mrs-hatake Mrs. Hatake

O jovem fotógrafo, Kakashi Hatake, retornou para Tóquio depois de quatro anos. Reveria o seu amor de adolescência, Sakura Haruno, depois de tanto tempo. E acabou recebendo uma notícia que não estava esperando naquele momento. O que Sakura teria para revelar? Como reagiria ao vê-lo após anos longe um do outro?


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas.

#naruto #sakuraharuno #kakashihatake #kakasaku
0
903 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único

Sakura fechou os olhos, sentindo o doce aroma das folhas da cerejeira e tentava acalmar-se com a notícia que recebera mais cedo: Kakashi estava retornando para Tóquio. E não sabia como deveria reagir com tal acontecimento, não se viam há tantos anos. Desde que se mudara com o pai para uma outra cidade, devido ao novo trabalho de Sakumo. Mas não poderia ficar fugindo, uma hora iriam se encontrar e não estava preparada para esse reencontro. Ainda mais após o relacionamento que tiveram por dois anos, antes de perderem o contato. Sentia a falta dele, não tinha como negar isso.

— Está nervosa com o retorno dele, não é? — A voz de Ino despertou-a de seus pensamentos que viajavam em um passado distante.

— Sim, um pouco. — Virou-se para a sua melhor amiga. — Não sei como devo reagir com a sua chegada. Éramos mais jovens e inexperientes quando nos envolvemos. E se passaram quatro anos, desde a sua partida. — Engoliu a seco. — Têm o Yukio. Eu só... Não sei como fazer isso. — Soltou o ar.

— Calma, respira. Dará tudo certo, não fique nervosa. Eu sei que não é fácil reencontrar alguém que você tanto ama, mas tente manter a cabeça no lugar. Está bem? — Ino aproximou-se dela, segurando as suas mãos. — Quando Kakashi chegar, vocês terão que conversar. Eu sei o quanto tentou encontrá-lo para contar-lhe sobre o filho.

Ino ficou ao seu lado, apertando seus ombros levemente. Sakura abraçou-a firmemente, a Yamanaka sempre esteve ao seu lado desde a infância. Apoiava as suas decisões, contanto que fossem corretas e não se machucasse com as escolhas.

— Obrigada por estar aqui, não sei como teria conseguido cuidar do Yukio sem a sua ajuda. — A loira sorriu, acariciando suas costas levemente. — Depois da expulsão de casa, você me ajudou muito. — Afastou-se, segurando as mãos da sua melhor amiga.

— Você foi uma guerreira, Sakura. Ainda mais depois do que seus pais fizeram. Eles nunca gostaram do Kakashi e aceitar o filho dele, seria o fim do mundo. — Negou com a cabeça. — Sempre idolatraram a família Uchiha. Por serem milionários. E o Kakashi? Um garoto humilde da cidade. Com um coração enorme e que a amava muito, sem pedir nada em troca.

— Eu sei que... Se soubesse do filho, teria retornado para nos buscar. — Olhou para longe, escutando apenas o balançar das folhas. — Tenho certeza que irá aceitá-lo, eu o conheço como ninguém. Yukio se parece muito com o pai. Em todos os sentidos. Isso faz eu me sentir melhor e a saudade diminui. Por hora. — Sorriu, sentindo as lágrimas acumularem nos cantos de seus olhos. — A saudade dói. Machuca. Maltrata. E isso me dá a certeza do que eu sinto pelo Kakashi.

Os cabelos rosados balançavam com o vento enquanto seus pensamentos voavam para um lugar distante. As lágrimas escorriam, mas não de tristeza. E sim, de felicidade. Porque mesmo estando distantes, Sakura sabia que ainda mantinham a linha vermelha em seus dedos mindinhos. Onde estivessem, ela nunca se quebraria.

[...]

Sakura suspirou fundo, mais uma vez estava tendo uma discussão nada agradável com os seus pais. Não conseguia entender o motivo de enaltecerem a família Uchiha em um nível tão elevado. Kizashi levantou-se de sua poltrona, colocando seu copo de uísque em um canto e apontou o dedo para a filha. Ela já não aguentava mais aquela situação, só queria que tudo acabasse.

— Eu não quero você andando com aquele moleque. Pelo amor de Deus, Sakura. Não envergonhe a nossa família desse jeito. Ele é... — Fez careta ao pensar em tal palavra. — Desprovido. — Não é para você. Merece alguém melhor do que ele, está sujando o nome Haruno.

— Quem seria a pessoa ideal ao seu ver? Alguém rico, eu suponho. — Sorriu irônica. — Se não for assim, dizem que não serve para mim. Sempre se importaram mais com o dinheiro, nunca perguntaram se era isso que eu queria. Querem comandar a minha vida como se eu fosse uma marionete.

— Sasuke Uchiha. Estão a nossa altura e você teria uma vida de princesa, a que você merece. Onde já se viu? Uma pessoa rica querer se relacionar com alguém tão abaixo? Não seja tão estúpida por achar que isso aconteceria. E não me faça tomar as rédeas, você não gostará disso.

Kizashi saiu da sala, seguindo os corredores para o seu escritório. Era onde ficava mais tempo, trabalhando em seus negócios valiosos e fortunas. Sakura subiu as escadas correndo e trancou-se em seu quarto. Não desceu nem para jantar, estava sem condições de olhar para as duas pessoas que diziam serem os seus pais. Não sabia mais como deveria chamá-los.

**********

Kakashi vinha descendo as escadas após terminar o seu banho quando escutou batidas em sua porta. Seguiu para abri-la e Sakura estava parada em sua frente, os lábios tremiam e os olhos estavam inchados. A chuva estava forte e a rosada estava encharcada.

— Oi amor. Eu posso ficar aqui com você? Não quero ficar perto daquelas pessoas que dizer ser os meus pais.

— Claro, você pode vir sempre que precisar. — Puxou-a para dentro de sua casa. — Eu vou buscar umas toalhas, pode acabar pegando um resfriado.

Sakura fechou os olhos concordando e o prateado sumiu de suas vistas, indo buscar algo quente para ela se aquecer. A rosada suspirou, retirando aquelas roupas molhadas e tudo que queria era não ter mais que voltar para aquele lugar. Kakashi retornou logo depois e a ajudou secar-se e colocar as outras roupas. Seu olhar preocupado explicava tudo, não gostava de vê-la assim.

— Obrigada, você é um anjo. — Acariciou suas bochechas.

— Senta aqui, meu amor. O que eles fizeram dessa vez? — Perguntou aflito, segurando as suas mãos entre as dele.

Sakura suspirou fundo, olhando para baixo. Procurava as palavras certas e ao levantar a cabeça, encontrou seus olhos negros. Explicou-lhe a situação que ocorrera mais cedo, deixando-o nervoso com a atitude de Kizashi. As pequenas mãos dela repousaram em seu rosto e ele fechou os olhos.

Não suportava a desaprovação da família de Sakura para com o relacionamento deles. Isso o entristecia, estava ciente de que nunca seria aceito por eles. Mas o que importava era o amor que ambos tinham um pelo outro. Isso eles jamais arrancariam deles. Poderiam tentar separá-los, mas iriam se reencontrar.

Puxando-a para o seu colo, o jovem Hatake cheirou os seus cabelos e a aconchegou em seus braços. Sakura sorriu, sentindo o seu perfume amadeirado. Kakashi acariciou seu rosto, depositando um beijo carinhoso em seus lábios. Só precisava sentir-se protegida pela única pessoa importante para a rosada. Sabia que iria até ela em qualquer situação.

[...]

Saindo de seus pensamentos, Sakura saiu do lugar acompanhada da sua melhor amiga. Teria que retornar ao trabalho, mas a sua ansiedade elevava-se a cada minuto que se passava. Continuava absorta com o retorno de Hatake. Queria vê-lo, mas ao mesmo tempo tinha medo de como seria a sua reação. Negou com a cabeça e tentou distrair-se, não queria ficar pensando nisso.

**********

Kakashi olhava pela janela enquanto o avião sobrevoava pelos céus, com o destino para Tóquio. Retirou uma fotografia de Sakura que guardara em seu bolso e sorriu, acariciando o seu rosto angelical. Estava ansioso para vê-la, perderam o contato há quatro anos e nunca conseguira alguma resposta dela.

Suas cartas eram devolvidas e a voz arrogante de Kizashi afirmando que sua filha não desejava mais vê-lo, só fazia o seu coração sangrar. E as ligações eram cortadas, quando tentava ligar para a rosada. Não aguentava ouvir aquela voz cheia de autoridade, como se fosse superior. Lágrimas escorriam por sua face ao lembrar das duras palavras dele.

[...]

O telefone tocou pela terceira vez e o coração de Kakashi disparou ao ser atendido, mas era a pessoa que ele menos queria escutar a voz. Kizashi Haruno.

— Alô!? Eu gostaria de falar com a Sakura. Ela se encontra?

Kakashi pediu, tampando um dos ouvidos, devido ao barulho dos carros que passavam no local. Vinha saindo da sua faculdade.

— Não ligue mais em minha casa, garoto. Sakura não deseja mais vê-lo e estou feliz que tenha feito uma escolha correta. — A voz arrogante do Haruno ecoava do outro lado da linha.

— O-o quê? Mas ela... — O nó em sua garganta apertava, segurando-se para não derramar as suas lágrimas.

— Não achou que Sakura esperaria você, não é? Ela finalmente reconheceu onde é o seu lugar. Com alguém que combine com a sua classe. O que teria a oferecer-lhe? Nada. Só iria machucá-la e fazer-lhe sofrer. Não é algo que gostaria, certo? Ela está melhor sem você, acredite. Abriu o caminho para que enxergasse a verdade. — Sorriu vitorioso, sabia que tinha o atingido. — Não ligue mais, siga a sua vida e deixe a minha filha em paz. Sakura estará casada em poucos dias, só siga a sua vida.

Kakashi apenas ouvia o telefone ser desligado sem ter tido a chance de dizer nenhuma palavra. Seu coração despedaçava e as lágrimas que tanto segurava, caíam por seu rosto. Estava dedicando-se tanto aos estudos e ajudando seu pai no trabalho para que pudesse ir buscá-la como prometeu que faria. Agora nem sabia se valeria a pena retornar para o Japão.

[...]

Mesmo depois de tudo o que acontecera no passado, Kakashi ainda desejava vê-la. Só queria saber como passou nos últimos anos e se ainda... o amava. Sentia-se tolo por pensar nessas coisas, mas era inevitável. Nunca deixou de pensar em Sakura e não conseguia envolver-se com outras mulheres.

Tentou algumas vezes, mas apenas se machucava. E desistiu de tentar. Olhava as imagens que tirou dela e a saudade batia cada vez mais forte. Lembrava do seu belo sorriso quando passeavam de mãos dadas pela cidade, o brilho em seus olhos, aquecia o seu coração de uma forma inesquecível.

Sakura ria quando escutava os flashs de sua câmera contra o seu rosto. Eram momentos que ele jamais esqueceria. As lembranças vívidas de sua amada flor de cerejeiras. Ela olhava-o apaixonada quando dizia-lhe palavras amorosas. E ao mencionar que se casariam e a levaria para conhecer o mundo... Sakura abraçou-o feliz, com os olhos marejados.

Foi desperto de seus devaneios com a voz da aeromoça, avisando que estavam em Tóquio e o avião iria repousar nos próximos minutos. Ele respirou fundo, olhando para o lado. Fazia um bom tempo desde que esteve no Japão.

**********

Sakura desceu as escadas ao ouvir o som da campainha. Deu uma verificada pelo olho mágico e abriu ao ver o seu casal de amigos. Ino sorriu entrando de mãos dadas com o Gaara e deu um abraço confortante em sua melhor amiga. O ruivo sorriu, fazendo o mesmo gesto de sua esposa. Deu um passo para trás vendo o garotinho indo até eles.

— Tio Gaara! — Sorriu, abraçando as pernas dele.

— Oi amigo. — Agachou-se, afagando os seus cabelos.

— Estão prontos? O festival já deve ter iniciado.

— Claro, não devemos demorar. Vamos, filho. — Estendeu a mão para ele que segurou firme.

Saíram do apartamento e seguiram para o local que ocorreria o festival das cerejeiras. Encontraram Naruto no caminho e acompanhou-os ao lado de Hinata. Yukio andava na frente deles, mas com a rosada sempre de olho para não perdê-lo de vista.

— Como está o bebezinho de vocês? — Hinata perguntou, sentindo as mãos do marido ao redor de sua cintura.

— Está forte e saudável. — Sorriu. — A médica afirmou que se ele cooperar, poderemos descobrir o sexo na próxima semana. — Fechou os olhos, recebendo um beijo carinhoso de Gaara em seu rosto.

— Está todo bobão, hein? — Naruto riu, empurrando o ombro do amigo.

— É o meu filho, porque não estaria? — Cheirou os cabelos da esposa.

— E o Boruto? Como ele está? — Sakura virou-se para o casal.

— Está muito bem, deixamos com o meu pai. Queria aproveitar o neto.

— Ele é durão, mas o Boruto derrete aquele homem. — O loiro sussurrou.

Todos riram com as palavras do Uzumaki, ele sempre conseguia animar todos. Sakura sentia-se mais aliviada, os amigos conseguiam distraí-la e naquele momento era tudo o que mais desejava.

Kakashi andava ao lado do seu amigo, desvencilhando das pessoas que surgiam pelo caminho. Queria estar em seu apartamento, mas Yamato insistiu para que fosse ao festival e o conhecendo bem... Sabia que não o deixaria em paz, caso não aceitasse. Foi o primeiro a visitá-lo assim que soube do seu retorno para Tóquio. Sentia falta do seu velho amigo, seu companheiro para todas as horas.

Apoiou desde o início, quando foi embora para os Estados Unidos. E esteve ao seu lado em sua formatura. Não tinha do que reclamar. Estavam conversando distraidamente quando alguém esbarrou no prateado. Ele olhou para o garotinho e agachou-se para ajudá-lo, tinha os cabelos platinados e olhos esmeraldinos. Sentiu-se estranho, como se reconhecesse o pequeno.

— Você se machucou? — Olhou-o preocupado.

— Estou bem, me desculpe. — Pediu o garotinho.

— Não precisa. — Sorriu dócil. — Qual é o seu nome?

Antes que tivesse a chance de responder, escutou Sakura chamando-o. Ele virou-se para trás e Sakura caminhava ao seu encontro e parou abruptamente ao vê-lo. Sentiu as batidas do seu coração pararem por alguns segundos e suas mãos suavam. Não imaginava encontrá-lo tão cedo. Ainda mais no festival que estava indecisa se deveria comparecer ou ficar em casa.

— Oi mamãe. — Sorriu, indo ao encontro da rosada.

— Kakashi... — Sussurrou seu nome, mas ele ouviu.

— Oi Sakura. — Engoliu a seco. — Faz um bom tempo que não nos vemos.

— Sim. Quatro anos, para ser mais exato. — Sentia suas pernas tremerem.

Kakashi olhou para o pequeno minuciosamente e subiu o olhar para Sakura. Ela respirou fundo, era como se tivesse a questionando, sem dizer uma única palavra. Sentia uma tensão estabelecendo-se entre eles. Yamato cochichou algo em seu ouvido e o viu apenas acenar com a cabeça, deixando os dois sozinhos naquele lugar.

— Seu filho? — Sakura não sabia para onde deveria olhar.

— Sim. — E novamente, sentiu seus olhos a questionando.

— Eu sou o pai? — Perguntou, cruzando os braços abaixo do peito.

— Podemos conversar em outro lugar? Mais reservado, sem muito barulho.

— Claro. Precisamos ter uma de qualquer forma. — Disse sério.

— Não fique bravo, eu irei explicar-lhe tudo o que precisa saber.

— Eu só preciso de respostas. Se não for pedir demais.

Sakura segurou as mãos de Yukio e ele sorria inocente, andando entre os dois. Mas estava curioso com o homem mais velho ao seu lado. Tinha os cabelos iguais aos seus. Kakashi sorriu discreto, com o pequeno examinando-o. E ao mesmo tempo, não conseguia evitar de olhá-la. Estava mais bonita do que antes, seu coração disparava só de estar tão perto dela.

O pequeno sentou-se embaixo de uma das cerejeiras a pedido de sua mãe, mas Kakashi não conseguia retirar os olhos dele. Sua curiosidade estava aguçada e não deixava de notar o quanto Yukio parecia-se com ele em todos os aspectos. Tinha certeza que era o pai, mas queria que Sakura lhe dissesse a verdade sobre a criança diante dos seus olhos.

Sakura puxava o ar e soltava lentamente, estava ciente de que teria essa conversa. Sabia o quanto lutou para encontrá-lo, mas retornava com as mãos vazias. Quando pensava que estava conseguindo... Voltava à estaca zero novamente e isso a frustrava cada vez mais. Nunca parou de procurá-lo, mas parecia que não chegava a lugar nenhum e acabou por desistir.

— Você está certo. Ele é o seu filho. — Sua garganta apertava, sentia que estava sendo sufocada por alguma coisa.

— Porque não me procurou? Deveria ter me contado que estava grávida, não poderia ter me privado esse tempo todo longe dele. — Disse bravo.

— Eu tentei te encontrar, está bem? — Disse virando-se para ele. — Deus, só eu sei o quanto eu tentava achá-lo para comunicar sobre o nosso filho. Telefonava diariamente, mas sempre caía na caixa postal ou dava que o número era inexistente. — Abaixou o olhar. — Eu tentei tanto, Kakashi. Juro que fiz tudo que estava ao meu alcance, mas nunca conseguia nada. Não queria desistir, tinha um pedacinho do nosso amor dentro de mim, queria dizer-lhe que você seria pai e eu falhei nisso. E decidi seguir adiante.

— Sakura... — Tentou dizer algo, mas foi impedido por ela.

— Tudo o que eu queria era você ao meu lado, foram momentos tão difíceis. Se a Ino não tivesse me estendido a mão, eu não sei onde estaríamos agora. "Meus pais" ... — Riu irônica. — Me expulsaram de casa assim que descobriram a gravidez, por dizerem que eu envergonhei a família e sujei o sobrenome "Haruno". — Fungou, secando as lágrimas que escorriam de seus olhos. — Então eu saí apenas com a roupa do corpo, sem olhar para trás. Ino e Gaara me estenderam a mão, me ajudando naquela situação.

Kakashi colocou-se ao seu lado, tentando absorver cada palavra que foi dita por Sakura. Ele olhou para baixo e Yukio estava agarrado em sua perna com os olhos brilhantes, parecia que sabia que o prateado era o seu pai. Kakashi sorriu para o pequeno e afagou os seus cabelos. Eram rebeldes iguais aos dele. Sakura olhava para a frente, esperando alguma resposta.

— Eu liguei na sua casa, quando estava saindo da faculdade. — Suspirou passando as mãos em seu rosto. — Seu pai disse palavras horríveis e duras, acabaram comigo antes que eu percebesse o que havia feito. — Suas mãos tremiam só de lembrar-se do que escutara de Kizashi. — Não desejava aquilo nem para o meu pior inimigo, ninguém deve humilhar outra pessoa. Muito menos pelo fato dela ser diferente ou não ter muito dinheiro.

Sakura virou-se para ele e pôde ver dor em seus olhos, conhecia aquela expressão. Kakashi sempre lutou muito por eles dois e tentava ignorar as ofensas de Kizashi. Por amor a ela, fazia esse esforço. Tomando coragem, decidiu contar-lhe tudo o que escutara naquela noite. A rosada segurou suas mãos instintivamente, não acreditava que seu pai fosse pior do que imaginava.

— Eu... Eu nunca me casei com ninguém, Kakashi. Muito menos me relacionava com outras pessoas. Tentei algumas vezes, mas falhava miseravelmente. Amava você demais para conseguir fazer algo assim. — Engoliu a seco. — Eu sinto muito, não queria afastá-lo do nosso filho.

— Seu pai foi o único culpado nisso tudo, você não tem nada a ver com os erros e ganância dele. — Ficou em sua frente. — Ele inventou mentiras suas para mim, inventou coisas de mim para você. Sabe que eu jamais a machucaria. Sempre tentei protegê-la deles. — E sentiu as suas mãos apoiadas em seu rosto. — Tiraram você de mim, impediram que eu conhecesse o meu filho. E eu nunca... Nunca pude estar presente ou ajudá-la a cuidar dele. Porque nos privaram disso, por serem maus e cruéis. Que só pensaram em si mesmos e não imaginavam o quanto estavam machucando você. Eu nunca irei perdoá-los pelo que fizeram.

Kakashi puxou-a para os seus braços e deu-lhe um forte abraço, Sakura retribuiu na mesma intensidade e fechou os olhos. Sentindo seus lábios entrando em contato com os seus cabelos. Era a sua forma de dizer que tudo ficaria bem. E estava confiante de que agora ficaria. O medo de reencontrá-lo, havia deixado o seu corpo e só queria ficar ao lado do seu amor. A rosada depositou um beijo em suas bochechas e sorriu afastando-se um pouco. Ela fez sinal para Yukio e o pequeno aproximou-se curioso.

— Eu quero te apresentar uma pessoa, meu amor. — Sorriu, agachando-se ao seu lado. — Lembra que gostaria de conhecer o seu pai? — Olhou-o.

— Uhum. Quando eu vou conseguir vê-lo, mamãe? — Perguntou curioso, fazia tempo que desejava conhecê-lo.

Sakura sorriu, sussurrando algo em seu ouvido e Yukio virou-se com os olhos brilhantes. Kakashi agachou-se com suas ônix marejadas e recebeu um forte abraço de seu filho. Fechou os olhos beijando os seus cabelos, passando as mãos por suas costas. O pequeno segurou o rosto dele e Kakashi beijou as mãozinhas deles. A emoção tomou conta dele, estava finalmente conhecendo o fruto do seu amor com a Sakura. As lágrimas insistiam em cair de seus olhos negros, por mais que as secasse.

— Qual é o seu nome, amigo? — Sorriu entre as lágrimas.

— Eu sou Yukio. E o seu? Como se chama? — Perguntou.

— Me chamo Kakashi. É um prazer poder conhecê-lo, filho.

— Digo o mesmo, papai. — O prateado emocionou-se ainda mais.

Kakashi levantou-se e estendeu uma mão para Sakura que segurou firme, sendo puxada para os braços do prateado. Ela secou as suas lágrimas com os polegares e sorriu, beijando cada um dos seus olhos. Kakashi segurou o seu rosto com ambas mãos e lentamente, seus lábios tocaram-se. A rosada levou as mãos à sua nuca e entregaram-se aquele beijo tão esperado por eles.

Era lento, calmo e muito apaixonado. Lágrimas escorriam de seus olhos enquanto se entregavam aquela paixão que carregavam por tantos anos. O prateado sorriu, depositando beijos por todo o seu rosto e alcançou os seus lábios novamente. Abraçou-a fortemente, dando-lhe vários selinhos, sem desfazer o sorriso bobo que carregara em seu rosto.

— Eu amo você. Amo muito. Nunca mais, quero ficar longe de você novamente. Venha comigo para Nova Iorque. Vamos ser felizes juntos. — Segurava seu rosto, com os polegares acariciando suas bochechas.

— Eu também amo você, Kakashi. E eu não quero mais ter que pensar em perdê-lo novamente. — Depositou suas mãos por cima das dele. — Eu irei para qualquer lugar com você. Só quero estar ao seu lado. — Selou seus lábios aos dele novamente.

Kakashi sorriu, segurando as mãos dela e do seu filho. E seguiram entre as pessoas, só desejava curtir o festival ao lado da sua família. Que mesmo com todas as armações de Kizashi, o amor que sentiam continuava mais forte do que nunca. Por ser puro e verdadeiro. Esse era o motivo de nunca deixarem esse sentimento morrer. Porque se amam, acima de tudo.

**********

Sakura olhou sobre os ombros e viu Kakashi encostado no batente da porta. Sorriu caminhando em sua direção e capturou seus lábios carinhosamente. Ele acariciou seu rosto e retribuiu o beijo, com a rosada segurando suas mãos e o puxando para dentro do cômodo. O prateado encostou a porta atrás de si, colando seus lábios aos dela. Sakura passou os braços ao redor do seu pescoço, aprofundando ainda mais o beijo deles.

Kakashi puxou-a para mais perto, desfazendo de suas roupas e as jogando em um canto do quarto. Suas mãos acariciavam as partes que estavam expostas, depositando beijos em seu pescoço e Sakura suspirou com os arrepios presentes em sua pele. O prateado sorriu segurando o seu rosto e capturou os seus lábios em um beijo apaixonado.

Caminharam juntos até a cama e Sakura deitou-se entre os lençóis, observando o belo homem em sua frente. Fechando os olhos, sentia os seus lábios molhados percorrendo o seu corpo com suas mãos explorando na mesma sintonia. Depositou beijos em seus pés calmamente, seguindo pelas suas pernas e alcançou as suas coxas. Sakura prendeu a respiração, sentindo o ar quente de Kakashi contra a sua intimidade.

Ele enroscou seus dedos em sua calcinha, retirando-a lentamente. Sem desgrudar os seus olhos das esmeraldas de Sakura. Deitou-se entre as suas pernas, passando as narinas por seu monte de vênus e a rosada respirou ofegante. Enfiou as mãos em seus cabelos prateados e soltou um gemido baixinho com a língua de Kakashi entrando em contato com a sua intimidade.

— Kakashi... — Sussurrou seu nome, segurando os lençóis da cama.

O prateado olhou-a nos olhos, enfiando seus dedos nela com movimentos de vai-e-vem freneticamente e seu ponto sensível recebia a atenção que merecia. Mordiscou levemente e sorriu, vendo-a remexendo-se enquanto esfregava seus pés sobre as costas nuas dele, implorando por mais. Levantou os olhos para Sakura e sorriu, chupando-a com vontade.

Tentava fechar as pernas, mas Kakashi impediu que fizesse tal ato, espalmando suas grossas mãos sobre as coxas da rosada. Abriu os grandes lábios de sua intimidade e lambia toda extremidade com a ponta da língua e seu polegar brincava com a sua sensibilidade. A rosada ergueu o corpo e soltou um suspiro de prazer, cravando as unhas em suas costas.

— Goza pra mim, meu amor. — Pediu. — Gosto de vê-la em seu ápice. É a minha visão do paraíso. — Sorriu, acariciando os seus seios.

— Kakashi, eu... Eu estou perto. — Sentia seu corpo trêmulo.

— Deixe vir, será maravilhoso vê-la gozando para mim. — Beijou suas virilhas, seguindo para a sua intimidade novamente.

Sakura jogou a cabeça para trás, soltando um gemido que fora calado com um beijo ardente que recebera do seu amado. Respirava ofegante com Kakashi sugando todo o líquido que liberara após o seu gozo. Ele sorriu, levando os dedos até os lábios enquanto olhava para a rosada. O prateado deitou-se com uma das mãos segurando a sua nuca e capturando seus lábios novamente. Seus dedos esfregaram a sua intimidade e Sakura estremeceu com o toque.

Kakashi fechou os olhos, sentindo os lábios da rosada ao redor do seu membro, usando as mãos para acariciá-lo e arrancando suspiros do mesmo enquanto sugava-o com vontade. O prateado segurou os seus cabelos em punhos e seus dedos acariciavam a sua intimidade, fazendo-a gemer com as suas carícias ousadas.

— Sakura... — Gemeu rouco, fechando os olhos.

A ponta da língua passeava em suas bolas e e Sakura sorriu, vendo-o remexendo-se entre os lençóis da cama. Cravou as unhas em suas coxas e Kakashi respirou ofegante, soltando um gemido com o roçar dos seus dentes em sua glande. Depositou beijos na extremidade dele e sorriu retornando a trabalhar com a sua língua. Kakashi acariciava os seus cabelos, sem desgrudar os olhos da sua amada.

Sakura olhava-o no fundo dos olhos, acariciando o seu membro com ambas mãos em um vai-e-vem manhoso. Suas ônix negras estavam mais escuras, despertando ainda mais o desejo que transbordava pelo corpo de ambos. Voltou a sugá-lo, engolindo até onde conseguia com as mãos acariciando suas bolas novamente. Sorria sapeca, fitando os olhos de Kakashi enquanto dava-lhe prazer com a sua boca.

Kakashi puxou-a para cima, capturando os seus lábios em um beijo ardente com as suas mãos firmes segurando as costas de Sakura e uma delas perdeu-se nas mechas rosadas. Ela arranhou a sua nuca, puxando alguns fios prateados levemente e não deixou de sorrir ao ver a sua pele arrepiada.

— Não deseja gozar, senhor Hatake? — Sorriu entre os beijos.

— Eu quero, mas comigo dentro de você. — Mordiscou o seu pescoço, depositando beijo no mesmo lugar.

O prateado sentou-se à cama, puxando-a para mais perto do seu corpo e Sakura soltou um gemido abafado, sentindo a invasão do seu membro. Kakashi colou seus lábios aos dela, passando os braços ao redor da sua cintura e suas mãos desceram, acariciando a sua bunda e apertando de leve. A rosada apoiou as mãos em seus ombros e gemeu com o seu corpo subindo e descendo ritmicamente. Kakashi beijava-lhe os seus lábios e acariciava as suas costas, seguindo as mãos até a sua cintura, segurando firme.

— Oh, Kakashi... — Suspirou prazerosamente.

Sakura jogou a cabeça para trás, sentindo o roçar dos seus dentes nos seus bicos durinhos, dando atenção para ambos e não deixou de sorrir com malícia. Seus gemidos ecoavam pelo quarto e as estocadas aumentaram, fazendo a rosada mordiscar seus ombros com o prazer que estava sentindo. Kakashi olhava-a nos olhos, segurando seu rosto e capturando seus lábios em um beijo quente e urgente. Seus seios tocaram no peitoral do prateado e um arrepio percorreu por todo o seu corpo.

Diminuindo o ritmo, Kakashi encostou sua testa na dela e respirou ofegante com uma mão repousada em sua nuca, sem quebrarem o contato visual. Sua mão desceu, esfregando seu polegar freneticamente no ponto sensível e Sakura curvou o corpo para trás, sem segurar seu gemido. O prateado beijou entre os seus seios e segurava-a com as mãos apoiadas nas costas enquanto seus lábios brincavam com os seus seios.

— Geme pra mim, minha flor. — Sussurrou em seu ouvido.

Sakura soltou um gemido manhoso e deitou-se a cama, puxando Kakashi enquanto compartilhavam um beijo. O prateado deitou-se sobre a rosada e a invadiu rápido, descendo a mão até o seu ponto sensível. Ela respirou ofegante com o seu polegar fazendo movimentos circulares e colou seus lábios aos dela com o corpo da mesma estremecendo com as carícias que recebera. As estocadas eram rápidas e precisas, com as mãos apoiadas em sua cintura.

Olhava-a enquanto depositava beijos em seus pés, descendo até as pernas e suas mãos faziam carícias em suas coxas e virilhas. Suas respirações estavam ofegantes e entrecortadas, sabiam que estavam chegando perto. Kakashi apertou-a contra o seu corpo e sorriu sentindo a ardência em suas costas devido as unhas de Sakura cravadas em suas costas. Um gemido escapou assim que jorrou seu líquido dentro dela, chegando ao ápice junto de Sakura.

Kakashi sorriu, segurando o seu rosto entre as mãos e capturou seus lábios em um beijo carinhoso. Respirou ofegante, deitando a cabeça entre os seus seios e Sakura sorriu. Ficaram abraçados por alguns minutos, tentando recompor-se e o prateado deitou ao seu lado, puxando-a para os seus braços. Fechando os olhos, cheirou os seus cabelos rosados e puxou os lençóis para cobrir os seus corpos. Sakura deitou-se sobre o seu peito e sentiu seus dedos deslizando lentamente em suas costas. E apagaram seguidamente.

Era madrugada quando Kakashi abriu os olhos ao escutar o ranger da porta e viu Yukio abrindo-a lentamente. Adentrou ao quarto e caminhou em direção à cama em que os seus pais estavam, segurando o seu ursinho de pelúcia.

— Oi papai. Está tudo bem? — O prateado sentou-se à cama.

— Eu tive um sonho ruim. Posso ficar aqui? — Sussurrou baixinho.

— Claro, campeão. Vem cá. — Sorriu, pegando-o no colo.

Kakashi deitou o filho entre eles e sorriu aconchegando-o em seus braços e jogando os lençóis sobre o pequeno. Beijou os cabelos dele e viu Sakura despertando lentamente. Ele fez o sinal de silêncio e a rosada concordou, sendo puxada para mais perto e o prateado abraçou-os, dando um selinho carinhoso em seus lábios. Sakura acariciou seu rosto e entrelaçaram as mãos, fitando o olhar um do outro.

— Eu amo você. — E enfiou os dedos em seus fios prateados.

— Eu também amo você. — Sorriu apaixonado.

A rosada sorriu sendo aconchegada a eles com um dos braços de Kakashi ao redor dela, retornando a dormir junto dos dois. Era o melhor lugar para a Sakura, nada iria afastá-los novamente. Não iria permitir isso. Tinha certeza do que sempre quis para si e ficar sem o seu amado, não era uma das escolhas.

**********

Anos Depois...

Kakashi caminhava pelo Central Park enquanto tirava fotos de um jovem casal com o seu bebê recém-nascido. Pendurou sua câmera no pescoço enquanto pedia para que mudassem as posições para fazerem novas sessões e assim fizeram. Teve mais dois clientes naquele horário e fez uma pausa.

— O meu fotógrafo favorito está com um tempo livre? — Sorriu, caminhando em sua direção.

— Eu sempre tenho tempo para a minha bela esposa. — Abraçou-a pela cintura, capturando os seus lábios.

— Trouxe o seu almoço, deve estar com muitos pedidos hoje. — E colocou uma sacola em suas mãos.

— Obrigado, querida. Você é um anjo. — Deu-lhe um selinho.

Sakura entrelaçou suas mãos com as dele e sorriu com o marido depositando um beijo nas costas da mesma. Estava feliz, fazia três anos desde que deixaram Tóquio. Yukio estava com os seus sete anos e Kakashi agora era um fotógrafo profissional, o mais procurado em Nova Iorque. E Sakura... Uma excelente professora de balé. Era um dos seus maiores sonhos e finalmente conseguiu realizar.

— Daqui alguns dias terá uma apresentação e eu estou um pouco nervosa.

— Dará tudo certo, meu amor. Você é excelente e eu estarei ao seu lado.

— Você é maravilhoso, querido. Sempre me apoiando. — Sorriu.

— A qualquer momento, minha flor. — Beijou as suas mãos.

Kakashi abraçou-a carinhosamente e cheirou os seus cabelos. Segurou o seu rosto com ambas mãos e sorriu depositando um beijo na ponta do seu nariz. Sakura retribuiu o sorriso, ajeitando os seus cabelos rebeldes. Eram um casal muito apaixonado, não escondiam o quanto se amavam.

— Querido, eu preciso te contar uma coisa. — E sentou-se junto dele.

— Está tudo bem, meu amor? — Perguntou, preocupado.

— Nós estamos. — Sorriu, olhando-o.

Sakura segurou as mãos do marido, depositando-as sobre o seu ventre. Kakashi arregalou os olhos e virou-se para a sua esposa. A rosada sorriu, esperando a resposta. O que não demorou a receber.

— Eu... Eu serei pai? — Ainda estava estático com a notícia.

— Sim, amor. Nós vamos ter um bebê. — Estava emocionada.

— Deus, eu serei papai. De novo. — Sorriu bobo.

— Sim, meu amor. Você será. — Acariciou o seu rosto.

Kakashi capturou os seus lábios em um longo beijo apaixonado. Sua família está aumentando e não poderia ficar mais feliz. Retirou algumas fotos da esposa enquanto o seu sorriso apenas aumentava, não cansava de fazer isso. Sakura sorriu sendo puxada para os seus braços e o prateado abraçou-a fortemente, girando-a no ar.

— Eu amo você. — Disse apaixonado, com os seus olhos marejados.

— Eu também amo você. — Beijou-lhe nos lábios, segurando seu rosto.

A rosada apoiou as mãos em seus ombros, sentia o vento contra os seus cabelos e o sorriso bobo no rosto de seu marido era a sua maior riqueza. E para Sakura... Não existia nada melhor do que estar ao lado das pessoas que ama. E só isso importava para ela. Mesmo com as armações de seus "pais", não conseguiriam apagar os seus sentimentos pelo Kakashi. E jamais conseguiriam. Porque quando o amor é verdadeiro, nada pode separar duas almas que foram destinadas para estarem juntas.

7 de Abril de 2020 às 03:32 0 Denunciar Insira 0
Fim

Conheça o autor

Mrs. Hatake • Casada com Kakashi Hatake • Apaixonada por KakaSaku • Amante de Animes e Mangás • Naruto é a minha grande paixão • Sakura Haruno é a dona da minha vida

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Mais histórias

Ghost Ghost
Farsa Farsa
Gentileza Gentileza