Blue Rose Подписаться

miki Midiã Atalía

Filho de um poderoso duque, o jovem Dimitri vive trancafiado no palácio de seu pai a dezessete anos, sonhando com o mundo a fora. Confiante de seu sonho, o menino decide desobedecer seu pai, e sair as escondidas. Estando lá fora, o jovem garoto finalmente estava livre para explorar, mas essa era a menor das surpresas, pois em uma ferraria na aldeia estava alguém que lhe faria mudar de vida para sempre. Quem seria aquele jovem e rebelde moço que Dimitri viu tanto interesse? Que segredos a família Van Rose esconde? E que mistérios Dimitri terá que desvendar?....


Любовные романы паранормальный 18+.

#ficção #mistérios #fantasia #328 #258 #yaoi
5
4.7k ПРОСМОТРОВ
В процессе - Новая глава Каждые 15 дней
reading time
AA Поделиться

O Muro

Meu nome...é isso que você quer saber?...imagino...afinal...é pra isso que você está aqui...para saber minha história...haha...por favor, não repare minha falta de habilidade com escrita, essa é a primeira história que eu escrevo para um publico...e...bem...haha...para alguém que sempre viveu confinado em um palácio, é difícil lidar com o novo...mas nada que uma boa força de vontade não resolva, certo? Hahahaha...ah...acho que estou enrolando de mais, vamos começar com o que interessa!

Bem! Meu nome é Dimitri Van Rose, tenho dezessete anos e sou filho de Jack e Mary Van Rose. Eu moro em uma área rural, onde fica o palácio de meu pai, e lá moro a dezessete anos, nunca se quer sai para fora. Tenho cabelos muito longos e prateados, pele extremamente pálida, lábios rosados, traços delicados, um corpo pequenino - no que se refere a músculos, eu não tenho dote - sou baixinho, pequeno, tão frágil e delicado quanto uma flor, de voz fina e aveludada, passivo e sereno, um par de grandes e brilhantes olhos azuis me completa. E este sou eu que vus digo, amados leitores, Dimitri Van Rose!...mas sinta-se a vontade para me chamar de Dimi! 

Ah! Uma coisa que quero lhes dizer, é que não sou tão perfeito quanto aparento. Em minha divina beleza ah uma falha, pois um tapa olho de couro negro, revestido com bordões e jóias, cobre meu olho esquerdo. Apesar de parecer estranho, não enxergo mal em meu pequeno defeito, eu até gosto! Pois não é de meu agrado ser perfeito. 

Sou filho de um grande duque, homem poderoso e cheio de riquezas, dono de grandes terras e senhor de negócios, um homem próximo de ser um rei. Esse é meu pai, Jack Van Rose, governador de nossas terras, o homem que os cidadãos temem, aquele que vem recolher a verba que lhe devem, e pune sem dó nem piedade, esse...é meu pai. Sobre a aparência dele você pergunta? Bem! Ele também possui cabelos prateados e olhos azuis, são lisos, médios, e retos, divididos no meio com uma parte atrás da orelha. Meu pai não é muito alto, mas não compartilha o meu nanismo, ele também tem pele pálida e possui aparência adulta - nem um pouco idosa - e sua personalidade é rígida, fria, séria, e de poucas palavras. 

Sobre minha mãe, ela faleceu em meu nascimento e nunca tive a oportunidade de conhece-la. Dizem que ela possuía uma beleza tão divina que era comparada a uma divindade, o que eu não acho que faça sentido, como pode saber que uma divindade é tão bela, se ninguém nunca viu uma? Confuso, não?

Em fim! Por ultimo temos Enor, o velho mordomo da casa. Ele é amigo de confiança de meu pai, e sempre me fez companhia. Pode-se dizer que ele é o xodó de todos! Um amor de pessoa, além de ser o único com quem meu pai passa horas e horas conversando. Me lembro muito bem do dia em que meu pai deixou a porta de seu escritório aberta e eu aproveitei para dar uma espiada no que acontecia. Me lembro de ver meu pai sentado em uma poltrona, perto da janela, conversando abertamente com o velho Enor, que lhe servia uma xícara de chá quente. Queria saber o que estavam conversando, mas era muito novo para compreender.

Ah! Falando nisso, eu nunca entendi o porque de meu pai nunca me deixar sair além dos muros do palácio. Dês de pequeno eu sempre tento arrumar uma maneira de me aventurar para o mundo além das muralhas da pedra, mas Enor sempre me impedia, dizendo que meu pai não iria gostar nada daquilo. Por que ele não gostaria daquilo? Por que ele não me deixa sair? Poxa...chega a ser frustrante se sentir um pássaro na gaiola...mas o que eu posso fazer? Tudo que está ao meu alcance é sonhar, sonhar, e sonhar, sonhar com o mundo a fora e que surpresas ele pode ter pra mim. Ó muro...me pergunto se um dia poderei lhe ver do outro lado.  


29 октября 2018 г. 20:28:49 0 Отчет Добавить 2
Прочтите следующую главу O Pão

Прокомментируйте

Отправить!
Нет комментариев. Будьте первым!
~

Вы наслаждаетесь чтением?

У вас все ещё остались 7 главы в этой истории.
Чтобы продолжить, пожалуйста, зарегистрируйтесь или войдите. Бесплатно!

Войти через Facebook Войти через Twitter

или используйте обычную регистрационную форму