mrs-hatake Mrs. Hatake

Sakura estava desolada com a ausência de Sasuke, não recebia notícias dele há mais de um ano. E tentava manter-se forte por sua filha, Sarada. Não tinha mais esperanças do retorno do marido, até que recebeu a visita do seu falcão. Com um pedido de divórcio. Kakashi sempre está ao seu lado, oferecendo-lhe o que sentia falta e a ajudando com o que precisava, incluindo a filha. Ela acaba encontrando o amor onde jamais imaginaria, nos braços do seu ex-sensei.


Fanfiction Para maiores de 18 apenas.

#naruto #sakuraharuno #kakashihatake #kakasaku
0
1.0mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todos os Domingos
tempo de leitura
AA Compartilhar

Decisões

Sakura esfregava as mãos umas nas outras enquanto soltava um suspiro que nem imaginou estar segurando por tanto tempo. Kakashi se mantinha em silêncio de frente à sua ex-aluna, esperando que a mesma iniciasse essa conversa. Sabia que ela precisava desabafar, por isso havia pedido para ir vê-la naquela manhã em sua casa. Algo a incomodava, desconfiava que era relacionado ao Sasuke. A rosada levantou a cabeça e os olhos de seu ex-sensei fitavam-na, não deixou de perceber a preocupação que estavam neles.

— Não sei por onde começar, Kakashi. Minha cabeça está tão confusa. — Olhou-o. — Parece que as coisas estão embaralhadas aqui dentro. — Suspirou, apoiando as mãos em seu rosto.

— Conte-me desde o início, se assim preferir. Só desabafe comigo, não guarde esse tormento para você. Sabe que não gosto de vê-la assim, por causa do Sasuke. Ele não merece as suas lágrimas. — Disse sério.

— Às vezes, eu acho que tudo isso que aconteceu, foi minha culpa. Talvez, eu tenha deixado chegar a esse ponto e... — Foi impedida de prosseguir por Kakashi.

— Não, não diga isso. Você não tem culpa do que aconteceu, Sakura. Quantas vezes eu terei que repetir isso para que entenda? Ele fez as suas escolhas, não se torture com isso. Sasuke preferiu abandoná-las e seguir em diante, sabe o que penso sobre esse seu comportamento irresponsável. — Bufou, com seu olhar sério.

— Se eu tivesse feito mais por nós ou tentado ser uma boa esposa, não teria optado em deixar-nos para trás. Eu devo ter errado em alguma coisa, mas não consigo enxergar onde está o meu erro. Eu só... Não fiz o suficiente. — Suspirou.

— Sakura... Não se cobre assim, você fez tudo o que conseguiu. Sasuke nunca quis estar aqui, preferiu continuar vivendo como um lobo solitário. Queria tanto uma família e na primeira oportunidade que teve, deixou tudo para trás. — Sorriu, sem humor. — Aquele moleque filho da mãe. — Respirou fundo.

A kunoichi fitava o chão, as lágrimas formavam-se em seus olhos e o silêncio tomou conta da sala. Não iria chorar por Sasuke, mas a situação não ajudava. Puxou o ar e o soluço veio involuntariamente. E sentiu a presença dele ao seu lado. Kakashi agachou-se em sua frente e segurou suas mãos.

— Eu... Eu... — Sua voz saiu embargada e as lágrimas embaçaram a sua visão.

— Não as segure, Sakura. Solte tudo que está preso em seu peito. Vai lhe fazer bem. — A rosada apertou as mãos do prateado e um novo soluço surgiu.

Kakashi abraçou-a fortemente e sua ex-aluna afundou a cabeça em seu pescoço enquanto as lágrimas escorriam de seus olhos, molhando o seu colete preto. O prateado enfiou uma das mãos em seus cabelos, aconchegando-a mais em seus braços. Confortando Sakura como todas as vezes que precisou dele.

— Eu sinto muito, Kakashi. — Soluçava, agarrada ao mais velho. — Por ter carregado você para os meus problemas pessoais.

— Não se desculpe, Sakura. Eu estou aqui com você. Está bem? Sempre estarei ao seu lado e da Sarada. Não vou a lugar nenhum. Eu prometo. — Acariciou suas costas levemente. — Chore o quanto precisar, vai se sentir melhor. Está sendo forte por tanto tempo, por você e sua filha. — Suspirou. — Revezando entre hospital e casa, todos os dias. Tenho orgulho da mulher forte que se tornou e é uma ótima mãe. Sarada tem sorte de tê-la ao seu lado.

Sakura olhou para seu ex-sensei com as mãos ao redor do seu pulso e Kakashi secou as suas lágrimas. Não disseram nenhuma palavra, a kunoichi abraçou-o novamente. Dessa vez mais apertado do que antes. Queria ter certeza de que estaria ali, como sempre esteve.

— Obrigada. Por estar aqui. — Agradeceu, fechando os olhos.

— Eu sempre estarei, Sakura. Por você e a Sarada. — Depositou um beijo em seus cabelos rosados.

Kakashi doava-se ao máximo por elas, não tinha nada que não fizesse. Podia ser algo bobo, mas para o hokage não era. Já ficou uma noite inteira no hospital quando a Sarada adoeceu, para ajudar Sakura e não a deixar sobrecarregar-se muito. E quando melhorou, foi recebido com um grande abraço apertado da pequena. Não imaginava dar-se bem com crianças, mas Sarada? Ela era o seu mundo inteiro. Como a mãe dela.

**********

Sakura suspirou parada em frente a janela com um papel em mãos, vendo o falcão de Sasuke voando para o longe. Fechou os olhos e o vento soprava contra o seu rosto, mas já imaginava que ele mandaria uma carta em um dado momento. Olhou sobre os ombros e viu Kakashi encostado na parede com as mãos no bolso, aguardando quando desejasse conversar com o mesmo novamente. Procurava as palavras para dizer-lhe o que poderia estar escrito naquele papel, mas pareciam estar fugindo do seu controle.

O prateado deu pequenos passos em sua direção, ficando ao seu lado. Sem iniciar uma conversa de verdade, apenas sentindo a presença do rokudaime. Engolindo a seco, tomou coragem para dizer o motivo de estar assim. Talvez, poderia estar tomada pelo choque de nunca receber notícias dele. Tinha a impressão que não se preocupava com ela ou Sarada. Mas tinha quem fazia isso em dobro, sem pedir nada em troca. E estava em pé ao seu lado, dando o tempo que precisava.

Virando os calcanhares, Sakura sentou-se em uma das cadeiras e seu ex-sensei fez o mesmo, ficando ao seu lado. Ele seguia os seus movimentos com os olhos e não gostava do que via. Odiava Sasuke por deixá-la tão vulnerável dessa maneira e por tê-la feito esperá-lo, como se fosse sua obrigação aceitá-lo de braços abertos quando assim desejasse e depois retornaria para as suas missões, como se nada tivesse acontecido. Essa situação sempre acontecia e a kunoichi desmoronava, sendo amparada por ele.

Sakura manteve-se em silêncio por longos minutos e Kakashi não estava gostando disso. Só podia ser duas situações diferentes para sua ex-aluna evitar olhá-lo nos olhos ou dizer-lhe o que estava escrito naquele papel enviado pelo Uchiha. Mas tudo que recebeu foi um aperto em uma das suas mãos, ela estava trêmula.

— Eu devia imaginar que isso aconteceria em algum momento, faz um bom tempo que o Sasuke não coloca os pés em Konoha. — As lágrimas acumularam-se no canto dos seus olhos. — Ele avisou que estará em nossa aldeia nos próximos dias para conversarmos sobre o... — Engoliu a seco. — Divórcio.

— Sakura, eu... — E foi impedido pela rosada de dizer alguma coisa.

— Está tudo bem, Kakashi. Acho que nunca tivemos um casamento de verdade. Tinha razão, ele nunca quis estar conosco de verdade. Só aparecia quando... Precisava relatar sobre informações das missões em que esteve. — E virou-se para o hokage. — Em algum momento, Sasuke perguntou sobre mim? Sarada? Ou eram apenas conversas rotineiras e fingia que não existíamos? Não minta, por favor. Nunca existiu isso entre nós, não coloque essa barreira agora. Por favor.

Kakashi coçou a nuca envergonhado, mas conseguia sentir os olhos de Sakura sobre ele. Seu polegar direito fazia pequenos carinhos nas costas da sua mão enquanto o prateado procurava as palavras certas para dizer-lhe, sem machucar. Não tinha culpa de ter um marido ausente ou que só a procurava de madrugada quando estava na Aldeia da Folha para satisfazer as suas necessidades, mas saía pela janela antes do amanhecer do dia ou quando Sakura adormecia.

— Bom, como posso explicar-lhe isso... — Suspirou, não sabia o que deveria dizer. — Sasuke vinha até mim para relatar as missões e não passava disso. Não chegava a me perguntar sobre vocês, eu até reclamava de sua negligência e dizia não ser importante. — Fechou os olhos. — Ele não merece você. Nem o seu amor.

— Eu... Eu sei. Quando Sasuke retornar para Konoha, iremos conversar com calma e decidir como será resolvido esse divórcio. Só não entendo o motivo dele nunca ter procurado saber da Sarada. Mas acho que nunca vou entender porque se comporta desse jeito. Ela só tem quatro anos. — Suspirou, fechando os olhos.

— Sasuke nunca quis ser um pai para ela, deixou essa responsabilidade de lado e eu o odeio por machucar você assim. — E seus lábios formaram uma linha reta, juntando suas sobrancelhas seguidamente. — Ele nunca esteve ao seu lado quando mais precisou do seu apoio. Sakura, ele enviou um documento de divórcio pelo seu falcão. Foi tão covarde que não teve capacidade de fazer isso pessoalmente. — Riu amargo, levantando-se de seu assento.

Em passos lentos, Kakashi saía daquele cômodo enquanto seguia para onde a Sarada estava. Ele abriu um sorriso ao vê-la brincando quietinha em seu quarto, aproximou-se lentamente e sentou-se ao seu lado.

— Oi princesa, você está muito bonita. — Fechou os olhos, beijando as suas bochechas rosadas. — Igual a sua mamãe. — Sussurrou apenas para ela ouvir.

— Obrigada, papai. — Sorriu, abraçando-o carinhosamente.

O hokage olhou sobre os ombros e viu Sakura encostada no batente da porta do quarto. Beijou os cabelos da filha e o mais velho mantinha seus olhos sobre ela, mas desviou quando a rosada se virou para ele.

— Desculpe por isso, Sakura. Eu sei que você não se sente muito confortável quando a Sarada me chama assim. — Ajeitou a pequena em seu colo.

— Tudo bem, Kakashi. Não se preocupe com isso. Eu já tentei fazê-la parar, mas acho que é impossível. — Sorriu. — Talvez por ser a figura paterna que esteve sempre presente ao seu lado, eu não irei tirar isso dela. — E sentou-se junto deles. — Cuida tão bem da Sarada e eu só tenho que agradecer por sempre estar conosco. Obrigada por estar aqui. — E depositou um beijo em seu rosto.

— Eu que agradeço por me permitir cuidar de vocês, dando todo o meu amor e carinho. Vou protegê-las com a minha vida, nada vai machucá-las enquanto eu estiver aqui para impedir que isso aconteça. — Disse, olhando-a carinhoso.

Sakura sentia-se tão bem ao lado de Kakashi e a forma que cuidava e se preocupava com ela e a Sarada. Mesmo sendo um homem ocupado devido a sua posição como um hokage, não as deixava desamparadas. Aparecia na janela do seu consultório para ter certeza de que estava tudo certo com ela ou pela madrugada, apenas para velar o sono da pequena. E sorria de lado, quando sentia a presença da kunoichi na porta do quarto. Era maravilhoso tê-lo assim, tão perto.

**********

Sasuke retornou para Konohagakure na semana seguinte, para resolver as coisas pendentes com Sakura. A porta foi aberta e ele entrou em passos lentos, olhando tudo ao redor. Notou algumas mudanças na decoração, fazia um tempo que não colocava os pés naquela casa em que "morava" com Sakura. Olhando para o lado, viu Kakashi com o rosto fechado, sem demonstrar nenhum tipo de alegria ao vê-lo.

O prateado não conseguia retirar os olhos do seu ex-aluno, ainda mais por Sasuke está tão perto de Sakura. Seu lado protetor começava a gritar dentro de si e sentiu um pequeno toque dela e relaxou um pouco, mas não era o bastante. Kakashi encarou Sasuke antes de atravessar a sala sendo acompanhado pela rosada, seguindo para a saída da casa. Tinha uma reunião importante e era necessário à sua presença, não poderia faltar em hipótese nenhuma.

— Você ficará bem? Eu não confio em deixá-la sozinha com o Sasuke. — Disse com desgosto o nome dele. Era nítido o seu desconforto com o Uchiha.

— Não se preocupe, Kakashi. Ele não irá me machucar, pode ir tranquilo. Não deve chegar atrasado em seu compromisso. — E acariciou o seu braço levemente.

— Se ultrapassar os limites com você, eu quero que me diga. Está bem?

— Claro, eu direi a você, se ele fizer algo que não me agrade. Eu prometo.

— Nos vemos depois, se cuide. — Fechando os olhos, depositou um beijo terno em seus cabelos rosados.

Sakura sorriu com Kakashi subindo pelos telhados e desaparecendo da sua vista, indo para a sua reunião. A kunoichi ficou mais alguns minutos respirando um ar e entrou em casa, fechando a porta atrás de si. Iria resolver isso de uma vez por todas, estava certa do que desejava e colocaria um fim nessa situação.

— Eu não gosto de vê-lo andando pela nossa casa, como se fosse o dono. Muito menos perto de vocês. — Virou-se para Sakura, assim que escutou a porta fechando-se.

— O quê? Você não mora aqui, Sasuke. Aliás, nunca desejou estar ao nosso lado. Não venha me dizer quem eu devo deixar ou não entrar na minha casa. — Deu ênfase nas palavras. — Não tem direito de cobrar nada de mim, sempre esteve ausente e sumiu pelo mundo afora. Só retornava para falar com o Kakashi ou quando o seu desejo carnal falava mais alto. — Encarou-o, séria.

— Sabe muito bem o motivo de eu ter ficado longe de casa todo esse tempo. Uma missão prolongada que está longe de terminar, deveria saber disso.

— Isso não é desculpa para abandonar a sua "família", não acha? Ah, eu esqueci. Não nos considera assim, só queria alguém para restaurar o seu clã e eu trouxa aceitei essa façanha. Como eu fui burra, em achar que você poderia me amar.

— O que você deseja de mim, Sakura? É só me dizer, que eu faço.

— Nada, Sasuke. Eu não preciso de você comigo, não mais. Me acostumei com a sua ausência, de não o ter ao meu lado ou da nossa filha. Nunca esteve lá quando eu precisei do seu apoio, nem pela Sarada teve coragem de manter-se presente. — Sorriu amargo. — Sabe o que desejo, uh? Que você siga o seu caminho, estamos muito bem sem você. — Apontou o dedo para o seu peito.

— É por causa dele, não é? Kakashi Hatake. — Trincou os dentes. — Por isso parecia um cão de guarda quando eu cheguei mais cedo. — Bufou.

— Não fale do Kakashi, você não está nesse direito de enfiá-lo nesse meio. Ele sempre esteve aqui, me estendendo sua mão com seu apoio e auxílio com a Sarada. E você? Em suas longas viagens, missões prolongadas e fingia que não tinha pessoas esperando por seu retorno.

— E o seu amor por mim? Não existe mais?

— Não seja ridículo, Sasuke. Achou que eu passaria a minha vida inteira esperando por você? Eu cansei de aguardar a sua volta ou me humilhar por uma maldita carta. Nem no aniversário da Sarada comparecia, mandava uma carta por ano e depois não chegavam mais. Só não venha com esse assunto de amor, porque se me amasse não teria se comportado dessa maneira. Tão irresponsável.

Sasuke tentou aproximar-se e Sakura deu dois passos para trás, não seria como das últimas vezes. Estava com os pés firmes no chão, decidida do que desejara fazer. E não era o moreno que a faria mudar de ideia. Virou o rosto e desvencilhou-se dele, sabia o que tentava fazer. Não daria certo, apenas empurrou o envelope em seu peito com os papéis do divórcio assinados. Sentia-se livre e ao mesmo tempo aliviada. Daria um novo passo, sem sentir-se presa pelo Uchiha.

28 de Março de 2020 às 16:22 0 Denunciar Insira 0
Leia o próximo capítulo Sentimentos Confusos

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 2 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Mais histórias

Ghost Ghost
Farsa Farsa
Gentileza Gentileza