pizzanai Nai Costa

Após uma tragédia, Taehyung parte de seu mundo original para um outro lugar, intitulado Rosa dos Ventos. Nesse universo alternativo, as pessoas recebem bençãos de espíritos em formato de animais, mas dentre todos haviam 12 que eram especiais: os animais do zodíaco. Só havia um problema: as bençãos do zodíaco nunca eram um bom presságio.


Aventura Todo o público.

#aventura #fanfic #bts #isekai #vkook #taekook #kookv #universoalternativo #258 #332 #kooktae
2
1.4mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todos os Domingos
tempo de leitura
AA Compartilhar

O tigre

31/06/2010- Daegu (Coréia do Sul)

Taehyung estava sendo perseguido. E nem sequer sabia o porquê.

A chuva atrapalhava sua visão enquanto corria desesperadamente descalço, com as roupas sujas de lama depois de cair pela terceira vez naquela corrida. Ele só tinha 5 anos, e estava voltando para casa com sua babá depois de brincar no parquinho do seu bairro, então por qual motivo aquilo estava acontecendo? Ele queria gritar, pedir socorro, mas estava sem forças, sem fôlego e apavorado.

As memórias estavam turvas, mas lembrava de que estava anoitecendo enquanto se divertia com as outras crianças, mas sua babá o chamava pedindo para que ele colocasse os sapatos e recolhesse sua mochila para poderem ir embora. Taehyung estava contrariado, mas era um bom menino e fez o que ela pediu. Os dois saíram prontamente pelas ruas em direção ao seu lar.

A babá, que Taehyung não lembrava o nome por só saber chamá-la de “Noona”, brincava com Taehyung no caminho e os dois riam bastante. Porém, de repente, ela começou a olhar para trás várias vezes ao mesmo tempo que seu semblante sorridente foi desaparecendo.

- Taetae, vamos andar mais rápido, sim? Que tal uma corrida?

- Tá bem! – Taehyung gritou entusiasmado.

Taehyung, cheio de energia, começou a correr enquanto dava risadas, mas parou imediatamente quando ouviu o grito da Noona. Ele olhou para trás e viu dois homens a agarrando, um deles enrolava o braço no pescoço dela enquanto o outro puxava sua bolsa.

- Corre! – Ela gritou para ele antes de ter sua boca tampada.

A existência de Taehyung foi notada pelo homem que a agarrava.

- O pirralho viu a gente, pega ele rápido! – Ao ser dada a ordem, o homem que estava com a bolsa de sua babá correu em sua direção, jogando no chão o que tinha em mãos. O outro arrastava sua Noona em direção a uma rua estreita e pouco iluminada ali perto.

O coração de Taehyung começou a acelerar e ele saiu em disparada como se fosse um tigre. Na cabeça infantil de Taehyung, pensar que era o seu animal favorito o dava forças.

“Eu sou um tigre, eu sou um tigre...” Ele repetia em sua cabeça.

O bairro onde Taehyung morava ficava perto de uma região cheia de árvores. Uma área preservada em meio a urbanização. Ele podia se esconder lá, foi o que pensou, e mudou sua direção para a escuridão da floresta.

Mas ele era muito pequeno, por mais veloz que fosse. Depois de tanto cair, se sujar e perder seus sapatos no processo, o homem o pegou lhe puxando pelos pés, o fazendo cair e bater a cabeça em uma pedra. Ele gritou de dor, desespero e angústia por não saber o que fazer. Taehyung identificou com sua visão embaçada um rosto se aproximando e o segurando pelo pescoço.

- Me desculpe moleque. Você viu o que não deveria – ele disse em sussurro. Taehyung não o respondeu, porque estava se engasgando, perdendo o pouco de ar que ele podia absorver, tendo suas lágrimas lavadas pela água da chuva.

Taehyung queria pedir desculpas ao moço, pedir que deixasse sua Noona ir embora que ele ele não contaria nada. Mas isso só ficou em seus pensamentos porque nada podia sair de sua boca que não fossem gritos silenciosos.

Os sons da chuva, grilos e corujas na floresta foram sumindo enquanto o aperto em seu pescoço se intensificava. Taehyung em sua pouca idade só tinha forças para se debater e tentar em vão tirar a mão que aos poucos lhe fazia perder a vida.

E foi olhando um céu escuro, chuvoso e sem estrelas, junto aos galhos e folhas de árvore que o menino Taehyung, aos cinco anos de idade, morreu assassinado por ter testemunhado um assalto, que posteriormente resultou em um estupro, deixando uma mulher traumatizada por toda a sua vida.

O caso se espalhou por toda a região, cheio de mistério, principalmente pelo fato de o menino nunca ter sido encontrado no lugar em que os assassinos – pegos no dia seguinte – mostraram onde ele foi morto.

Sem deixar rastros, o menino Taehyung foi embora do seu mundo.

<>*<>*<>*<>*<>

30/12/4082 - Reino do Leste (Rosa dos Ventos)

Dois senhores bebericavam um chá, sentados na varanda de um casarão de madeira enquanto jogavam Omok.

Kwangkyu, seu trapaceiro! - Gritou um dos senhores, que tinha seu cabelo e bigode acinzentados. Mesmo o dia sendo ensolarado, ele vestia pijamas e um roupão azul escuro, além de pantufas brancas e felpudas.

Você é um mal perdedor, Dongil - disse o outro, sorrindo presunçoso. Ele tinha um cabelo preto ralo e quase calvo na parte da frente, lhe garantindo uma grande testa lustrosa. Não muito diferente do outro, vestia pijamas e um roupão vermelho, só que nos pés haviam chinelos de dedo feitos de couro.

O clima era divertido entre Kwangkyu e Dongil, que aproveitavam a aposentadoria juntos em uma região pacata e de bela paisagem. O casarão onde moravam ficava em uma clareira num bosque próximo a cidade. Não muito longe, podia ser vista uma cachoeira que dava origem a um belo lago de água cristalina. Mas entre sorrisos e reclamações, os dois pararam repentinamente ao ouvirem um rosnado.

Será que estou ouvindo coisas? - Dongil perguntou estático, olhando assustado para o amigo.

- Isso foi um leão? - Kwangkyun respondeu com outra pergunta.

Em resposta aos seus questionamentos, um barulho se fez entre a mata da floresta que os rodeava, mostrando um enorme tigre branco lhes encarando.

- Pelos Deuses! - Dongil declarou.

Os dois se levantaram de supetão e se inclinaram em saudação ao majestoso espírito que lhes era apresentado. Pois bem, era o espírito do Tigre! Era o que se passava na mente dos senhores. Um espírito do zodíaco que não se manifestava há mais de 70 anos.

O tigre, em resposta apenas mexeu com sua cabeça e deu meia volta para a floresta em um claro sinal de que fosse seguido por eles. A dupla se entreolhou ainda em dúvida, mas não tinham como recusar o pedido do animal. Os dois prontamente fizeram o caminho que era pedido até que o alcançaram e ficaram ao lado espírito.

Foram cerca de dez minutos andando até que o tigre parou, os dois senhores olharam na mesma direção que ele e encontraram uma cena inusitada: uma criança. Um menino sentado em um tronco de madeira apodrecido, com a testa machucada, roupas sujas e sem os sapatos. Ele parecia estar encharcado, os homens observaram. Mas mesmo naquele estado, ele sorria para um filhote de panda vermelho que corria de um lado para o outro buscando entretê-lo.

- Senhora Tigresa! Olha o que eu encontrei? - O menino ficou ainda mais alegre ao perceber que o tigre havia voltado. - Ele estava preso, em uma armadilha, mas eu o salvei!

Em resposta, o tigre rosnou manso. Dongil e Kwangkyun estavam admirados, surpresos demais com a cena que viam. Primeiro, por encontrarem um menino sozinho e em péssimo estado na floresta. Segundo, por ele mesmo estando horrível aparentemente, mostrava-se disposto e saudável quando falava. E por fim, ele estava falando com o Tigre? O chamando de Tigresa? Ele, no final, era ela?

- Quem é você, garoto? - Kwangkyun se pronunciou, verbalizando a primeira de várias perguntas que ele tinha.

O menino pareceu notar os dois homens ao lado da senhora Tigresa e seu semblante feliz foi substituído por um preocupado.

- Eu sou o Taehyung. E você, quem é?

- Eu sou Kwangkyun e esse aqui é o Dongil - disse apontando para o amigo. - Como você veio parar aqui?

- Eu estava caído. Quando acordei a Senhora Tigresa estava do meu lado, ela cuidou de mim e fez minha dor passar - o menino disse, enquanto colocava uma mão na cabeça e outra no pescoço. - Depois ela disse que ia me trazer ajuda e fiquei esperando. É isso que eu lembro.

Enquanto Taehyung explicava, a Tigresa ia em sua direção e o afagava com a cabeça. Ele mostrava que queria chorar, mas estava segurando. O filhote de panda vermelho foi na direção da criança pedir colo, sendo prontamente aceito.

A dupla de senhores estava com ainda mais dúvidas, mas com medo de perguntar. O que diabos era aquilo?

“Eu serei bem breve” uma voz feminina ecoou na mente dos dois. Eles novamente se entreolharam surpresos, perguntando silenciosamente se estavam ouvindo a mesma coisa. “Ele não é daqui. O resgatei do outro mundo. Quando vi o espírito dele soube que era meu escolhido. Ele tem um dom, semelhante ao de vocês e que corre em seu sangue, faz parte do seu ser. É uma energia muito poderosa. Ele será meu abençoado.”

- Vossa alteza… Ele é só um menino! Sua benção não é muito perigosa para ele? - Dongil contestou, calmamente.

“Isso mesmo. Ele é só um menino, de uma pureza incontestável” o espírito respondeu severamente. “Creio que os meus erros anteriores foram abençoar aqueles que já estavam declinando para um lado, devido a suas experiência e malícia. Ele é uma jóia preciosa para mim e para este reino, mas ainda é bruta. Meu pedido é que vocês usem de sua sabedoria, conhecimento e experiência em magia para lapidá-lo. Sei que escolheram um caminho diferente agora, mas vocês foram os melhores magos da história deste reino. E hoje, são os únicos capazes de cumprirem essa missão. Eu peço... Não, eu suplico que possam criar meu menino para que seja aquele capaz de redimir meus pecados.”

Diante de um pedido cheio de angústia vindo de um espírito tão poderoso, para dois senhores da meia idade, magos aposentados e rabugentos, o que eles poderiam responder?

- Ficamos felizes que ainda somos úteis para o reino, Majestade. Vamos seguir suas orientações - Kwangkyun disse, se curvando para a Tigresa que se aproximava dos dois.

“Fico muito grata, Kim Kwangkyun. Peço que dê seu nome a ele, e seja seu mentor quanto aos vastos conhecimentos sobre magias e feitiços. Sung Dongil, sei que é o melhor quando se trata itens mágicos e poções, deixo essa tarefa em suas mãos. Quando Kim Taehyung completar 20 anos, deverá seguir o caminho para ser um caçador. O destino se encarregará do resto” a Tigresa declarou.

Os dois prontamente concordaram. Por mais repentino que tudo fosse, eles entendiam a importância do que estava sendo passado a eles. Afinal, a profecia da Luminescência era conhecida pelos mais antigos da Nação.

Taehyung estava alheio a conversa enquanto colocava o pequeno panda vermelho para dormir. Mas ele sentiu olhares em sua direção, os dois homens velhos estavam mais próximos o encarando, enquanto a Tigresa colocava sua enorme pata na coxa do menino.

“Nos veremos novamente, está bem? Quando for a hora certa” ela disse de forma doce nos pensamentos do garoto. Taehyung ainda era uma criança, mas sabia dizer que aquilo era uma despedida.

- Eu não me lembro de nada, Senhora Tigresa. O que está acontecendo? - Taehyung perguntou chateado. O menino estava perturbado, só lembrava de seu nome e das coisas que gostava, mas não sabia dizer o porquê.

“Meu pequeno, tudo tem seu tempo. Seja paciente e as respostas virão” a Tigresa respondeu, lhe deixando uma lambida enquanto aos poucos desaparecia se tornando uma fumaça luminosa.

O menino que segurava o filhote de panda vermelho começou a chorar, sua amiga havia ido embora, lhe deixando um forte aperto no peito.

- Você não precisa se preocupar, nem ter medo - o velho de grande testa disse ao Taehyung. - Seremos sua família. lhe daremos abrigo, comida e educação. Não faltará nada para você.

- Vamos brincar muito também - o velho de bigode acrescentou. - Somos os melhores jogadores da província. Não, do reino inteiro! Ninguém será páreo para você rapazinho.

Taehyung sorriu, pois via verdade em seus olhos. Uma luz branca emanava de seus corpos, e ele sentia que era algo bom. Ele pegou a mão do velho testudo quando este lhe estendeu.

- O Tata pode ir comigo? Ele é meu amigo - o menino pediu enquanto erguia o filhotinho de panda vermelho.

Os senhores franziram a testa, lembrando do animal que ele segurava. Os pandas vermelhos eram animais raros, quase extintos, devido a intensa caça. Os pelos vermelhos e sedosos eram valiosos no mercado dos nobres. O menino dissera que ele estava em uma armadilha.

- Claro! Por que não? Os amigos do Taehyung também são nossos amigos! - O velho bigodudo declarou. - Aliás, você pode me chamar de tio Dongil e aquele ali de tio Kwangkyun.

- Tio Dong e tio Kwang - Taehyung repetiu, assentindo. - Pode me chamar de Taetae.

Os senhores sorriram para o menino que sorria doce para os dois de volta. Talvez cuidar dele não fosse uma tarefa difícil, foi o que pensaram.

Enquanto caminhavam, Kwangkyun pensava na lista de coisas que deveriam fazer. Registrar o menino em seu nome, comprar roupas novas, lhe arrumar um quarto e comida. Pensou nos livros que deveria organizar e na sala de treino que estava sendo usada agora como depósito. Além disso, como se cria uma criança? Com aquela idade usava fraldas ainda? Tomava banho sozinha? E foi assim que percebeu que ele e Dongil aprenderiam muitas coisas enquanto ensinavam outras ao menino escolhido e abençoado pelo Tigre.

Uma nova era chegava para os reinos da Rosa dos Ventos.

A Luminescência estava começando.

12 de Abril de 2020 às 20:15 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo O panda vermelho

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 3 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Mais histórias

The King Nereu The King Nereu
FIRST TINDER DATE FIRST TINDER DATE
Heirs of thrones Heirs of thrones