1
2.0k ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

Único

Baekhyun terminava de organizar as mercadorias quando o colega passou vestido com suas roupas normais ao seu lado. O loiro tinha acabado de chegar para seu turno da noite e, pra ajudar Jongdae, já começou a arrumar a bagunça que os clientes faziam quando deixavam as coisas fora de seu devido lugar.

ㅡ Tô indo, Baek. Toma cuidado quando você for, sim? Já vai estar tarde e sabe como hoje a rua fica deserta. ㅡ falou preocupado.

Normalmente os dois iam para casa juntos por trabalharem no mesmo horário e morar relativamente perto, porém nesse dia em questão Jongdae tem um compromisso à noite e teve que trocar seu turno para o da tarde e como a noite tem menos movimento, Baekhyun não se importou de ficar sozinho.

ㅡ Tudo bem, Dae, eu sei me cuidar. Amanhã você me conta os detalhes do seu encontro. ㅡ Tirou sarro do amigo que deu um tapinha em seu braço com as bochechas pegando fogo.

ㅡ Eu não vou pra um encontro! Minseok-hyung só quer conversar sobre o projeto que iremos fazer. Ele é só um amigo e ainda meu sunbae da faculdade, nunca que iria querer algo comigo. ㅡ Se defendeu tentando passar uma imagem como se não se importasse, embora seu coraçãozinho ficasse apertado com essa constatação.

ㅡ Ah é? Então por que ele veio buscar o princeso direto no trabalho? ㅡ Apontou com o queixo em direção a porta transparente, tendo a visão do citado estacionando a moto e tirando o capacete, logo em seguida passando a mão nos cabelos ondulados.

Jongdae ficou envergonhado e gaguejou tentando encontrar uma justificativa. Não conseguindo falar nada, apenas deu um sorriso amarelo para o amigo e saiu do estabelecimento em direção ao Kim mais velho.

Baekhyun apenas deu um sorrisinho, negando com a cabeça e voltou a organizar a prateleira. Ao terminar, deu um pulo rápido no banheiro da loja para se trocar e colocar seu uniforme. Voltou e foi para atrás do balcão, onde deixou sua bolsa embaixo e se sentou na cadeira giratória à espera dos clientes da noite.

[***]

Já era um pouco mais de meia noite quando os últimos clientes foram embora. Baekhyun colocou a plaquinha de "Fechado" na porta e se pôs a arrumar o estabelecimento para ir embora. Conferia o dinheiro da noite no caixa quando ouviu a porta se abrir e o sininho ecoar pelo recinto.

ㅡ Desculpe, já estamos… ㅡ falou levantando a cabeça e interrompeu-se, engolindo em seco quando viu uma arma apontada para si

ㅡ Passa tudo agora e sem um pio. ㅡ o assaltante falou ríspido. Baekhyun ficou sem ação e não fez nada, fazendo o homem se irritar. ㅡ Anda, moleque, é pra hoje! ㅡ Chacoalhou o loiro pela gola da camisa, fazendo-o "acordar" e tomar um impulso arriscado.

Baekhyun segurou fortemente nos ombros alheios e se aproximou, beijando o estranho que ficou em choque e abaixou a arma lentamente. O Byun mexia os lábios suavemente na boca um tanto cheinha e macia do maior, não tendo nenhuma reação do assaltante que ainda estava petrificado. Quando se separou, viu a merda que fez e o medo veio com força total ao ver o outro se mexer e olhar fixamente para si. Pelo menos era o que achava já que ele estava com óculos escuros

"Ai senhor é hoje que eu morro, como eu pude ser tão burro, burro, burro"

Baekhyun sobressaltou-se e deu alguns passos para trás, assustado, quando viu o bandido pular o balcão e ir em sua direção. O menor percebeu que o cara era muito maior que si, todo grandão e poderia lhe quebrar facilmente apenas com as mãos.

"Vou sair desfigurado daqui, já tô até vendo"

ㅡ Qual o teu nome?

ㅡ B-baekhyun.

ㅡ Eu sou Chanyeol.

Foi o que o homem disse antes de agarrar o pequeno pela cintura e tascar um beijo na boca bonitinha do atendente. O pequeno ficou sem entender, porém se isso lhe impedisse de levar um tiro, seguiria a vontade do maior, além é claro de aproveitar e dar uns amassos em alguém depois de tanto tempo na seca. Levou as mãos elegantes para a nuca do tal Chanyeol e tirou a touca que ele usava, deixando os cabelos vermelhos à mostra e enfiou os dedos entre eles, sentindo a maciez dos fios.

O maior prensava o Byun contra a parede do fundo e passava as mãos por onde alcançasse no corpinho gostoso à sua disposição ao mesmo tempo que dominava a boca alheia. Desceu as mãos grandes para o traseiro do menor e deu um aperto forte ali, recebendo um arfar contra o beijo. Chanyeol separou os lábios e se direcionou para o pescoço cheiroso, fazendo um estrago ali com mordidas e chupões, enquanto levantava a coxa do loiro até a altura de sua cintura e roçou ambas ereções cobertas. Baekhyun gemeu contra a orelha grandinha do ruivo e arranhou as costas largas, acabando por levantar um pouco o moletom preto que ele vestia. O maior então afastou-se um pouco apenas para tirar a peça e o óculos escuros que usava deixando que o Byun visse os grandes olhos, estes que eram em um tom escuro e profundo. Voltou a colar o corpo no outro, agora com a parte de cima despida, e o pegou no colo para em seguida deitá-lo no chão, fazendo-o gemer com o contato do chão frio contra suas costas cobertas apenas pela blusa fina do uniforme. Baekhyun colou os lábios de ambos e passeou com as mãos no peitoral forte e tatuado, descendo para o abdômen definido do ruivo e sentindo a pele arrepiada pelo toque e o frio do ar condicionado. O pequeno arfou quando as mãos brutas puxaram sua calça junto com a cueca de uma vez, não tendo obstáculo na hora de tirar por já ter se desfeito do seu tênis enquanto trabalhava. Ficou nu da cintura para baixo e até tentou encolher as pernas, envergonhado, porém Chanyeol estava entre elas impedindo.

O Byun suspirou manhoso quando sentiu as mãos quentes e calejadas passarem por todo seu tronco, parando em cima dos peitinhos sensíveis e eriçados, acariciando ali e dando pequenos beliscões, fazendo-lhe gemer fino e tentar escapar do toque maldoso do maior. Arqueou as costas quando a boca do ruivo foi para aquela área, judiando de si com chupões e lambidas daquela língua habilidosa.

Já Chanyeol estava adorando abusar daquele corpinho rechonchudo e todo gostosinho. Realmente ficou sem ação e até pensou que aquele garoto não tinha apreço à própria vida por beijá-lo do nada, mas ao vê-lo viu que seria desperdício acabar com uma gracinha daquelas. Separou a boca do mamilo do menor, recebendo um muxoxo impaciente, e encheu as mãos com carne farta daquela bunda espetacular, passando a roçar seu pau coberto pelo jeans diretamente na ereção do loiro, causando uma ardência gostosa em Baekhyun devido o tecido grosso.

O pequeno abriu a boca em um gemido mudo e passou a rebolar com afinco contra a ereção potente do ruivo. Um pouco trêmulo, abriu o botão do jeans, desceu o zíper e enfiou a mãozinha dentro da cueca de Chanyeol, agarrando o membro melado de pré-gozo e tirou de fora da calça, punhetando com vontade e salivando com aquele cacete grosso e gostoso à sua frente. A glande em um tom de vermelho escuro que era exposta a cada vez que arrastava a mão pra cima e pra baixo, encharcando de pré-porra.

O maior gemeu rouco com o toque frio em seu pau e não evitou em dar um tapa na coxa direita, fazendo o menor pular e gemer surpreso. Não aguentava mais, tinha que foder aquele garoto o mais rápido possível. Tirou a mão alheia de seu pau e o virou no chão, deixando-o de quatro com a bunda virada pra si. Deu um tapa na banda direita e gostou de ver a marca perfeita da palma na pele branca, além do balanço com o impacto. Pegou um tubo de lubrificante que ficava no balcão, um pacote de camisinha, deixando-os ali do lado e apertou a bunda alheia com as duas mãos, deixando o Byun empinado e lhe proporcionando a visão do cuzinho rosado e lisinho piscando pra si. Droga, ele era todo apertadinho.

Passou o lubrificante em seu pau, batendo uma rapidamente e o posicionou o buraquinho que contraiu com o toque. Forçou a extensão mais para dentro, tirando um gemido alto de Baekhyun que passou a rebolar contra aquele cacete que lhe arrombava. Quando estava dentro, Chanyeol agarrou os quadris largos e passou a arremeter contra aquele cu delicioso, tirando uma sequência de ah's da boca do pequeno.

Baekhyun tinha as mãos apertadas, tentando controlar um pouco daquele prazer que sentia. Um pouco trêmulo, encostou a bochecha no chão frio, ficando mais empinado para o homem atrás de si e passou a rebolar com vontade naquele pau gostoso, deixando ir mais fundo e revirou os olhinhos em êxtase quando sua próstata foi acertada com força, tirando um grito de sua boca.

Já Chanyeol adorava a visão excelente de seu cacete alargando aquele cuzinho apertado e a bunda gorda balançando a cada estocada que dava naquele corpinho frágil. A pele branquinha estava um tanto vermelha pelo constante impacto dos quadris do maior. Se retirou de dentro do pequeno e o virou de barriga pra cima, agarrando as coxas e as deixou grudada contra o tronco do menor para voltar a foder o interior do Byun, a posição deixando o pequeno mais apertadinho ainda.

Baekhyun apertava os olhinhos enquanto gemia repetidamente com sua próstata sendo acertada, deixando o corpinho mole e sem força alguma. Tentou levar a mão trêmula para seu pênis, porém foi impedido quando Chanyeol soltou suas coxas e agarrou suas mãos segurando-as ao lado de sua cabeça, impedindo de concretizar o ato, fazendo-o soluçar. O corpo grande se debruçou sobre si e um beijo meio atrapalhado começou, as línguas se acariciando com vontade e um fio de saliva escorreu pela bochecha do Byun, esse que entrelaçou as pernas bonitas envolta do quadril alheio e rebolou, sentindo o pau dentro de si ir mais fundo e o seu próprio roçar nos gominhos da barriga do maior.

Chanyeol agarrou a cintura alheia com os braços e, sem se retirar do interior apertado, levantou-se com o pequeno e se sentou na cadeira giratória que tinha ali perto com o menor em suas coxas. O Byun entrelaçou os braços em volta do pescoço do outro e passou a quicar com rapidez, alternando com reboladas.

O maior gemia rouco contra o pescoço alheio, gostando de como a pele cheirosa arrepiava com o ar quente que soltava de sua boca. Com uma das mãos, agarrou bruscamente os fios loiros pela nuca e a outra deu um tapa na nádega direita, logo em seguida apertando com força e ajudando os movimentos das sentadas do pequeno. Atacou a boquinha machucada pelas mordidas que o menor dava em si mesmo e chupou com gosto a língua alheia, tirando um gemido manhoso do garoto em seu colo e o interior quente se contrair em volta do seu pau, o que ocasionou um tapa na coxa farta. O suor escorria pelas têmporas do Byun, mesmo com o ar frio do ambiente, e tinha as pernas bambas e quase sem forças, doido pra gozar, e Chanyeol percebendo isso, passou a arremeter contra o menor ao mesmo tempo que ele sentava em si, isso fez o pequeno praticamente gritar e se apoiar no peito alheio, sem forças. Seu interior ficava cada vez mais apertado e sensível, os olhos fechados apertados e o rosto encaixado no pescoço alheio, tremendo com o orgasmo que tomava conta de si. Baekhyun arranhou os braços fortes e mordeu o ombro que se encostava ao que gozou fortemente contra o abdômen que roçava o pau.

Chanyeol se retirou de si e o deixou de bruços contra o balcão. O Byun choramingou por estar sensível demais e sentir o pau alheio adentrar novamente em si, porém não evitou em olhar para trás, diretamente para os olhos do ruivo, e levar as mãos para a própria bunda, abrindo-a em um convite indecente para acabar consigo mais ainda. O maior rosnou com a audácia daquele moleque e agarrou os fios loiros, pressionando a bochecha alheia contra o balcão frio e passou a meter com raiva para que ele não o provocasse mais. O pequeno apenas tinha a boca entreaberta deixando apenas arfares saírem com a dor gostosa que sentia em seu buraquinho por estar sensível demais e o ruivo não ter pena de si.

Com certeza amanhã seria uma luta para levantar da cama, mas valeu a pena.

O loiro rebolou lentamente quando sentiu o outro gozar na camisinha e sair de dentro de seu interior. O cuzinho maltratado estava vermelho e arregaçado, piscando preguiçosamente em volta do vazio. O ruivo não evitou em passar o dedo de leve ali e riu sacana quando o pequeno sobressaltou-se com o susto.

Definitivamente, foi a melhor foda de sua vida e queria repetir qualquer dia desses.

Chanyeol levantou o atendente todo molinho e o sentou na cadeira ali perto, tirando um muxoxo e uma caretinha de dor dele. Vestiu a cueca e a calça no pequeno, tentando não o machucar mais ainda. Se próprio organizou e guardou a arma que tinha deixado por ali na parte de trás da cintura.

ㅡ Você não vai me assaltar? Toma logo ㅡ o loiro pegou o dinheiro que estava contando antes de tudo e estendeu para o outro que negou.

ㅡ Fiquei de bom humor depois da nossa diversão então dessa vez passa. Sempre beija quem te assalta? ㅡ perguntou com graça, rindo escandalosamente quando o atendente desviou o olhar, corado. ㅡ Quando você larga?

ㅡ Eu já estava me arrumando pra ir. Por que?

ㅡ Uma gracinha como você não pode andar sozinho por aí tão tarde e nesse estado. Deixa eu te acompanhar pelo menos até a avenida, vai ㅡ pediu sorrindo galanteador e piscando um olhando.

A sua resposta foi um assentir tímido com um sorrisinho de canto.

7 ноября 2019 г. 21:55:40 0 Отчет Добавить 0
Конец

Об авторе

Laís Rodrigues × Trouxa que sofre por asiáticos e shipps gays × Only Exo-l × Quem shippa hétero e seho, vaza daqui x Fugitiva do spirit

Прокомментируйте

Отправить!
Нет комментариев. Будьте первым!
~

Больше историй