yeolblues Lali +chankaistan

Chanyeol acaba de sair de um relacionamento frustrado e então resolve aproveitar ao máximo o que a vida universitária tem a lhe oferecer, assim conhecendo Baekhyun, um estudante de fotografia famoso por todo o campus por seu talento com fotografias eróticas. O platinado só não sabia que em breve, o fotógrafo seria o responsável por bagunçar seus sentimentos e a sua cama.


LGBT+ Para maiores de 18 apenas.

#romance #yaoi #chanbaek #exo #baekhyun #byun-baekhyun-park-chanyeol #chayeol #Fotográfoau
4
1.1mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Sextas-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

Contraste

Chanyeol ficou paralisado ao ouvir a voz do castanho. Ele tinha o visto reparando em suas fotos? Sentiu-se uma espécie de invasor da privacidade alheia, queria sumir e esconder sua cabeça no buraco mais próximo e não sair pelos próximos 15 dias. Mesmo sem conseguir formular uma resposta, esperou que o castanho brigasse consigo, no entanto, ele continuou com as mãos em seus ombros, apertando esses bastante relaxantes. Seria ótimo se estivesse conseguindo se concentrar, mas estava muito nervoso.

— O gato comeu a sua língua?

— É-é q-que eu acabei vendo as suas fotos sem querer. Perdão. — levantou do colchão totalmente alarmado — Não quis de maneira nenhuma invadir a sua intimidade, Baekhyun.

O castanho achou fofo, se fosse qualquer outro cara não iria se explicar, apenas o cantaria revelando todas as intenções maldosas.

— Tudo bem, cariño. — sorriu de canto e se aproximou de si — Eu às vezes sou provocador mesmo. — piscou — Queria te agradecer por ter vindo cuidar de mim.

O que estava prestes a acontecer seria o que chamavam de proposta indecente?

— Não precisa. Não quis estar aqui com você já visando algo em troca. — balançou a cabeça negativamente — Se sente melhor? — Sem aviso prévio voltou a tacar as costas da mão na testa alheia. E para sua surpresa o menor não teve nenhuma reação irritada.

Ficou olhando para Chanyeol durante um tempo piscando seus olhinhos graciosamente, como sempre fazia quando pensava demais na pessoa a sua frente. Agora foi a vez do castanho balançar a cabeça de um lado para o outro. Não queria pensar muito naquele cara como alguém fofo que foi muito legal consigo, se continuasse com tal pensamento sabia que não iria dar certo e no final acabaria gostando dele mais do que devia.

— Eu insisto. — colocou uma das mãos no peitoral a sua frente. Preferia se atirar para ele do que ficar pensando muito em sua fofura — Que tal um ensaio? Faço um ensaio totalmente de graça ‘pra você e vai ter fotos para postar até o final do ano. — sorriu animado.

— Não precisa se preocup…

— Eu insisto. — a última palavra foi dita carregada de sotaque e então o Park respirou fundo e assentiu aceitando — Ótimo! Que dia marcamos?

— Que tal no domingo?

— Perfeito. Aos domingos o Jongin passa o dia fora, então podemos ficar sozinhos. — Chanyeol sentiu o coração acelerar e o menor sorriu maliciosamente — E eu vou estar melhor. Hm, obrigado por cuidar de mim hoje. Posso te abraçar? — abriu os braços na direção do platinado que o olhou desconfiado e em resposta um biquinho manhoso.

— Está bem. — Abriu os braços e o correspondeu.

Seria mentira falar que não tinha se afetado por Baekhyun, principalmente ao descobrir esse lado mais amável e menos na defensiva de sua personalidade. Essa parte sua manhosa que era aparentemente carente. Vez ou outra acabava levando uns bons foras do castanho, no entanto após as patadas ele sorria, mostrando que não estava sendo sério.

Para sua própria surpresa, Chanyeol não precisou de muito para se aproximar e cativar Baekhyun. Foi necessário uma conversa no jardim, o fazer tomar o maldito chá de limão e mel, ver suas fotografias e tirar todas as dúvidas sobre a profissão e um abraço. Depois dessa sequência de coisas para o baixinho, a presença alheia seria mais que agradável.

[...]

O Park estava ansioso, Sehun o ajudou a escolher uma roupa bonita para o ensaio que teria naquele dia com Baekhyun. E para sua alegria o melhor amigo já havia se desculpado com o castanho. Estava pensando se deveria ou não refazer seu undercut, porém estava morrendo de preguiça. Apenas molhou o cabelo e esperou-o secar.

Vestiu uma blusa branca e um casaco de crochê preto por cima, estava fazendo frio, porém, Yeol não sentia-o tanto. Porém, quis se vestir adequadamente já pensando que talvez fizessem um ensaio mais sensual. Sem segunda intenção alguma, bom, Chanyeol o evitou no dia anterior já temendo acabar caindo no joguinho de tentação que era Byun Baekhyun, então, agora sentia-se mais “forte”.

Mandou apenas uma mensagem durante a noite para checar se ainda estava de pé o ensaio, e como sempre o menor era bastante direto por mensagens, respondendo apenas o que se foi perguntado. Acreditava que isso era coisa do próprio jeito do Byun então não se importava tanto com isso, até por que não era a melhor pessoa do mundo para puxar assunto então preferia ficar quieto.

Chegou no residencial em que ele morava com Jongin e bateu na porta apenas uma vez já ouvindo uma resposta que a porta estava aberta e que poderia entrar. Assim que girou a maçaneta encontrou Baekhyun com um sorriso deslumbrante no rosto, não parecia que há dois dias estava doente. Na verdade, ele todo estava deslumbrante.

— E aí? — o saudou sorrindo de canto — Estava tentando achar a roupa certa. Odeio o frio.

— Sério? Jurei que preferia ele.

— Sou naturalmente quente. — piscou para o platinado — E então? Como vai ser? E por que você veio todo arrumado?

— Na verdade, foi somente pelo percurso da minha casa até aqui. Até por que para as fotos não vamos precisar de roupa, certo?

A sobrancelha esquerda de Baekhyun arqueou-se totalmente com aquele comentário. E um sorriso nasceu no canto de seus lábios. Colocou uma das mãos na cintura ainda surpreso pelo o que foi dito.

— Tem certeza disso?

— Tenho. Quero me sentir melhor, desde o término com o Kyungsoo me sinto meio ‘pra baixo, então, acho que tirar umas fotos assim vai ajudar a levantar minha autoestima. — sorriu mostrando sua covinha.

— Eu promovo o bem-estar, então, se por você está bem. — abriu seu sorriso — Por mim está ótimo. Vou arrumar tudo no quarto e quando estiver quase pronto, chamo você, ok?

— Ok. — assentiu e ficou esperando o castanho voltar do cômodo.

Ficou um pouco nervoso pois iria conhecer o quarto de Baekhyun. Bom, talvez não tivesse nada demais nisso, porém, ainda sim. O problema não era nem o lugar em si, mas sim quem estaria consigo.

— Pode vir. — o menor falou do quarto.

O platinado se dirigiu até o cômodo devagar e quando chegou lá foi que reparou na roupa que o castanho estava usando. Maldita hora que reparou.

Baekhyun estava de costas para si mexendo em sua câmera que estava sobre uma prateleira. Ele usava um suéter preto gola alta, justíssimo, a calça jeans era azul claro tão justa quanto a roupa inferior, Chanyeol teve que respirar fundo para poder encará-lo. Ele estava lindo, como todas as outras vezes. Quando ele virou em sua direção com a Canon T7i pendurada no pescoço e olhou por detrás dela, o Park sentiu-se melhor, seria perfeito se ele continuasse atrás das lentes fotográficas.

— Já pode começar tirando a roupa, Yeol.

Ouvir aquela frase saindo daquele homem foi como um tiro no peito. Sentiu as mãos começarem a tremer.

— Se quiser que eu saia…

O menor era extremamente profissional, então por mais que quisesse flertar, não o iria fazer agora. Cada pedido seu era sério, afinal era o seu trabalho.

— Não precisa. — falou tentando controlar ao máximo a gagueira envergonhada que sempre tinha. Não queria demonstrar estar aparentemente vulnerável então faria de tudo para permanecer normal.

Primeiro tirou o casaco preto colocando-o sobre a cama e em seguida a blusa branca. Baekhyun continuou a olhá-lo por detrás das lentes, e estava amando. Quando o Park tirou a camisa se surpreendeu. Ele não era tão magro quanto imaginou e pelo visto, malhava frequentemente. Se não estivesse fazendo seu trabalho já estaria pensando em mil e um motivos para ficar consigo, não havia mentido quando disse no jardim que ele era lindo.

— Uau. Seu corpo é bem bonito. — elogiou simplista.

— Obrigad…

Yeol, deita na cama. Por favor. — pediu educadamente e novamente o Park teve que segurar suas reações ao máximo e apenas obedeceu. — Não precisa tirar a calça por enquanto. Veste o seu casaco e deixa os ombros a mostra. — Após ter feito o que foi pedido ficou um pouco envergonhado e sorriu de puro nervosismo.

— Espere um pouco. — Soltou a câmera deixando-a pendurada e se aproximou da cama em que o mais alto estava. Pegou um dos edredons que tinham ali e decidiu cobrí-lo até a cintura. — Deita de bruços.

Não digeriu aquilo. Parou um pouco para pensar e não se moveu no mesmo instante.

— Como?

Sabia o que ele queria dizer, mas acabou travando.

— De bruços, Chanyeol. Ou então, com a bunda ‘pra cima, como você preferir. — Voltou para a câmera se aproximando mais da cama e se ajoelhando no chão — Sem tirar o lençol da cintura.

Foi nesse momento que o grandão precisou concentrar-se em respirar. Pois parecia que a qualquer momento o ar faltaria.

— Assim está bom? — perguntou se acomodando com deveria e olhando seriamente para o lado.

— Perfeito. E pode fazer as poses que quiser, as fotos iram ficar ótimas, tenho certeza. — Assegurou e sorriu apontando a lente para si e começando a tirar várias fotos.

A cada clique o mais alto olhava de um jeito diferente. Colocava uma das mãos no ombro, inclinava a cabeça para um lado e outro, sorria minimamente, fechava os olhos e tudo isso fez Baekhyun ter certeza de que além de bonito era uma pessoa fotogênica e isso o deixava totalmente animado.

A próxima sequência de fotos seria em pé, perto da porta e com aquele mesmo casaco totalmente aberto. Enquanto tirava-as o castanho buscava ao máximo se concentrar, porém ainda sim se surpreendia. Jamais imaginou que por dentro daquelas roupas folgadas de Chanyeol haveria um corpo tão bonito e sensual. As últimas fotos seriam dele de joelhos contra todo o equipamento de luz que o menor havia montado para que desse um destaque para sua silhueta, um dos tipos de fotos preferidas do baixinho.

Quando terminaram, Baekhyun estava exausto.

Demoraram duas horas ao todo e geralmente quando fazia um ensaio sempre ficava morto, pois dava todas as suas energias naquilo. Os calcanhares doíam um pouco, pois estava em pé no mesmo lugar por mais de uma hora. No entanto, estava satisfeito. Saiu do quarto para que o mais alto vestisse suas roupas, sentiu que o Park estava tímido novamente e foi para a cozinha. Sentou em um dos banquinhos na frente do balcão e começou a ver as fotos.

Uma mais linda que a outra, tinha acertado em cheio na iluminação, na distância, ângulos e o modelo ajudou e muito. Estava contente pelo trabalho concluído. Em meio a sensação de dever cumprido e admiração pela excelência com que terminou tudo, lembrou-se do quão bonito o platinado estava naquele dia.

“Ele deve estar com fome”, o castanho pensou já pegando seu celular e discando para a melhor pizzaria que conhecia, mas que infelizmente era um tanto longe. Fez seu pedido e voltou a ver as fotos, quando Chanyeol veio do quarto olhou para ele com um sorriso enorme.

— Você é um modelo e tanto. Já pensou em procurar uma agência ou algo do tipo?

— Não. Eu tenho vergonha e sou desengonçado, acredite.

— Você só me pareceu envergonhado quando eu te pedi ‘pra tirar a roupa.

Com o ensaio finalizado, agora sim, podia flertar o quanto quisesse, não que fosse de seu cacife flertar com seus modelos e clientes, na maioria das vezes odiava quando isso acontecia consigo e sempre evitava. Mas, com o platinado sentiu que se seguisse em frente ambos iriam se dar bem, porque modéstia a parte, Baekhyun também não era de se jogar fora.

E ainda mais com aquele suéter tão justo…

— Não é todo dia que me pedem pra fazer isso, sabe? — Chanyeol brincou — É realmente difícil lidar com você. E Baekhyun, você é comprometido?

O castanho riu anasaladamente e desceu do banquinho ficando em pé, na frente do Park. Ele estava como antes, só não tinha o casaco abotoado, então, o menor decidiu colocar os botões em suas casinhas enquanto respondesse sua pergunta.

— Acha que se eu fosse comprometido estaria dando em cima de você como estou fazendo agora? — perguntou em um tom baixo e sorriso discreto.

— Não. Mas só perguntei ‘pra saber mesmo. — respondeu desviando do olhar alheio.

— Hm? Quer saber se tem chance, Park?

— N-n

— Tem sim. E muitas. — o interrompeu segurando na gola do casaco e mordendo seu lábio inferior. — Você é gato ‘pra caralho.

— Para com isso, Baekhyun.

— Parar com o quê? Vai dizer que não quer? Por favor, vamos continuar sendo amigos. Isso não vai influenciar em nada.

— Amigos que se pegam? — perguntou incrédulo.

— Sim. — afirmou naturalmente.

— E se eu acabar me apaixonando?

— Eu não sou tão maravilhoso assim. Não acredito que depois de somente uma transa, você já vai estar gostando de mim desse jeito. — soltou a roupa alheia — E caso isso aconteça, eu me responsabilizo pelos seus sentimentos. — sorriu.

— E pelos seus? Você não é obrigado a me corresponder. — argumentou sério e o castanho respirou fundo e segurou em sua mão.

Quando fez isso, Chanyeol sentiu o quão quente estava a palma alheia e como a sua estava gélida. Não era nervosismo, não sabia que se tornava tão sensível a temperatura se estivesse perto do Byun. Na verdade, talvez estivesse sensível a tudo com Baekhyun a menos de um metro de distância de si.

O guiou para perto do sofá e sorriu de um jeito fofo antes de empurrá-lo o fazendo cair sentado no estofado.

— Acredite em mim, cariño. Você se encaixa perfeitamente no meu tipo ideal. — colocou as mãos em seus ombros e sem aviso prévio sentou em seu colo com uma perna de cada lado. Por puro instinto, Chanyeol ergueu as mãos com receio de o corresponder — Falando sério agora, se você não quiser isso, pode falar. Eu levanto e consigo te tratar da mesma maneira e até fingir que não aconteceu nada.

O mais alto o olhou nos olhos sério, não parecia nervoso. Apenas estava surpreso com aquilo e com toda a atitude que o castanho tinha. Na verdade queria sim, desde que Baekhyun o deu a porcaria de um selinho que durou segundos demais, não o tirava da cabeça. Era um pouco emocionado? Sim, mas convenhamos, não era todo dia que um cara lindo e atraente beijava-o tão facilmente e ainda mantinha uma conversa legal consigo.

Baekhyun também fazia o tipo ideal do platinado. Preferia garotos bem mais baixos que si, marrentinhos como ele e com um sorriso de tirar o fôlego. Porém com o castanho também vinha uma pack extra de insinuações, arquear de sobrancelha, piscadinhas e um talento excepcional de tirar fotos. Com certeza Baekhyun era totalmente apaixonante.

Pensando em todas as possibilidades e na pior das hipóteses fez o que seu coração o mandou fazer. Ainda olhando-o nos olhos e sem responder nada colocou uma das mãos na nuca do menor e quando ele sentiu a ponta dos dedos frios naquele lugar que era tão sensível automaticamente encolheu o pescoço.

¿Eso quiere decir algo? — Sua voz saiu quase como um ronronar e sorriu de um jeito presunçoso com a cabeça inclinada para a esquerda encostada ao pulso do mais alto.

Baekhyun só falava em espanhol quando estava empolgado, nervoso, fazendo birra ou interessado demais em algo. E naquele momento o primeiro e último motivo eram os mais prováveis. Ele não sabia que falar em seu segundo idioma deixava o grandão tão afetado até que após terminar de falar a mão que estava na parte de trás de seu pescoço o puxou para frente de encontro os lábios levemente cheinhos do mais alto.

Quando as bocas se tocaram, Chanyeol sentiu uma corrente elétrica percorrer seu corpo e então teve certeza que não deveria se arrepender, os lábios se mexiam em uma sincronia sublime e o menor amou dar uma atenção maior ao lábio inferior alheio enquanto o Park mordiscava o seu superior. Estavam em um posição um tanto comprometedora, porém, que dava àquele beijo todo um clima mais sexual, que era o que ambos queriam e precisavam. Nada que significasse romance seria bem-vindo.

— Realmente não quero me apaixonar outra vez. Estou com um pouco de medo. — confessou separando-os lábios do menor.

— Entendo você. — suspirou — Então, vamos ser rápidos? Assim não damos tempo da paixão chegar.

— S-só uma rapidinha então? — indagou de uma forma pedinte.

— Perfeito. — respondeu afobado segurando na gola do casaco alheio — Tanto trabalho para colocar os botões e agora ter que tirar tudo…

— Eu estou com outra camisa por debaixo, esse casaco é o que menos importa. — Com as suas próprias mãos saiu desabotoando os primeiros de cima e quando chegou no penúltimo os estourou puxando a roupa em direções contrárias. Baekhyun segurou na barra de sua camisa e a tirou jogando-a no sofá ao lado do platinado.

— Porra. — xingou passando as mãos pelo peitoral alheio e raspando as curtas unhas no abdômen definido. — Você é um gato mesmo. — mordeu o lábio inferior sentindo-se mais animado.

Saiu de seu colo se ajoelhando no chão e erguendo um pouco o tronco para beijar toda sua barriga e deixar algumas pequenas marcas avermelhadas de mordidas. Com uma trilha de beijos até seu peito e enquanto recebia um carinho nos fios cacheados sentiu que deveria fazer o que sua mente e seu pau diziam, levou as mãos para os botões da calça alheia e desceu dois dedos até o zíper o abaixando completamente enquanto Chanyeol o olhava com os olhos levemente arregalados e ainda surpreso.

Nunca teve uma foda casual, mas para tudo tinha uma primeira vez então a sua havia chegado com um cara incrivelmente irresistível. E que já estava prestes a fazer um boquete em si.

— O quão rápido precisamos ser? — Baekhyun disse erguendo sua cabeça para o olhar. — Rápido o suficiente para que eu deixe de te chupar?

— Você não pergunta algo desse jeito.

— Sei, aquele ditado que dizem aqui, ‘né? Água e um oral, não se nega a ninguém. — Riu pela reação abismada do mais alto — Vem cá, me dá outro beijo. — O Park teve que curvar-se para frente para os lábios entrarem em contato com os do castanho, estava com a mão no queixo dele segurando de um jeito delicado e cuidadoso.

Em meio ao beijo o menor sorriu e se afastou. Puxou a calça de Chanyeol para baixo e o platinado a tirou completamente. E com um sorriso luxurioso olhando para o volume na cueca boxer azul escura, tocou, lambeu-por cima do tecido antes de colocar a mão lá e tirá-lo para fora.

— Não olha tanto.

— Faz um tempinho que eu transei, então, estou um pouco sedento e ansioso, sabe?

— Hm. — arqueou as sobrancelhas juntas.

Iria falar mais alguma coisa, porém, esqueceu completamente quando já sentiu a língua quente de Baekhyun circundar sua glande rosada seu cérebro entrou em curto e fechou os olhos para poder apreciar o quão dedicado ele estava chupando seu membro. A boca subia e descia conseguindo colocar tudo. Depois de deixá-lo completamente lambuzado e que começou a ouvir os gemidos roucos e baixos o tirou dos lábios começando a masturbá-lo e ainda sorrindo de um jeito satisfeito.

— Levanta, Baekhyun. — o platinado pediu e foi prontamente obedecido, desceu a calça do castanho e sem aviso algum também começou a chupá-lo, o pau de Baekhyun era maior que o seu, e o que não conseguia chupar estimulava com uma das mãos enquanto a outra estava em uma das coxas. O castanho colocou uma de suas mãos nos fios platinados fazendo um carinho.

— Hm, você também está bem apressadinho, não é? Vamos ter outras vezes, cariño. Porra…. — falou em um suspiro — ‘Tá bom, agora encosta. Que eu estou morto. — levantou colocando as mãos no peitoral alheio e empurrando para trás.

— Hm? — Perguntou sem entender.

— Isso significa que eu quero sentar. Em você. — colocou um joelho ao lado de cada coxa do Park que automaticamente segurou na cintura alheia.

— Tem certeza?

— Sério? — perguntou retoricamente e o grandão assentiu — Bom, a gente chupou o pau um do outro, eu ACHO que já estava claro o que eu queria com isso. — sorriu achando fofa a preocupação alheia.

— Perdão, é q-que…

— Tudo bem, Yeol. — Apertou uma das bochechas do mais alto e lhe deu um selinho que diferente dos outros beijos, esse era mais carinhoso. — Mas, vamos deixar essa fofura para outro momento, hm? Digamos que eu esteja louco ‘pra sentir você em mim. — o olhou nos olhos tentando demonstrar todo o seu tesão por suas orbes castanhas escuras.

— Está bem. — sorriu e esperou Baekhyun erguer o quadril para posicionar seu membro na entrada alheia.

— Oh, eu ainda estou vestido. — falou desmemoriado — Desculpe. — Segurou na barra de seu suéter pronto para levantá-lo, porém foi impedido.

— Você fica extremamente gato com essa roupa. Não tire ela, por favor.

— Fico é? — perguntou em um tom de voz provocante — Deve ser porque marca o meu corpinho lindo. — sorriu convencido — Se prefere assim, está bem. Vou buscar uma coisa. — saiu de cima de si, o deixando confuso e com as maiores expectativas. O castanho voltou com uma embalagem vermelha de camisinha rasgando-a cuidadosamente e ele mesmo a colocou no membro alheio — Fui buscar no quarto do Jongin.

— Você rouba as camisinhas do seu melhor amigo?

— É porque ele é o transudo, eu não. — Riu e o mais alto também.

Voltando onde estavam, assim que sentiu Chanyeol entrando em si fechou os olhos com força, estava sendo um pouco doloroso, como tinha dito, fazia tempo que tinha transado com alguém. Estavam devagar e o platinado o olhava cuidadosamente, preocupação de acabar causando mais dor do que devia.

— Vou rebolar em você, hm?

— Porra, eu me sinto um virgem com você falando assim.

— Olha só, ele fala palavrão. — Brincou — Você tem cara de virgem, cariño. Tão-hm… Fofo. — Gemeu baixinho mordendo seus próprios lábios e mexendo o quadril para frente e ‘pra trás devagar.

Só de observá-lo Chanyeol poderia gozar, mas a sensação de ter o pau apertado pelas paredes internas era muito excitante também. Com as mãos na cintura de Baekhyun começou a seguir os movimentos do castanho, e quando ele juntou mais os joelhos as suas pernas para quicar em seu colo foi o fim. Sentiu que chegaria em seu ápice mais rápido do que esperava, o castanho era muito, muito gostoso. E fazendo aquela expressão de puro prazer enquanto estava sentando em si, era demais para o pobre coração do Park.

— Vai, mete em mim. — Pediu erguendo a bunda, mas sem tirar o pênis de dentro de si. O mais alto obedeceu sem pensar duas vezes. Começou a impulsionar o quadril para cima, mais rápido e apertando a cintura alheia, gemia baixinho enquanto isso. Sempre foi do tipo discreto durante o sexo, e Baekhyun respirava ofegantemente enquanto a testa já tinha alguns fios grudados pelo calor que sentia. Escondeu seu rosto na curva do pescoço alheio — Joder. — disse rente ao ouvido alheio.

Com o tesão nas alturas, intensificou mais seus movimentos e o Byun gemia mais audivelmente, e tão perto de sua orelha, aquela seria com certeza uma das maiores tentações da vida do estudante de música. Baekhyun o deixava com vontade de transar consigo em todas as posições possíveis com aquele gemidinho manhoso e arrastado.

— Puta merda, Baekhyun. — xingou já sentindo que estava perto do orgasmo.

Mierda digo yo.

O que faltava para chegar em seu estopim era justamente isso. Mais um único gemido em espanhol e umas quicadas com certa força, segurou as almofadas no sofá com afinco, notando isso, Baekhyun continuou e agora, olhava os olhos do Park, que se derramou em seu interior. Sua respiração estava ofegante e o coração mais acelerado do que tudo. O castanho continuou a cavalgar em seu colo e o mais alto deixou obviamente, já que ele ainda não tinha gozado.

Depois de mais alguns segundos chegou em seu ápice e olhou para Chanyeol de um jeito cansado e luxurioso, com os olhos meio mortos e a boca entreaberta.

— Puta gostoso mesmo, ein Park? — Elogiou sorrindo, saindo de cima de si.

— E você é incrível mesmo. — também elogiou — Uau… — falou olhando para o teto ainda tentando controlar sua respiração.

Iria falar mais alguma coisa quando ouviram a campainha tocar várias e várias vezes sem parar. Baekhyun levantou em um pulo do sofá e correu até a mesa pegando dinheiro e completamente sem roupa na parte debaixo de seu corpo foi até a porta, abrindo-a escondendo-se atrás dela deixando apenas seu tronco a mostra. O ouviu falar algumas palavras e estranhou quando o viu com uma pizza em mãos.

— Está com fome, cariño? Não sei você, mas depois do sexo, eu fico morto de fome. — secretou colocando a embalagem de papelão em cima da mesa. Voltou a se aproximar de Chanyeol o dando outro selinho — O cara provavelmente nos ouviu. — comentou rindo.

— Coitado. — riu também — E eu também estou com fome. — Levantou do sofá vestindo sua cueca e calça e se aproximando dele.

— Hm, ver você assim sem camisa tão pertinho dá até vontade de te namorar ‘pra ter essa visão sempre. — falou com um sorriso de canto enquanto colocava suas mãos outra vez no peitoral alheio — Pode ir comendo, eu vou colocar tomar um banho rapidinho. Ter me fodido com a blusa deve ter sido ótimo, mas estou morrendo de calor agora. — brincou já se dirigindo ao banheiro.

Parou para pensar e caralho, desde quando ele transava fácil assim? Não fazia nem uma semana que tinha conhecido Baekhyun. Era mais do tipo romântico que só fazia isso depois de no mínimo um mês de namoro oficial, e agora tinha tido uma rapidinha no sofá de um colega de faculdade. E o pior de tudo foi que não estava nem um pouco arrependido.

O Byun era exageradamente atraente e ouví-lo falar aquelas frases enquanto o fotografava deixou-o excitado e com vontade de pelo menos dar-lhe um beijo. Tinha medo de acabar gostando dele mais do que devia, principalmente agora, mas estava tranquilo também, acreditava que o castanho não iria deixar isso acontecer.

Mas com certeza sonharia com ele naquele lindo suéter de crochê apertado. Por no mínimo umas três noite.

— Que fofo, decidiu me esperar? — O viu voltar do banheiro, com o cabelo molhado e uma expressão animada.

E o achou tremendamente fofo. Droga! Nem parecia que o instigou tanto que foderam no sofá da sala. Comeram juntos e depois de uma conversa e que o Byun editou as fotos se despediram, Chanyeol parecia tímido e o castanho o abraçou e assegurou que por sua parte as coisas entre eles seriam iguais, continuariam como bons amigos.

— Só que você precisa parar de me evitar. — O castanho disse descobrindo o que o grandão havia feito nos últimos dias — Eu já falei, não mordo.

— Perdão, mas, eu realmente não sei lidar com você. — Sorriu.

— Espero que depois de hoje, tenha aprendido mais um pouco.

Os dois estavam na frente do quarto de Baekhyun, já que o castanho estava editando suas fotos no cômodo. Perto demais um do outro e enquanto o Park falava, notava o baixinho focado em seus lábios.

— Hoje foi um ótimo dia. — Chanyeol disse.

— Sim… — concordou sorrindo e se esticando um pouco para beijá-lo — Até amanhã, Yeol.

— Até amanhã, Baekhyun. — também sorriu e voltou a beijá-lo.

Seus lábios eram muito bons de beijar, fora as mãoszinhas ao redor de seu tronco o abraçando. Se pudesse o beijaria por mais tempo, mas não daria esse gostinho ao seu coração. E nem Jongin deixaria.

— PUTA QUE PARIU, PORQUE TEM UMA CAMISINHA EM CIMA DO MEU CAIXA DE SOM, BAEKHYUN?

— Ops. — o castanho sorriu travesso mordendo o dedo indicador e fazendo Chanyeol ter vontade de apertar suas bochechas.

Baekhyun era o equilíbrio perfeito. Uma hora era atraente de uma forma mortal e luxuriosa, em outra era tão fofo que o platinado tinha vontade de colocá-lo em um potinho, e talvez seja por isso que ele tenha sido o dono dos pensamentos do Park durante os dias que iriam se suceder.

[...]

Como imaginou o castanho foi o dono de seus pensamentos durante a última semana e o próprio Byun não conseguia dormir sem imaginar o quão gostoso era Park Chanyeol e em como queria tê-lo de novo, se não fosse para transar, estaria mais que satisfeito em apenas conversar consigo já que tinha gostado muito de sua companhia. Sentia que ele era diferente dos outros caras com que se relacionou.

Para a felicidade de ambos, o mais alto deixou de evitá-lo. Quando se esbarravam no corredor, sorriam e se cumprimentavam e nos intervalos acabavam sentando juntos na escada e vez ou outra, o baixinho escorava sua cabeça no ombro alheio e o platinado sentiu o cheirinho bom de seu shampoo enquanto ousava fazer um discreto carinho com seus dedos nos fios marrons.

Alguns alunos começaram até mesmo a comentar sobre os dois e que talvez estivessem juntos. Falavam sobre como o estudante tímido e quase imperceptível de música teria fisgado o coração do estudante “despudorado” de fotografia. E eles não estavam nem aí para o que iriam dizer.

Apreciavam a companhia alheia, tanto que naquela noite em plena quarta-feira, Baekhyun resolveu ligar para o grandão.

— E aí, cariño? — Falou sorrindo — Está ocupado?

— Na verdade não. Por quê?

— Pode vir aqui em casa? Me sinto tão sozinho. — seu tom de voz estava carregado de manha — Queria você cuidando de mim outra vez — suspirou.

O Park precisou respirar fundos por quase três vezes. Talvez estava começando a pensar demais no castanho e vice-versa, o menor nunca fez do tipo carinhoso e romantico, mas olhe só o que estava fazendo em plena metade da semana.

— Chego em 15 minutos. — anunciou já desligando o telefone e indo se arrumar.

Não sabia exatamente o que sentia por Baekhyun, mas sabia que era um sentimento luxurioso. O Byun o atraia por completo, sentia desejo por si, mas também uma certa necessidade de cuidar de si. Assim como o castanho também não sabia o motivo de seu coração sentir falta do outro, ou querer estar perto.

A única coisa que ambos tinham certeza era que estavam amando o que estava rolando entre eles. E que talvez, pudesse acabar evoluindo para uma espécie de relacionamento. No entanto, quando se beijavam? Era como se existisse apenas os dois no mundo, e Chanyeol e Baekhyun amavam demais estarem aos beijos e amassos no pequeno apartamento da primeira vez em que ficaram.

24 de Abril de 2020 às 22:29 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Continua… Novo capítulo Todas as Sextas-feiras.

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~