diihsao Diogo Bastos

Naruto, um jovem rapaz de 18 anos que levava uma vida comum na grande (e por vezes sombria) Londres. Até que um incidente em uma noite chuvosa e um par de olhos perolados mudaram tudo. Agora, aquilo que antes não passava de histórias de filmes e enredos de livros se mescla com a realidade, e Naruto procura encontrar seu lugar nessa nova "vida", em meio a uma impetuosa guerra que perdura por séculos, entre vampiros e caçadores. Hinata, linda e fria como uma manhã de inverno. Uma impetuosa vampira dona de uma extraordinária beleza e cuja idade transcende uma vida humana comum. Fadada a assumir a liderança do clã Hyuga, um dos clãs vampíricos mais influentes e poderosos de sua época. Criada em um mundo de sangue e sombras tão profundas que desafiam a maior de todas as luzes: O amor. Seria Naruto capaz de lidar com essa nova "Vida"? Seria ele capaz de fazer florescer a primavera no gélido coração da vampira, que roubou o seu, no momento em que seus olhares cruzaram-se? Agora, ele terá a eternidade para tentar. (SasuSaku) (SaiIno) (NejiTen) (ShikaTema) (KonoHana) † PLÁGIO É CRIME †


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas.

#romance #vampiro #fanfic #naruto #sasusaku #naruhina #hinata #shikatema #gaaino #konohana #nejiten #saiino #naruhina4ever #hinanaru
17
3.7mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todos os Sábados
tempo de leitura
AA Compartilhar

Começo Depois Do Fim

Londres, 4 de fevereiro de 2005, 23:50hs.


Era inverno em Londres, e uma chuva torrencial encharcava um dos diversos becos vazios e escuros da grande cidade. Entre o ruído da tempestade, o som de disparos de armas de fogo ecoa pela noite, somado a um grito de dor de um jovem rapaz.


Antes que o mesmo perceba, ele já está caído ao chão molhado e seu sangue se mistura com a água gélida que cai sobre seu corpo.


“Porquê isso está acontecendo?” Pensava Naruto, enxergando apenasas gotas violentas que caiam-lhe sobre o rosto, que já não esboçava nenhuma reação de vida. Ele já conseguia sentir os batimentos cardíacos falharem em seu peito, enquanto sua visão se tornava turva.


Algumas horas antes…


Os raios de sol já se esgueiravam entre as frestas da janela, e o despertador já tocava, indicando seis e meia da manhã. Naruto acordava lentamente, tentando alcançar o celular em seu criado-mudo, porém, tal ato se tornando inútil devido ao seu estado debilitado de sono.


“Maldito celular! Só não jogo na parede porque ainda estou na terceira parcela.” Pensou ele, enquanto se levantava a fim de preparar-se para aquilo que ele achava que seria apenas mais um dia banal em sua vida. Mal sabia ele que tudo estava prestes a mudar.


Já em frente ao espelho, Naruto se pega reparando em sua aparência, enquanto refletia no quanto houvera mudado nos últimos cinco anos. O motivo: Sabia que hoje reencontraria seu velho amigo de infância e não queria passar uma imagem desgastada e envelhecida, mesmo à flor de seus dezoito anos. Bastou uma breve olhada em si mesmo para concluir que tudo continuava exatamente como sempre foi: Ainda tinha os mesmos cabelos loiros e rebeldes, cortados no mesmo formato espetado; Seus olhos mantinham o costumeiro tom de azul "bem incomum", como sua avó sempre lhe falara; e ali estavam os três malditos riscos em cada bochecha, aqueles mesmos que foram motivos de zombarias na infância no colégio, mas que, tanto antes, quanto agora, nunca o incomodaram, já que as brincadeiras zombeteiras vinham sempre por parte de outros garotos, e em contrapartida, as garotas sempre diziam que tais marcas eram parte de seu charme. Com um sorriso, o loiro relembrou de ocasiões em que ele e seu amigo recebiam, constantemente, provocações de outros garotos por serem o chamativo das garotas, tal coisa que ele mesmo discordava, já que seu amigo era bem mais popular com as meninas do que ele.


Já com tudo pronto em sua mochila só lhe faltava escolher o que vestiria. Ele olhou para seu guarda-roupa e, com um suspiro, concluiu que suas roupas, em grande maioria, se limitavam em apenas duas cores: Laranja e preto.


“Tenho que comprar roupas de cores mais variadas.” Pensou Naruto, enquanto se dava por vencido, escolhendo uma camisa de manga preta com detalhes na cor laranja, uma bermuda jeans branca e um chinelo preto padrão. Já que trabalhava em um restaurante ajudando a descarregar mercadorias que chegavam, não havia necessidade de algo mais sofisticado. Contudo, naquele dia levou consigo uma calça jeans básica e um casaco preto, acompanhado de seu All Star da mesma cor, pois depois do trabalho iria diretamente para seu primeiro dia na faculdade.


— Naruto, desça logo antes que eu suba e lhe traga pelas orelhas, o café vai esfriar, garoto! — Berrou sua avó em alguma parte do andar de baixo da casa.


Depois de um pequeno pulo de susto, Naruto pegou sua mochila, já descendo para tomar café com seus avós, pelos quais foi criado desde quando era um bebê. Ele nunca conheceu seu pai e tampouco sua mãe, mas sempre ouviu de seus avós que seu pai era um grande homem e alguém muito importante. Entretanto, sempre que perguntara por sua mãe as respostas eram constantemente vagas, limitadas e por muitas das vezes até mudavam de assunto, isso sempre fora um mistério para ele. No fim, Naruto não se importava muito com relação a esse assunto, já que seus avós sempre fizeram de tudo para que ele tivesse uma ótima educação e nunca lhe faltasse nada quando era preciso.


Chegando na cozinha, ele se deparou com uma cena comum de suas manhãs, seu avô lendo jornal e sua avó bebendo seu chá matinal enquanto falava com sua assistente no telefone.


— Naruto, já era hora seu moleque! Dormiu tarde ontem a noite? —Perguntou Jiraya.


— Bom dia, velhote! Pois é, eu fiquei jogando um pouco até mais tarde e perdi a noção da hora. — Respondeu Naruto com um sorriso meio sem jeito e coçando a nuca.


— Sei… Jogando ou vendo conteúdo adulto, hein? — Insinuou Jiraya com uma expressão pervertida no rosto.


— Não viaja não, velho tarado! Até porque não sou eu que tenho uma coleção de revistas e filmes eróticos escondidos na última prateleira da estante. — Retrucou Naruto, com um olhar de acusação.


— Tá, tá! Só não grita, seu moleque! Quer que a Tsunade escute e destrua toda minha preciosa coleção que juntei durante anos? — Sussurrou o albino, olhando de soslaio para a loira, que encerrava sua chamada telefônica e se dirigia a eles.


— O que é que vocês dois tanto falam aí, hein? Já de manhã discutindo por besteira, é? — Indagou Tsunade.


— Nada não vó, só o velho tarado falando coisas pervertidas como sempre. — Respondeu Naruto.


— Toma logo seu café se não vai esfriar, menino!Quanto a você Jiraya, a gente se entende mais tarde. — Impôs Tsunade.


— Vou só pegar uma torrada, vó. Já tô mais que atrasado para o trabalho. Ah! E hoje vou chegar mais tarde em casa por conta da faculdade. — Avisou Naruto, já pegando uma única torrada e saindo pela porta.


— Naruto, você sabe muito bem que isso não é preciso! — Retrucou Tsunade um tanto quanto brava. — Não tem necessidade de você trabalhar durante o dia para pagar seus estudos à noite, o meu salário no hospital e o do seu avô com as vendas dos seus livros é mais que suficiente para isso.


— Eu sei vó, eu faço isso poque eu gosto, não precisa soltar fogo pela boca! —Exclamou Naruto, correndo em direção a porta e rindo de sua vó.Toda vez que Tsunade ficava brava qualquer um tinha que sair de perto, se não teria uma morte certa e altamente dolorosa.


Já do lado de fora, Naruto pega sua antiga bicicleta e segue rumo ao restaurante em que trabalha. A comida do lugar sempre foi sua preferida, então, ele logo aceitou a primeira vaga de emprego que aparecera ali, mesmo sendo de auxiliar de carga. Até porque sempre almoçava por lá, então no fim, unia o útil ao agradável.


No caminho, Naruto pegou seu celular a fim de ligar para seu amigo e garantir que ele não faltaria na aula dessa noite. O celular chamou trêsvezes, e na quarta chamada uma voz que indica muito sono atende com um tom emburrado.


— Isso são horas de me ligar, seu retardado? — Diz Sasuke, bem irritado.


— Fala aí, seu projeto de rockeiro! Já são sete da manhã!Ficou fazendo o que até tarde pra acordar de mal humor? — Questionou Naruto, em um tom zombeteiro,enquanto segura o guidão da bicicleta com uma mão e o celular com a outra.


— Precisei resolver umas coisas e acabei nem dormindo direito, mais diz aí, porque tá me enchendo o saco a essa hora? — Retrucou Sasuke, um pouco menos mal-humorado, mas ainda sonolento.


— É só para te lembrar que hoje a noite é meu primeiro dia na faculdade, e eu não quero que meu único amigo lá nessa bagaça falte!— Disse Naruto, com um tom divertido.


— Pode deixar que eu não esqueci, a noite a gente coloca os assuntos em dia e eu te arrebento por me acordar tão cedo!— Exclamou Sasuke, entre um grande bocejo.


— Ok ok, volta a dormir que a noite a gente se vê então, bela adormecida!— Disse Naruto, zoando o amigo.


— Tua sorte é que estamos falando pelo celular se não você ia engolir um soco meu, seu idiota. — Afirmou Sasuke, dando uma risada e desligando a chamada.


Não demora, e Naruto logo se vê em frente ao restaurante onde trabalha. O local de porte mediano, era um dos restaurantes mais populares da região e, na opinião de Naruto, o melhor. Chegando, rapidamente o loiro coloca a bicicleta em um canto, e se dirige para seu patrão que anotava concentrado algumas coisas em sua prancheta.


— Fala aí, chefia! Tudo em cima? — Cumprimentou Naruto,animado.


— Olá Naruto, Bom dia! — Exclamou Teuchi, erguendo os olhos da prancheta para encarar o loiro.


— Então chefia, por onde começo hoje? — Perguntou Naruto, já pronto para iniciar.


— Pode começar com aquelas caixas ali, leve-as para a cozinha. — Indicou Teuchi, apontando para oito caixas bem grandes, largadas em um canto do estabelecimento.


— Pode deixar comigo! — Exclamou Naruto, já caminhando em direção às caixas.


E assim o dia seguiu sem muitas novidades até o anoitecer. Ao final do expediente, Naruto já com sua mochila nas costas, de banho tomado e roupas trocadas seguiu para o que seria seu primeiro dia na faculdade, ele estava feliz e empolgado para rever seu velho amigo e quem sabe fazer novas amizades.


Já eram quase sete e meia da noite, quando Naruto finalmente chegou ao vasto estacionamento da universidade e procurou um local para guardar sua bicicleta. Nesse instante, um clarão irrompeu o céu noturno, seguido de uma forte trovoada, fazendo Naruto se xingar mentalmente por esquecer de levar um guarda-chuva ao sair de casa. Pelo menos, havia lembrado de vir com um casaco.


Adentrando a universidade, já com sua carga horaria em mãos, o loiro seguiu procurando por sua sala, e não demorou a descobrir que a mesma se encontrava virando um,abarrotado e largo, corredor à direita. Enquanto andava pelo local, não deixava de observar a aparência do ambiente, que por sinal era bem bonita e luxuosa. Logo concluiu no quanto ele fez bem em trabalhar para pagar sua própria faculdade, não seria correto pedir que seus avós bancassem seus estudos na Imperial College London, uma das universidades mais caras do país.


Chegando em sua sala, Naruto escutou um grande falatório, e já imaginou que, certamente, não teria nenhum professor presente no momento. Um tanto receoso, ele adentrou o local observando tudo ao redor. A primeira vista, parecia uma sala de aula como outra qualquer, com alunos jogando conversa fora, outros ouvindo música e falando sobre esportes, e outros até mesmo trocando beijos e amassos pelos cantos. Olhando mais ao fundo da sala Naruto percebeu um rapaz de costas, com espetados cabelos negros e camisa social preta.Um sorriso surgiu no rosto do loiro quando ele reconheceu ao longe a voz do rapaz, e então, já não tendo dúvidas de quem ele era, Naruto logo se aproximou.


— Fala aí, seu projeto de rockeiro! — Exclamou Naruto com um grande sorriso, dando um soco de leve no braço do amigo.


— Diz aí, minha loira favorita! Como você está, meu irmão? — Disse Sasuke, com seu habitual sorriso no canto da boca, já se virando e cumprimentando o loiro.


— Tô bem, meu parceiro! Então, aqui estamos, juntos novamente como nos velhos tempos, hein? — Disse Naruto, com sua animação ao máximo.


— Pois é, meu amigo, se liga… Deixa eu te apresentar a galera! — Indicou Sasuke, apontando para o grupo de pessoas que o cercavam.


Naruto observa a turma em volta de seu amigo, os quais, até então, ele ainda não tinha se dado conta da presença. À sua vista Parece ser um grupo de pessoas bem animadas e também um pouco diferentes dos demais que preenchem a sala ao redor. O que mais chama-lhe atenção é o jeito como se vestem e a maquiagem que as meninas usam.


— Olá Naruto, muito prazer em conhecê-lo! Eu me chamo Sakura. O Sasuke sempre fala de você!— Exclamou,Sakura animadamente. Aos olhos de Naruto essa menina parecia ser bem extrovertida e simpática.


Ela tinha os cabelos rosa chiclete que chegavam até os ombros, salpicados com mechas negras. A maquiagem bem forte, na cor preta, realçava seus traços, dando destaque aos olhos verdes, e um piercing de argola que a garota tinha no nariz. Ela usava uma regata preta com desenhos de caveira e uma saia vermelha com estampa xadrez, seguida por meia calça arrastão e uma bota que vinha até os joelhos.


— E aí, Sakura! Muito prazer em conhecê-la. — Respondeu Naruto, de um jeito bem simpático.


A próxima que se dirige ao loiro é uma garota igualmente loira, de cabelos bem compridos presos em um imenso rabo de cavalo que chegava até sua cintura, com uma grande franja cobrindo o lado direito de seu rosto. Usava um batom na cor vermelho sangue e os olhos bem delineados em tom de preto, que deixavam o azul claro de seu olhar em evidência. Havia uma rosa vermelha bem chamativa tatuada em seu pescoço, com seus ramos descendo pelo colo até onde sua jaqueta vermelha permitia ver. Portava também uma calça de couro preta, bem justa que fazia jus a suas curvas simétricas. Acompanhada de um coturno estilo militar preto.


— Fala aí, Narutinho! Tudo em cima? Eu sou Ino Yamanaka, mas pode me chamar só de Ino, loirinho! — Ino apresentou-se, de uma forma bem energética.


— Tudo bem, Ino? Me chamo Naruto Uzumaki, e é um prazer conhecê-la! — Responde Naruto, pensando que essa garota era ainda mais empolgada do que a Sakura.


Ao lado dela um rapaz meio distraído parecia desenhar alguma coisa em seu caderno,aparentemente alheio a tudo em sua volta.


— Sai! — Ino chamou a atenção do rapaz cutucando-o, fazendo o mesmo sair de sua concentração e olhar pra o loiro com um sorriso meio sem jeito.


— Foi mal Ino, estava meio distraído com meu desenho. — Desculpou-se Sai, logo se dirigindo a Naruto com um sutil sorriso. — Tudo certo, Naruto? Bem-vindo.


— Tranquilo, Sai! Legal te conhecer. — Respondeu Naruto, rindo internamente pela bronca que o rapaz acabara de receber da loira.


Naruto observou o rapaz que, aparentemente, dentre eles era o que estava vestido de forma menos chamativa, usava apenas uma camisa social branca e uma calça preta desfiada nos joelhos. Seus braços eram cobertos de tatuagens,por sinal, muito bem feitas e com um toque bastante artístico, evidenciando o gosto do rapaz por desenhos das mais variadas formas. Suas tatuagens ganhavam um destaque a mais por sua pele ser incrivelmente pálida, contrastando também com os olhos castanhos escuros e os curtos cabelos da mesma cor. Finalizando o conjunto, ele também usava um brinco em sua orelha esquerda.


Ao lado do rapaz distraído, havia uma garota que pintava as unhas. O cabelo escuro preso em dois coques laterais, eram no mínimo diferentes dos demais. Trajava um vestido de veludo vinho, estampado com dois dragões orientais dourados. Uma meia calça preta e saltos altos da mesma cor. Seu rosto de feições delicadas criavam um contraste curioso com o corpo visivelmente atlético.


— Ei Naruto! Bem-vindo! Sou a Tenten. — Disse a garota, enquanto assoprava o esmalte preto em suas unhas, olhando satisfeita o resultado.


— E aí, Tenten! Prazer em conhecê-la. — Respondeu Naruto, finalmente conhecendo todos do grupo.


Distraído com as apresentações e conversando com seu velho amigo, o loiro, de modo involuntário,virou-separa o lado e percebeu uma garota sentada um pouco afastada dos demais. Ele a encarou por meio minuto, e nesse curto período tudo a sua volta pareceu parar, como se o próprio tempo tivesse se estagnado diante de tamanha beleza. Repentinamente, a garota levantou seu rosto, olhando-o diretamente nos olhos.


O olhar trouxe a Naruto um arrepio que correu-lhe a espinha, juntamente com uma reação inesperada do seu coração, que parecia falhar dentro do peito. E aqueles olhos… Naruto sequer imaginava que poderia existir um olhar tão belo quanto aquele. Pareciam duas pérolas de tão lindos, e o faziam lembrar a lua cheia, que por vezes ele apreciava do terraço de sua casa. Porém, não era apenas um belo olhar enigmático que integrava a beleza daquela garota. Seus lindos cabelos soltos, eram longos e lisos, com uma franja que emoldurava perfeitamente seu rosto. Tão escuros e belos quanto o céu noturno, em um tom único de preto azulado. As feições delicadas lembravam-lhe os anjos que artistas costumavam retratar nas catedrais da cidade, uma beleza natural tão radiante que não conseguia ser encoberta nem mesmo pela maquiagem em tons escuros que ela usava.


Perdido em pensamentos e encantado com a beleza da morena a sua frente, Naruto conseguiu lançar-lhe um sorriso abobado.Por sua vez, a garota apenas acenou levemente com a cabeça e voltou a atenção a um livro de aparência antiga que segurava entre seus delicados dedos.


Logo em seguida, um cutucão faz Naruto dar um pequeno sobressalto. Ao lado do loiro, Sasuke o chamava, tentando trazer-lo de volta de seus devaneios sobre a garota a quem ele estava encarando até o momento.


—Ei, seu idiota, tá me ouvindo? — Questionou Sasuke.


—Ah, foi mal! Me distrai por um momento. — Desculpou-se Naruto, meio sem jeito e coçando a nuca.


— Percebi… Já tá apaixonado, é? — Retrucou Sasuke, em um tom sugestivo.


— Hã? Tá doido? Não viaja não, seu retardado! — Exclamou o loiro, sentindo as bochechas corarem, visivelmente constrangido.


— Tá ok, você finge que é verdade, e eu finjo que acredito. — Ironizou Sasuke, arrancando risos dos demais ali presentes.


— Qual o nome dela? Só por curiosidade. — Naruto não pode deixar de perguntar, mesmo sem jeito.


— O nome dela é Hinata, e ela faz parte do nosso grupo de amigos.Porém, ela é mais... Reservada que nós. — Explicou Sasuke.


— Ah sim, compreendo. — Assentiu Naruto.


— Mas olha… Falando sério agora, acho melhor você não criar muitas esperanças sobre ela, Naruto. — Murmurou Sasuke,de uma forma que apenas o amigo pudesse ouvir.


— Do que você está falando, idiota? Eu só perguntei por curiosidade mesmo. — Disse Naruto, tentando inutilmente se justificar sua repentina curiosidade sobre aquela garota.


— Fala sério, seu besta! Você acha que isso vai colar, mesmo? Logo comigo que te conheço desde sempre?!— Retrucou Sasuke, sem receber resposta do amigo, que fora impedido de responder pelo professor, já entrando e dando início a aula.


A aula prossegue normalmente e Naruto por mais que quisesse prestar atenção, afinal, aquele era seu primeiro dia, não conseguia se concentrar e seguia colocando diversos assuntos em dia com o amigo. Não se viam a cinco anos, e por esse tempo mantiveram contato apenas por algumas chamadas telefônicas e outros poucos e-mails.


Vez ou outra, o Loiro se via observando a garota de olhos enluarados. Em seu pensamento, não cansava de falar para si mesmo o quanto ela era linda, sem se dar conta de que o amigo ao seu lado percebia seu olhar sobre a morena.


— Depois sou eu que estou vendo coisas, né?— Disse Sasuke, zoando o amigo.


— Ah, não enche o saco, Sasuke! Em vez disso me conta mais sobre ela. — Pediu Naruto para o amigo, desistindo de tentar negar o óbvio e na esperança de saber mais sobre a garota.


— Cara, como eu já lhe disse, ela anda junto com a gente, mas creio que você não vá conseguir nada, então desencana logo… Tem tantas garotas pela universidade. — Suspirou Sasuke, tentando convencer o amigo a desistir da ideia.


— Tá, tá! Então não enche, Sasuke! — Exclamou Naruto, se dando por vencido de saber mais sobre ela através do amigo.


E dessa forma, a primeira noite do loiro na faculdade continuou e logo chegou ao fim. Na hora de ir embora, ele se dirigiu ao estacionamento na companhia do amigo e do grupo, e disfarçadamente, continuou a contemplar a garota que os seguia um pouco mais afastada, lendo seu livro calmamente. Agora, vendo-a de pé e caminhando a passos lentos, ele finalmente reparou no seu longo vestido preto com detalhes florais nas bordas, e nas delicadas joias que adornavam seu pescoço e pulso. Ela usava uma sapatilha da mesma cor que o vestido e andava com uma postura impecável, em passos graciosos e firmes ao mesmo tempo. Uma perfeita combinação de delicadeza com um toque gótico.


Chegando ao estacionamento, o grupo parou para conversarem frente a uma luxuosa limusine de cor preta e vidros escuros. Naruto não se conteve em pensar que seja lá quem for o dono daquele veículo, deve ser alguém montado na grana para ter algo do tipo. Curioso, ele se virou para o amigo para questioná-lo sobre isso.


— Ei, Sasuke! De quem será esse carrão? — Indagou o loiro, ainda admirando o belo automóvel.


— Ah, o carro é da Hinata, e é também nosso meio de transporte. — Respondeu Sasuke, apontando com o polegar para o grupo que conversava animadamente a alguns passos deles.


— Entendo, mas por que vocês andam nela também? Digo… por que vocês vem e vão junto com ela? — Questionou Naruto, franzindo o cenho.


— Olha cara, é uma longa história e... Bem incomum, posso dizer desse jeito.— Respondeu Sasuke, percebendo o ar de curiosidade que envolvia o amigo.


Naruto, notando o tom evasivo do amigo diante da pergunta,decidiu dar de ombros e ignorar, pelo menos por enquanto. Logo, ele percebeu que a garota que Sasuke dizia se chamar Hinata, vinha andando em direção ao grupo. Já com o livro fechado em suas mãos,ela parou diante dos outros e disse alguma coisa que, por conta da distância, se tornou inaudível a Naruto. Internamente, ele desejou estar mais perto do grupo, para talvez, conseguir ouvir a voz dela pela primeira vez. Pensou em caminhar até lá, mas no instante seguinte, Sakura se virou em sua direção e acenou para Sasuke, alegando que já é hora de partirem.


Com um semblante confuso, Sasuke encarou a garota de cabelo rosados. Costumeiramente, ele sabia que eles nunca tinham pressa para irem embora, havendo ocasiões em que ficaram mais de quarenta minutos por ali depois da aula, apenas conversando e matando o tempo. Contudo, ele havia visto Hinata reportando algo ao grupo, e seja lá o que fosse, deixara todos com um semblante sério. Com certeza, havia um motivo para a urgência de partir.


— Bom, Naruto, eu preciso ir resolver umas coisas, amanhã nós conversamos com mais calma, certo? — Disse Sasuke, seriamente.


— Ah, sem problemas, cara. Mas aconteceu alguma coisa? Posso ajudar em algo? — Perguntou Naruto, um tanto desconcertado.


— Não houve nada, Naruto, só preciso ir. Depois te explico com calma. Até amanhã e se cuida, loira. —Sasuke sorriu brevemente, tentando parecer descontraído, mas seu semblante tenso não passou despercebido por seu amigo.


Dito isso, Sasuke seguiu em passos largos até o grupo, que já se encontrava adentrando na limusine na qual Hinata já havia entrado antes. Apesar de estar com muita curiosidade sobre seu amigo e o que levou o pessoal a sair as pressas, Naruto não se permitiu ficar ali parado observando a limusine dar a partida.Pequenas gotas de chuva já começavam a salpicar seu casaco enquanto ele, apressadamente,caminhava em direção a sua bicicleta, sabendo que caso chegasse em casa todo ensopado levaria uma baita bronca de sua vó e quem sabe até umas pancadas.


Ao longo do caminho, o que era antes um chuvisco acaba se tornando um imenso temporal, deixando Naruto todo ensopado e mal conseguindo enxergar o caminho a sua frente, ele aumentava cada vez mais a velocidade das pedaladas, na tentativa de salvar da chuva seu material e seu celular que estava no bolso.


Há alguns metros dali,um carro preto que vinha por uma esquina reduzia a velocidade, aguardando o jovem rapaz que aproximava-se em sua bicicleta sem perceber, por causa da forte chuva, o veículo a espreita. O motorista do carro percebendo iminente aproximação, acelerou e jogou o carro com toda força na direção de Naruto que, pego de surpresa, arremessa a bicicleta para o lado deslizando no asfalto molhado e caindo ao chão.


Graças ao casaco que usava, Naruto não sofreu machucados, porém, antes mesmo que pudesse se levantar, dois homens o seguram pelos braços, um de cada lado, e o arrastam até um beco escuro nas proximidades dali. Naruto sem entender o que havia acontecido, devido a rapidez do ocorrido, apenas se debatia tentando se soltar e gritava desesperadamente para que o larguem.Em vão, já que seus gritos jamais seriam ouvidos, abafados pelo ruído estrondoso da tempestade e trovões sobre a cidade.


Os dois homens arremessaram Naruto contra uma parede, fazendo-o bater fortemente contra um muro. Agora, de frente para os dois sujeitos, o loiro conseguia reparar em suas características, ambos usavam sobretudos pretos com chapéus e ambos portavam uma pistola na cintura, essas que agora, estavam apontadas diretamente para o loiro, que olhava com espanto para ambos os homens, sem mais nada poder fazer para defender-se. O homem mais velho, de aparentemente meia idade, o olhava com muita fúria e sem perder tempo começou a fazer várias perguntas.


— Garoto, eu quero que você preste bem atenção, pois estou sem um pingo de paciência!— Vociferou o homem que aparentava ser o mais velho.— Quem eram os sanguessugas que estavam com você ainda a pouco e onde eles se escondem?


— E-eu não sei do que você está falando, eles são meus amigos e não sei onde moram! E que história é essa de sanguessugas? — Respondeu Naruto, sem entender o porquê do homem chamar seus amigos assim.


— Não se faça de idiota, seu moleque! Eu juro que se você não responder eu vou encher você de buracos! Agora me responde quem são seus amigos parasitas e onde se escondem! — Diz o homem, mais exaltado do que antes.


— Eu já disse que não sei! E por que vocês estão atrás deles? O que eles fizeram de errado? — Berrou Naruto, já bem exaltado e nervoso com a situação.


— Você pergunta o que eles fizeram? Eles existem, e só isso já é o bastante, criaturas como eles são a razão de você estar aqui agora, garoto. São desprezíveis e imundos. — O homem fez uma cara de nojo e cuspiu ao chão.


Naruto continuava pensando no porquê do homem falar assim de Sasuke e dos outros, e permanecia sem nada entender. Ele não conseguia esboçar nenhuma reação perante aqueles dois desconhecidos e tampouco conseguiase mexer;devido ao choque, suas pernas pareciam não responder ao comando do seu cérebro, o fazendo permanecer estático.


— Cara, é melhor deixar pra lá, ele realmente não parece saber, por algum motivo parece que as criaturas ocultaram isso dele. — Diz o outro homem para o mais velho.


— Você pode ter razão. Porém… Não podemos deixar ele viver! Ele viu nosso rosto e sabe das perguntas que fizemos. Vai ser bem pior a polícia interferir no que não lhe diz respeito.


O outro homem encarou o olhar de pavor do loiro por alguns segundos, antes de concordar com o mais velho, acenando positivamente com a cabeça. Enquanto Naruto, ainda estático, escutava o que eles falavam e em meio a um turbilhão de pensamentos,tentava entender porquê isso estaria acontecendo, e por que justamente com ele, logo ele que nunca foi de arrumar confusão com ninguém.Não a ponto de ter duas armas apontadas para si.


— Então garoto, creio que nossa pequena conversa tenha chegado ao fim.— Disse o homem mais velho, sem um pingo de emoção em seu rosto. — o que vai acontecer agora não é culpa minha, nem de ninguém além das próprias aberrações que você chama de amigos. Se tiver que amaldiçoar alguém por isso que seja eles.


Antes que Naruto pudesse dizer algo, conseguiu apenas distinguir o ruidoso barulho de três disparos em sua direção, ao mesmo tempo em que dores incrivelmente pontiagudas se alastravam por todo seu peito. De imediato, ele sentiu seu corpo desabar no chão.


Alguns minutos antes…


Na limusine, todos estavam bem atentos e já preparando suas armas para caso algo pior acontecesse.Somente Sasuke não fazia nada, apenas olhava ao redor franzindo o cenho, sem nada entender. Em um minuto estava parado conversando com Naruto e no outro estava ali, dentro do veículo, olhando todos se prepararem para um possível combate. Confuso, ele se dirigiu a única pessoa que, de fato, poderia explicar o que estava havendo.


— Senhorita Hinata, o que está acontecendo? — Perguntou ele.


— Eu senti que havia alguém nos observando ainda a pouco, e achei melhor não ignorar meus instintos.— Respondeu Hinata, com um tom que externava calma e tranquilidade.— Vamos dar uma volta nos quarteirões próximos para nos certificar, e se realmente houver alguém vamos nos livrar do problema. Não podemos nos dar ao luxo de sermos seguidos até em casa.


— Compreendo. — Sasuke se limitou a dizer, já pegando sua arma e preparando-a. Instantaneamente, seu pensamento o levou até Naruto,que havia de voltar para casa de bicicleta e, além da tempestade que cai, poderia estar em perigo caso alguém o tenha visto conversar com eles em público.


Durante um tempo, o grupo fez uma pequena ronda pelos arredores, sem ver e nem ouvir nada de anormal, apenas o barulho da chuva que continuava a castigar a cidade. Porém, quando já estavam certos que não encontrariam nenhum problema, ouviu-se o inconfundível som de três disparos e um grito de dor, este quase imperceptível graças ao som da tempestade. Bruscamente, a limousine freou cantando pneu no asfalto molhado,e o grupo recebe a permissão de Hinata para sair e verificar.


Sasuke foi o primeiro a abandonar o veículo.Atento em tudo a sua volta, logo percebeu que mais adiante havia um carro parado no meio da pista e uma bicicleta caída no meio-fio. Subitamente, um mal pressentimento apertou-lhe o peito, confirmando-se no momento em que ele, cautelosamente,se aproximou e reconheceu a bicicleta de seu amigo.


Imediatamente sua atenção se voltou para o beco a sua esquerda onde ele distinguiu duas figuras de pé portando pistolas em suas mãos, e percebeu que aquilo que ele mais temia havia acontecido. Ali, a poucos passos dele, estava o corpo de Naruto caído ao chão, cercado pelo sangue que escorria pelo local se diluindo com a aguá da chuva. Atônito, Sasuke correu em direção ao seu amigo que, a seu ver, já quase não conseguia manter os olhos abertos. Em meio a lágrimas que escorriam por seu rosto, seu grito de fúria ecoou pelo beco, e com ódio estampado na face ele olhou para os dois homens, ainda parados ali.


Não demorou até que o restante do grupo chegou correndo ao local, também se dando conta do que havia acontecido. Antes que pudessem dizer alguma coisa, a voz trêmula de Sasuke bramiu em um tom furioso:


— Me deem cobertura enquanto eu mato esses vermes, um por um!— De imediato, Sasuke correu em direção a ambos os homens que, um tanto afoitos, apenas conseguiam disparar contra o grupo.


Os olhos de Sasuke já não eram mais pretos como de costume e sim de um vermelho vivo, tão intenso que brilhava na escuridão do beco. Em sua boca também poderiam ser vistas duas presas, e sua velocidade era tão absurda que pessoas comuns jamais poderiam ver com clareza a olho nu. Mas aqueles homens não eram pessoas comuns, e graças ao rigoroso treinamento que passaram para situações assim, conseguiam ver os movimentos do rapaz aproximando-se como um raio. Antes, porém que tivessem a chance de disparar contra Sasuke, um deles recebe um tiro no ombro e deixa a arma cair enquanto o outro recebe tiros nas pernas e no tórax e cai ajoelhado. Tiros estes, que foram disparados por Ino, Sai e Tenten na entrada do beco.


Nesse segundo em que tudo ocorreu, Sasuke já se viu diante do homem mais velho que estava caído de joelhos e o olhava de cima. Com o sangue fervendo de ódio segurou-o pelo pescoço levantando-o sem aparentemente se importar com seu peso. Olhou-o friamente em seus olhos, enquanto o homem, parecendo não teme-lo, vociferou:


— Se veio salvar seu amiguinho chegou tarde demais, criatura imunda! — O homem cuspia as palavras em Sasuke, e não demorou a obter resposta.


— Mas cheguei a tempo suficiente de separar essa sua cabeça imunda do seu corpo nojento!


Antes que o homem pudesse responder, Sasuke o arremessou contra a parede com tanta força, que seu corpo se separou de sua cabeça, como se feito de papel, fazendo sangue jorrar, e sujando o Uchiha por completo. Banhado em sangue e com o rosto ainda em fúria, Sasuke agora segurava o que antes era o pescoço do homem e agora se tornara um cotoco com uma cabeça sem vida.


O outro homem que estava atrás dele, apenas havia sido ferido levemente com um tiro no ombro e, atônito com a cena que presenciara, já se preparava pra vingar o mais velho, apontando a arma diretamente para a cabeça de Sasuke. Em um milésimo de segundo, porém, ele percebeu um vulto parar atrás de si segurando uma adaga no seu pescoço, e antes que pudesse reagir, distinguiu uma voz feminina falar em seu ouvido de um jeito tenebroso:

— Hora de fazer companhia ao seu amiguinho no inferno, querido. — Dito isso, a adaga deslizou rapidamente no pescoço do homem fazendo o liquido carmesim espirrar e o mesmo cair aos poucos, engasgando-se com seu próprio sangue. — Eles nunca aprendem. — Disse Sakura com tom de deboche. E em seu rosto, por conta da adrenalina, via-se um par de olhos vermelhos e presas a mostra.


Sasuke, ainda ofegante, apenas jogou a cabeça sem vida no chão e correu em direção ao corpo do amigo que já estava praticamente morto. A essa altura nenhum médico poderia fazer algo por ele, e o moreno sabia muito bem disso. Impotente, ele só conseguia gritar o nome do amigo e bater em seu peito na tentativa inútil de o fazer melhorar de algum jeito. Diante da cena, os demais se aproximaram,observando tudo aquilo com muita pena do rapaz que haviam acabado de conhecer um tempo atrás.Apesar das poucas palavras trocadas, todos concordavam que Naruto parecia ser muito simpático e alegre e que, com certeza, todos se tornariam bons amigos no futuro. Sakura, diante da dor de Sasuke, colocou as mãos em seu ombro tentando o confortar, mesmo sabendo que seria inútil.


De imediado, uma figura chegou ao beco segurando um guarda-chuva preto. Mantendo distância, ela observou toda a cena diante de si e fez uma única pergunta.


— Já terminaram por aqui? — Indagou Hinata, com um olhar calmo e inexpressivo mantendo a mesma postura de sempre.


— Sim. — Todos responderam em uníssono,mantendo um semblante triste enquanto preparavam-se para deixar o local.Exceto Sasuke, que continuava ajoelhado ao lado do amigo vendo-o morrer lentamente.


— Sasuke, vamos. Não a nada que possamos fazer, infelizmente. — Disse Sakura, gentilmente.


— Há uma coisa que pode salva-lo. — Sasuke se limitou a dizer, sem fazer menção de abandonar o amigo.


— Mas você não pode, não tem permissão para tal ato! — Exclamou Sakura, preocupada.Sabia bem o que aguardava qualquer um que ousasse desobedecer as regras.


— Eu sei, Sakura! — Exclamou Sasuke. — Mas tem uma pessoa aqui que pode fazê-lo. — Disse por fim, olhando diretamente para Hinata, que mantinha a mesma expressão em seu rosto desde que chegara ao local.


odos os olhares voltaram-se para Hinata com ansiedade, aguardando o que a mesma diria a seguir. Hinata, por sua vez olhou apaticamente para Sasuke e para o corpo de Naruto no chão, e concluiu:


— Me dê um motivo para fazer tal ato, Sasuke. — Foi o único pedido que ela fez ao Uchiha, que por sua vez logo respondeu.


— Ele é meu amigo desde a infância!Crescemos juntos e passamos por muitas coisas lado a lado, ele é um irmão para mim! Não é justo que ele tenha um fim ridículo desses, jogado em um beco sem ninguém dar a mínima! — Bramiu Sasuke, não conseguindo controlar o tom de sua voz.


— Ainda estou esperando você me dar um bom motivo. — Insistiu Hinata.

Enquanto isso, Naruto lutava para se manter lucido, o que ficava mais difícil a cada segundo. Ele já não conseguia se mexer nem dizer nada, e agora mal conseguia ouvir também. Em seus ouvidos chegavam coisas que para ele não fazem sentido algum, seja por não saber do que se trata ou por não conseguir distinguir muito bem as palavras. Mas ainda assim, reconhecia a voz tão familiar de seu amigo, Sasuke. Outrora dono de um falar tão calmo e reservado ele agora gritava e implorava pelo que parecia ser a sua vida.


Diante da afirmação de Hinata sobre aquilo tudo não ser motivo o suficiente para ajudar Naruto, Sasuke cerrou os dentes, e numa mistura de dor e tristeza ele apertou os punhos e berrou:


— Ele é a única família que eu tenho! Meu irmão passa mais tempo viajando do que em casa, a única pessoa que eu sempre puder contar pra tudo é ele, e não é juto que ele tenha esse fim por nossa causa! Esses homens vieram atrás dele por causa de nós! Não é certo que ele morra por algo que talvez ele nem saiba o motivo!


Os olhares recaíram novamente sobre Hinata, curiosos e aflitos sobre sua decisão diante do pedido do Uchiha. Para a surpresa do grupo, a mesma caminhou tranquilamente em direção ao corpo do loiro caído no chão. Ao notar a aproximação da morena,Sasuke levantou-se e cedeu-lhe espaço.


Hinata largou o guarda chuva que a protegia, sem aparentar incomodar-se com as gotas geladas que agora molhavam suas vestes, e ajoelhou-se, ficando a centímetros do rosto do rapaz. Ela o encarou por um breve segundo, antes de colocar suas mãos suaves e delicadas no rosto do mesmo, virando-o para o lado e dando visão para o pescoço. Em seguida ela pousou, suavemente,sua boca sobre o local.


Naruto sentia uma mão muito delicada sobre seu rosto e apesar de não ver com clareza, por algum motivo, algo em si dizia que aquela era a mão dela. Da garota pelo qual ficara fascinado mais cedo, era ela… era Hinata. No instante seguinte, sentiu seu rosto sendo virado e na sequencia uma boca muito suave e macia tocar a pele de seu pescoço. Seguida por uma leve fisgada que parecia ser uma mordida. Ele sentiu seu corpo começar a ficar cada vez mais quente, ao ponto de parecer que todas as suas células entrariam em combustão espontânea de tão aquecidas. E depois do calor veio a dor. Tão insuportável que parecia que seu corpo iria quebrar-se em mil pedaços.


Um grito de agonia foi tudo que ele conseguiu fazer antes de se entregar a escuridão de sua mente, porém, antes de desmaiar ele conseguiu em um último esforço virar-se para o lado e se deparar com um par de olhos tão amarelos quanto uma chama ardente, encarando-o. Ele sabia que era ela, mesmo com os olhos em cores diferentes, ele sabia que era a garota em quem vinha pensando desde quando conhecera. Hinata…


(Nesse momento o grande e famoso relógio de Londres soava meia-noite, como se indicasse que uma vida de Naruto tinha acabado... E outra estava apenas começando.)

3 de Maio de 2020 às 19:26 1 Denunciar Insira Seguir história
3
Leia o próximo capítulo Não Sou Mais Humano

Comente algo

Publique!
Dongana GB Dongana GB
Começando hoje e já amando! Estou apaixonada pela sua escrita. Parabéns! ❤
October 03, 2020, 23:07
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 2 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!