jace_beleren Lucas Vitoriano

Lara e Roseanne se amam. Elas vivem juntas na Cidade Esquecida e se amam, apesar de serem irmãs.


Фанфик Книги 21+.

#lésbico #pwp #Os-sete-selos
Короткий рассказ
1
3.7k ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

Capítulo único

NOTA DO AUTOR: Essa fanfic é de um livro chamado "Os sete selos", de 2011. Pelo que vi, não está mais a venda, acho que a editora faliu, mas não tenho certeza. A história segue um rumo alternativo do enredo original, pois eu precisava disso para juntar as duas protagonistas desse conto erótico. Espero que gostem e levem tudo numa boa. Sei que na história original Lara e Rose não são um casal, mas eu queria muito fazer um conto erótico dessa história e as duas foram minhas escolhidas para essa tarefa. Bem, deixando de papo, boa leitura a todos!


*****


O pôr do sol constante dava a Lara a sensação de melancolia. Ela estava em uma das inúmeras torres da Cidade Esquecida, observando pela janela a luz pura do sol que nunca chegava a se pôr. Lara tinha a aparência de uma adulta de 25 anos, mesmo tendo mais de duzentos. Era magra, com um físico atlético e curtos cabelos pretos. Não vestia nada além de uma calça jeans apertada, botas e uma blusa azul anil sem mangas. Era do tipo de pessoa prática e direta. Uma guerreira, uma sobrevivente.

A Cidade Esquecida era sua casa, mesmo Lara tendo estado ali pela primeira vez a apenas um ano atrás. O local pertencia ao céu, literalmente. Era a morada do arcanjo Gabriel, pai de Lara. Não haviam muitas pessoas na cidade, suas ruas largas estavam sempre vazias, assim como os inúmeros edifícios de beleza incomparável. Talvez por isso ela fosse esquecida. Lara nunca tivera certeza quanto ao nome. Perguntara ao seu pai uma vez, mas ele apenas sorriu daquela sua forma enigmática e superior e nada disse. Típico de Gabriel.

- Ah, ai está você irmasinha!

Era a voz de Roseanne, Lara virou-se para encarar sua irmã. Rose, como era carinhosamente chamada, era sua cara metade, sua alma gêmea. Mesmo assim, Lara sempre sentira inveja da beleza da irmã. Rose era bonita de uma forma quase injusta. O corpo parecia a de uma modelo, os cabelos eram loiros e longos e os olhos de um azul atraente, porém frios. Vestia um short e uma blusa confortável, além do seu típico sorriso no rosto.

- Estava me procurando? Ou veio apenas me dar mais um recado de nosso pai?

Roseanne não respondeu, ela foi até Lara abraçando-a de forma intima e carinhosa, coisa que era um habito seu. Lara não era muito de contato físico, mas isso não queria dizer que não gostasse quando Roseanne colava os corpos das duas em um abraço, nem quando suas mãos bobas desciam até a bunda de Lara, apertando-a sorrateiramente, o que estava acontecendo naquele exato momento.

- Lhe procurando. Estava querendo checar se essa sua bundinha magra cresceu, mas você continua um palito sem curvas!

Os olhos de Lara se reviraram e ela ignorou a provocação em relação a seu corpo. Já não bastava Roseanne ser imensamente mais bela, ainda era preciso jogar isso em sua cara? Lara podia sentir os peitos de Rose esmagando os seus. Ela não sabia como a genética funcionava, mas de uma coisa tinha certeza: havia sido bastante desproporcional na hora de dividir qualidades físicas entre as duas.

- Não estou com tempo para suas piadas Rose – disse se afastando um pouco, sem ser rude. Lara saiu do abraço e encostou-se na parede do quarto.

Rose sorriu de forma convidativa e compreensiva, era um sorriso mais bem-vindo do que suas provocações e Lara ficou grata por isso.

- Você está com aquela cara de novo – disse Rose. Lara se perguntou se era tão transparente assim ou se era Rose que era boa em ler as pessoas. Talvez as duas coisas fossem verdade.

- Que cara? – perguntou evasiva. Sabia do que Rose estava falando, mas não estava a fim de falar sobre seus dramas pessoais, mesmo que fosse com sua irmã.

- A cara de quem está pensando no passado e se perguntando se fez a escolha certa – disse Rose tão direta que surpreendeu Lara – olha, entendo que eles eram seus amigos e tudo mais. Mas tudo isso foi antes de você saber quem era sua família. Sei que deve ter sido doloroso para você escolher entre eles e nós, mas eu e Gabriel somos sua família e nada é mais importante que a família, certo?

Não, nada era mais importante que a família, mesmo assim Lara sentia uma imensa dor no peito. Um ano atrás, quando descobrira que era uma nephilim, filha da já falecida Lilith com o arcanjo Gabriel, Lara trairá seus amigos e a Agência, unindo-se a seu pai e sua irmã no que seria a purificação do mundo.

Purificação era um termo correto, mas escondia muito do horror dos planos de Gabriel. Lara o ajudara a encontrar o livro dos sete selos. Com a ajuda de seus anjos, Gabriel quebrara os selos e iniciara uma total destruição na terra, caçando os humanos em, como já havia sido dito, uma purificação do planeta.

Os humanos não eram o único alvo, mas os demônios também. Em um ano de guerra, muito havia se conseguido, mas ainda haviam muitos humanos vivos e muitos demônios também. Lucifer era a maior ameaça, seu exercito de demônios continuava firme e forte. A Agência era a única a oferecer resistência da parte dos humanos, mas não estava se mantendo tão bem depois de um ano de guerra.

De qualquer forma, Lara, Roseanne e Gabriel haviam progredido, juntos. Lara encarou Roseanne, ela era sua única irmã, sua aliada de inúmeras batalhas.

E também a mulher que amava.

Sim, isso ainda a surpreendia. Lara nunca fora de se interessar por mulheres, mas se interessara por Rose. Claro, Rose era linda com seu corpo perfeito, mas não foram seus peitos enormes que atraíram Lara, mas sim algo mais íntimo e profundo. Talvez fosse algo sobrenatural, talvez fosse destino. Era difícil dizer um motivo, mas de uma coisa tinha certeza. Ninguém lhe fazia sentir tanta atração e desejo como Rose. O pior era que ela sabia disso e adorava provoca-la.

- Lara? – perguntou Rose. Pelo tom de sua voz, não era a primeira vez que chamava pela irmã.

- Desculpe, eu estava pensativa. O que você disse?

Rose deu um risinho e aproximou-se da irmã, imprensando-a delicadamente contra a parede e beijando-a nos lábios. Embora tenha hesitado por um breve instante, Lara retribuiu ao gesto, abraçando a irmã devagar.

- Precisa relaxar irmasinha, sabe qual a melhor forma de fazer isso? – perguntou a loira com malícia.

- Pelo seu tom sacana, tenho certeza que com nós duas nuas na cama.

- Não precisamos da cama – comentou Rose beijando a irmã mais uma vez – mas, sim, tem haver com ficarmos nuas e fazermos você sabe o que. De preferência, mais de uma vez.

Laura não podia dizer que não queria aquilo. Puxou Rose para perto de si, beijando-a mais e começando a despir suas roupas. Em questão de poucos segundos, havia se livrado da blusa da irmã e se deleitava apalpando aqueles seios, graças aos deuses, tão injustamente belos.

Perfeição era a palavra que definia Rose. Tudo nela era maravilhoso, mas Lara gostava especialmente dos seios. Apalpou-os com desejo, chupando-os com avidez. Enquanto isso, sentiu que sua irmã despindo-a também, tocando-a, dando beijos em seu pescoço e lhe dizendo palavras indecentes no ouvido.

Não demorou muito para que as roupas das duas ficassem espalhadas pelo chão. Elas se tocavam totalmente nuas e os sons de seus gemidos era tudo que se podia ouvir em quilômetros de distância. Sexo era algo normal entre as duas. O fato de serem irmãs só as deixava um pouco constrangidas, mas o incesto era coisa de humanos e elas eram apenas metade humanas. O lado angelical delas as impelia a ficarem juntas, a se amarem e se desejarem.

Em dado momento, Rose deitara-se no chão com as pernas bem abertas. Sua vagina era convidativa, estava úmida e parecia pedir para ser chupada. Lara fitou a irmã com desejo e avançou até ela. Deitou-se sobre Rose, a boca na vagina da irmã. Começou a dar lambidas lentas e estimulantes ao mesmo tempo que sentia Rose fazer o mesmo com ela. As duas davam e recebiam prazer, gemendo baixo de satisfação.

O gosto de Rose era viciante, quanto mais Lara provava dele, mais queria desfrutar. Dava beijos, lambidas e leves chupões, arrancando gemidos de prazer. Ao mesmo tempo, as caricias de Rose tornavam-se cada vez mais ousadas. Lara gemia mais e mais, quase enlouquecendo de tanto prazer.

- Vamos mudar de posição, estou cansada de ficar por baixo – falou Rose entre um gemido e outro. Não foi bem um pedido, pois ela levantou-se afastando a irmã. Com um movimento rápido, colocou Lara de quatro. A visão da bunda dela a agradou.

Não era do costume de Rose ficar muito tempo por baixo. Lara não podia culpa-la, pois não era muito diferente da irmã nesse sentido. Dois tapas em sua bunda a fizeram soltar um gemido abafado. Rose riu maldosa, dando mais um tapa.

- Você adora quando brinco com sua bunda não é mesmo? – Lara ia dizer algo em protesto, mas tudo que saiu de sua boca foi um gemido, pois nesse exato momento suas nádegas foram afastadas e dois dedos a penetraram por trás.

Havia um prazer indecente em ser possuída assim. Lara não era muito de ter fetiches estranhos, mas ser possuída por trás como se fosse uma cadela era um deles. Rose a estimulava com movimentos firmes, provocando-a com piadinhas indecentes de vez em quando. Uma de suas mãos deslizou até o seio esquerdo da irmã e o apalpou rapidamente, dando leves beliscões no mamilo já rígido.

- Safada – disse com malícia. Parou a penetração só para dar mais alguns tapas na bunda da irmã e então voltou a enfiar seus dedos dentro dela – se faz de durona, mas adora quando eu lhe trato como uma putinha.

Aquelas provocações eram coisa comum para dar o clima picante do sexo. Lara aceitou todas elas, assim como os tapas. A coisa toda ficou ainda melhor quando sentiu a língua de Rose umedecendo sua intimidade. Seus movimentos eram lentos e precisos. Lara gemeu mais algumas vezes antes de ter seu primeiro orgasmo.

- Já chega, estou cansada de ser sua putinha – respondeu provocativamente ao mesmo tempo que se levantava. Rose levantou-se também. As duas mulheres se encaram de cima abaixo. Mais uma vez, Lara invejou a beleza estonteante da irmã.

- Quer ser minha cadelinha agora então? – perguntou Rose maldosa.

Lara não respondeu com palavras. Empurrou Rose contra uma parede, com força e vigor. A loira não opôs resistência, apenas riu de forma musical. As duas começaram a se beijar. Lara apertou os seios enormes da irmã.

- Que tal você ser minha cadelinha? – devolveu a provocação.

As duas se entregaram a mais um beijo. A mão de Lara desceu até a intimidade de Rose, iniciando uma masturbação lenta e agradável. Seus dedos se perdiam dentro do corpo da irmã, ficando totalmente imersos nos fluidos da mesma.

- Hmmm... não me parece má ideia – respondeu Rose com um gemido de satisfação.

Lara sorriu e voltou a beijá-la. Iria se divertir muito com Rose e, quando terminasse, recomeçaria tudo de novo. Trair seus antigos companheiros e se unir a irmã fora a melhor escolha que fizera em toda sua vida. Agora, ela tinha todo o tempo do mundo para se perder nos braços da mulher que amava.

19 декабря 2019 г. 11:53:25 0 Отчет Добавить 0
Конец

Об авторе

Lucas Vitoriano Ola, me chamo Lucas, adoro escrever, ver animes, jogar Magic the gathering, ler entre outras coisas mais rs. Sou particulamente fissurado em mitologia grega, meus autores favoritos são Neil Gaiman e Kazuo Ishiguro e, meu livro favorito, é As brumas de Avalon.

Прокомментируйте

Отправить!
Нет комментариев. Будьте первым!
~

Больше историй

Revive Revive
Ode to Meteora Ode to Meteora