melindaclemente Melinda Clemente

"Você só queria ter um dia normal. Terminar seu trabalho, e com sorte, ganhar seu salário certinho no final do mês. Mas nem tudo é como esperamos. E algo que literalmente você não esperava, era ter de lidar com a super celebridade conhecida como Kim Seokjin, para bagunçar o seu dia." imagine bts | imagine seokjin | universo alternativo | | imagine sem s/n | | saga "Meus Sete Clichês" 06/07 |


Fanfiction Bandas/Cantores Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#romance #amor #fanfic #bts #seokjin #clichê #adulto #cafeteria #rico #imagine #bts-imagine #imagine-bts #celebridade #bts-seokjin #bts-jin #famoso #fiçcão #fanfic-seokjin
Conto
0
1.1mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único

N/A:antes da leitura veja alguns avisos importantes sobre a história:

❤ Este imagine não contém pronomes referencias de S/N, pois o intuito desta narração é fazer com que a/o leitor/a se sinta como protagonista verdadeira desta história

❤ Este imagine é o 06/07 de 07 contos, que serão publicados separadamente, e espero que possam acompanhar a continuação deste, já que estarão 100% interligados

❤ Se preparem para os clichês, pois terão muitos, mas tentei aproveitá-los e introduzi-los da melhor forma possível

❤ aproveitem a leitura❤


(***)

O trânsito estava ainda mais congestionado, do que o normal, em seu horário de pico naquela tarde de terça-feira, e por conta dos zunidos ininterruptos das buzinas que ecoavam ao meu redor – sem contar com a estação de rádio mexicana que o taxista insistia em deixar no último volume – já até conseguia pressentir a quantidade de remédios que tomaria quando chegasse em casa esta noite. E se passou alguns longos minutos até que o carro pudesse prosseguir a sua viagem por mais algumas quadras – e já estava prestes a suspirar em alivio por conta disso – porém, logo ficara preso em outro engarrafamento na avenida principal da cidade. Revirei meus olhos, para tentar conter a impaciência, pois seria literalmente muito tempo a ser sacrificado para dar continuidade a campanha do novo projeto da empresa, e já orava aos céus que a equipe perdoassem meu atraso.

Pois algo que não poderia mais aguentar, seria me justificar ao sr. Kim Namjoon novamente, já que, além de demonstrar que não conseguiria completar meu trabalho perfeitamente, ainda teria de lidar com um chefe estupidamente meloso que jura que sou o amor de sua vida por simplesmente ser a primeira pessoa a não aceitar uma investida dele – devo admitir que até gostei no começo, afinal, que não gostaria de receber mimos de um cara tão bonito e poderoso como aquele? Mas eu literalmente não tenho psicológico para lidar com todas as suas provocações (que são bem tentadoras) diariamente.

(...)

Meus saltos estavam praticamente furando o piso daquele carro velho, tamanha era a minha ansiedade ao ficar pisoteando o assoalho do automóvel ao pensar que não poderia fazer nada, a não ser esperar aquele maldito trânsito melhorar – já que, de forma alguma eu seria capaz de andar mais de 8km em um salto de 15cm em plena 3hs da tarde.

Porém, enquanto tentava me distrair – para não ser engolida por meu estresse latente – pude observar que, bem ao lado onde o táxi estava – praticamente estacionado – havia uma cafeteria. E mesmo tendo plena consciência do quão lotada a mesma poderia estar – pois se localizava bem no centro da rua mais movimentada da cidade – aquilo estava beirando ao absurdo! A multidão que se mantinha ao redor do estabelecimento era simplesmente inconcebível, e mesmo que estivesse disponível alguma superpromoção, creio que seria muito pouco provável conseguirem atender a uma demanda tão grande.

Todavia, sendo aquele alvoroço todo por uma promoção ao não – e Deus queira que não seja um acidente – não pude deixar de pensar que meu tempo seria muito mais gasto a procura de um chá gelado do que ficar enfurnada em um taxi minúsculo que só tocava “ las mejores noches de la cucaracha”.

Pedi licença ao motorista antes de sair do carro, e o mesmo somente abanou as mãos em descaso dizendo que não me preocupasse, pois sem dúvida estaria no mesmo lugar quando voltasse.

Ao me aproximar mais da cafeteria, percebi que a mesma não estava particularmente cheia, mas, com um considerável grupo de pessoas a rodeando pelo lado de fora, ou, para ser mais exata, elas se rodeavam em uma das mesas externas em particular, provavelmente bajulando alguma subcelebridade que estava no local. Não dei muita atenção a isso, pois fiquei bem mais animada ao saber que, por conta disso não enfrentaria uma fila tão grande para ser atendida.

Entretanto, minha alegria não durou muito, pois mesmo a fila não sendo tão extensa como imaginava, ao que parecia, a atendente era extremamente lenta, já que não passava de uma dúzia de pessoas a minha frente, mas demorava mais de 10min para que saísse do lugar. Quando finalmente chegou a minha vez, estava prestes a fulminar a pobre atendente – que era terrivelmente atrapalhada – mas por sorte ela não demorou tanto para entregar o meu pedido.

(...)

Saí super animada do local com meu copo extragrande nas mãos, só tendo de me preocupar em desviar daquela multidão inconveniente e chegar ao carro sem desperdiçar minha bebida – excepcionalmente cara.

Estava conseguindo sair de lá muito bem, enquanto bebericava rapidamente aquele copo cheio de chá, quando me surpreendo com a buzina estridente logo ao passar pelo batente da porta de saída. Ao olhar para frente, vejo meu taxista acenando para mim, pois o transito estava finalmente se movendo e ele era o único que impedia a passagem dos outros veículos.

“Mas que droga! ” Resmunguei comigo mesma, porque eu realmente não tinha planejado correr naqueles saltos! Tentei, da melhor forma que podia, me desviar daquele montante de pessoas que bloqueavam a saída e para falar a verdade, eu até achei que conseguiria, pois eu estava indo muito bem, bem até demais.... Foi quando, por puro reflexo, vi alguém se levantando na mesa ao lado, e notei que não poderia me desviar a tempo.

E em questão de milésimos, minha preciosa bebida colidiu com um sobretudo que de longe já parecia muito, muito caro, e quando meus olhos esbugalhados foram para mais perto, ele pareceu mais caro ainda! E para piorar, na minha tentativa falha em desviar dessa pessoa de roupa extremamente cara, senti meu calcanhar se direcionar para o lado oposto de onde todo o resto de meu corpo estava indo e isso foi mais do que o suficiente para me desequilibrar.

Com certeza eu levaria uma queda dolorosamente vergonhosa e um possível tornozelo quebrado, e já estava me preparando para esse tombo catastrófico, quando sinto dois braços elevando meu dorso para me manter equilibrada. Com meus olhos fechados – em antecipação pela queda que felizmente não aconteceu – somente pude ouvir um grande coro de pessoas surpresas acompanhando com luzes de flashes – tão fortes que incomodavam meus olhos fechados. E quando eu os abri, ainda confusa com toda aquela comoção repentina, dei de cara com o aquele caro sobretudo, agora sujo da bebida que tinha acabado de derramar.

“Você está bem? ” Meus olhos focaram mais para cima, onde o suposto dono da roupa mais cara que já vi estava, e no mesmo instante meu cérebro não pode deixar de se questionar ‘aquilo era real? ’ Pois, aquela criatura não poderia um simples ser humano! ‘Será que caí, torci o pescoço, fui direto para o céu e agora estou falando com um anjo?

O rosto perfeitamente assimétrico, pele lisa e livre de qualquer mancha, os olhos e lábios em completa harmonia com as linhas de sua face... E que lábios são aqueles?! Por acaso fui enganada e Deuses gregos realmente existem e estou encarando o próprio filho de Afrodite neste momento?

Eu estava, na forma mais simples de se dizer: paralisada.

Realmente, não era à toa, toda aquela comoção por causa dele.

Voltou a pensar de forma racional novamente quando passo a enxergar uma mão alheia passar em frente aos meus olhos, enquanto ainda sentia aquela divindade em forma humana me segurar em seus braços. Mas só me despertei por completo ao ouvir o som da buzina – ainda mais insistente – e no mesmo instante, eu já pulava dos braços daquele estranho para ficar de pé.

“Me desculpe...! ” Exclamei, enquanto lutava para realinhar meu vestido rapidamente, não tinha tempo para ficar encarando um cara bonito em um dia tão importante. “ E obrigada! ” Com ainda mais agilidade, fui capaz de abrir minha bolsa e tirar o cartão de visitas da empresa. “ Por favor, ligue para esse número e diga o que aconteceu, para que eu possa lhe ressarcir pela danificação de seu casaco. ” Entreguei o cartão para o rapaz, evitando olhar muito para o seu rosto – que parecia no mínimo confuso – fiz menção de me afastar quando voltou a sentir um aperto em meu braço.

“Você pode ao menos me dizer o seu nome? ” Virei meu rosto para encarar sua mão sobre meu braço, e da forma mais delicada possível o afastei, não dando muita atenção a sua pergunta desnecessária. Afinal, tinha coisas muito mais importantes para me preocupar agora.

“ Me desculpe, mas estou extremamente atrasada para um compromisso muito importante, então... ” Me justificava ao tentar me afastar, porém, quando dei mais um passo à frente, fui impedida novamente.

“Mas eu devo ao menos lhe pagar pela bebida. ” O rapaz afirmou como se isso fosse algo de extrema importância; e eu quase revirei os olhos, não tendo muita paciência para lidar com aquilo, ‘ele está falando sério?

“Não se preocupe com isso... ” Consegui responder com a pouco paciência e simpatia que me restava. “Agora, se me permite... ” Com igual delicadeza, removi sua mão de meu braço e sem perder mais tempo – e ignorando todos os rostos chocados da multidão que ainda nos assistia em silêncio – corri apresada em direção ao táxi cujo o motorista estava preste a me esganar com os olhos.

(...)

Quando cheguei ao bosque particular, onde aconteceria a sessão de fotos para a campanha publicitaria, quase tive um ataque ao saber que, a poucas horas de o sol de pôr, o maldito fotografo escalado para o trabalho não havia chegado.

“Como assim ele, além de não vim, simplesmente não avisou?! ” Minha equipe de assistência se mantinha calada enquanto eu quase explodia, só ousaram abrir a boca para se desculparem e cuspir justificativas sem nexo que não me dei o trabalho de prestar atenção.

Os produtores estavam irritados, os assistentes nervosos e os modelos, cansados de esperar, já começavam a desfazer sua maquiagem. Eu andava de um lado para o outro, sentindo meus dedos se contorcerem de dor, por estar usando um sapato – lindo, porém – apertado por tanto tempo, e estava mais do que desesperada para pensar em uma possível solução que ao menos diminuísse as despesas do dia – já sem nenhuma esperança que esse projeto fosse para frente.

Foi quando vi aquele Sedam azul cintilante passar por entre os portões da propriedade, que comecei a me iludir ao desejar que o fosse o maldito fotografo naquele carro e não o suposto proprietário do espaço querendo revogar o contrato de locação – pois só isso que faltava para destruir por completo o meu dia.

Entretanto, quando reconheci aquele sobretudo manchado saindo do carro, pude sentir meu queixo se aproximar alguns centímetros a mais do chão ao ver meus pés doloridos e desesperados correndo em direção aquela obra de arte ambulante.

“ Eu espero... ” Falava aos suspiros ao parar em frente àquele cara novamente. “ .... De todo o coração, que você seja um fotografo e não stalker estranho que tenha me seguido até aqui. ” Meu desespero estava em um apse tão grande que mal notei como minha fala tinha sido tão mal-educada como prepotente.

“Olá, para você também. ” Por longos segundo somente tive isso como resposta ao ver aquele desconhecido dar mais atenção em retirar seu casaco e estendê-lo para mim – que por reflexo apenas o recebi. “Primeiramente, ” Pôs suas mãos no bolso com um semblante tão despretensioso que passou a me irritar no fundo da alma. “Me chamo Seok Jin... ” Seu tom de voz era distinto como se me dissesse que eu deveria conhece-lo. “Kim Seok Jin. ” Repuxou seus lábios em um sorriso terno. “... E eu sou ótimo com fotos. ” Meus olhos se arregalaram chegando a ter certa esperança. “.... Pois saiu muito bem em todas elas. ” Continuo a sorrir não dando importância o quão presunçoso pareceu. “E segundo, srta., eu não precisei lhe seguir. ”

Devo admitir que, por alguns poucos segundos, minha expressão arrogante foi vergonhosamente óbvia – pois precisaria de muita presunção para deduzir que um homem como aquele viria atrás de mim – porém – felizmente – antes mesmo que eu tivesse a oportunidade de abrir a boca novamente e, possivelmente, passar ainda mais vergonha, ele continuou sua fala.

“ .... Já que, é você quem está em minha propriedade. ” E, felizmente, tive a capacidade de manter minha boca fechada assim que ele terminou, e eu não poderia estar mais envergonhada.

Os instantes seguintes foram passados em um silêncio ensurdecedor que eu somente me preocupava em checar se estamos longe o suficiente para que nenhum ouvido curioso tivesse testemunhado minha vergonha – e por sorte, realmente toda a staff estavam a metros de distância, com os olhos atentos prestes a nos engolir, mas longe o suficiente.

“ Eu...Eu... ” E quando finalmente tive a atitude de abrir a boca para tentar dizer algo decente, conseguia somente balbicava meias palavras. Suspirei, tentando me recompor. “Me desculpe. ” Disse finalmente aos sussurros, meu rosto queimava em embaraço.

“ Não se preocupe. ” Balançou as mãos em descaso. “ Eu também lhe devo desculpas, agora entendo perfeitamente porque estava tão apressada hoje mais cedo. ” Ele sorria compreensivo demostrando empatia ao meu constrangimento.

E naquele momento, me permiti a contemplá-lo com mais atenção.

O sol batia em seu rosto levemente bronzeado, seus fios de cabelos castanhos estavam parcialmente desalinhados, por conta do vento fresco que acompanhava o pôr-do-sol prestes a vir, os olhos grandes e límpidos que me observavam atentamente como uma lente de alta resolução, juntamente com sua pele que parecia refletir a luz do sol que estava prestes a si pôr, e seus lábios: ah, era simplesmente indiscernível! Como ele mesmo dissera, não poderia haver foto alguma que ele não se saísse perfeito.

“Então... ”Pude ouvir sua voz ainda distante do meu devaneio “.... Você acabou de mencionar que estava precisando de um fotógrafo, certo? ” Pisquei algumas vezes, até enfim voltar a realidade novamente, e lembrar do tópico mais importante do meu dia.

“Sim! Isso mesmo! ” Quase pulei em ansiedade. “Estaríamos prestes a sair da área de locação a este horário, porém, tivemos problemas em relação a fotografia... ” Assim que assimilei a importância de seu status naquele lugar, voltei ao meu modo profissional mais uma vez. “ E precisamos de um novo fotografo...” Suspirei desanimada. “ ...Por acaso, o senhor realmente trabalha neste ramo? ” Era óbvio como o status de celebridade expirava de seu corpo – muito provável um modelo ou ator em ascensão – mas ele poderia ser um famoso fotografo de celebridades também – e pela primeira vez na vida, sentia falta do tempo que deveria ter gastado em frente à televisão, para ao menos ter a capacidade de reconhecer aquele homem.

“Oh, não, não... ” Ele mostrou o que parecia ser um – charmoso – sorriso sem jeito. “ Mas conheço alguém ótimo do ramo, e acredite... ” Até mesmo um sorriso presunçoso não tirava a magia da beleza e simpatia de seu rosto. “... ele até mesmo consegue deixar meu rosto ainda mais bonito. ” E não pude deixar de rir junto com ele. “ Ele trabalha perto daqui. Tem uma agenda lotada, mas... ” Ele piscou brincalhão, e com toda essa simpatia eu presumi ‘ele deve ser um ator, com toda certeza. ’ “ Eu sei como convencê-lo, está interessada? ”

“É sério?! ” O vi assentir animado. “Sim, por favor! Faço o que puder para que esse ensaio seja finalizado ainda hoje! ” Falei mais animada que uma criança, ignorando qualquer tipo de consequência que minhas palavras fossem resultar.

“Então, está prometido. ” O vejo pegar o celular de seu bolso – de uma forma tão sofisticada que mais parecia estar fazendo um anuncio publicitário – e fazer uma chamada. “Espero que cumpra suas promessas, srta. ” O ouvi dizer antes que voltasse sua atenção para o telefone por completo.

(...)

Eram quase 7hs da noite. A equipe ainda estava desmontando os equipamentos de grande porte que foram usados naquela tarde, enquanto eu permanecia sentada em um largo banco de madeira, depois de uma longa tarde conduzindo a direção de imagem da empresa. O fotógrafo que Seokjin chamara era simplesmente incrível, e tenho certeza que essa, sem dúvidas, foi a melhor sessão fotográfica que tivemos neste ano.

Massageava meus pés doloridos, enquanto observava um pequeno grupo de vagalumes voando ao redor do jardim a minha frente.

“A noite por aqui é muito bonita, não é? ” Olhei para o lado a tempo de ver Jin acomodando-se para sentar ao meu lado.

“Sim, é realmente lindo. ” Confirmei, não só falando da bela propriedade em que estava. E antes que me distraísse novamente, fiz questão de enfatizar um agradecimento. “ Muito obrigada pela ajuda, além de ceder este lugar maravilhoso, o sr. ainda nos apresentou um dos melhores fotógrafos que pude conhecer até agora. ”

“Não há de quê. ” Devolveu simpático. “ Aliás, o prazer foi meu... Conhecer alguém como você, não é algo que se acontece todo o dia. ” Pausou. “Devo admitir, que... A sorte foi minha. ” E repentinamente senti os toques de seus dedos aquecendo o meu rosto.

Suas palavras, me atordoaram de tal forma, que mal sabia o que falar. Resolvi – pelo bem de minha estabilidade – desviar o assunto, para que pudesse assim ignorar meu embaraço.

“Certo... ” Respirei fundo, e consegui voltar a falar de forma estranhamente acanhada, não tendo mais firmeza o suficiente de olhá-lo nos olhos. “ E sobre como devo pagá-lo? Prometi ao senhor que pagaria a quantia necessária, então, somente me diga o preço, que farei de tudo para convencer o meu chefe de que... ” Falava de forma apressada, tamanha era minha apreensão para sair daquela zona perigosa.

“Ah, sim... O pagamento. ” Fiquei momentaneamente dividida em encarar ou não aquele olhar ladino que apareceu em seu rosto. “Que bom que me lembrou... ” E então puder ver aquele sorriso meigo se tornar – no melhor uso das palavras – algo extremamente tentador.

“Isso, ” Confirmei com urgência, finalmente levando meu rosto a encará-lo de frente. “ Como poderei pag – ”

E naquele instante notei; notei como nossos rostos estavam próximos; próximos demais. Nossos lábios estavam a milímetros de distância, e ele – em uma agilidade que se quer notei – já segurar suavemente meu rosto, e em milésimos pude sentir aqueles lábios se juntarem aos meus.

Minha nuca se arrepiou, assim que senti aquelas mãos macias e gentis passarem sobre minha pele, e não pude deixar de suspirar em resposta; sua língua passou sob meus lábios e logo ela já estava junto a minha. Todo o meu corpo estava em completo êxtase e parecia que estava prestes a desmoronar ao sentir o fervor daquele único beijo.

Nos separamos vagarosamente, minha vista ainda estava turva e minha mente desnorteada – como uma adolescente na puberdade – enquanto sentia um último selar de lábios, antes dele se afastar por completo.

Seus lábios pareciam ainda mais volumosos enquanto ele sorria satisfeito em minha direção, e antes que algum de nós pudesse falar alguma coisa, ouvi ao longe alguém gritando em minha procura. Sorrir envergonhada para aquele homem – que cada vez que eu olhasse para ele, ficava mais bonito – enquanto rapidamente calçava meus sapatos, e ele somente se preocupou em me ajudar como apoio ao levantar.

“Eu ainda lhe devo uma bebida. ” Ditou, assim que pousou suas mãos sobre as minhas, me entregando um cartão prateado. “Espero que me ligue. ” Segurou meu queixo assim que depositou um beijo em meus lábios e se afastou, enquanto eu ainda tentava formular algo decente para responde-lo.

Encarei o cartão de visitas ainda desorientada, me perguntando se trocaria o meu amor por de uma celebridade.


(***)

N/A: Eu literalmente estou muito ansiosa como muito triste só de ver como está perto de finalizar esta saga, mas, nem pensem que vão se livrar deles tão cedo assim... Estou preparando duas grandes surpresas para o fim dessa saga - além do lindo do Hoseok para finalizar a narração com chave de ouro. E espero que vocês não me abandonem até lá.

~MelindaClemente

28 de Março de 2020 às 21:58 0 Denunciar Insira 1
Fim

Conheça o autor

Melinda Clemente | multifandom| |pt / eng| "escrevendo coisas aleatórias, mas tentando fazer o melhor possível mesmo que seja perda de tempo." /+/ twitter ; wattpad ; spiritfanfics ; picsart

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Mais histórias

Ghost Ghost
Farsa Farsa
Gentileza Gentileza