L
Luiz Felipe


Nos anos 70, um plano secreto é posto em prática para destruir a vida de uma moradora da cidade de Alighwood.


Drama Impróprio para crianças menores de 13 anos. © Todos os direitos autorais reservados

#301 #terror #drama #story
0
837 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Quintas-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

Bem Vindo À Alighwood

Anos 70 umas das melhores décadas de todos os tempos, a moda, as músicas e as pessoas viviam felizes em uma cidade na costa leste dos Estados Unidos, em Massachusetts. Alighwood é uma cidade, não muito grande, mas também não tão pacata. A cidade tem noventa mil habitantes e é bem frequentada por turistas em todas as épocas do ano, pois a cidade é tranquila para passar as férias na praia. Uma tempestade está se aproximando da cidade e deve chegar até ao anoitecer. Estamos em 1976.

Marilyn Mills Vanderguesth, bela e com longos e castanhos cabelos, ela tem trinta e seis anos, mas aparenta ter uns dez anos a menos. Ela é casada com o executivo Robert Vanderguesth, de trinta e sete anos. E eles têm um filho, adotivo, Donnie Vanderguesth, ele é lindo e tem dezessete anos. Ela tem uma amiga, que mora na frente da sua casa, Aerin Donald, ela é muito bonita e tem um cabelo loiro e curto, ela tem a mesma idade de Marilyn.

Marilyn teme a tempestade que se aproxima da cidade e não quer deixar Donnie sair para dormir na casa de um amigo. Ele ainda não se conforma e está chateado. Marilyn está na cozinha tomando café da manhã, sentada a mesa, Donnie desce as escadas e vai também para a cozinha, mas não está bem humorado. Ele se senta ao lado de Marilyn.

DONNIE
Por favor, mãe! É só uma chuva com relâmpagos que vai cair hoje. E nós nem vamos sair.

MARILYN
Eu sei que vocês não ficariam em casa. Eu já tive sua idade, sei como é. Não vai adiantar perguntar ao seu pai. Eu já falei com ele.
Vamos todos ficar em casa, juntos.

DONNIE
Merda!

MARILYN
Garoto, olha a boca!

Robert chega em casa, ele segura uma maleta, mas assim que entra a joga em cima do sofá. Marilyn o escuta e logo chama para se juntar a mesa. Ele corre rapidamente para a cozinha e se senta em uma cadeira também ao lado dela. Todo feliz.

ROBERT
Eu consegui emprestado com um amigo do meu trabalho o filme Psicose.Estão ansiosos?

Marilyn se levanta.

MARILYN
Filme de terror durante a tempestade? Eu que não vou assistir.

ROBERT
Tudo bem, assisto com o Donnie.


Na casa de Aerin, ela entra no quarto de Casey, sua filha, e dá um grito para acordá-la e abre as cortinas para que o sol entre pela janela.

AERIN
Ficaremos sem a luz do sol por dois dias!

CASEY
Não exagera mãe! Nem sabem se ela vai ficar os dois dias, os ventos podem mudar de rumo.

AERIN
Se levanta e desça! Você não vai para a escola hoje, mas vai fazer tarefas domésticas.

Aerin sai do quarto. Casey também sai e a segue até a cozinha. Aerin chega até a pia e pega uma jarra com suco.

CASEY
Eu não vou ficar em casa hoje! Vai ter uma pequena festa e todo mundo vai.

AERIN
Arrume a casa e poderá ir à festa. Simples não?

CASEY
Tudo bem então!

Hospital de Alighwood, Jane Paulson, quarenta e oito anos, é bela e muito elegante, caminha pelos corredores do hospital em direção do seu consultório, ao entrar ela se depara com uma surpresa, Franklin Harris, trinta e oito anos, forte e bonito, ele é o delegado da cidade. Sentado na cadeira dela. Ela fecha a porta da sala rapidamente assim que o vê.

FRANKLIN
Nossa! Você está devendo pra alguém? Se assustou fácil.

JANE
já disse pra você não vir aqui. É meu local de trabalho e não de assuntos pessoais.

FRANKLIN
Tudo bem. Encontre-me na lanchonete há dois quarteirões daqui. Dou-te trinta minutos.

Franklin se levantando e saindo da sala de Jane.



30 MINUTOS DEPOIS, Restaurante.Jane e Franklin estão sentados em uma mesa escondida no canto do restaurante, o garçom chega e eles pedem um vinho. Jane olha para Franklin tentando intimidá-lo. O garçom sai e eles começam a conversar.

FRANKLIN
Já temos um propósito para te tirar desse lugar maldito.

JANE
Vocês falam isso pra mim desde o início, e olha, ainda estou aqui!

FRANKLIN
Colocamos você naquele hospital para que você nos entregasse mais almas e não que você as salvasse.

O garçom chega com o vinho e o põe em cima da mesa, Franklin o agradece e ele sai.

JANE
Eu não disse que iria entregar várias almas e sim uma só.

FRANKLIN
Por isso facilitamos tudo para você. Há uma pessoa aqui em Alighwood que tem uns problemas.E você vai resolver isso pra nós.

Já de noite, a tempestade se aproxima de Alighwood, Marilyn olha preocupadamente pela janela. Donnie e Robert estão sentados na sala assistindo ao filme. Quando a personagem do filme grita, Marilyn se assusta.

MARILYN
Eu vou tomar um banho
Marilyn sobe as escadas indo para o seu quarto.

Ela não acende as luzes do quarto, pois ela só vai até a cama e pega sua toalha, ao mesmo tempo um relâmpago cai iluminando o quarto e então se mostra ali ao canto, uma criatura esquisita de pele acinzentada, magra demais e com enormes braços e garras, Marilyn não a vê. Ela sai do quarto e vai para o banheiro, que é na frente do quarto. Ela entra na banheira que já está com água. Ela tira sua roupa e entra na banheira, ela pega a água e passa em seu rosto. Marilyn mergulha e quando tenta volta alguém tenta afogá-la fazendo com que ela não consiga subir, Marilyn tenta lutar, mas não consegue enxergá-lo. Pelas garras vemos que é a criatura que estava no quarto. Marilyn consegue voltar e olha assustada para todas as direções e está muito ofegante. Robert logo abre a porta.

ROBERT
Aerin está ai e quer falar com você. Sabe o que é?

MARILYN
Não! Diga a ela que já estou descendo.

ROBERT
Aconteceu algo? Parece assustada?

MARILYN
Nada! Só estou com um pouco de medo da tempestade.

ROBERT
Saiba que vou estar aqui, tudo bem!

Algum tempo depois, Marilyn desce as escadas e vai até a sala, ela abraça Aerin e pergunta o que houve. Aerin responde rapidamente.

AERIN
Casey saiu para uma festa, me disse que lá não iria ter bebida, e adivinha. Lá está tendo competição de quem bebe mais.

MARILYN
Sabe que a Casey não bebe, não é Donnie?

DONNIE
Bem, na festa do 4 de julho ela ganhou em primeiro por ter bebido noventa e oito copos de um litro.
Aerin se senta no sofá, como se fosse desmaiar.

MARILYN
Era para você ajudar, garoto!

DONNIE
Eu ia saber.

MARILYN
Escuta, nós vamos buscá-la agora! Donnie me diz o endereço.

DONNIE
É a casa vermelha de esquina, lá no centro. Eu não sei o número ou rua.

Marilyn se levanta e pega as chaves do carro. Ela chama Aerin e as duas saem para ir atrás de Casey. Na casa de Marilyn, Robert desce as escadas chamando por ela.

DONNIE
Acabou de sair com a Aerin.

ROBERT
Nessa chuva? Ela me disse que estava com medo há alguns minutos atrás.

DONNIE
Vai entender.

Na estrada, Marilyn tenta enxergar o caminho, mas é difícil por conta do vento. Elas resolvem parar, mas elas não descem do carro, quando Marilyn olha pela janela, ela vê uma parte da floresta de Alighwood, o que significaria que elas estejam perdidas ali. Ela não diz nada para Aerin, na tentativa de deixá-la menos preocupada.

AERIN
Deveríamos seguir em frente, só nós estamos fora de casa.

MARILYN
Se você acha certo, então vamos.
Ela liga o motor novamente se segue em frente, com o farol alto. Depois de algum tempo elas conseguem encontrar o caminho de volta e então um homem de repente entra no caminho e Marilyn quase o atropela. Ela desce do carro para ver se ele está bem.

MARILYN
Eu bati em você?

O homem olha para ela, seu nome é Joe Morrison, trinta e sete anos, ele rapidamente se encanta por Marilyn.

JOE
Não. Eu estou bem.

Marilyn o põe dentro do carro, para ajudá-lo ela o acompanha até o banco de trás. Ela entra no carro e continua a dirigir, até que certa altura ela pergunta a ele.

MARILYN
Sua casa é longe?

JOE
Não muito, eu sai para ir ao mercado, no caminho perdi meu guarda chuva com o vento forte e ninguém de carro estava passando por aqui. O que estão procurando?

AERIN
A minha filha disse que iria a uma festa, mas acho que essa festa é pior do que eu imaginava.

Marilyn entra em uma rua, um pouco escura. Eles procuram por uma casa com carros na frente, elas não enxergam nenhuma casa, mas Joe acaba vendo ao fim da esquina uma casa com vários carros, no fim da rua há uma pequena parte da floresta. Ele aponta para elas mostrando onde está a casa, Marilyn vai até a casa e antes mesmo de parar, Aerin abre a porta do carro e desce, Joe pergunta a ela se quer ajuda para encontrar Casey, ela aceita e os dois entram na casa que está cheia de pessoas. Marilyn fica no carro, olhando para a escuridão da floresta. Os relâmpagos começam a rugir novamente no céu, e também clareia a floresta, Marilyn se assusta com o primeiro trovão que cai. Assim que o segundo cai, Marilyn vê uma pequena criança, na floresta, segurando um ursinho de pelúcia. Intrigada ela fecha os olhos achando que é mais um delírio, quando abre, um relâmpago cai novamente a criança ainda está lá. Ela abre a porta do carro, a chuva ainda cai, mas ela não liga. Parece estar hipnotizada pela criança. Ela chega perto da criança e é um menino, de uns dez anos de idade, seu nome é Dave Mills, Marilyn começa a chorar assim que o vê mais de perto.

Marilyn começa a chorar.

MARILYN
Filho?

DAVE
Mamãe, eu estou com muito medo. Você desapareceu, me abandonou.

MARILYN
Não, eu nunca faria isso filho. Eu ainda te amo, tenho uma foto sua e do seu pai. Onde ele está?

DAVE
Deus me disse que ele não poderia ficar no céu comigo por conta do que ele fez com você.

Marilyn o abraça e chora ele a entrega o ursinho de pelúcia. Mais ao fundo da floresta, Marilyn não vê, mas Jane está ali escondida, os olhos de Jane estão acinzentados.

Aerin encontra Casey e a puxa pelo o braço, bêbada ela reclama de quem está a puxando.

CASEY
Ei cara, me larga.
Ela é puxada até a frente da casa e então vê que quem a puxava era sua mãe. Ela fica surpresa.

AERIN
Vamos embora agora!

CASEY
Se eu não for você vai fazer o que? Me matar como fez com meu pai?

Aerin dá um tapa na cara de Casey.

CASEY
Eu prefiro morrer do que ser sua filha. Eu não vou embora!

Casey volta para dentro da casa. . Joe aparece e pergunta a Aerin o que aconteceu. Ela começa a chorar e Joe a abraça.

AERIN
Eu tentei, eu a criei sozinha e é isso que recebo agora.

Ao mesmo tempo em que ele consola Aerin ele vê Marilyn na floresta, na visão dele ela está falando sozinha. Ele conta a Aerin que limpa as lágrimas e vai até Marilyn. Chegando lá, Marilyn só segura o ursinho na mão, Dave não está mais ali. Aerin logo a pergunta o que houve.

MARILYN
Dave estava aqui. Eu acho que um sinal. Mais cedo foi uma criatura tentando me afogar na banheira.

JOE
Como assim?

MARILYN
Onde está Casey?

AERIN
A bêbada jogou o meu passado na minha cara. Me chamou de assassina na frente de todos.

MARILYN
Vamos levar Joe para a casa dele. Aí você me conta tudo, porque essa garoa está gelada.

Na casa de Marilyn, Ela e Aerin estão sentadas na mesa na cozinha, Donnie e Robert estão dormindo, elas colocaram uma roupa seca, e tomam um chá enquanto Aerin conta.

AERIN
Acho que ela descobriu o que aconteceu com o pai. Sobre a traição e o acidente.

MARILYN
Aerin, olha, seu marido te traiu você o traiu. Ficou empatado. Ela não pode sair te xingando, você fez de tudo para criar ela sozinha.

AERIN
Eu o amava, mas quando eu descobri tudo eu tive que fazer aquilo.

MARILYN
Não te julgo, eu faria o mesmo, pior talvez. Arrancava o pinto dele fora.

As duas riem e então se ouve um carro chegando em alta velocidade, ele para na frente da casa de Aerin. Então ouve-se Casey chamar pelo nome de Aerin.

MARILYN
Vai lá, converse com ela. Vou dormir e esperar o sol mandar essa tempestade para longe.

Aerin a abraça e vai embora para sua casa. Marilyn se vira subir as escadas e então Robert desce.

ROBERT
Onde você foi? Eu já estava preocupado.

MARILYN
Fomos buscar a Casey e... Ah, é uma longa história e eu estou com sono. Vamos dormir?

ROBERT
Já vou subir.

Marilyn sobe para seu quarto, ela abre o guarda roupas e pega uma pequena caixinha na mão, ela abre e nela tem uma foto, quem está nela são Marilyn e Dave brincando em um campo. Robert chega na porta e a vê chorando.

ROBERT
Saudades? Eu sei que dói para você, em mim também dói, imagina, nós com os dois aqui.

MARILYN
Eu preciso deixar o meu passado para trás. Guarda pra mim a foto, eu vou me deitar.

ROBERT
Claro, durma bem.

Robert põe o cobertor em cima dela e pegando a caixa, ele desce as escadas. Chegando na sala, ele acende a lareira e se senta no sofá, olhando a foto, até que ele a joga na lareira junto com a caixa.Jane está em sua casa deitada em sua cama no quarto. Ela ouve uma batida na porta e vai até lá para ver. Ao abrir a porta, Franklin entra, ela assusta.

JANE
O que você está fazendo aqui? Sabe que horas são?

FRANKLIN
Eu preciso que você começe a agir logo.

JANE
Você não pode esperar? Eu já tenho um plano.

E qual é?
FRANKLIN

JANE
Há um frasco com sangue de uma paciente do meu avô. Ela foi contaminada com uma doença, que, na época ele não conseguiu curá-la.
Então, vamos por na bebida da Marilyn.

FRANKLIN
Qual a parte de não matá-la você não entendeu?

JANE
Não vai matar ela. Ela vai ter dores, alucinações e vai começar a agir por impulso, podendo matar alguém. Com isso, poderíamos
jogá-la em um hospício e lá o chefe a matava.

FRANKLIN
Olha, até que a idéia é boa, mas quem vai por? Porque a Marilyn não gosta que eu chegue perto da casa dela.

JANE
Eu vou ter a amizade dela. E daí entramos em ação.

6 de Abril de 2020 às 03:48 0 Denunciar Insira 0
Leia o próximo capítulo Passado

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 1 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Mais histórias

A minha escolha trara consequencias A minha escolha trar...
Tu Tu
Hospital de Mentiras Hospital de Mentiras