Problemas técnicos - estamos enfrentando alguma sobrecarga do servidor, causando grande lentidão no desempenho - seja paciente enquanto resolvemos os problemas.
u15836094631583609463 Lemon sixx

Uma noite, um endereço desconhecido, 6 garotas com sede de adrenalina e alguns instrumentos resultaram no que, a princípio, seria um simples hobby para fugir de suas vidas pacatas nos campus de Saint-Jude Academy, uma das melhores universidades de Los Angeles, em uma banda revolucionária que não obedeceria ou respeitaria nada nem ninguém, e só tinham uma e apenas essa única regra: nunca revelar que eram as Blood Steam Revolution! Porém, seus dias de rebeldia podiam terminar com a chegada de um aluno-problema transferido, um blog, um reitor mascarado furioso, intrigas novas, fantasmas do passado e paixão... especialmente paixão. Aumente o som, se divirta e nunca deixe o sistema te calar! "Blog universitário Saint-Jude Academy - as melhores fofocas do campus com ~RiotRebel 17 de julho de 2018, Para aqueles que estão enlouquecendo com as Blood Steam Revolution como eu, esse artigo é para vocês! Para aqueles que estão boiando, eu vou explicar tudo que vocês precisam saber sobre essa banda. Explicar sobre como elas mudaram o rumo de nossas histórias, principalmente a delas….


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas.

#naruto
0
4.4mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 10 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Quem não é visto, nunca será lembrado!

▪︎First song: Hinata Hyuga▪︎


"Tempo, tempo, tempo

Veja o que aconteceu comigo

Enquanto eu procurava por minhas possibilidades

Eu era tão difícil de agradar

Mas olhe ao redor

Folhas são castanhas

E o céu é um tom nebuloso de inverno"


- Gerard way - Haze shade of winter.




(…)



"Blog universitário Saint-Jude Academy - as melhores fofocas do campus com ~RiotRebel"


25 de março de 2018,


The Blood Steam Revolution, banda de seis garotas desconhecidas que tem dado o que falar durante esses dois meses ataca novamente e, dessa vez, na cerimônia de boas vindas da universidade aos calouros, logo após o discurso do reitor Hatake Kakashi( que, por sinal, me curou de insônia e uma ressaca foda em menos de 20 minutos), que após tal violação escolar, tem se dedicado a encontrar as participantes da banda. Confesso ter virado fã delas por terem interrompido o velhote de falar.

A pergunta mais polêmica que minha identidade circula no campus: afinal, quem são as Blood Steam Revolution?


Peguem suas armas e se preparem, pois o canino grisalho declarou guerra.


Sabem que estou em todo lugar, não se enganem


Riot Rebel."


- É o quinto artigo essa semana, Hinata! E eu achava que meu pior problema era o surgimento dessa blogueira misteriosa fazendo comentários maldosos, inclusive meus, e causando intrigas entre os estudantes de SJA. Somos uma universidade renomada, precisamos deter a blogueira e a banda! - exclamou o reitor Hatake, com o rosto inteiramente vermelho socando sua mesa cara. Pensei que sua raiva seria tanta que seus cabelos esbranquiçados ficariam em tons avermelhados, segurei o riso pois nunca tinha visto ele de tal maneira. - eu devia ter ouvido meu pai quando disse que eu estava errado sobre só as escolas terem esse tipo de problema e seguido a carreira de neurocirurgião. -bufou.


Ele não é velho, aposto no máximo 42 anos. Sempre fechado, com um terno preto em detalhes azul e sua gravata na maioria dos dias branca. Tinha cabelos espetados, grisalhos e tinha um sério problema com sujeira a ponto de andar com luvas e uma máscara de médico 24 horas por dia. Alguns diziam que ele tinha ferimentos no rosto e não admitia, as más línguas diziam que era um tipo raro e avançado de herpes, outros que o nariz dele era torto, nunca saberíamos. Sempre achei maldade o que diziam, por mais carrasco que ele fosse.

- Concordo com o senhor, Kakashi-sensei! Quero resolver toda essa situação. Mas, o que o senhor pretende fazer? - perguntei, tentando expressar ódio. Eu sempre falho nesse quesito, mas Kakashi realmente acreditava em mim todas as vezes.

- Eu não sei, nunca liguei para essa banda, mas elas estragaram a nossa mais tradicional cerimônia de boas vindas aos calouros desse semestre! Eu até providenciei a Kyoto symphony, os melhores do Japão. Eles viajaram horas até aqui e estava tudo certo. Mas, elas deram um jeito de mandá-los para um restaurante tailandês do outro lado da cidade. Você acha que a banda e a blogueira tem alguma ligação?

- Kakashi-sensei, eu não sei como te responder essa pergunta. Elas podem ter como também Riot Rebel seja apenas uma admiradora. Provavelmente é uma garota mas vai saber, pode ser qualquer um, sensei! O significado "Os Anjos" só engana pois Los Angeles é naturalmente conhecida pelas fofocas, os flagras e os segredos revelados. Não sei se podemos afirmar algo assim tão concreto. Mas, não pensou em nada mesmo?- insisti na pergunta, fingindo total interesse no assunto.

- Pensarei a respeito e em dois dias volte aqui no mesmo horário para me ajudar a executar o plano. Avise Shino e Kiba da reunião, precisarei dos meus três alunos-exemplo do campus para dar um fim nisso. Está dispensada! - disse o reitor, mais relaxado com a situação.

-Entendido! Pensarei a respeito também e ficarei de olho na conversa de meus colegas - disse, levantando daquela poltrona revestida de couro que ficava em frente a mesa de madeira vernitizada de Kakashi, que em cima tinha seu computador e vários troféus pedagógicos que ele ganhara. Seu escritório não tinha fotos pessoais, familiares. Apenas ele recebendo prêmios, em conferências, matérias emolduradas, um de seus diploma emoldurado, seus títulos de doutor e o máximo de pessoal era uma foto dele na universidade segurando seu diploma da primeira graduação. Havia também uma prateleira com caixas de luvas, álcool em gel, máscaras e outros objetos pra higiene. Entrar naquele escritório me trazia tristeza por achar que o sensei fosse sozinho. - tenha um bom dia, sensei.


- Você também, Hinata. A propósito, belo vestido! - completou o Hatake em um tom de pele meio avermelhado.

- Obrigada, sensei - Virei de costas e fechei a porta atrás de mim, caminhei pelo corredor da tesouraria e fui direto para o estacionamento onde Sakura e Karin me esperavam para irmos até a casa da Ino, todas as garotas estavam reunidas lá.


(…)


- Hinata! Que demora, o que o perebento te falou? - disse Karin me olhando curiosa, encostada no carro do primo. - E, que roupa é essa que você está usando?


Karin estava com uma calça jeans escura rasgada em todos os lugares possíveis, uma regata preta extremamente justa com algum trocadilho matemático, e um salto 15 dando contraste em todo seu visual. Sakura estava ao seu lado trocando mensagens com alguém até Karin me gritar, que a fez virar seus olhos esmeralda para mim, mas logo voltar a digitar em seu celular. Ela vestia um vestido rosa com flores de cerejeira na saia de cor esbranquiçada, uma sapatilha bordô e em sua cabeça uma tiara verde claro.


- Ele estava atendendo outro aluno antes de mim, logo direi, mas, por que vocês estão com o carro do Naruto? -perguntei, confusa com a situação.

- Ela roubou a chave, pra variar, queria irritar o loiro - disse Sakura soltando uma leve risada.

- Mas se o Naruto não deu falta da chave ainda e o carro dele está aqui, significa que el-

- Exatamente isso que pensou! Temos exatos 5 minutos até ele aparecer enfurecido, então parem de enrolar e entrem no carro! - exclamou Karin, me cortando completamente, abrindo a porta de trás para mim e dando o banco carona para Sakura.

Então executei o procedimento padrão quando Karin fazia essas loucuras: deixei minha bolsa no banco e sentei no chão daquele gigantesco Dodge Durango branco que Naruto havia ganhado do pai, pois o mesmo havia comprado um carro novo, e lá fiquei, me escondendo da visão de qualquer um da SJA.

Não, essa não era uma faculdade normal. Aqui, as pessoas simplesmente esqueceram de crescer, é muito mais parecido com uma escola do que uma universidade. O reitor me pediu ajuda para ser uma espécie de "agente-dupla" para ele após a aparição da Riot Rebel, pois sou uma aluna que entrou na universidade por recomendação para o curso de Direito, e meu pai conheceu- o em um dos cursos que o grisalho fizera. Serio, quantos anos esse cara tinha para me pedir uma coisa dessas? Ah, fazer o que.

Kiba e Shino também tinham cartas de recomendação, mas Kakashi não confiava tanto assim neles e achava que eu executava melhor as coisas. Então não seria bom Riot Rebel me vendo com as meninas e estragando minha relação com o Hatake.


Karin estava com a porta do motorista aberta, calçando seu salto 15 vermelho sangue e o apoiando no vão da porta esperando o loiro, plena. Logo consegui ouvir os gritos lá de fora:

- Karin! O que está fazendo com meu carro? TIRA JÁ ESSE SALTO DAÍ - brandou o rapaz de longe, saindo do lado dos amigos e correndo em direção ao carro.

- Desculpe, priminho, mas tenho assuntos urgentes para resolver com essa belezinha - disse a ruiva entrando no carro, puxando a porta, acelerado com tudo e cantando os pneus de propósito.

-KARIN! - gritou o loiro em um tom desesperado, provavelmente engolindo o choro.


(…)


Demoraram uns dez minutos até Sakura me liberar para sentar devidamente no banco. Me ergui e relaxei naquele estofado caro. O campus era enorme, e o estacionamento do prédio do reitor era um dos últimos, por isso demoramos tanto para sair.

- O que ele disse? - perguntaram Sakura e Karin em coro sem se aguentar de curiosidade.

- Riot Rebel acertou mais uma vez, agora é guerra, gente! - disse com um olhar sério.

A reação de Karin foi algo tão alegre que quase bateu o carro em um poste. Sakura gritou algo bem forte, comemorando a declaração do grisalho.

- Eu daria minha vida pra saber quem é a Riot Rebel! - respondeu Karin.

- É impossível mesmo saber? - perguntou Sakura. - achei que você fosse, sei lá, a melhor hacker do mundo.

- Riot é uma oponente a altura! Ela preveu todas as possibilidades e mascarou tudo. Ela é a hacker perfeita.

- Kakashi acha que nós temos ligação com ela. - disse, rindo ao lembrar novamente de seu rosto avermelhado com veias saltando.

- Quem me dera! É um prazer saber que minha ídola também me idolatra. Pobre perebento. - disse Karin fingindo uma cara de choro. - Ela é tão amada por nós de SJA que todo mundo colocou notificação no celular para saber quando ela posta. Blog é uma coisa tão antiga e passada mas, mesmo assim, ela consegue ser foda! - exclamou a ruiva.

- Uma pena você não ter participado dessa vez, Hina! A Ino mandou bem, mas você arrasa no baixo. - disse Sakura.

- infelizmente, tinha que estar ao lado do grisalho para ninguém desconfiar, muito menos ele. Acha que alguém notou a diferença? - perguntei, receosa com a resposta.

- Temari mandou uma mensagem no quarto horário dizendo que uns caras da turma dela de cálculo avançado discutiam algo a respeito, mas eram os mesmos que ela já ouviu falar sobre a teoria da conspiração da Páscoa. - disse Karin me olhando pelo retrovisor revirando os olhos.

- A Temari também escolheu um curso de nerd como Engenharia Mecânica. - disse Sakura.

- Sakura…- disse Karin olhando para a cara dela para lembrá-la que fazia TI, que também é um curso que é possível achar vários nerds.

- Tadinha dela, Sakura! - disse enquanto ria da cara da rosada, a essa altura pedindo mil desculpas pelo que havia dito.


(…)


Como essa história toda começou? Bom, não sei por onde começar já que também não entendo no que me meti. Acho melhor contar sobre aquela noite, aquela onde nos deram uma chance de mudar nossas vidas…


Era dia 2 de Janeiro de 2018, aproximadamente 18h30m de uma pacata terça-feira.


Todo aquele cenário teria começado no recesso das aulas. Era uma noite do pijama na casa de Ino e Sakura, em Westwood, estávamos entendiadas e sentidas que as aulas começariam em um mês. Parecia muito tempo restante ainda, mas estávamos sem ideais. Não odeio minhas amigas, longe disso, mas nossos programas tendiam a ser entendiantes, assim como nós. Tínhamos medo de loucuras ou coisas muito extravagantes, então íamos no cinema, shopping, em alguns shows ( os que fossem mais seguros), tomar sorvete e no máximo um fim de semana na casa de praia dos tios da Karin em Malibu. Mas, tínhamos o desejo de algo novo, de sair das nossas zonas de conforto e fazer alguma diferença. Foi quando, naquela noite, enquanto estávamos escolhendo qual dos filmes caseiros que Tenten havia feito em seu curso de Cinema iríamos ver para debochar, como fazíamos toda semana, Temari, que até então estava quieta, mudou para um olhar assustado ao visualizar algo escrito em um papel que segurava. Estranhei, mas esperei ela dizer algo:


- Ei, quem trouxe esse papel para cá? - perguntou a loira nos virando uma folha com alguns escritos com palavras de uma revistas.


" Se quiserem se livrar da vida entediante de vocês e fazerem algo revolucionário, vão até esse endereço ( haviam apenas coordenadas escritas) as 19h30m dessa noite. É um armazém em Silver lake, podem pesquisar. Não espero que confiem em mim, não o faria, mas se o fizerem… bom, o resto eu não posso dizer."


Ao lerem isso as garotas se entre olharam, sem saber o que dizer ou sentir, muito menos como aquele papel chegara ali. Mas uma curiosidade cercou no ambiente, ainda em silêncio, até que:

- Nós devíamos ir - decidiu Karin.

- Você tá maluca? - retrucou Ino - Nós podemos ser assaltadas ou estupradas!

- A Ino está certa. - disseram Tenten e Sakura.

- Viu? Esse é o motivo das nossas noites serem chatas e ninguém nos chamar para nada. A gente nunca vai por medo do pior, somos invisíveis. Talvez fosse hora de mudar de uma vez. - disse Konan saindo de sei lá aonde.


Konan era mais velha e estava três semestres na frente do nosso em Relações internacionais, ou seja, eram seus últimos meses em SJA. Seus cabelos são curtos tingidos de roxo, olhos escuros e com um ar misterioso, bem pálida. Nós tínhamos a tendência de a ouví-la mais do que qualquer outra pessoa, mesmo sem entender exatamente porque, mas ela exalava experiência. Todas então começaram a pensar a respeito e, mesmo relutantes, concordaram com ela.


Assim como eu, Konan era calada. Mas não por ser tímida, que era meu motivo de não falar muito, mas ela afirmava que só dizia algo quando sentia a necessidade de sua opinião em uma conversa. Apesar de tudo, as únicas pessoas que ela se abre e conversa somos nós mas, mesmo assim, continuava sendo a Konan.

- Karin, trouxe seu notebook? - perguntou ela direcionando seu olhar para a ruiva.

- Claro! Eu quase nunca boto fé nos filmes caseiros da Tenten mesmo. - disse rindo da aspirante a atriz que ficara um tanto quanto ofendida.

- Procure tudo o que achar desse local e me passe as informações. - disse como uma verdadeira líder e logo em seguida a ruiva a obedeceu sem pestanejar, ela queria mesmo saber do que se tratava. - Sakura, vocês tem as duas últimas edições da LA Society aqui?

- Sim, mas por que quer isso? - perguntou a garota extremamente confusa com a pergunta.

- As palavras usadas na carta estão nessas edições. Certo? - perguntei.

- Bem observado, Hinata. Não esperava menos de uma futura promotora. - respondeu Konan.

- É… - respondi cabisbaixa.

- Meu Deus, que tipo de pessoa nota isso? - perguntou Tenten em tom irônico o que fez as meninas rirem junto com a morena.

Então Sakura pegou as revistas em uma cestinha ao lado do sofá e, juntamente de Tenten, procurava os artigos de onde cada palavra fora retirada. Ino e Temari estavam com um papel, anotando as frases que as duas diziam estar na edições. Konan me perguntou se estava de carro, mas infelizmente havia emprestado a Neji para o mesmo ir a um baladado pub que abrira naquela semana no centro com os amigos. Quase desistimos do plano quando Karin brandou:

- O Naruto foi junto com o Neji, não queria ter o carro novo assaltado ao estacionar no centro porque ainda não fez o seguro do mesmo. Ele, Manchester, Neji e Shikamaru moram muito perto daqui e vão demorar para voltar.


Manchester era um apelido dado por Karin ao aluno de medicina transferido que acabara de chegar a cidade. Mesmo sendo inglês, Sasuke Uchiha era o cara mais mal educado, boçal e egocêntrico que pisara em LA. Ou pelo menos essa foi a descrição de Karin na época, quando se conheceram. Não o acho tão ruim assim. É extremamente bonito: seus olhos escuros, assim como seus cabelos, contrastam com sua pele esbranquiçada. Piercings. Muitos piercings para falar a verdade. Ou sou apenas muito conservadora. Diziam até que ele tinha piercings lá embaixo, se é que me entende. Naruto espalhou pelo campus de uma vaga para dividir um apartamento e as despesas no final do semestre passado. Em uma de suas idas para conhecer o campus, o Uchiha encontrou o anúncio colado e se interessou. Quando percebemos, Naruto e Sasuke se tornaram inseparáveis. A princípio, Naruto e Sasuke não se davam nem um pouco bem e se uniram apenas para pagarem menos, mas, depois de uma semana juntos, acharam coisas em comum. Mas, mesmo assim, Naruto sabia que existiam muitos segredos por baixo dos panos da história do Uchiha e não se importava, sabia que com o tempo Sasuke se abriria.

- Mas, mesmo que o carro dele esteja lá, nós vamos precisar das chaves que provavelmente estão trancadas no apartamento deles. - disse Tenten.

- Acho que vocês esqueceram que a melhor aluna de Engenharia Mecânica da SJA está sentada naquele sofá, é moleza pra ela ligar um carro sem as chaves. - retrucou Karin olhando para Temari que até então estava com sua típica cara fechada abriu um sorriso malicioso no canto da boca.

- Pare de me bajular, eu curso mecânica, não o curso de assaltantes de carro. - disse enquanto ria- Mas, mesmo que eu consiga com o material necessário, ainda temos o alarme de segurança do carro, algo que eu não consigo desarmar sozinha e ainda por cima as câmeras do prédio. - disse, logo nos trazendo a realidade.

- Eu cuido das câmeras e te ajudo com o alarme. Sem desculpas - respondeu Karin muito animada para nossa aventura.

Estávamos lá reunidas e, pela primeira vez, fazendo alguma loucura mesmo. Era difícil acreditar naquilo, mas íamos fazer a maior loucura de nossas vidas. Iam dar muitos problemas posteriormente, mas em momento algum nos arrependeríamos.


(…)


- Acelera ai, Temari! - Gritou Ino a essa altura já surtando por não estarmos em casa fazendo a rotina.

- Calma, Ino. A gente já fez quase tudo, só falta ligar o carro. - disse tentando acalmar a loira.

- Mas a Temari tá demorando muito, e se o sindico nos ver e ligar para o Naruto? - retrucou Ino.

- Cala a boca! Se está reclamando tanto, então faz melhor! - gruniu Temari, com o rosto todo vermelho embaixo do volante do carro.

Ino bufou, mas logo depois os faróis se acenderam. Por incrível que pareça, Temari havia conseguido. Nem eu tinha botado muita esperança nela, grande erro.

- Então vamos nessa! - exclamou Temari sentando no banco a todo vapor.

- Sem querer ser grossa, Temari, mas você ser a condutora é um pouco…- disse, hesitando em completar a frase.

-Você dirige como uma tia gorda cega prestes a dar a luz a 8 filhos. - disse Konan, séria e direta.

Todas nós começamos a rir, inclusive Temari, concordando com a cabeça e dando o volante para Sakura.

- Karin, o endereço.- pediu a rosada ainda com a barriga doendo de rir.

A ruiva ajeitou seus óculos tão vermelhos quanto seus cabelos e tirou do bolso um papel todo amassado. Mais acabado que aquele papel, só a letra de Karin usada para anotar o endereço nele. Ficamos ainda alguns minutos na calçada tentando entender o endereço até de fato sairmos de WestWood rumo a Silver Lake.

- Ino e Temari, o que descobriram? - perguntou Karin.

As duas loiras se entre olharam demonstrando que a notícia seria um tanto quanto "avassaladora", só não dava para saber se ia ser para algo bom ou ruim. Aquele silêncio reinou dentro do Durango branco até Ino começar a falar:

- Bom, algumas letras eram de um artigo sobre a influência que a música tem na sociedade. Não achamos muito importante esse artigo, mas…- a loira parou de contar o que sabia, em dúvida de nossa reação.

- A maioria das letras eram de outro artigo que contava a história de um grupo de garotas que bateram de frente com os conservadores da época com o objetivo de mulheres terem espaço não só na música como também no cenário mundial como um todo. - Completou Temari.

- E elas tiveram grande impacto na história das mulheres no ramo da música por serem boas e não precisarem ser vulgares como muitas pessoas acham que uma cantora ou banda feminina devem ser. Mas elas fizeram muitas loucuras para serem ouvidas, e a gente não sabe muito disso pois nunca descobriram o nome delas e muito menos o paradeiro delas. - Disse Tenten se envolvendo na conversa pois também tinha visto aquele artigo.

- Como assim o paradeiro delas? - perguntou Karin.

- Elas…- Hesitou Ino mais uma vez, porém continuou - Elas desapareceram depois de um show que foi registrado como o mais barulhento após o horário de silêncio em LA. Elas infringiram a lei pelo que acreditavam…

- Mas elas conseguiram o objetivo delas? - perguntei.

- Para a época, sim. Elas deram mais coragem para as mulheres se expressarem de outras maneiras e tudo. Haviam sempre constantes protestos e movimentos no início feminista mas depois começaram a incluir qualquer coisa que nos tire a liberdade de expressão. Mas, o que elas fizeram foi esquecido por ordem das pessoas de alto escalão. Eles não queriam mais pessoas sabendo desse acontecimento, inclusive contam no artigo o quão difícil foi publicar isso. A revista desse mês também não foi muito vendida segundo um site e chegou a sair de circulação - Conclui Temari.

O carro todo ficou com em um silêncio sufocante. Não sei se aquela matéria tinha algo a ver, mas acho que o pensamento das meninas era o mesmo que o meu: o que deveríamos esperar daquele lugar?


(…)


▪19:30, em frente ao armazém em Silver lake.▪


- É aqui? - Perguntou Karin enquanto descia do carro.

- Segundo o waze sim… - disse Ino quase tendo um troço de estar naquele lugar.

- O que fazemos agora? Já estamos aqui!- perguntou Tenten.

- Devemos esperar algo vai acontecer - concluiu Konan.

Então, esperamos mais alguns minutos e nada. Estávamos quase desistindo quando ouvimos um barulho estranho de dentro do armazém. Nos olhávamos em silêncio decidindo o que iríamos fazer até que Temari resolveu tomar iniciativa e abrir o portão do armazém para verificar. E, a medida que o portão da garagem subia, podíamos ver pernas aparentemente femininas. E quanto mais o portão subia, mais me assustava. Até que vimos os rostos das mulheres daquele armazém e a nossa reação foi de surpresa total: era Kushina, tia da Karin e mãe do Naruto, Mebuki, mãe da Sakura, uma mulher loira que usava um jaleco com uma cruz vermelha no bolso e por último uma mulher de pele bronzeada, cabelos castanhos e olhos verdes, que vestia um vislumbrado vestido azul com detalhes em branco.

- Ok! Agora eu não to entendendo mais nada. Tia, o que tá acontecendo? - perguntou Karin compartilhando um mesmo sentimento de dúvida com todas nós.

As 4 mulheres começaram a rir de nossas caras assustadas enquanto nós estávamos todas estáticas tentando entender o que estava acontecendo.

- Karin, ou melhor, todas vocês, entrem no armazém. Precisamos conversar! - disse Kushina enquanto puxava Karin no braço, vinda logo atrás das outras meninas.

Então Mebuki fechou a porta do armazém após todas entrarem. Todas as meninas ficaram boquiabertas ao analisarem o gigantesco armazém, o qual tinham vários instrumentos, roupas, maquiagens, amplificadores… parecia um verdadeiro camarin!

- O que significa tudo isso? - perguntou Sakura nos representando.

- Bem vindas ao centro de ensaio das Livin Angels! - disseram as 4 mulheres em coro, deixando as meninas cada vez mais confusas.

- Que? Livin o que? - perguntou Tenten.

- Kushina, você ao menos deu as dicas para a revista certa? - Perguntou a Médica loira.

- Claro que dei! Fiz com cada detalhe que você explicou, Tsunade-sama.

- Espera, Tsunade-sama? É você mesmo? Está tão diferente desde a última vez que a vi. Achei que tivesse se mudado para a Índia para atender aqueles que mais precisavam! - perguntou Sakura extremamente supresa enquanto abraçava Tsunade.

- Meu Deus, Sakura. De onde você conhece essa mulher? - perguntou Ino a essa altura quase tendo um AVC.

- Tsunade-sama é, basicamente, o meu motivo de estar aqui com todas vocês hoje. Eu sofri um acidente quando tinha uns 12 anos e foi ela que me operou. O caso foi tão grave que os médicos acharam que eu não iria sobreviver, mas ela me salvou. - disse a rosada com a voz meio abafada por estar ainda abraçando Tsunade.

- Que bom te ver, Sakura! Está tão crescida desde a última vez que te vi, ainda bem né - a loira riu.

- Voltando a minha dúvida original, O QUE ESTAMOS FAZENDO AQUI? - perguntou Ino perdendo todo o seu ar.

- Espera… Livin Angels não eram as garotas do artigo que lemos, Tenten? - perguntou Temari.

- É, agora que você falou acho que eram elas sim! - respondeu a Tenten do seu jeito mais sonso possível. - Mas o que um bando de senhoras fazem trancadas em um armazém "musical" em plena quinta-feira a noite? - ironizou Tenten.

- Quem VOCÊ pensa estar chamando de senhora? - disseram as 4 mulheres em coro extremamente ofendidas com o comentário de Tenten.

- Podem parar de enrolar e, por favor, explicarem o que estamos fazendo aqui?- Pediu Temari.

As "veteranas" se entre olharam por algum tempo até Kushina abrir a boca:

- Mei, quer fazer as honras?

- Com o maior prazer! - disse a mulher de cabelos castanhos que até então estava calada. - Como vocês leram no artigo, nós somos as Living Angels. Eu sei que é bem difícil de acreditar, mas, se olharem atentamente os únicos registros fotográficos que aparecem na revista, podem conferir que os instrumentos e as roupas são as mesmas. - conclui.

Karin então abrira a notícia no celular e começou a comparar com os materiais enquanto todas as meninas se exprimiam atrás da ruiva.

- É, tem razão mesmo…- Respondeu Karin.

- Mas, se vocês fizeram tudo isso mesmo, por que pararam o que estavam causando nas pessoas? Vocês se deixaram serem esquecidas. - Perguntou Ino.

- Porque… você veio, Sakura - respondeu Mebuki, causando um tom avermelhado no rosto da filha - Não podia cuidar de você e viver o caos que era…

- E, também, nós não éramos as únicas na banda - Interviu Kushina - Aliás, você é igualzinha a Harumi - Disse Kushina enquanto pegava em minha mão - Seus olhos são perolados iguais!

- Conhece minha mãe?- perguntei meio confusa.

- Se conheço? Hyuga Harumi era nossa vocalista! - respondeu Kushina enquanto dava um pequeno pulinho de animação.

- Minha mãe? Vocalista? Acho que acabou confundido as pessoas, com todo respeito - dei um leve riso, era impossível minha mãe ser vocalista. Se eu sou tímida, a minha mãe consegue ser o significado vivo de timidez e vergonha.

- Eu sei que é difícil acreditar, mas é verdade - exclamou Kushina. - Harumi só voltou a "viver em seu casulo" quando conheceu Hiashi e se apaixonou profundamente pelo moreno de cabelos longos.

- Ah… bons tempos! - suspirou Tsunade - Era algo tão bom o que estávamos fazendo…

- Mas, se vocês eram as Livin Angels, como vocês fizeram para ninguém descobrir quem vocês eram? E por que nos trouxeram aqui? - Perguntou Ino.

- Bem… acredito que tenha sido uma mistura de sorte e esperteza. Talvez também porque éramos jovens e tínhamos sede de adrenalina, vontade de mudar nossas vidas tediosas e fazer a diferença - respondeu Mebuki tendo o apoio das outras mulheres.

- E também, a gente não pensou muito sobre as consequências - riu Kushina. - Era como nos sentíamos, o que queríamos ser.

- Mas, por que esconderam quem vocês eram? - perguntei.

- Bom, nossos pais eram bem rigorosos. Pelo menos os meus, de Harumi e de Tsunade eram. - Respondeu Mebuki.

- Agora que sabem nossa história…sabem que ela não acabou ainda. Mas, quem vai escrever o final são vocês. - Disse Kushina com o maior sorriso que podia dar, seus olhos brilhavam de maneira que, por algum momento, parecia realmente que nós iríamos fazer aquilo.

- Já deu dessa loucura toda, vocês querem pregar uma peça na gente? - Gritou Ino deixando sua pele branca toda avermelhada. - Qual o sentido, exatamente, de arriscar nossas vidas por uma coisa dessas?

- Nos sentirmos vivas - disse Konan, até então calada. E todas nós, incluindo eu, olhamos para ela como se representasse o mais profundo dos nossos desejos. Nem mesmo Ino teve coragem de retruca-la.

Ficamos em silêncio por alguns segundos, nos encarando.

- Digamos que nós faríamos isso, por onde começamos? - perguntou Temari.

- Por onde toda banda começa: o papel de cada integrante! - Vibrou Kushina, agitando seus cabelos ruivos. - hmm, vamos ver... Naquele tempo, eu era a guitarrista da banda. - continuou Kushina, analisando cada uma de nós com o olhar. - Mas não sei qual de vocês tem jeito pra coisa…

Ino tossiu forçado, dissendo o nome de Sakura que a olhou com ódio.

- Ino! A dois minutos atrás você que estava achando essa idéia uma loucura. - voiceferou a rosada.

- Fazer o que, achei a idéia divertida. E eu sei que você ama tocar aquele violão velho que tem lá em casa. - replicou a loira fazendo Sakura se acalmar.

- Mas, mesmo que eu topasse, não é como se eu fosse a melhor guitarrista do mundo… - disse Sakura um tanto quanto nervosa.

- Não precisam se preocupar com isso, todas nós vamos ensinar a vocês um pouquinho de cada " componente ". - Disse Tsunade.

- Só que fica mais fácil saber qual é a especialidade ou a vontade de cada uma. - concluiu Mei.

- E se eu não tiver nenhum tipo de especialidade ou vontade de tocar um instrumento? - perguntou Karin.

- Mas é exatamente ai que precisamos de alguém "de fora" para dar certo. Francamente, como vc acha que fizemos shows em determinados lugares e sumimos do nada? - disse Kushina. - Não é preciso tocar alguma coisa para fazer parte da banda.

- Em outras palavras, você vai ser a nossa hacker, como sempre - brincou Temari.

- Pois saiba você que eu prefiro o termo "Empresária". - retrucou Karin.

Após algum tempo conversando, decidimos a função da cada uma de nós nessa loucura: Konan seria a vocalista da banda, Temari ficou com a bateria, Sakura com a Guitarra principal, Ino com a Guitarra auxiliar, Tenten com o teclado e eu com o baixo. Karin era nossa empresária.

- Tem certeza que não quer cantar, Hinata? - perguntou Mebuki com um pouco de esperança no olhar.

- Talvez esse tenha sido o "legado" da minha mãe nas Livin Angels mas, essa não sou eu, senhorita Haruno. - disse enquanto sorria para ela, que sorriu de volta para mim.

- Precisamos de um nome - interrompeu Tenten.

- O que? - disse Ino enquanto olhava para a morena.

- Um nome. Precisamos de um nome. - saltitava Tenten.

As garotas começavam a pensar assim que a morena comentou sobre.

- As paquitas - sugeriu Ino. Tá brincando que esse foi o máximo que ela chegou?!

- Cala a boca, Ino - disse Karin, rindo da loira. Sua risada logo foi acompanhada pela a nossa.

- Nós vamos ter tempo de pensar nisso, relaxa - disse Konan, certa como sempre.

- O que estão esperando? Vamos ensaiar! - exclamou Kushina enquanto pulava. Ela era animada, igualzinho ao Naruto. Naruto. Havia me distraído tanto hoje que não pensei nem um segundo nele.


▪Hoje▪


(13:40 p.m)


-Estamos chegando? - resmungou Sakura.

- Quase lá - disse Karin - se não fosse esse trânsito que a gente pegou no Centro nós teríamos chegado a uns 20 minutos atrás. Ai ai, Los Angeles! - suspirou.

- Karin, o Naruto não vai ficar chateado contigo? Ele tem como voltar para casa? - perguntei.

- Não se preocupe Hina, seu namorado só vai ficar bravo comigo e com a Sakura já que ele não te viu. Mas, vou te relaxar dizendo que Manchester guarda um capacete extra no armário em caso de emergência. Apesar do jeito de viadinho dele, ele não vai adquirir interesse só de ter o Naruto abraçando sua cintura por alguns minutos. - provocou Karin.


Meu rosto inteiramente esbranquiçado tomou a cor vermelha em menos de 1 segundo. Que sensação esquisita era aquela, e por que por causa do Naruto? A Karin não sabe o que diz!


- K-k-karin, eu não tenho nada com o Naruto! - balbuciei de modo exaltado enquanto virava minha cabeça para esconder o meu rosto.

- Qual é, Hinata! Você quer realmente que a gente acredite que você não tem uma quedinha por ele desde o colegial. Você nunca enganou. - disse Sakura.

-Mesmo sendo a Spicy, ainda quer nos enganar? - perguntou Karin fitando seus olhos rubi no retrovisor para me ver.

- Spicy é só uma personagem oposta a mim que eu criei para não nos pegarem! O que ela faz ou deixa de fazer não me caracteriza. - disse em um tom mais elevado que assustou Sakura. Achei que as duas tinham entendido o recado e iriam parar com aquele assunto, mas as vezes parece simplesmente que eu não conheço a Karin:

- Você não pode mentir o que sente! Por que não admite logo que criou a Spicy só para suprir um desejo seu reprimido de ser vulgar, sexy, desejada, extravagante e outros milhões de adjetivos que ela representa? Que você a criou para agradar o Naruto e que ele tivesse sonhos contigo.

- E você conseguiu, ele ama a Spicy! Tem fotos dela, desenhos em seu caderno e tudo mais. Ele ficaria muito feliz se soubesse quem ela é. - completou Sakura.

- Vocês tem razão, ele ama a Spicy. Hinata Hyuga não é ninguém para ele...- disse abaixando o tom e apoiando meu braço na janela para olhar a paisagem.

Karin estava prestes a retrucar meu argumento quando nossos celulares tocaram ao mesmo tempo indicando a chegada de uma notificação. Por terem sido simultâneo os toques, aquele bip só podia significar uma coisa: Riot havia atacado novamente!

Minha espinha gelou, Karin encheu o saco para Sakura ler pois ela estava dirigindo e a rosada estava fazendo malabarismo com seu telefone para impedi-lo de cair no chão. Ela havia publicado em menos de uma hora, tinha medo do que exatamente estava nos esperando.


"Blog universitário Saint-Jude Academy - as melhores fofocas do campus com ~RiotRebel


25 de março de 2018,


Vocês provavelmente devem estar cansados de verem meu rostinho(seja lá como o imaginam) na pequena tela eletrônica que vocês carregam, mas sabem que não estaria postando horrores se não fossem notícias bombásticas. Todos nós temos segredos, alguns só escondem melhor que outros. Mas, meu papel aqui é mostrar que não existe nada que eu não saiba. Não me levem a mal, mas algumas coisas não devem ficar por debaixo dos panos. Como nossas heroínas da Blood Steam Revolution transformaram nossa cerimônia mortal de calouros em um show avassalador, sinto que deveria dar as boas vindas aos novatos eu mesma. Mas, um deles é o que mais tem pego a atenção do campus todo.

Parece que nosso Manchester boy não é tão incrível como aparenta ser. Uchiha Sasuke andou desafiando-me pelos corredores de SJA, é ingênuo de mais para saber com quem se meteu. Querem saber porquê nosso novato n°2 em medicina mudou para cá? Nosso estudante incrivelmente "superior" já tem um histórico e tanto nas escolas que estudou quanto em sua antiga faculdade de se meter em brigas levando uma de suas vítimas a perder o movimento das pernas. Fora o comportamento escroto de valentão, parece que nosso badboy teve o papai envolvido em escândalos de lavagem de dinheiro em sua terra natal. Resolveu fugir de sua casa feito um covarde para não ter a vida fudida como a de seu pai está agora. Se não acreditam em mim, por favor, entrem no link que eu fixei no início da página e leiam tudo a respeito das vidas que não só o pai de Sasuke como os Uchihas em si estragaram para chegarem ao poder. O que devemos esperar de um rapaz como ele?


Esse é meu recado para você, Sasuke: rostinhos bonitos não significam absolutamente nada para mim.


Bem vindo a SJA, babaca!,


Sabem que estou em todo lugar, não se enganem


Riot Rebel."


- Filho da puta! Eu sabia que aquele nojento era bem mais nojento do que parecia. - disse Karin como se tivesse acabado de ganhar na loteria. - O Naruto precisa ler isso, agora! Sakura, liga pra ele e coloca no viva-voz!


Sakura engoliu seco e permaneceu em silêncio a ponto de Karin virar para a rosada com um olhar amedrontador.

- O que foi, Sakura? - perguntou Karin se controlando para não causar mais um de seus famosos barracos.

- Acho que Riot só colocou isso por raiva do Sasuke. Para intimidar ele e dar uma boa lição, sabe? Pode nem ser verdadeiro isso! - disse Sakura.

- Está defendendo ele? É isso que estou ouvindo, Sakura

Haruno? - completou Karin.

- Não! Eu só acho que ele acabou de chegar e não temos

nenhum tipo de informação dele, então é natural nós aceitarmos qualquer coisa.- defendeu a rosada.

- Não acho que deveríamos julgar também, mas a notícia que Riot colocou o link para nós é do "The British Eye". Esse é um dos jornais mais renomados da Inglaterra. E a matéria é de primeira capa… - respondi sem tirar os olhos da janela.

- Viu? Até a Hinata consegue ver a verdade. Sakura, independentemente de tudo eu sou sua amiga. Então, eu preciso de verdade saber, por que está defendendo o Sasuke? - insistiu Karin.

- Caralho, Karin! Nem parece que você gosta do Naruto. Ele vai ver a notícia por si só e vai ser grandinho o suficiente para saber o que fazer. Você não pode tentar cuidar dele o resto da sua vida, você pode odiar o Sasuke, mas isso não vai mudar o que ele representou pro Naruto esse tempinho conosco. Eles são amigos e quem tem que decidir se vai continuar a amizade é ele, não você, Karin. - Brandou Sakura com veias soltando de sua testa, me assustando completamente e tirando meus olhos da janela. Aquilo não era típico de Sakura. Ela pode sempre ser ativa nas conversas e sempre defender o seu ponto, mas a única vez que vi Sakura se irritar daquele jeito com Karin fora quando a ruiva encheu a cara e teve um coma alcoólico.

- Essa é a desculpa que vai usar mesmo, Sakura? O que você acha disso, Hinata? - logo os olhos rubi de Karin me fitavam pelo retrovisor seguido dos esmeraldas de Sakura.

- E-eu concordo com a Sakura, na verdade. N-naruto-kun não é nenhum tolo, você sabe bem disso. Todos sabemos bem disso! Ele sempre sonhou alto e não tinha as habilidades muito menos os recursos para entrar numa Universidade como SJA. Ele pode ter sumido por uns 4 meses antes da prova de bolsa para Direito, mas ele não só conseguiu como pegou logo os 100% que ele nunca tinha esperado. Assim, ele tem trabalhado e estudado depois das aulas para conseguir o lugar dele nesse mundo. Ele tem uma vontade de fogo insaciável e sabe exatamente o que faz, por mais que as vezes não pareça. Então confio no que ele decidir, Karin. - respondi como se tivesse defendendo minha própria monografia.

Karin ficou surpresa com a minha resposta. Na verdade, concordo com Karin. Mas se a Sakura estava defendendo o Uchiha, ela sabe de algo a respeito do assunto e não queria contar para Karin. E eu respeitei isso, mas devo falar com Sakura mais tarde.

Karin já havia acalmado os nervos e respirado fundo,e voltando ao normal. Mas, o celular de Sakura vibrou uma vez, o que deixou a rosada tensa. Então vibrou mais uma vez, mais outra vez e mais outra sem ter resposta de Sakura. Karin então começou a suspeitar do porque da amiga não ter visto quem mandou a notificação e voltou a falar:

- Sakura, quem está te mandando mensagem? Pode ser urgente! - disse Karin em tom provocativo.

- Não é importante! - retrucou Sakura a essa altura exalando nervosismo.

- Está escondendo alguma coisa? - continuou Karin. Ela estava determinada em saber quem era.

- Já deu, Karin. Deixa a Sakura! - senti meu rosto todo tensionado, eu havia gritado. Acho que nunca perdi a paciência assim com elas.

Aa duas viraram seus rostos imediatamente para mim, incrédulas. É, Eu nunca as tinha tratado assim, não tive mais dúvidas.

- Me desculpa, eu não queria ter gritado com vocês. São minhas melhores amigas, amo as duas. - disse e meu tom de voz fora ameno, era uma falsa calma. Eu nem reconhecia mais quem eu era, mesmo que tentasse. Sentia que havia me perdido e senti as lágrimas tomando forma em minha pele esbranqueada. Minha cabeça doía e sentia meu rosto em chamas. Estava envergonhada, não só agora como quando tudo isso começo.


Me desculpem, meninas.

9 de Março de 2020 às 17:00 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo Primeira noite, primeiro show.

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 3 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!