uchihatenshi Tenshi Uchiha

Ele caminhava pelas ruas de Konoha com a cabeça erguida, não se importava com os olhares atravessados, não se importava com o ódio que alguns moradores mostravam contra ele ou se convencera de que não eram tão importante assim. Havia laços em Konoha que nem mesmo sua vingança, sua loucura e seu ódio puderam desfazer.


Фанфик Всех возростов.

#naruto #sasuke #hinata #sasuhina
Короткий рассказ
2
5.1k ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

Oneshot - Girassóis

Ele caminhava pelas ruas de Konoha com a cabeça erguida, não se importava com os olhares atravessados, não se importava com o ódio que alguns moradores mostravam contra ele ou se convencera de que não eram tão importante assim. Havia laços em Konoha que nem mesmo sua vingança, sua loucura e seu ódio puderam desfazer. Havia laços com seu amigo Naruto, que perdera um braço tentando lhe salvar e que por ser teimoso demais para desistir, conseguiu. Naruto serviu de luz para o Moreno no final. Havia Sakura que o amou quando ele não conseguiu amar nem a si mesmo, havia Kakashi que o ensinara, que não pegou leve com ele em nenhum instante, que suportou. O Uchiha caminhava com as mãos nos bolsos de uma calça larga e uma camiseta de seu clã que resaltava seus músculos. Era o último Uchiha vivo, era o legado de seu irmão e pela primeira vez em sua vida, se enchia de orgulho por isso. Trabalhava dia e noite na reconstrução de distrito, participava de missões, obedecia ao Hokage, se encontrava com Naruto para comer em silêncio enquanto escutava o loiro tagarelar.

Havia saído cedo para buscar algumas caixas, decidira que era hora de organizar a casa principal do distrito, isso significava muito lixo, muito trabalho e muitas recordações. Havia se preparado psicologicamente para encontrar as coisas de Itachi intactas, seus livros, suas roupas, suas fotos. Se preparou para pegar os vestidos que sempre lembrava dona Mikoto usar. Se preparou para encarar as coisas organizadas do pai. Enquanto passava pelas ruas ainda era nítido como algumas garotas se interessavam pelo Uchiha. Ele estava mais alto, cabelos maiores caindo sobre a testa. Pose altiva. Um verdadeiro Uchiha.

Ao entrar em sua casa constatou que os cômodos principais estavam organizados e limpos, os quartos estavam limpos, porém todos os objetos estavam no mesmo lugar.

- Tsc. – Fechou os olhos e respirou fundo. Quantas vezes teria de agradecer a Sakura e Naruto?

Começou pelo quarto de Itachi. O pior primeiro.

Separou alguns livros em uma caixa e ficou com outros para o escritório. Colocou as roupas que não usaria em outra caixa e foi amontoando-as em um canto do quarto. As levaria para o Hokage depois, a guerra havia deixado um rastro de necessidades em toda a vila, cansou de agradecer ao retornar e ver seu clã intacto, no fim, foi bom que ele fosse afastado da vila. Organizou o quarto do irmão da mesma maneira que se lembrava e não deixou de pensar em como seria se seu irmão estivesse vivo. Arrependimento pode não matar, mas corroia por dentro e o Uchiha era a prova viva disso, levou o dia para organizar o quarto e deixar as caixas na varanda da casa. Chorou algumas vezes e sentiu o estômago apertar em outras. A solidão era uma dura companheira, ele não estava acostumado em estar ali com ela.

Já era noite quando adentrou o quarto dos pais, separou tudo que estava no quarto, começou pelas coisas do pai. As roupas muito bem organizadas, papéis do distrito e do clã, relatórios, algumas fotos da força policial e outras da família. Separou uma onde estava o pai com os dois filhos, outra onde se encontrava Sasuke e Itachi treinando ao longe e uma última em que toda a família estava junta. Não se lembrava daquelas fotos, mas se lembrou do dia automaticamente e sorriu. Ele se focara tanto tempo nas lembranças erradas. As roupas de sua mãe foram organizadas em duas caixas, as joias separadas em uma pequena, eram joias de família então o Uchiha as daria a sua esposa um dia. Pensou em Sakura e sorriu.

Pegou alguns álbuns de foto e os colocou no chão, começou a folhea-los apenas para não deixar algo importante ser jogado no lixo. Seus dedos pararam na foto de uma garota com as cabelo muito curtos e de um preto azulado, chegando perto a cor dos cabelos de sua mãe, seria uma parente do clã? Observou os olhos da garota da foto, era uma Hyuuga. Aqueles olhos eram de um Hyuuga. Porquê diabos sua mãe teria a foto de uma Hyuuga? Começou a passar foto por foto e reconheceu Hinata, a namorada do dobe. Franziu o cenho. Não gostava do relacionamento dos dois. Torcia para que o loiro fosse feliz, mesmo não admitindo para ele, eram irmãos. Porém nunca gostou. Arregalou os olhos ao encontrar uma foto sua, um eu que não se lembrava mais. Um garotinho com cabelos negros sorrindo abertamente segurando a mão de uma Hyuuga com as bochechas vermelhas. Sasuke sentiu o coração acelerar. A próxima foto eram duas crianças dormindo, um garotinho com a camiseta de seu clã e uma menininha de kimono lilás, dormiam próximos, um virado para o outro. Sacudiu a cabeça. Viu foto por foto, um álbum inteiro com fotos dos Uchihas e dos Hyuuga. Itachi com as duas crianças no colo, seu pai ao lado do patriarca Hyuuga e sua mãe sorrindo com uma outra mulher que era muito parecida com a namorada do dobe atualmente.

Voltou para a foto em que estavam de mãos dadas sorrindo, fechou os olhos e então, ele se lembrou.

- Hina – Ele sorriu ao ver a pequena garota de kimono entrar em sua casa e foi ao seu encontro sorridente.

- Sasuke, leve-a para brincar no jardim enquanto conversamos sim? – Seu pai disse sério e os pequenos correram até o amplo jardim da casa.

Sasuke mostrava as flores que sua mãe cultivava orgulhoso e ensaiou pegar uma para flor para a Hyuuga, mas foi repreendido.

- Sasu, não tire a flor. Mamãe disse que ela morre. – A pequena falou observando a flor que o Uchiha tentara puxar, ele a olhou confuso.

- Mas eu quero dar ela pra você. – Fez um bico e cruzou os braços, ela riu levando a mão a boca.

- Então agora ela é minha e eu gosto dela aí, viva, bonita. – deu um beijo na bochecha do Uchiha e ele corou – Obrigada Sasu-kun. É a primeira flor que ganho.

Ele se virou sorrindo e segurou sua pequenas mãos enquanto ela corava.

- Vou lhe dar flores pra sempre então Hina. – nesse momento sua mãe os chamou para comer da varanda, uma câmera nas mãos e as crianças nem se deram conta da linda foto que foi tirada daquele momento.

Devido a aproximação dos clãs mais poderosos da vila Hinata e Sasuke tiveram um ano para brincar, se divertir e descobrirem o que era gostar de alguém com toda inocência que ainda tinham. Hinata tinha o amor dos pais e o Uchiha tinha a família reunida e feliz. Todos os dias brincavam juntos, mesmo quando seus pais não estavam, suas mães faziam questão de se encontrarem, diziam o quanto os dois ficavam lindos juntos e suspiravam rindo sempre.

Certa noite Sasuke viu quando sua mãe falava sobre o casamento de uma prima e lhe perguntou o que era casamento e porquê as pessoas casavam. Dona Mikoto o colocou no colo e sorriu acariciando a cabeça de seu filho mais novo.

- Casamento Sasuke é quando duas pessoas que se amam muito não conseguem mais ficar longe uma da outra. É quando eles fazem seus votos em frente as pessoas da comunidade a Kami, pedindo para que o amor deles sejam abençoados. Um dia você irá amar muito alguém e querer se casar com essa pessoa, depois ela será sua família.

- Como eu vou saber quem vai ser meu casamento? – Ele perguntou confuso e ela riu baixo.

- Alguém que te faça feliz, que você goste de estar junto, que você queira fazer feliz acima de sua própria felicidade. Você vai sentir aqui – colocou o dedo na altura do coração do filho – e vai saber que é a pessoa com quem quer se casar, que é seu amor. Então vai pedir para que essa pessoa se case com você.

O pequeno a encarava. Então seus olhos brilharam como quem acaba de descobrir algo.

- Eu vou casar com a Hina mamãe.

A mais velha se espantou e depois riu com vontade.

Certo dia foi a vez da família de Sasuke ir ao clã Hyuuga para uma cerimônia de primavera. Sasuke estava decidido a pedir a mão de Hinata em casamento, se só bastava isso eles se casavam e quando crescessem iam morar em outra casa. Simples na cabeça do pequeno. A cerimônia era longa e chata ao ver do pequeno Uchiha, mas valia a pena por Hinata estar usando um vestido que a deixava mais linda que sempre, ela andava ao lado dos pais e participava como representante da família principal sua mãe ostentava uma barriga grande de grávida e ele sempre dizia que a barriga dela iria explodir o que deixava Hinata triste. Quando finalmente conseguiram conversar a Hyuuga disse que tinha um presente para ele e ele a seguiu até o jardim dos Hyuuga, que era lindo de acordo com ele.

- Sasu, o meu presente pra você está nesse jarro – ela apontou pra um jarro médio no canto do jardim com uma pequena folha que brotava da terra. Sasuke torceu a cara.

- Uma folha Hina? – Escutou a risada melodiosa e se voltou a ela.

- É uma flor Sasuke, mas ainda está nascendo, um dia vai crescer e se tornar uma linda flor. – Ela sorriu.

Ele a encarava e ela sentiu as bochechas esquentarem.

- Se... se você não... não quiser, tu...tudo bem Sasu-kun. – Ela dizia sem jeito e completamente envergonhada. Ele tomou suas mãos sorrindo de canto a canto.

- Hina, case comigo.

A pequena se assustou arregalando os olhos e ele percebeu segundos depois que poderia receber um não como resposta. O pequeno coração agora parecia saltar do peito e ele sabia que ela o escutava, porque ele escutava o dela também.

- Ha- hai Sasuke-kun. – Ela respondeu mais vermelha do que ele se lembrava qualquer dia.

Ele sorriu mais abertamente.

- Então agora somos casados. Minha mãe chama meu pai de amor e ela disse que os casados tem apelidos, então eu tenho um pra você Hina.

Ela o olhava com um sorriso tímido nos lábios.

- Você é minha lua.

Ele sorriu satisfeito feito a Hyuuga vermelha. Então um rapaz de olhos iguais ao de Hinata apareceu na varanda os chamando a entrar. Sasuke correu pra o jarro e tentou levanta-lo sem sucessoa, a Hyuuga ria.

- Mamãe vai pedir para deixarem na sua casa nos próximos dias. – Ela disse e já se encaminhava para varanda – Venha Sasu – estendeu a mão em direção ao garoto que correu e a segurou com delicadeza. Eram casamentados como ele disse para sua mãe quando chegou em casa.

Sasuke abriu os olhos encarando o teto branco, sentou-se na cama ainda assustado com as fotos espalhadas no chão e a dos garotinhos sorrindo em suas mãos. Ele se lembrara. No outro dia o clã Uchiha foi massacrado e não houve flor, tampouco casamento entre os clãs. Os dois nunca mais se falaram e o Uchiha sequer se lembrou disso. Foi tomar um banho para retomar seus trabalhos no distrito e não jogou fora nenhuma foto, as guardou no fundo de uma caixa e colocou no armário do escritório. Tivera um dia cansativo e resolveu comer em um restaurante próximo ao prédio da Hokage, onde havia os melhores tomates da vila.

- Saaaaaaasukeeeee – Ouviu a voz tal conhecida e se virou pronto para espanca-lo em via pública. Naruto era muito irritante na maioria do tempo. Fechou as mãos em punho e se virou com raiva, estancou no momento em que encontrou dois orbes perolados a encara-lo.

- Naruto-kun é um pouco escandaloso. – ela sorriu tímida e o Uchiha reconheceu o sorriso.

- Tsc. – ele fez um barulho entre dentes.

- Teme, vamos comer em um restaurante, o que acha? Venha comer conosco – Virou-se para Hinata – Você se importa Hina?

Hina.

Ele também a chamava de Hina.

- Nã...não, Naruto-kun. – ela ficou vermelha com o loiro tão próximo a seu rosto. Então ela se virou para o moreno que os encaravam. – Nos acompanhe Uchiha-san.

Ela não se lembrava afinal. Deu de ombros, não se importaria com isso. Acompanhou o casal e passaram a noite conversando sobre missões, relembrando o passado, passaram bastante tempo conversando quando decidiram se despedir. Ambos estavam na porta do restaurante e Naruto foi a frente para conversar com a antiga Hokage que estava apressada pela rua de Konoha. Os dois morenos observavam a conversa que se dava com Naruto falando, Tsunade gritando e vez ou outra socando a cabeça de Naruto que soltava gritos estridentes e logo recomeçava a chama-la de velha e vovó.

- É... é melhor eu ir antes que Naruto precise de um médico. – Ela falou baixo ainda olhando para o namorado a sua frente, o Uchiha a encarava.

Naruto era uma pessoa de sorte, não desejaria mulher melhor para o amigo, mesmo agora entendendo o porquê de não gostar do relacionamento dos dois, sabia também que não merecia aquela mulher. Não merecia o sorriso que ela dava ao olhar para Naruto e a única coisa que teria dela, seriam as lembranças recém adquiridas e as fotos muito bem guardadas e escondidas no fundo de uma caixa. Era claro que ela amava Naruto, seus olhos amorosos sempre que se referia a ele, como seu corpo se movia acompanhando o corpo do loiro em coisas simples como enquanto comiam e os dois pareciam não perceber isso, mas o Uchiha notara.

- Boa noite Uchiha-san. – Ela sorriu para o Uchiha e caminhou para onde o namorado estava.

Sasuke virou-se já tomando o caminho de sua casa.

- Boa noite lua. – disse baixo para que ninguém escutasse, mas Hinata parou e olhou para as costas do Uchiha que não se deu conta do pequeno sorriso que se formara nos lábios da Hyuuga.

Era de manhã e Sasuke se levantaram sem problemas com o sono. Um costume feito ao longo dos anos. Fez sua higiene pessoal e desceu para preparar o café. Hoje era dia de cuidar do jardim. Suspirou. Deveria chamar alguém para fazê-lo, achou melhor conferir o estado do jardim da casa. Ao abrir a porta encontrou um jarro marrom, certamente era antigo, aquele jarro não estava ali ontem a noite, o moreno repassou a varanda em sua memória e constatou que foi colocado a pouco. O jarro estava abrigando vários girassóis floridos de diversos tamanhos, entre eles um pequeno papel se destacava.

“Os girassóis costumam dar muitas sementes, então quando eles secarem, apenas retire os que morreram que a própria natureza os trará de volta na primavera seguinte, regue-os Uchiha, não os deixei morrer durante todo o tempo que esteve fora, agora pode cuidar deles por conta própria.

Hinata.”

O Uchiha sorriu. Realmente em Konoha haviam laços que nunca se romperiam. Decidiu que ele mesmo cuidaria do jardim e aquele vaso seria o centro dele.

10 мая 2018 г. 0:43:47 1 Отчет Добавить Подписаться
2
Конец

Об авторе

Прокомментируйте

Отправить!
Aoi Moon Aoi Moon
Como que essa joia não tem mais comentários? Não importa! Sua oneshot é perfeita, simples assim!
~

Похожие истории