u15877921581587792158 Flávia Elric

Naruto carregava muita culpa dentro de si, se sentia péssimo, horrível, pois por mais que tentasse focar em seus problemas familiares, só conseguia pensar em uma coisa, em um alguém e isso machucava demais. Tinha certeza de que não havia pra onde correr, a questão o perseguia aonde quer que ele fosse. O passado fazia parte do presente e ele se sentia desesperado, irado, machucado. Não queria ferir ninguém, mas se questionava sobre até quando ele próprio iria fazer isso consigo mesmo. Não era justo, mas acreditava que devia se responsabilizar por todas suas escolhas passadas, assim também como as futuras.


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas.

#yaoi #lemon #naruto #sasuke #narusasu #sasunaru #narusasunaru
2
1.1mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

I can't sleep until I feel your touch

Olá pessoas! Fazem tantos anos que não escrevo para o fandom de Naruto, que realmente é estranho. Depois do final do mangá, peguei ódio mortal do Kishimoto e não suporto nem ouvir o nome de determinadas personagens. Naruto é um assunto muito pesado para mim e envolve meu emocional, então tento me manter longe. Mas tive um mini surto agora na quarentena e fiquei com vontade de escrever uma sacanagenzinha entre meus dois preciosos, aproveitando pra encaixar num contexto que conserta o lixo que o Kishimoto deixou que fizessem. Não considero canon nada do que acontece depois da última luta entre o Naruto e o Sasuke, mas foi interessante para mim escrever essa fic, que segue mais ou menos o universo onde existe Boruto e cia.

Espero que alguém goste e deixe sua opinião! Vou deixar mais uns comentários nas notas finais. Lembrando que eu mesma dei uma revisada, pois não tive tempo de pedir para ninguém betar, arrumo depois.

Boa leitura!



***


You keep telling me I should get out of your way

But I can't see how you gon' lie to my face

Don't tell me you fine cause I know that you not

So don't even try

(NF)


Os últimos raios de sol invadiam a torre do Hokage naquela tarde, anunciando o final de mais um dia cansativo de trabalho. Shikamaru discutia com Naruto no momento sobre problemas que não paravam de surgir sobre um festival que estava sendo organizado para arrecadar fundos em benefício de crianças órfãs. O conselheiro suspirava fundo, passando a mão pela testa, num claro sinal de impaciência. Já fazia semanas que percebera que Naruto não conseguia se focar por completo no trabalho, demonstrando extrema irritabilidade com qualquer assunto que chegava até ele. Ficava até tarde da noite no escritório, as vezes até mesmo amanhecendo por lá. O Nara sabia que ele estava passando por problemas pessoais e fazia o máximo que podia para não se intrometer, mas aquilo já estava ficando mais sério.


– Naruto, seja lá o que esteja acontecendo, você definitivamente precisa resolver! – disse por fim, encerrando aquele monólogo. – Te vejo na segunda, certo?


– Certo, certo! – respondeu o loiro, desanimado, debruçado sobre a mesa repleta de papéis.


Shikamaru saiu silenciosamente, deixando a porta entreaberta. Passou pelos corredores, descendo as escadas, não demorando em avistar a figura de capa preta que acabara de chegar. Era Sasuke. O Uchiha já estava na Vila há duas semanas, fazendo algumas missões simples de reconhecimento que não eram muito distantes dali. Estalou a língua ao passar por ele, em um cumprimento mudo. Estava bem ali a razão de todo o problema. Era incrível o fato de que quando o Uchiha sumia por meses, Naruto conseguia focar no trabalho, mas ainda assim ficava completamente melancólico, conseguindo fingir provavelmente para a maioria das pessoas, mas não para Shikamaru. Por outro lado, quando Sasuke voltava para Konoha, o Uzumaki se perdia completamente, não produzia no trabalho, ficava agitado, melancólico e irritado ao mesmo tempo.


Mas o que ele podia fazer? Era uma situação complicada, que apenas os dois podiam resolver entre si.


No escritório, Naruto estava pensativo, chateado por ter brigado com Boruto; não conseguia se entender com o filho e isso o deixava extremamente triste. Seu casamento estava praticamente acabado, parecia que a cada ano que passava, mais difícil ficava. Fazia de tudo para fazer Hinata e os filhos felizes, mas nada parecia o suficiente, por mais que se esforçasse. Se sentia culpado por tentar tanto fazer feliz aqueles que lhe eram importantes, quando ele mesmo não estava.


Ele e Hinata nem se relacionavam mais como um casal, viviam apenas de aparências, mantendo a parceria entre eles por conta das crianças, esperando que elas crescessem um pouco mais, para que pudessem entender melhor as coisas.


Carregava muita culpa dentro de si, se sentia péssimo, horrível, pois por mais que tentasse focar em seus problemas familiares, só conseguia pensar em uma coisa, em um alguém e isso doía, machucava demais. Tinha certeza de que não havia pra onde correr, a questão o perseguia aonde quer que ele fosse. O passado fazia parte do presente e ele se sentia desesperado, irado, machucado. Não queria ferir ninguém, mas se questionava sobre até quando ele próprio iria fazer isso consigo mesmo. Não era justo, mas acreditava que devia se responsabilizar por todas suas escolhas passadas, assim também como as futuras. Apesar de saber muito bem o que queria, tentava lutar contra, mas a cada dia que passava, era mais difícil, impossível.


Percebeu o chakra tão conhecido se aproximar, ficando nervoso instantaneamente, o coração começando a palpitar. Se perguntava como ainda se sentia assim depois de tantos anos. Era estranho, um misto de euforia, paz e desespero. Como podia sentir todas essas coisas ao mesmo tempo? Sorriu consigo mesmo, tentando entender.


– Oe, Usuratonkachi! – Sasuke chamou, anunciando sua presença ao entrar pela porta. Jogou o pergaminho em direção ao loiro, que o pegou instantaneamente.


– Sasuke - teme, levou quatro dias pra fazer uma missão tão simples? – brincou ele, mantendo o olhar baixo, pensativo, não dando nenhuma atenção ao pergaminho recebido.


– Só um pretexto para não aguentar você me enchendo o saco! – respondeu com escárnio, sorrindo de canto, apoiando-se na parede.


Parou para analisar Naruto atentamente, reparando que ele ainda não o encarava, mantendo o olhar distante, passeando os dedos de uma mão sobre sua aliança no dedo anelar da mão esquerda, pensativo.


Aquilo não era um bom sinal, definitivamente.


Havia brincado sobre fugir de Naruto para que ele não enchesse o saco, a verdade é que tinha precisado se afastar mesmo estando em Konoha, pois as coisas entre eles estavam preocupantes e perigosas. Ele sabia e entendia muito bem o que o loiro estava sentindo, pois ele experenciava o mesmo, talvez só tentasse enxergar a situação de uma forma mais fria, para evitar problemas.


Conseguia sentir a dor de Naruto em seu próprio peito e assim como ele, vivenciava muita culpa; culpa por não se achar um bom pai, por não ter sido um bom companheiro e, principalmente, por ser o motivo de causar sofrimento à Naruto. Não se achava digno, nem merecedor de tanto amor. Estava exausto emocionalmente, cansado de fugir de algo que parecia tão certo, mas ao mesmo tempo tão errado.


Ficaram em um silencio desconfortável por mais de dois minutos, até que a voz rouca de Naruto se fez presente.


– Sasuke... Eu preciso de você...


A frase acabou pegando o moreno de surpresa, como um forte soco no estomago. Quanto mais o tempo passava, mais direto Naruto ficava.


– Naruto, nós já conversamos sobre isso... – estreitou os olhos ao responder, sentindo o coração palpitar sobre o peito.


O loiro levantou em silêncio, seguindo até um dos vitrais enormes que davam vista a grande parte de Konoha. Fitou as luzes brilhantes, cerrando as mãos em punhos.


– Sim, nós conversamos sobre isso e não chegamos a nenhuma solução porque você não tem coragem de admitir o que sente por mim e nem de fazer algo a respeito! – exaltou-se, falando alto, demonstrando grande revolta em suas palavras.


– Não é como se fosse tão simples assim, Naruto! – elevou igualmente o tom de sua voz, sentindo-se ofendido com as acusações – Você tem uma família, você tem filhos que te amam e que esperam que seja o pai perfeito! Não quero ser o responsável por destruir isso, eu já destruí minha família, não quero que faça o mesmo.


Novamente o silencio irrompeu entre os dois, as palavras de Sasuke tendo peso para o Uzumaki.


– Mas Sasuke... Eu não sei mais o que fazer, vou ficar louco! – caminhou apressado até o meio da sala, aproximando-se do Uchiha, enquanto sua feição demonstrava sofrimento, gesticulando com as mãos. – Eu não consigo mais lidar com essa situação. – disse até estar frente a frente com o outro, sua voz saindo cada vez mais rouca.


Sasuke não sabia o que dizer, estava sem palavras, pois também não tinha respostas.


Controlado por impulsos, Naruto se aproximou o máximo possível do outro, levando as mãos sobre o rosto de tez pálida, em um gesto desesperado. As respirações tornaram-se ofegantes com a proximidade, vontades e desejos se manifestando, misturando e se encontrando. O loiro o empurrou na parede, colando suas testas uma na outra, ambos fecharam os olhos, sentindo aquele momento, cheio de sensações, que remetiam ao passado.


– Por favor... – Naruto suplicou baixinho, de olhos fechados.


O Uzumaki não conseguia se controlar, rapidamente descolou seu rosto do outro, afastando com cuidado a franja do olho coberto, encarando Sasuke com profundidade e desejo. Não demorou para que tomasse a decisão de tentar beijá-lo, porém quando os lábios se encontraram, o Uchiha desviou, virando o rosto, se impondo, usando seu único braço para tocar o outro no ombro, o afastando.


– Eu não te mereço... – disparou com a voz entrecortada, sem ter coragem de encará-lo. – Eu te fiz sofrer por tempo demais, não posso mais fazer isso.


Sasuke simplesmente se afastou, com pesar, sem voltar atrás, e enquanto caminhava rapidamente para ir embora, pôde ver Naruto socar a parede com força, demonstrando estar completamente revoltado com o que acabara de ouvir.


Sim, Naruto sentia raiva naquele momento, não podia acreditar que depois de tudo que viveram, ainda mais após o final da guerra, que Sasuke ainda acreditava que não era digno de ser amado por si. Sentou-se no sofá da sala de seu escritório e ponderou sobre tudo. Havia respeitado seu casamento até onde pôde por todos esses anos, mas não era como se Hinata não soubesse o que estava acontecendo, o que sempre esteve ali, mesmo quando ele próprio tentava negar. Tantos anos se segurando, se controlando, se martirizando; estava cansado de tentar ser perfeito. Era humano afinal, cometia erros e estava pronto pra assumi-los e responsabilizar-se por suas escolhas. Não seguiria em frente se não tivesse certeza de que era reciproco, mas ele sentia e sabia, em cada pedaço de sua alma, que Sasuke sentia o mesmo.


***

I'm going through withdrawals

You don't even have to do too much

You can turn me on with just a touch, baby

I look around and

Sin city's cold and empty

No one's around to judge me

I can't see clearly when you're gone

(The Weeknd)


Sasuke caminhou sem rumo por quase duas horas, tentando se acalmar e tirar Naruto de sua mente e do fato do quanto doía rejeitá-lo daquela forma, quando o que mais queria era corresponder. Esgueirou-se pelos arredores de Konoha, pensando e pensando, em como as coisas haviam terminado daquele jeito.


Cogitava às vezes que a única forma de resolver a situação seria ir embora, nunca mais voltar, para poupar todos de sofrer. Mas jamais conseguiria fazer isso com Sarada, ela já havia sofrido demais com sua ausência durante todos esses anos. Consolava-se com o fato de que pelo menos, Sakura, havia entendido e que não o julgava. Era complexo e envolviam vários fatores.


Por fim, resolveu voltar para o lugar onde estava hospedado, precisava descansar, decidir o que faria e se o melhor seria ir embora novamente por um tempo.


A pousada era um lugar calmo, sem muitos clientes, afastado do centro de Konoha, os quartos ficavam de frente para um jardim oriental, onde fontes de bambu faziam o barulho característico de água caindo. Tais aspectos o faziam se lembrar de sua antiga casa na infância, no complexo Uchiha.


A maioria das luzes já estava apagada quando adentrou seu quarto no terceiro andar; tirou os sapatos, deixando-os no canto. Foi direto para o banho, retirando as roupas e ligando o chuveiro que continha uma banheira em baixo. Deixou a água cair sob seu corpo até que deslizasse na banheira, abraçando as pernas com seu braço. Sasuke não era tão frio quanto demonstrava ser, sentia demais, com muita intensidade, não era fácil manter a máscara; julgava que só podia ser ele mesmo quanto estava com Naruto. Porém, devido as circunstâncias atuais, nem tanto.

Várias lembranças passaram por sua mente enquanto mantinha-se embaixo da água quente, como por exemplo, o primeiro beijo de verdade que ele e Naruto haviam trocado após a guerra. A memória fez com que ele sorrisse, o peito aquecido. Perdeu-se no passado por vários minutos, até que finalmente criou forças para sair da água e se enxugar, escovar os dentes e vestir o apenas a calça de moletom preta que usava para dormir.

Surpreendeu-se ao sair do banheiro, ativando seu Sharingan instantaneamente, chocando-se com o fato de ter se distraído tanto a ponto de não ter percebido o chakra tão conhecido por ele, tão perto.


A porta que dava a varanda estava aberta, as cortinas se movimentando com o vento e logo ali, estava o sétimo Hokage, sentado sobre o batente de madeira, com as pernas esticadas, olhando pra lua, que iluminava grande parte do quarto.


Passou pela cama e se aproximou, incrédulo, não conseguindo dizer nenhuma palavra. Reparou nos detalhes, como o cabelo loiro que Naruto parecia não cortar há algum tempo, fazendo com que ele se lembra-se daquele garoto irritante de tantos anos atrás. Ele era lindo, sempre fora. Não demorou para que seu coração começasse a bater forte, engolindo em seco.


Naruto logo saiu de onde estava e veio em sua direção, parando próximo, sorrindo de leve.


– Está invadindo quartos agora?! – perguntou, numa tentativa falha de provocar.


O loiro não deu nenhuma resposta, apenas disparou sobre si, o abraçando forte, escondendo o rosto em seu ombro.


Ficaram um tempo assim, até que Naruto afastou o rosto para olhar Sasuke com intensidade, como se fizesse um pedido mudo. O Uchiha conseguia entender tudo que se passava no fundo daqueles olhos azuis, tudo que ele queria transmitir. Então, tomando sua decisão, ele levou a mão até os cabelos claros, o puxando para si, colando seus lábios no do outro. O Uzumaki suspirou desesperado, passando as mãos pela cintura do Uchiha, sentindo arrepios em sua nuca enquanto aprofundava o beijo, as línguas se envolvendo num ritmo gostoso, onde Sasuke vez ou outra sugava o lábio inferior do outro, que não demorou em descer o nariz no pescoço alheio, aspirando o cheiro viciante, distribuindo beijos e mordidas. Sasuke o puxou novamente para sua boca, fitando-o com desejo, beijando o mais novo de forma lasciva e apressada. O loiro correspondeu, passeando as mãos pelo corpo de tez pálida, parando na bunda, apertando-a com força, o que fez o outro gemer.


Nenhum deles conseguia pensar direito, apenas se entregar aquela vontade desesperadora. Em meio aos beijos, corpos colados, Sasuke desceu a mão levando a ponta dos dedos até o abdômen definido por baixo da roupa, sentindo a respiração ofegante em sua orelha. Voltou seus olhos para os azuis que se encontravam escuros e densos, pressionando sua mão sobre a ereção de Naruto. O loiro, não perdendo tempo, passeou a mão pelo mamilo esquerdo do outro, curvando-se para distribuir pequenos beijos e lambidas, enquanto Sasuke rapidamente puxou a camisa laranja do outro, arrancando-a por cima de seus braços e a jogando em algum canto do quarto. O cheiro da pele dele era inebriante, exatamente da forma que se lembrava. Decidido, o Uchiha ajoelhou-se sob o chão, desfazendo o botão da calça de Naruto, puxando lentamente o zíper, fazendo com que o outro estremecesse em antecipação.


– Sasuke... – gemeu baixo, ao ver o outro descer sua calça, juntamente com a cueca.


Seu membro doía e latejava, sensação esta que logo passou, assim que o moreno começou a fazer movimentos firmes de vai e vem com a mão, abaixando a cabeça logo em seguida, lambendo o comprimento e rodando a língua pela glande, para então envolver até o final com sua boca, chupando minuciosamente cada pedaço, o que fez com que Naruto soltasse gemidos e grunhidos, apertando com força os fios de cabelo escuro. Aquela cena despertava o lado mais primitivo do Uzumaki, fazendo com que ele tivesse que se controlar. Para Sasuke também não era muito diferente, então com pressa, ele levantou, e aos beijos, puxou Naruto para a cama, empurrando-o com força sobre ela, montando em cima dele, prendendo seus braços sob a cabeça, enquanto distribuía beijos capciosos pela pele bronzeada. Conseguindo se soltar, o loiro aproveitou para erguer o corpo e agarrar Sasuke, enquanto o mesmo permanecia em seu colo, pressionando e roçando sua ereção contra a dele.


Perdendo a paciência em poucos segundos, desesperadamente abaixou as calças do moreno, bombeando seu membro ereto com firmeza. Num consentimento mudo, Naruto levou três de seus dedos a boca de Sasuke, que os chupou de forma provocativa, envolvendo-os com saliva, fazendo com que o loiro observasse a cena ofegante, sentindo seu corpo esquentar cada vez mais. Arrancou a calça do mais velho de forma desajeitada e apressada, não fazendo cerimônias em esparramar uma das mãos pelas nádegas firmes, apertando e abusando, enquanto a outra mão deslizava os dedos lubrificados para o interior de Sasuke, com cuidado, um de cada vez, fazendo com que os gemidos do moreno se intensificassem cada vez que sua próstata era tocada.


Naruto envolveu um de seus braços na cintura do outro e em um movimento rápido rolou seus corpos pela cama, ficando por entre as pernas de Sasuke. Apreciava cada detalhe no rosto pálido: a expressão corada, a respiração entrecortada, o cabelo grudando levemente sob a testa e, os olhos, escuros e focados. O beijou com intensidade, buscando expressar todo o desejo que sentia, enquanto acariciava a coxa e o quadril estreito. Se posicionou por cima do corpo abaixo de si, usando uma das mãos para forçar seu membro contra o interior de Sasuke, sentindo a constrição à sua volta, fazendo com que fechasse os olhos em deleite. Conforme avançava, se atentou com preocupação ao desconforto e dor aparente no rosto suado, começando com movimentos lentos até que o corpo do outro se acostumasse. Usando uma das mãos, começou a masturba-lo, buscando garantir que Sasuke sentisse prazer como ele, ao mesmo tempo em que aumentava a velocidade dos movimentos.


Para o Uchiha, ter Naruto dentro de si era enlouquecedor e familiar, ele sabia exatamente quando e como tocá-lo. Puxava-o cada vez mais com as pernas, procurando aprofundar o contato, sentindo as estocadas acertarem sua próstata com precisão.


Os gemidos que escapavam por suas bocas se misturavam com o som de pele contra a pele, preenchendo o pequeno quarto. Caricias, arranhões e mordidas eram trocadas entre eles, o suor e odor de sexo se fazendo presente.


Numa troca de olhares, Naruto parou o que estava fazendo, movendo Sasuke bruscamente para que ficasse de costas, o qual entendeu bem o pedido, se colocando de bruços sob os lençóis, a bunda empinada, fazendo com que o loiro deliciasse-se com a visão, não pensando duas vezes em cair de boca, chupando e lambendo sua entrada. Logo voltou a invadi-lo com o membro ereto, dessa vez metendo com mais força, fazendo com que Sasuke arqueasse a coluna, sentindo as mãos firmes do loiro o segurar pelas laterais de seu corpo, para logo em seguida envolver uma das mãos em sua nuca, puxando-o para si pelos cabelos.


O estimulo constante fez com que Sasuke sentisse um calor profundo crescendo dentro de si, branco preenchendo sua visão enquanto se entregava para um orgasmo intenso, sentindo espasmos percorrerem seu corpo inteiro. A sensação de ter seu pênis contraído com força pelo interior do outro fez com que Naruto também não aguentasse mais, gemendo em um tom angustiado ao gozar dentro do outro.


Seu corpo pareceu derreter ao esparramar-se pela cama, ofegante, enquanto procurava aninhar-se próximo à Sasuke, que por sua vez tentava normalizar a respiração, encarando o teto do quarto.


Mantiveram os corpos colados, aproveitando cada segundo, sem dizer nada, pois sabiam que em breve teriam que conversar a respeito e se responsabilizarem pelo peso de seus atos. Tinham que encontrar juntos uma solução, pois a certeza de que não poderiam mais ficar um sem o outro se mostrava clara após se perderem naquele momento.




Notas Finais:

Ah, esse final... Ele definitivamente não ia ser assim, escrevi diversos finais, mas como eu queria escrever uma oneshot apenas, tudo que eu escrevia, dava a entender que precisava de uma continuação elaborada. Pensei em deixar em aberto, para quem sabe continuar a fic um dia, mas não sei.

Eu queria muito ter me aprofundado no assunto traição, mas não queria que julgassem o Naruto como um fdp, então tive que fazer umas mudanças. Mas também não perdi a oportunidade de ferrar com a vida dessa ****, mais conhecida como Hinata.

Minhas fics são como filhos para mim, eu chorei, ri, passei nervoso, e me desesperei enquanto escrevia Lost in the Moment, mas no final eu fiquei muito feliz com o resultado. Até mesmo com o lemon, que me deixou completamente insegura, mas se até meu namorado teve nosebleeds, acho que é possivel mais alguém ter.

Um dia, posso pensar em fazer um especial, contando se os dois finalmente conseguiram ficar juntos.

Espero que tenham gostado e que me falem!





25 de Abril de 2020 às 05:34 1 Denunciar Insira 0
Fim

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
_Vênus'sCity _ LeeCJ_× _Vênus'sCity _ LeeCJ_×
Realmente, decepcionante o final canon, é uma lástima que as coisas não tenham terminado como supostamente deveriam e desejávamos, e sim terminado com um incrível 'sem sentido'. Mas ainda tem a parte boa de podermos criar o alternativo e o acréscimo em nossas próprias palavras para a obra, e eu realmente gosto muito de fanfics e doujinshis que se passam e iniciam o verdadeiro romance entre os dois no pós guerra ou na fase atual de Boruto. De qualquer forma, adorei muito sua escrita, o jeito que você desenrolou os acontecimentos e a conscientização dos dois sobre a situação que estão, não sendo igual muitas que elas só chifram as esposas e fds, sem nem pensar em nada, nem nos filhos ou nas consequências! Fanfic maravilhosa, adoraria ler um especial! Obrigada por escrever <3
April 26, 2020, 08:22
~

Mais histórias

Nothing Like Us Nothing Like Us
Our Clumsy Hearts Our Clumsy Hearts
Super Dad Super Dad