ageha_sakura Ageha Sakura

Era uma vez, num reino muito distante, um jovem príncipe ômega prisioneiro no topo de uma torre, que possuía beleza e cheiro sem igual, que conquistou o coração do herdeiro do reino vizinho e fugiu junto dele em busca de um futuro melhor. Um lugar somente deles, onde os campos eram floridos e os cheiros de mirtilo banhado a mel junto ao de cerejas com pitada de hortelã se misturavam formando uma nova receita. A receita do amor.


Фанфик Группы / Singers 13+.

#vkook #taekook #kookv #abo #royal #taegguk #taehyungalfa #jungkookomega #taeguk
0
653 ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

Único: a receita do amor

Bom dia / Boa tarde / Boa noite


Sejam todos bem vindos a "Myrttilus"!


Escrevi essa oneshot para o meu debut no projeto VISLAND no Spirit, mas que infelizmente agora não faço mais parte e com permissão estou publicando também aqui no Wattpad. Então quem utiliza essa plataforma e puder apoiá-los vou ficar muito feliz.


Tenham uma boa leitura 💞


__________________


O sol nascia mostrando toda a sua soberania e pintando o céu azulado em vários tons diferentes.


As pessoas iam despertando aos poucos e saindo para as ruas, os comércios começavam a abrir, enquanto no belo palácio de Florença os empregados corriam para todos os lados.


Precisavam deixar tudo preparado para quando a comitiva real do reino vizinho chegasse, nada poderia dar errado naquele dia.


No andar mais alto, localizado no topo da torre do castelo, e longe de toda aquela baderna, estava o príncipe herdeiro, a admiração de todos daquele reino.


Dormia como um anjo sobre os lençóis macios de seda, os fios escuros bagunçados e a respiração leve como pluma.


Um doce ômega, que possuía o cheiro mais atrativo e único do mundo. Sua pele clara se assemelhava ao marfim, seus fios e olhos negrumes escuros como as penas de um corvo.


Uma beleza etéreo, incomparável, nenhum outro poderia ter herdado tamanha exuberância concedida pelos deuses como ele.


Mas toda essa beleza exigia um preço muito alto a se pagar, a sua liberdade.


Jeon Jeongguk fora tratado como um prisioneiro, preso no topo daquela torre, trancado a sete chaves e escondido de todo o mundo.


Sua beleza e personalidade somente eram conhecidas por livros e pergaminhos escritos pela própria realeza, ninguém fora os nobres, que adentraram o quarto, poderiam vislumbrá-lo.


Seus pais temiam o pior caso alguém o visse, por isso desde seu nascimento ele se encontrava ali.


Sozinho, sem ninguém para conversar ou contar seus problemas e angústias.


O belo ômega despertou aos poucos do mundo dos sonhos — o único ponto de fuga, que podia tirá-lo da sua verdadeira realidade — e levantou-se preguiçosamente enquanto sua vista ia se acostumando com a pouca luminosidade do ambiente.


Abriu a janela e deixou-se apreciar com a fria brisa, que o abraçava carinhosamente. Os raios tocavam sua pele e deixavam ainda mais brilhosa, seu cheiro de mirtilos com mel se espalhava e chegava aos olfatos de cada um naquele reino.


Ninguém nunca soube de quem era aquele cheiro tão delicioso, que aflorava cada sentido e fazia a pele formigar. Era um completo mistério.


Os fios negros como uma noite sem estrelas se encontravam ainda mais bagunçados, mas sem se importar ele permaneceu na mesma posição, aproveitando cada milésimo, que podia, daquele contato com a natureza.


Sem se dar conta sua voz já se encontrava entonando uma melodia qualquer, que aprendeu há alguns dias.


Seu sorriso resplandecente adornava o rosto belo, mas o coração batia triste por não poder sair e conhecer cada lugar daquele mundo.


— Todos os dias me pergunto o porquê de me manterem aqui todos os dias. — Soltou um fraco suspiro. — Ninguém sequer fala comigo, não recebo visitas nem mesmo da minha família, não conheço ninguém deste lugar. — Levou sua destra até os fios bagunçados e os apertou sem muita força. — Queria poder experimentar as delícias do mundo ali fora. Parece tão perto, mas ao mesmo tempo tão distante.


Resolveu se afastar da janela e ir se lavar. Encheu a banheira redonda até a metade, jogou algumas pétalas de flores, que estava a disposição no lugar, e deixou que o robe de linho fosse ao chão, adentrou sentindo a água fria causando pequenos calafrios, que aos poucos foram sendo substituídos por uma sensação deliciosa.


Brincou com as pétalas e até mesmo conversou sozinho como sempre fazia — havia se tornado um ato costumeiro devido a situação em que se encontrava.


Ele já havia se imaginado longe daquelas paredes várias vezes. Parecia um sonho impossível, inimaginável e impensável. Estava ali desde que se entendia por gente, nunca pôde receber a oportunidade de pôr seus pés para fora daquele cubículo. Era e sempre seria apenas um prisioneiro.


Amaldiçoou-se diversas vezes por ter nascido com tais características; perdeu as contas do quanto optou por tirar sua vida. Para si não existia razões suficientes que explicasse o que faziam consigo.


Seu peito dilacerava sempre em saber que nunca trocou palavras com uma pessoa sequer.


Do que me adianta ter a permissão de ser visitado por nobres se nenhum deles vêm me ver? Esse questionamento nunca saía de sua mente. Nem nobres e nem seus pais vinham a este lugar vê-lo.


Ele era importante de verdade ou não passava de apenas uma mercadoria que seria oferecida para algum rei maníaco?

Estava sendo trancafiado no topo de uma torre, apesar de toda mordomia, ele ainda era apenas uma moeda de troca.


Queria ter poderes mágicos e mudar toda a sua história, do começo ao fim, reviver uma vida nova, com pessoas novas e um mundo novo.


Queria saber o verdadeiro significado de viver, de temer a morte, de provar dos mais diversos sabores e conhecer o famoso amor. Queria apenas ser um humano como qualquer outro, liberar seu instinto selvagem sempre que pudesse.


Sua mente sempre perdida em tantos pensamentos, teorias de uma outra vida tão ansiada por si. Seu coração vazio, o que antes era tristeza apenas lhe restou algo oco, que bate sem motivos claros e precisos.


Jeongguk gostaria de encontrar uma razão para viver.


Depois de toda essa reflexão uma brilhante ideia surgiu em sua mente. Ele iria fugir!


Saiu do lavabo, enxugou todo seu corpo de forma delicada enquanto um sorriso diferenciado — repleto de uma malícia antes desconhecida por si — adorna sua face resplandecente.


Procurou pela veste perfeita, pois se era para sair o faria em grande estilo.


Nunca havia encontrado razões para se arrumar, contudo, este tão esperado momento havia chegado. Ria de si mesmo por pensar em coisas desse tipo, pois sempre foi treinado para ser um rapaz exemplar, fino e belo.


Gostaria de trazer toda essa rebeldia para o seu DNA e fazer diversas modificações. Um novo Jeongguk.


[.🌾.]


Os preparativos estavam quase prontos, faltavam apenas alguns mínimos detalhes e tudo estaria completo.


A Rainha fazia questão de verificar tudo para obter a certeza de que nada, absolutamente nada iria dar errado.


Esse jantar era um grande marco, um passo longo para o avanço do reino e a formação de uma aliança para fortalecerem-os.


Tudo seria como nos planos de seu marido: Jeongguk casaria com o príncipe do Reino Ametista e assim a aliança seria formada, dando uma parte das terras para o vosso domínio.


Tudo estava dentro dos conformes.


O rebuliço na cozinha era grandioso, todos os funcionários e servos corriam desesperados preparando o grande banquete.


Ao longe o ressoar de trombetas pôde ser ouvido por todo o reino, assim assustando todos, que se viraram como puderam para deixarem tudo pronto.


Eles haviam chegado! Todos exclamavam com toda a força de seus pulmões, se desesperando mais ainda.


A Rainha Jeon ajeitou suas vestes e se preparou para receber os convidados. Abriu as portas e se posicionou ereta com a pose de uma verdadeira soberana.


A carruagem luxuosa, enfeitada com diversas pedrarias e alguns enfeites de ouro com o brasão real, chamava atenção por onde passava. Todos se encontravam extasiados com a novidade de saberem que em breve conheceriam o famoso príncipe Kim.


Após o veículo estacionar em frente ao palácio suas portas foram abertas, assim revelando o Rei Kim e o seu herdeiro de sucessão ao trono, Kim TaeHyung.


— É um prazer recebê-los em meu palácio! Fiquem à vontade, nossa casa também é vossa. — A Rainha Jeon fez uma breve reverência, em seguida teve sua mão segurada com delicadeza pelo Soberano do Reino Ametista, que depositou-lhe um breve selar.


TaeHyung apenas se curvou em respeito a mulher a sua frente, porém em seu interior não conseguia gostar daquela mulher de forma alguma.


Depois das saudações, todos adentraram o palácio e se dirigiram aos seus aposentos. A viagem tinha sido cansativa e logo mais ao anoitecer teriam um grande banquete de recepção.


O jovem herdeiro se jogou na cama macia coberta por lençóis de linho e fechou seus olhos tentando dormir, contudo a ansiedade em saber que conheceria o príncipe Jeon estava o impedindo de realizar este ato.


O alfa já tinha ouvido falar muitas vezes sobre o ômega, seja sobre sua beleza, ou sobre como seu cheiro era deveras raro e delicioso. Mas o que ele gostaria de saber de verdade era quem era Jeon Jeongguk.


Inconscientemente um sorriso doce adornou seus lábios, somente em imaginar os gostos do outro, saber sobre o seu passatempo favorito, seus segredos. Tudo. Queria conhecer cada mínimo detalhe seu.


Com toda essa sensação gostosa lhe adornando, como uma paixão premeditada, o mesmo se levantou e saiu escondido de seu quarto. Iria tentar buscar pelo seu futuro marido.


[.🍇.]


Estava impecável.


Olhou-se tantas vezes no espelho admirando o quão belo estava trajando aquelas vestes. Queria ter um certeza de que não iria voltar atrás em sua decisão. Era tudo ou nada.


Temia por seu plano acabar não dando certo, mas a pontada de esperança o mantia firme e disposto a enfrentar todos os desafios, que fossem necessários.


Certificou se as cordas feitas com os lençóis de linho estavam bem seguras, pois se não conseguisse destravar a porta iria pela janela.


Ele sabia plenamente o risco que corria, o quão perigosa era a situação em que estava se envolvendo, entretanto, não desistiria agora e seguiria até o fim. Seria enfim livre!


O nervosismo estava claro em sua face, por isso cantou a música que sempre o acalmava. Aos poucos ela foi fazendo efeito e o medo ia se dissipando, sendo levado pelo vento que vinha da única janela.


Devido a sua alegria acabou liberando seu doce cheiro, deixando o sabor dos mirtilos com mel seduzirem cada um que estivesse por perto.


Seus olhos brilharam num tom azulado por algum momento e seu ômega sentiu uma presença, que parecia tão conhecida por si.


Ele nunca havia sentido essa sensação, como se estivesse conhecendo o seu alfa.


Levantou-se indo em direção a porta, deixando sua mão escorregar pela madeira grossa e áspera. Seu coração parecia estar chamando por alguém que ele não sabia quem era.


[.🌾.]


Depois de desviar de tantos empregados, TaeHyung conseguiu se aproximar na escadaria, que levava ao topo da torre, onde estava o seu príncipe.


Olhou ao redor para ter certeza se ninguém estava vendo-o naquele momento, pois sabia que corria risco de receber uma grande punição por invadir o quarto de Jeongguk.


Subiu os degraus com calma, evitando barulhos desnecessários, sabia que tinha um longo caminho a percorrer até chegar no topo.


Seus sentidos estavam aguçados para impedir que alguém o descobrisse. Era cauteloso em todos os momentos, evitando ser pego por quer quem estivesse vigiando o ômega.


Depois de tanto subir, suas pernas começavam a ficarem doloridas. O cansaço se fazia presente, contudo ele não desistira agora que estava tão perto.


Faltando apenas mais alguns degraus seu olfato pôde desfrutar de um delicioso cheiro, que lembrava ao gosto de doces mirtilos umedecidos a uma vasilha de mel. Uma pitada primaveril e única, um aroma jamais encontrado em lugar algum.


Então esse é o famoso odor do Jeon? Que perfeição! Pensou TaeHyung ao sentir seu alfa interior aflorar, fazendo-o soltar um grunhido baixo e as íris ganharem uma coloração esverdeada.


Era tão diferente, quanto mais se aproximava e sentia com clareza o cheiro, mais seu coração palpitava e seu lado alfa se mostrava perturbado.


Agora cara a cara com a porta percebeu que não havia ninguém tomando de conta do príncipe — o que achou deveras estranho.


Tomou coragem para enfim levar sua destra a porta e depositar leves batidas, estas que assustaram o ômega, que jamais esperou por alguém batendo em sua porta.


— Príncipe Jeon? Você está aqui, não é? – Perguntou meio incerto tentando controlar as batidas do seu coração.


— S-Sim... Quem és tu? – Se sentiu nas nuvens ao escutar aquela voz rouca o chamando, mas a curiosidade falava mais alto.


— Pode parecer estranho, mas sou seu futuro marido. Gostaria de me apresentar melhor, mas cara a cara com você. — Fitou a porta tentando criar uma imagem baseada nos pais do mesmo.


Marido? Não pensei que meus pais já tinham me arranjado um pretendente... — soltou um suspiro fraco e prosseguiu: — Deve haver alguma chave do lado de fora, se não existir pode q-quebrá-la.


— Está bem, como desejar.


Buscou pela chave em cada lugar, contudo não a encontrou e por isso comunicou ao ômega para se afastar da porta. Manteve uma distância boa o suficiente para correr com todas as suas forças e chutar a porta, forçando-a a abrir.


O estrondo foi enorme! Preocupou-se se os criados haviam escutado, porém preferiu se preocupar com Jeongguk e saber se não estava ferido.


— Jeongguk? — Chamou pelo mesmo em meio a névoa formada pela poeira.


— Aqui!


Olhou na direção onde a voz foi escutada e se aproximou, temeroso, do ser escondido atrás da cama.


Quando o outro virou seu rosto e o olhou pôde sentir seu coração batendo ainda mais rápido. Sua pele parecia formigar, suas mãos suavam e seus olhos brilhavam intensamente no tom esmeralda.


O Jeon não estava diferente de si. Seu estômago parecia que iria explodir de tanto que as famosas borboletas se mexiam. Sua derme queimava em ansiedade por querer um contato com a derme do alfa a sua frente. Seus olhos emitiam um brilho forte no tom azul celeste, capazes de transmitir um céu estrelado repleto de estrelas que brilhavam intensamente.


Por um instante, que mais se assemelhava a uma eternidade, eles se fitaram intensamente deixando que seus cheiros se mostrassem ainda mais fortes. Estavam envolta de uma bolha, onde ali somente eles existiam e nada mais.


— Satisfação em conhecê-lo, Majestade. — Curvou-se sem parar de fitá-lo por um instante sequer.


— Faço das suas palavras as minhas, Alteza. — Repetiu o mesmo movimento dele, impedindo que aquele clima agradável se dissipasse.


— Havia escutado muitos boatos sobre tu, mas jamais imaginei que nenhum deles era capaz de me informar com clareza como é você. — Aproximou-se o suficiente para mexer mais um pouco com o ômega. — Estou feliz por ter recebido o prazer em estar aqui, cara à cara com você. — Informou fazendo questão de frisar o que julgou ser importante.


— Fico lisonjeado com tantos elogios, porém não sou digno de recebê-los. — Mostrou-lhe um sorriso ladino e avançou mais um passo. — Se me permite dizer... tu também és belo, até demais.


TaeHyung não resistiu em soltar uma leve risada em resposta ao que o mesmo tinha lhe dito.


— Além de belo és ousado! Estou impressionado consigo. — Mesmo que contra a sua vontade se afastou, sentando na cama grande e macia.


— Digo isso de você! Quem diria que alguém que possui tamanha beleza poderia conter um pouco de idiotice. Muito tolo para vir até aqui, arriscando não somente a si, mas o seu reino também. — Sentou-se ao lado do mesmo, fitando-o sem parar.


"Somente os tolos são capazes de amar." — Encarou-o de volta. — Minha mãe disse-me isso uma vez, creio que esta frase se aplica a esse momento.


— E Vossa Alteza me ama sem nem mesmo me conhecer? — Perguntou sem conter seu tom repleto de ironia.


— Se isso é amor ou apenas uma ilusão criada pela minha cabeça já não sei, contudo podemos tornar esses sentimentos realistas. — Sorriu de forma presunçosa.


— E o Milorde poderia me mostrar? — Aproximou-se sorrindo largamente.


— Se és o que Vossa Majestade deseja, sim. — Agora mais perto, com os rostos quase colados eles se fitavam intensamente sem abandonar aquele tom ardido repleto de sarcasmo.


Interessante... — se afastou, se levantando em seguida — Entretanto, preciso de um favor seu antes de se dispor a mostrar-me tais sentimentos.


— E qual seria? Faço qualquer coisa!


Qualquer coisa? Tem certeza que estás disposto a arriscar sua própria vida e a de seu povo se for necessário? — Interrogou-o para ter a certeza que tanto precisava.


Absoluta! — Levantou-se agora ficando frente à frente novamente. — Não temo a nada, se for pelo seu bem.


— Muito bem! — Acariciou os fios dourados como o pôr do sol. — Preciso que me ajude a fugir desse palácio, estou cansado de ficar preso nessa torre! Não quero mais ser apenas uma mercadoria de troca!


O Kim se assustou por um breve momento. Não esperava essa proposta tão perigosa e arriscada, todavia ele havia prometido e não voltaria atrás com a sua palavra.


— Se é isso o que desejas será uma ordem. — Segurou uma das mãos de Jeongguk e depositou um breve selar na epiderme macia, jurando internamente a si fidelidade ao mesmo.


— Obrigado, serei eternamente grato a ti. — Sorriu docemente. — Mas você não me informou seu nome e a que Reino pertence.


— Oh! Me desculpe! — Abriu um largo sorriso retangular quase infantil. — Me chamo Kim TaeHyung, herdeiro do trono do Reino Ametista, prometido a casar com Jeon Jeongguk, herdeiro do reino Florença.


A confusão havia sido tanta que Jeon tinha esquecido que ele era o seu noivo. Não resistiu em rir da situação em que se colocou, sendo em seguida acompanhado pelo outro.


— Que ironia o destino nos reservou, não é mesmo? — Perguntou sem desfazer o clima divertido.


— Com toda certeza! — Fitou-o em silêncio por um instante. — Que destino brincalhão esse, não acha?


— Claro, mas são essas brincadeiras que tornam tudo melhor.


— Concordo plenamente com você.


[.🍇.]


Depois da longa conversa que tiveram, o Kim saiu consertando a porta e esquematizou tudo com Jeongguk antes de descer e se arrumar para o banquete.


Tomou banho com ervas medicinais para relaxar sua musculatura tensa, deixando-o com uma aparência ainda mais radiante que o próprio sol.


Vestiu-se com roupas deveras elegantes, repletas de pedrarias, que lembravam as riquezas de seu reino, com uma beleza do azul turquesa, que combinou perfeitamente com o tom de sua pele amorenada.


Os fios dourados bem alinhados e mais brilhantes que nunca, um perfume adocicado para se misturar ao seu odor natural de cereja e hortelã.


Estava esplêndido!


Ao colocarem sua capa real e a coroa, pôde finalmente ser levado ao salão real, onde foi apresentado devidamente pelo anunciador.


Conversou com muitos nobres diferentes, foi apresentado a várias damas, que se encantaram consigo, contudo mantiveram distância pois sabiam que já estava prometido.


Depois de toda aquela movimentação ele se sentia encurralado, sem ar. Sentia falta de Jeongguk, não entendia o motivo de o mesmo não estar na festa de apresentação. Aproximou-se do Rei Jeon e lhe dirigiu a palavra.


— Senhor, me perdoe a intromissão, porém este banquete deveria ser também o de apresentação do meu noivo, ou estou enganado?


O homem ficou em silêncio por algum tempo, o que deixou TaeHyung bastante incomodado.


— Não queria ter de falar um assunto um tanto impróprio, entretanto Jeongguk não virá. — Bebeu um pouco do vinho. — Ele tentou escapar da torre. Não sabemos quem tentou ajudá-lo, todavia tomaremos as medidas necessárias.


Engoliu em seco ao ouvir aquilo.


Como descobriram que Jeongguk iria fugir? Tenho certeza que me certifiquei de não estar sendo seguido. Impossível!


— Espero que tomem as devidas providências. — Olhou ao redor para ter certeza de que ninguém mais estava escutando-os. — Então não poderei conhecer meu noivo? Uma pena... — Fez sua melhor expressão de desapontamento para tentar comover o coração duro do outro.


— Posso abrir uma exceção. — Bebeu o restante do conteúdo e deixou a taça de prata em cima da mesa. — Ele está no calabouço. Guarda! Leve-o ao príncipe.


O guarda real se curvou, acatando a ordem e levando TaeHyung ao encontro de seu futuro marido.


O caminho era escuro e deveras estreito. Estava possesso de raiva por saber que o Rei tinha sido tão cruel a trancafiar seu filho mais uma vez. Chegou dando de cara com o ômega entristecido, encolhido no chão sujo daquela sela.


— Alteza! Príncipe Kim, seu noivo, está aqui para vê-lo! — Abriu a cela dele, que continuou imóvel. — Vocês têm apenas alguns minutos, por favor, aproveitem. — Deu espaço para o Kim passar e o mesmo fez isso, mas claro que não resistiu a, discretamente, roubar a cópia da chave.


Agachou-se ficando próximo dele e escutando os passos do guarda se afastarem cada vez mais.


— Não acredito que veio até aqui. — Jeongguk sussurrou um pouco surpreso.


— Vim te salvar como prometi, vamos. — Sussurrou de volta se levantando.


— Como? Estamos trancados. — Sussurrou sem esconder seu descontentamento.


— Com isso. — Mostrou-lhe a chave e jurou ter visto um sorriso ladino no rosto angelical do outro.


Segurou a mão do outro e tentou-lhe passar confiança. Aproximou-se da sela, destrancou e saíram às pressas evitando serem notados.


Conseguiram fugir sem problemas, contudo como um mundo não é um mar de rosas, foram encurralados por muitos soldados. Estavam ferrados! Mas não iriam desistir, por isso usaram suas forças e espertezas para se livrarem daquela espécie de prisão e correram, com todo o fôlego, que ainda restava dentro dos dois. Entregaram suas vidas nas mãos dos deuses e se jogaram com tudo da janela mais próxima, caindo dentro de um rio próximo ao castelo.


— Conseguimos! — Exclamou animado o ômega, que nadava contra a correnteza junto ao Kim.


— Não comemore tão cedo.


Continuaram nadando até se deixarem levar pela água, sem soltar um ao outro.


Depois de terem a certeza que estavam distantes do Reino de Florença saíram do rio e tentaram secar suas roupas.


— Obrigado por me ajudar, você me salvou de verdade. — Sorriu tímido ao fitar o alfa agora somente vestindo roupas íntimas.


— Por nada. Já pensou como vai viver daqui pra frente? Quer ir para Ametista comigo? — Encarou-o esperando ansiosamente por sua resposta.


— Ainda não sei, mas acho que vou encontrar meu próprio caminho pelo mundo. — Levantou-se caminhando até o mesmo. — Estou cansado de ficar trancafiado dentro de quatro paredes.


— Te entendo. Se quiser companhia para não se sentir só... — Levou sua destra a face alheia, acariciando as bochechas, que ganhavam um leve tom rosado.


— Você abandonaria seu reino depois de trair tudo e todos por minha causa? — Olhou-o intensamente esperando ler seus pensamentos, saber se ele não mentiria para si.


Somente os tolos são capazes de amar, lembra? — Sorriu largamente aproximando mais ainda o seu rosto do dele. — Só um tolo como eu para arriscar tudo por você, altezinha.


— Mesmo que não ainda não exista amor entre nós?


— Mesmo que você nunca me ame, o que acho difícil. — Soltou uma risada fraca, em seguida deixando um selar na bochecha vermelha do Jeon.


— Tão presunçoso.


— Tão rebelde.


Como uma deixa final deixaram que as bocas se encontrassem e pudessem descontar todos os sentimentos conturbados, que carregavam consigo desde o momento da fuga.


Tudo explodindo em diversas cores, desenhando e colorindo a nova vida que eles começariam a traçar daqui em diante.


Era uma vez, num reino muito distante, um jovem príncipe ômega prisioneiro no topo de uma torre, que possuía beleza e cheiro sem igual, que conquistou o coração do herdeiro do reino vizinho e fugiu junto dele em busca de um futuro melhor.


Um lugar somente deles, onde os campos eram floridos e os cheiros de mirtilo banhado a mel junto ao de cerejas com pitada de hortelã se misturavam formando uma nova receita. A receita do amor.



Notas finais:


Espero que tenham gostado dessa história linda, pois eu amei escrevê-la de coração 💞


Agradeço humildemente a @palettlune por ter feito essa belíssima capa, estou completamente apaixonada e sou muito fã do seu trabalho 💖


Agradeço também a esplendorosa beta @OppaDaddy que trabalhou duro e aturou meu desleixo, obrigado pela paciência e dedicação!


Twitter: @stephy_lilian

CuriousCat: https://curiouscat.me/stephy_lilian


Até uma próxima história meus amores 💕

26 мая 2020 г. 21:30:26 0 Отчет Добавить Подписаться
2
Конец

Об авторе

Ageha Sakura >> why do you still wishing to fly? >> taekook is a cute world sope ; bwoo ; kaisoo ; markson ; hyudawn twitter: @stephy_lilian [Ficwriter]

Прокомментируйте

Отправить!
Нет комментариев. Будьте первым!
~