atherabeckman Ruana Aretha Beckman

Nessas poesias rebuscadas há uma convicção severa dos meus ideais, do que habita em mim, indagações de pensamentos aleatórios mas que são inquietantes. Uma atmosfera abrupta por vezes, mas que liberta a máscara do ser.


Poesia Impróprio para crianças menores de 13 anos.
0
3.3mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Um brado verde

O brado encalce chofre...

Assomou paragens ...

E tergiversou agruras ...

Mas a dignidade ebúrnea ...

Desancava na provida eloquência ...

Que desta vos fazia esgazear ...

Sob os chambres de algodão ...

Devo estar enleava ...

Ou acabrunhada ...

Este arreceio injungiu ...

A minha consternação ...

Devo purgar este asco increpto ...

Descrente de suas asperezas ...

E o pródigo sufrágio ...

Que deste me pungi minundencialmente ...

Com sua impetuosidade inaudita ...

Mas vejo a limiar ...

Impassível ...

Entrementes ...

Sub-reptício talvez ...

Mas o prurido desterro ...

Exorta-me ...

E a aquiescência anódina...

Resvala.

20 de Fevereiro de 2020 às 13:25 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo Atônitas palavras

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 9 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!