plluxe PLLUXE .

Ela não se encaixava nos padrões da sociedade e estava longe de ser perfeita.Era diferente,existia algo diferente dentro dela,algo escuro e que poderia amedrontar muitas pessoas.Cansada de se esconder,de viver com uma mascará e mentir para si mesma ela decide fugir de casa e ir atrás de seu destino,ir atrás de quem realmente era.Ela só não contava com o matador de aluguel que apareceria no seu caminho.


Ação Para maiores de 21 anos apenas (adultos).

#velozesefuriosos #action #mafia #assasinodealuguel #007 #ação
0
1.6mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso
tempo de leitura
AA Compartilhar

Carga explosiva

Nunca fui perfeita, nunca fui a filha perfeita;a criança perfeita,a garota perfeita...nunca.

Apesar de todo o meu esforço,nunca consegui agradar ninguém. No colégio ia bem, dava duro para conseguir as melhores notas da sala mas a única coisa que ganhava em troca disto era um "parabéns" dos professores, um "não fez mais que a obrigação " dos meus pais e é claro, o bullying dos colegas, afinal que gosta de uma nerd.

Mesmo diante do meu esforço,para minha mãe nunca era suficiente e ela sempre dizia que eu era uma decepção por não ser tão inteligente como ela pensava.

Meu pai?

Meu pai não ligava para mim,queria um filho homem e bem...como pode ver, seu desejo não foi realizado e ele não consegue suportar a ideia de que quem assumiria sua "gloriosa" rede de supermercados seria na verdade uma garota.

E foi assim que cresciquieta, sempre na minha, sempre solitáriano meu mundo e por muitas vezes não conversando com quase ninguém. Afinal, não existia com quem conversar.

Me escondia atrás dos livros, computador e celular. Sendo dependente total dos mesmos; muitos diziam me conhecer, outros afirmavam saber tudo sobre mim,todos os meus segredos.

Tolos. Todos eles.

Ninguém realmente sabia o que se passava em minha mente, ninguém realmente me conhecia ou sabia dos meus desejos. Por trás daquelas roupas e aparência de boneca existia outra pessoa,outra eu,que vivia escondida desde que eu me entendia por gente; esta queera completamente o oposto do que eu mostrava para todos.

Era ruim, amarga e antipática. Mas também eradestemida e corajosa.

Desde pequena eu torcia para os vilões nas novelas, gostava dos filmes de tortura e dos livros de terror. Sabia que era errado me sentir assim, mas o errado me atraia e quanto mais eu o sentia mais eu queria senti-lo, no início foi difícil aceitar que aquele mundinho em minha mente nada mais era do que a realidade que queria para mim, e que aquela ao qual transitava pelas ruas dele não se tratavam apenas de uma personificação de mim. Era de fato eu, em minha real forma.

Eu era ruim; e a ideia de ser ruim era uma coisa errada que me fazia sentir bemmelhor, eu mesma.Comodisse anteriormente,o errado me atraia.E foi conforme cresci e me descobria que notei que teria que enganá-los, e modéstia à parte, os enganava muito bem,ninguém imaginava que por trás daquela aparência de anjo na verdade se escondia um demônio.

Cansada desta vida superficial eu resolvi tomar uma decisão, ao fim do ano,quando eu já teria 18anos e terminaria o Ensino Médio; seguiria meu destino.

O dia chegou e o meu plano ia bem,assim que toda aquela baboseira de discurso e chapéus sendo jogados para cima acabou eu dei um jeito de sair do local;mesmo sabendo que meus pais iam rumo ao salão de festas onde iria acontecer o baile, do qual, é claro, eu não iria participar.

Consegui executar meu plano extremamente bem, só não digo perfeitamente por causa de um imprevisto que me acontecera. Mas agora tudo estava sob controle,havia saído de casa sem deixar nenhum recado e a única coisa que trazia comigo era uma mochila com meus eletrônicos e objetos pessoais, essa que se encontrava no banco do passageiro do carro que eu dirigia a 300km por hora; enquanto sentia o vento que entrava pela janela bagunçar meus cabelos loiros os jogando para trás de forma que algumas vezes me deixava estressada, mas confesso que na maior parte do tempo estava gostando.

Me permitir sorrir enquanto acelerava ainda mais o carro, sentindo enfim o gosto da libertada.

Tudo estava indo bem, como planejado;ou melhor, quase tudo. O corpo no porta malas do "meu" carro não estava nos meus planos.

9 de Maio de 2020 às 20:56 1 Denunciar Insira Seguir história
1
Leia o próximo capítulo Assassino a preço fixo

Comentar algo

Publique!
Raquel Terezani Raquel Terezani
Olá! Escrevo-lhe por causa do Sistema de Verificação do Inkspired. Caso ainda não conheça, o Sistema de Verificação existe para verificar o cumprimento das Regras comunitárias e ajudar os leitores a encontrarem boas histórias no quesito ortografia e gramática; verificar sua história significa colocá-la entre as melhores com relação a isso. A verificação não é necessária caso não tenha interesse em obtê-la, então, se você não quiser verificar sua história, pode ignorar esta mensagem. E se tiver interesse em verificar outra história sua, pode contratar o serviço através de Serviços de Autopublicação. Sua história foi colocada "Em revisão" pelos seguintes apontamentos retirados dela: 1)Pontuação: - Atentar que não há espaço após várias vírgulas e pontos e o indicado é haver. - No trecho “afinal que gosta de uma nerd”, o indicado seria haver uma vírgula após “afinal” e um ponto de interrogação ao invés de um ponto no final da frase. 2)Acentuação: - Na sinopse, no trecho “de viver como uma mascará”, a grafia correta seria “máscara”. 3)Outros: - No trecho “afinal que gosta de uma nerd”, o indicado é que a palavra “que” seja substituída por “quem”. - Há algumas palavras sem espaço entre elas, por exemplo: cresciquieta e solitáriano, no parágrafo que inicia com “E foi assim que”. - No trecho “aquela ao qual transitava pelas ruas dele não se tratavam apenas de uma personificação de mim”, a concordância indicada é “tratava”. - No trecho “aquela ao qual transitava pelas ruas dele não se tratava apenas de uma personificação de mim”, o indicado seria substituir “ao qual” por “que”. - No trecho “me permitir sorrir enquanto acelerava ainda mais o carro, sentindo enfim o gosto da libertada”, a grafia indicada das palavras seriam “permiti” e “liberdade”. Observação: os apontamentos acima são apenas exemplos retirados de sua obra, há mais o que ser revisado. Aconselho que procure um revisor; é sempre bom ter alguém para ler nosso trabalho e apontar o que acertamos e o que podemos melhorar, e os revisores do Inkspired, quando contratados, fazem uma correção aprofundada e profissional, realizada por revisores capacitados e experientes. Caso se interesse, o serviço de Correção editorial e de estilo também é disponibilizado pelo Inkspired através do Serviços de Autopublicação. Também disponibilizamos o serviço de beta readers, que fazem uma análise detalhada de pontos específicos da história (como enredo e construção de personagens) e a enviam através de um comentário privado. Além disso, também temos o blog Tecendo Histórias, que dá dicas sobre construção narrativa e poética, e o blog Esquadrão da Revisão, que dá dicas de português. Confira! Bom... Basta responder esta mensagem quando tiver revisado a história, então farei uma nova verificação.
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 3 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!