keehuchiha Kelen Cintia

Hinata encontra um bebê em sua porta e passa a cria-la como se fosse seu. Sasuke procura sua mulher e filha que foram sequestradas a 7 anos O destino põe pai e filha frente a frente... Hinata descobre que pode perder a filha a qualquer momento.. *Fanfic sendo postada na Spirit também.*


Фанфик 18+.

#Naruto #Sasuke #Sakura #Hinata #SasuHina
9
7.9k ПРОСМОТРОВ
В процессе - Новая глава Каждые 10 дней
reading time
AA Поделиться

Prólogo.

O inverno em Konoha sempre foi regado a noites de tempestade, nessas noites as ruas ficavam desertas, todos preferiam ficar em casa ao redor da lareira quentinha.

Era pra ser apenas mais uma noite comum de inverno pra morena que andava apresada rumo ao sua casa , os cabelos curtos pregavam no seu rosto, a chuva a pegou de surpresa e tudo que ela queria era chegar em sua casa o mais rápido possível. Tudo bem a noite não era tão comum já que acabará de pegar seu namorado com outra, Toroni nunca a amou, tudo não passava de interesse na empresa da sua família.
Byakugan Corporation era uma das mais famosas empresas de marketing das cinco nações. Seu pai a apoiaria, ele sempre a apoiava em tudo, não seria diferente com esse caso.
Três anos de namoro jogados no lixo, ela tinha tantos planos Deus... Eram tantas coisas que se passavam em sua cabeça, ela havia abandonado o carro em frente ao prédio do ex, não tinha cabeça pra dirigir e tudo que não precisa no momento era sofrer um acidente, o que precisava era seguir em frente.
Seus pés doiam, algumas poucas pessoas que passavam na rua a olhavam pareciam sentir pena da sua situação. Tudo parecia passar em câmera lenta, os carros, as pessoas, a água em sua roupa parecia pesssar toneladas.
Finalmente ela avistou a sua casa, ela abriu o portão que estava encostado, o que ela estranhou um pouco, mas não tinha cabeça pra aquilo, precisava de um banho, algo quente e de sua cama.
Seus olhos se arregalaram quando viu um cestinho na porta da sua casa, ela se aproximou com cuidado e se assustou, viu isso em livros, em novelas e soube de alguns casos por jornais mas nunca imaginou aquilo acontecendo com ela.
Dentro da cestinha bem enrolada estava um bebê que dormia serenamente, tinha os cabelos bem negros, os traços fortes e delicados, era lindo, assim que ela tocou a bochecha daquele pequeno ser, ele sorriu, um sorriso contido, mas capaz de derreter até o mais duro coração.
Seu coração palpitou e não pode deixar de sorrir também.
Ela pegou o cesto e entrou na casa, aparentemente não havia ninguém em casa.
Rapidamente ela subiu pro seu quarto pôs o cesto em cima da cama e foi até o banheiro, parecia que o cansaço nunca havia existido, ela sentia vontade de proteger aquele pequeno anjo e ela o faria. Hinata sempre amou crianças, sempre sonhou em ser mãe, talvez o pai não concordasse, mas ela bateria o pé, nem que tivesse que sair de casa, ela cuidaria daquele bebê.
Aquele era seu novo começo...
•••
O patriarca chegou tarde aquela noite, estava cansado assim que abriu a porta deu de cara com sua primogênita sentada em uma poltrona parecia pensativa.
— ainda acordada filha.— perguntou ele.
— sim... Pai, eu queria conversar algo muito sério com você. — ela respondeu séria.
— claro minha filha.— ele respondeu e sorriu. Ele tirou os sapatos, deixou a pasta de lado e se sentou de frente pra filha em uma outra poltrona.
— eu terminei com o Toreni. Antes que o senhor fale algo... Eu peguei ele com outra, ele não me amava papai.— ela deixou algumas lágrimas rolarem livres.
— minha filha...— Hiashi falou sentindo a dor da primogênita. — eu sempre estive do seu lado e agora não será diferente.— ele a puxou pra um abraço e beijou o topo de sua testa.
— não é só isso.— ela se afastou e limpou as lágrimas.
— o que mais aconteceu filha?— ele perguntou já preocupado.
— pai quando eu voltava da casa do Toroni eu cheguei em casa e na porta tinha uma cestinha. E... Tinha um bebê dentro. — ela falou receosa.
— e onde tá essa criança, temos que ligar pra polícia pra...
— não vamos ligar pra polícia pai. Eu... Quero cuidar desse bebê, se deixaram aqui é porque kami tem algo maior reservado pra nós.— ela cortou a fala do pai.
— você só tem dezoito anos Hinata.— contestou.
— pai por favor, essa é minha chance de recomeçar eu quero esse bebê. — protestou a mais nova.
— filha... — o mais velho ponderou, Hinata praticamente criou a irmã mais nova ela era responsável o suficiente disso não tinha dúvidas. — está bem.
O mais velho concordou passando os dedos nas têmporas, e recebeu um abraço e um beijo de agradecimento da filha.
— vou falar com um advogado ver quais medidas legais podemos tomar pra que isso não se torne um problema no futuro. — Hiashi falou já se levantando.
— pai, eu queria que essa criança crescesse pensando que é realmente minha filha.— ela falou encarando a lareira.— quero que ela seja uma criança normal.
Ele parou e se virou a encarando.— amanhã resolvemos isso.
— certo. Boa noite pai.
— boa noite minha filha.
7 anos depois....
Ele bebia seu whisky importado olhando pela grande janela da empresa, se Sakura o visse agora o jogaria dali de cima.
Mas ela não estava. Fazia sete anos que Sakura e sua filha recém nascida haviam sido sequestradas por um CEO da sua empresa e tudo que lhe sobrou foi a solidão.
— alguma novidade? — o moreno perguntou.
— não. — o homem respondeu e se levantou. — você...— ele exitou Sasuke podia ser muito assustador quando queria.
— diga.— ele falou.
— já pensou que talvez Sakura não queira ser encontrada? Já faz sete anos, nunca mandaram um pedido de resgate.— Shikamaru falou.
Sasuke se virou e jogou o copo de vidro no chão.
— não venha com suposições Nara. Eu quero minha mulher e minha filha, quero fatos.— o Uchiha aumentou o ton de voz.
Shikamaru respirou fundo e passou as mãos no rosto. — tudo bem.— ele deixou a sala.
Tanto dinheiro e não servia nem pra encontrar a filha e mulher desaparecidas.
— droga.— Sasuke bateu na mesa.
Um porta retratos caiu quebrando o vidro. Ele juntou e olhou a foto.
A mulher de cabelos róseos sorridente com um bebê no colo, e Sasuke beijando o topo da cabeça da mulher, estavam felizes.
— se continuar assim vou ter que te enternar.— a voz do loiro chamou sua atenção.
— Naruto? O que está fazendo aqui?— o moreno perguntou.
— vim me despedir.— ele falou sorrindo.
— despedir?! Vai pra onde?— Sasuke questionou.
— vou viajar a negócios, esqueceu o contrato que vamos assinar com a Hyuuga corporação.— o loiro falou sorridente.— dizem que a filha do dono é linda.
— você não vai pra paquerar Naruto. — Sasuke repreendeu.
— eu sei, sei, não precisa ficar com ciúmes daqui uma semana eu volto amor.— Naruto jogou beijo pro moreno e correu pra fora da sala rindo.
— idiota. — Sasuke riu, podia se passar anos mas seu melhor amigo não mudava.
•••
— Himaware! Vamos você vai se atrasar. — a morena gritou ao pé da escada.
— já vou mamãe. — a garota respondeu descendo apressada.
— livros? — Hinata perguntou.
— aqui.
— lanche?
— também aqui, não precisa se preocupar Hyuuga Hinata, não sou mais criança.— a garota respondeu.
— você só tem seis anos, ainda é minha garotinha. — Hinata beijou o topo da testa da filha.
Himaware esse foi o nome escolhido para a pequena, Hinata sempre quis por esse nome em sua filha, Hima como ela a chamava as vezes era muito independente, a Hyuuga não gostava disso, ela queria sempre está ali segurando a mão da sua garotinha, ela queria sempre a proteger como fez a sete anos atrás quando a encontrou em sua porta.
Não foi fácil convencer que a garota era sua filha, por isso passou algum tempo fora das vistas da mídia, também não foi fácil aguentar alguns olhares reprovadores por ser mãe solteira, não foi fácil calar a boca do ex namorado. Mas em compensação foi muito fácil amar a pequena, Hiashi era um avô babão e Hanabi era uma tia maluca, quando seu primo voltou de viagem no começo rejeitou a garotinha mas aos poucos se tornou um tio super protetor.
O carro parou em frente a escola da menina Hinata a olhou sair do carro e adentrar o colégio. Himaware perguntava sempre pelo pai, e porque ela tinha olhos diferentes, Hinata dizia que ela era muito parecida com o pai e que ele havia ido embora antes de saber que ela estava grávida e tinham perdido contato.
A Hyuuga sabia que a mentira não se sustentaria por muito tempo, Hima era esperta, esperta de mais pra idade.
Seu telefone tocou era Ino sua secretária e amiga.
—oi.
— Hinata, você esqueceu que tem que buscar o senhor Uzumaki no aeroporto, ele deve estar chegando. — a loira falou desesperada.
— não esqueci Ino, estou indo, não se preocupa.— ela falou sorrindo do exagero da secretária.
O dia seria longo e ainda era segunda-feira...
28 февраля 2018 г. 16:44:51 0 Отчет Добавить Подписаться
0
Прочтите следующую главу Destino

Прокомментируйте

Отправить!
Нет комментариев. Будьте первым!
~

Вы наслаждаетесь чтением?

У вас все ещё остались 1 главы в этой истории.
Чтобы продолжить, пожалуйста, зарегистрируйтесь или войдите. Бесплатно!

Войти через Facebook Войти через Twitter

или используйте обычную регистрационную форму