R
Ravi Barros


Depois de sofrer uma súbita mudança em sua vida, Peter é forçado a enfrentar sua própria noção de realidade e entrar em um mundo novo e perigoso para salvar sua mãe, que pode ter mantido, no fundo de sua própria mente, a resposta para salvar o mundo de um desastre


Ficção científica Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#aorigem #inception
0
1.3mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todos os Domingos
tempo de leitura
AA Compartilhar

Tente

Certo.

Vamos ccontextualizar um pouco.


No meio da turbulenta cidade de Sidney, entre os inúmeros apartamentos existentes e todas as pessoas que moravam lá, havia uma pessoa que parecia não ter absolutamente nada de especial ou importante, e de fato não tinha, pelo menos por enquanto. Essa pessoa, senhoras e senhores, sou eu. Meu nome é Peter, Peter Bridge, e eu sou, basicamente, um vagabundo. Passo todos os meus dias deitado, assistindo TV e chorando pelo fato de eu ser um vagabundo. Ocasionalmente, eu encontrava um bico para fazer como garçom ou atendente, mas nada muito grande que pudesse sustentar meu apartamento inteiro, que era pago pela minha querida irmã, Charlie. Charlie, ou apenas C, como eu a chamava, era basicamente meu completo oposto. Diferente de mim, ela era rica, bem sucedida, uma profissional incrível, e ainda era casada tendo duas filhas; além de ser humilde o bastante pra pagar a maioria do meu aluguel. Por mais na merda que eu estivesse, eu estava me sentido até bem.


Depois de um longo dia de trabalho, eu estava finalmente em casa. Pronto para assistir TV e não fazer nada pelo resto do dia. Mas a vida me surpreendeu mais uma vez e recebi uma ligação da C, ela disse: "Pete, Oi! Eu Sei que você provavelmente está muito ocupado agora, mas tenho um problema, acabei de ter uma PUTA oportunidade de emprego nos EUA. Eu decidi aceitar, além do que, vai ser ótimo pras meninas, vou me mudar no sábado" e eu respondi: "Caralho! Isso é incrivel! Mas qual é o problema?" E foi aí que eu descobri que a minha mãe estava internada. Ela tinha paralisia nas duas pernas e ainda sofria de perda de memória recente. Felizmente, ela receberia alta no dia seguinte por estar em um estado capaz de sair do hospital, mas não de sobreviver sozinha. E como a C ia se mudar, eu era o único parente que sobrou. É claro que eu aceitei. Ela era minha mãe, eu faria qualquer coisa por ela. Então, no dia seguinte, eu fui buscar ela no hospital e comecei a tomar conta dela a partir daí. Tive que procurar um emprego pra poder sustentar nós dois, e consegui um trabalho como garçom. Percebi que ela estava melhorando o humor e ficando mais feliz, e consequentemente, eu também.


Mas a vida é uma caixinha de surpresas


Eu tinha acabado de voltar pra casa, comecei a servir a comida da minha mãe e a minha. Mas enquanto eu estava comendo, eu ouvi um Bum, e depois simplesmente apaguei. Acordei depois de uma hora, e percebi que a minha mãe tinha sumido. Eu mal tinha conseguido recuperar os sentidos, mas eu sabia de uma coisa, eu tinha que achar ela, custe o que custar.


E foi aí que tudo começou.




8 de Março de 2020 às 01:36 0 Denunciar Insira 0
Continua… Novo capítulo Todos os Domingos.

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Mais histórias

Kurchinsteins Kurchinsteins
PROJETO ADT PROJETO ADT
Aquaria Aquaria