idiota quando ele tinha sangue saindo do ouvido, mas Carly, por ser sua melhor amiga há anos, suspeitava que ela tinha se apaixonado bem antes, quem sabe… No primeiro beijo dos dois, ano atrás. Sam também foi a primeira a admitir, mesmo que depois disso tenha se trancado em um hospital psiquiátrico. A questão é: E o Freddie?


Quando o Freddie começou a gostar de Sam? Quando os sentimentos mudaram da paixão que supostamente ele tinha por ela e se transformaram em um amor pela Sam. Quer dizer, no fim Carly só conhecia um lado da história e quando foi falar com Freddie, foi como abrir os olhos. Os dois se amavam, e estavam separados.


— E ele…? — Sam continuou, aflita pelo silêncio.


— Ai Sam, o Freddie… Ele não está bem, mas eu não vou falar mais que isso, se quiser saber converse com ele — pontuou antes que dissesse alguma besteira — Mas ele prefere se afastar do que afastar você.


— Idiota — Sam disse depois de mais um longo minuto de silêncio.


Carly foi até a amiga e lhe deu um abraço. Poucas vezes a Puckett tinha lapsos de carência, mas sempre que precisava chorar ou de um abraço Carly estava lá, e dessa vez não foi diferente. Sentiu a mão dela lhe acariciar os cabelos, enquanto lágrimas teimam em sair de seus olhos.


— Droga Carly, por que eu tenho que gostar daquele nerd?! — reclamou em meio ao choro.


— Sam, você não acha que ao invés de esquecê-lo, você deveriam…. Sei lá… Tentar de novo.


A loira balançou a cabeça negativamente, se afastou e respirou fundo, antes de se levantar e ir novamente à geladeira. Se frustrou ao ver que não tinha mais nada de bom para comer, resolveu pegar um chá gelado.


Ao ver a frustração da loira em pegar só um copo de seu chá, resolveu tirar do esconderijo uma coisa que guardava para emergência. De um pote escrito temperos, ela tirou um pacote de bolo gordo. Sam olhou para o pacote com os olhos brilhando.


— Eu te amo, Carly Shay — pegou o pacote das mãos da amiga e abriu na velocidade do som, dando uma mordida e quase chorando ao sentir o sabor.


— Eu sei, mas a conversa não acabou.


Sam revirou os olhos e deu mais uma mordida, dando uma resposta incompreensível já que estava com comida na boca.


— Mastiga e depois fala, Sam. Já falamos sobre isso.


A loira engoliu e olhou para Carly com olhar cínico.


— E o que você quer que eu diga? Eu e o Fredonho não temos nada em comum. A gente conversou antes de terminar — deu mais uma mordida antes de continuar depois de mastigar — Você sabe, eu já te disse, foi mútuo. Só não era para ser.


— Olha Sam, eu não acho que…


— Carly — Sam colocou ambas as mãos sobre os ombros de Carly, uma delas segurando um bolo gordo pela metade — Carly, Carly, Carly — Sam disse com toda calma do mundo, por alguma razão Carly se lembrava de quando ela estava sobre o efeito do gás do riso — Amiga, você mesma disse, a gente não tem nada em comum, dói, mas às vezes só gostar não é o suficiente.


Carly estava impressionada em como a comida podia alterar o humor de Sam, a viu dar mais uma mordida e franziu a testa, há pouco essa mesma Sam estava chorando no sofá. Não, Sam queria voltar a esconder dela os verdadeiros sentimentos.


— Eu disse, mas você e o Freddie não são como os casais comuns.


Sam teve que rir dessa, finalizou o bolo e jogou a embalagem no lixo próximo, bebendo o chá gelado de uma vez em seguida.


Ela bem sabia que eles não eram um casal comum, olha como eles tinham começado. O primeiro beijo aconteceu por que ambos queriam dar fim a uma situação ridícula, e no segundo, Sam deixou Freddie em curto circuito em revelar seus sentimentos do nada, quer dizer, eu te odeio, mas te amo.... Isso fazia algum sentido? Claro que não! Foi por isso que ela se internou para começar, mas aí o idiota vem e a beija na frente de todo público do ICarly, dizendo que é tão louco quanto ela. Foi por pouco tempo, mas Sam nunca foi tão feliz, mesmo com as brigas e os desentendimentos. E então acabou. E Sam já previa que não ia durar muito, mas o eu te amo no final é o que a impede de seguir em frente.


— Não somos nem um casal, Carly.


— Mas podem ser! — ela disse ainda mais frustrada, aquela conversa não estava levando a lugar nenhum — Olha, vocês são meus dois melhores amigos no mundo, e eu só quero ver vocês bem. Não quero que ninguém se afaste para isso.


— E como quer que eu resolva? — arqueou uma sobrancelha — Eu não vou voltar com o Benson, então se tiver outra maneira…


— Só… Conversa com ele, direito.


— Carly, nós já…


— Não, Sam — dessa vez foi ela quem agarrou os ombros da amiga — A última conversa decente de vocês foi quando terminaram, há um mês, e desde então vocês nem conseguem olhar na cara um do outro. Vocês precisam conversar.


— Não.


— Vai falar com Freddie! — ela disse já irritada.


— Não vou!


— Vai falar com ele! — Carly já estava ao ponto de gritar.


— Tá bem! — Sam soltou um suspiro e viu Carly sorrir, ela sempre conseguia o que queria — Amanhã.


— É bom não estar mentindo para mim…


— Não Carlota, vamo dormir.


Carly viu Sam subir as escadas toda torta de cansaço por aquela conversa da madrugada, mas ela faria com que os dois conversassem, nem que tivesse que seguir com seu plano original de trancar os dois em uma sala para que se resolvessem.



~~ // ~~


Notas Finais: Espero que tenham gostado do primeiro capítulo, logo mais vem a segunda parte! Comentem, favoritem e recomendem ♥ ♥ ♥

Beijos!!!

31 января 2020 г. 19:48:08 0 Отчет Добавить 0
Прочтите следующую главу Uma Conversa com Gibby - O Plano de Carly

Прокомментируйте

Отправить!
Нет комментариев. Будьте первым!
~

Вы наслаждаетесь чтением?

У вас все ещё остались 1 главы в этой истории.
Чтобы продолжить, пожалуйста, зарегистрируйтесь или войдите. Бесплатно!

Войти через Facebook Войти через Twitter

или используйте обычную регистрационную форму

Больше историй

THE WITCHER´S CHOICE THE WITCHER´S CHOICE