Novo app: Inkspired Writer! Escreva, publique e gerencie suas histórias no seu celular!!. Leia mais.
gataolhosclaros Harley Quinn

Após a morte de sua mãe no parto e com 4 anos de idade seu pai a entregou para adoção em um orfanato, Com sorte, a menina foi adotada ganhando uma família de verdade. Ela tinha muitos talentos, como ser a primeira aluna de sua classe e ser ginasta olímpica. Mas sua vida mudou após um terrível acidente de carro... Só sobrevivera ela e sua irmã mais velha. A menina que já havia perdido sua irmã caçula, agora, perdera os pais adotivos. Ela então se dedicou, entrou para universidade e se tornou uma grande médica com doutorado em psiquiatria. Achava fascinante a mente dos loucos e insanos. Se mudou para Gotham City e ali, sua vida mudaria novamente. Depois de alguns anos achando que sua existência não fazia mais sentido, descobriu um novo motivo para levantar todos os dias da cama e aproveitar o que há de melhor. O motivo? O seu mais novo paciente e louco amor, o Coringa. Ela havia se apaixonado perdidamente por ele, a ponto de fazer loucuras pra provar esse amor. Pra ele, nada além de diversão... Era uma oportunidade de sair da prisão e brincar com a mente dela.. Para ele, ela serei nada mais que seu novo brinquedinho. Será que tudo é possível? Inclusive um amor verdadeiro para os loucos e insanos??


Fanfiction Filmes Para maiores de 21 anos apenas (adultos).

#madlove #thejoker #harleyquinn #batman #coringa #arlequina
1
4.6mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Segundas-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

Formatura

Olá, Eu sou a Harley Quinn, ou Arlequina, mas meu antigo nome era Haleen Frances Quinzel. Era bem conhecida como Dra. Quinzel, pois fui psiquiatra do maior vilão de Gotham, Sim, o Coringa... Depois de muitos acontecimentos, me tornei esposa dele e mãe de dois lindos filhos que tive com ele e essa é a minha história que vou contar pra vocês do meu jeitinho! Ops, desculpem... esqueci de dizer, sou formada em medicina com especialização e doutorado em psiquiatria.

Finalmente chegou o dia de minha formatura! Como lutei pra chegar até aqui. Havia me mudado para Gotham a duas semanas a trás, onde moro atualmente em um apartamento bem simples e agora, estou trabalhando em uma lanchonete pra me manter.

Bom, vou começar falando da minha mãe, ela morreu quando eu nasci, no parto mesmo, então não tem muito o que falar... Sobre o meu pai... Bem... ele me criou e com quatro anos de idade, me trocou por 6 garrafas de cerveja. Ele não trabalhava e só sabia beber! Então sempre que ele me colocava pra fora de casa, eu voltava. Até que um dia ele resolveu me deixar em um orfanato onde só tinha freiras. Eu não lidava bem com as regras de lá. Até que não demorou muito e fui adotada por uma família.

Eu gostava dos meus pais adotivos. Eles não tinham outros filhos e tinham boas condições financeiras.Não tive um início de infância tão boa assim, mas até que foi "normal". Nocolegial não tirava notas boas, tinha que seduzir meus professores, o que era um saco. Eu os achavam nojentos pois eram mais velhos do que eu mas era preciso pra ter uma boa nota.

Quando criança até minha adolescência, fiz aula de ginastica olímpica me tornei a melhor do colégio chegando a competir algumas vezes e até ganhando medalhas. Graças a isso ganhei uma bolsa para estudar medicina com especialização e doutorado em psiquiatria, pois sempre tive uma certa curiosidade com a mente das pessoas, principalmente a dos loucos, queria estudar sobre a psicose.O meu doutorado foram os meus pais adotivos que pagaram, mas antes de me formar eles sofreram um acidente de carro e não sobreviveram. Deixaram pra mimo apartamento em que morávamos no Brooklyn e um apartamento em Gotham City.

O dinheiro um dia acaba, a gente sabe... Por isso até eu conseguir o meu tão sonhado emprego, vou trabalhando na lanchonete mesmo. Não é o emprego dos sonhos, mas é o que ajuda a pagar as contas. Enviei currículos para vários lugares, eu era psiquiatra mas trabalhar no Arkham Asylum parecia ser uma boa oportunidade para crescer profissionalmente, do jeito que planejo! O Arkham Asylum era um lugar que tratava de pessoas especiais com problemas mentais e prisioneiros com distúrbios. Lá é onde também ficam todos os vilões da cidade... Principalmente o mais temido... o Príncipe Palhaço do crime, oCoringa. Finalmente enviei meu currículo para o Arkham Asylum.

Não demorou muito, ouvi meu celular tocar. Eu estava de folga da lanchonete.

_” Senhorita Haleen?” Ouvi uma voz feminina do outro lado da linha.

_” Sim, sou eu! Quem fala?” Perguntei.

_” Aqui é a secretária do Dr.Arkham que trabalha no Arkham Asylum,.”

_” Ah sim... Pois não?”

_” É pra informar que recebemos o seu currículo e o Dr.Arkham gostaria de fazer uma entrevista com a senhorita, sobre a vaga de emprego.” Ela explicou.

_” Ah sim. Para quando é a entrevista?” Perguntei interessada.

_” Hoje a três da tarde, senhorita. Aqui no Arkham Asylum.”

_” Claro, estarei aí!” Falei animada.

_” Aguardo a senhorita. Obrigada.” Ela falou e desligou.

Olhei o relógio e já eram duas e meia.

Me arrumei rapidamente, peguei minha bolsa e sai de casa. Peguei um taxie me dirige até o lugar. Cheguei em Arkham, e achei meio aterrorizante o lugar pois era uma mansão enorme com pilares sombrios assim como o resto da cidade. Entrei e andei até a recepção.

_” Oi, boa tarde. Vim para a entrevista de emprego.” Digo sorridente.

_” Bom dia! Ah, você deve ser a Dra. Harleen Quinzel. Prazer, sou Anastácia, secretaria do Dr.Arkham” Ela disse

_” Senhorita, venha comigo.” Disse Anastácia me levando até as enormes escadas.

_” Vire a direita ao final do corredor.” Ela completou.

_” Tudo bem e obrigada.” Falo e sigo.

Chegando a porta, bato e logo entro.

_” Senhorita Quinzel?” Disse o Dr.Arkham

_” Sim.” Digo e um homem já de idade veio em minha direção.

_” Prazer, Sr. Arkham, diretor do asilo.” Sorri.

_” Boa tarde Dr. Arkham” Falei entrando na sala e indo em direção a cadeira.

_” Ah, boa tarde Dra. Estava te esperando. Sente-se-ele apontou para uma cadeira. Ele me fazia perguntas, familiares, vida social, trabalhos e empregos.

_” Obrigado por ter me aceitado em Arkham, Dr. Vou fazer o meu melhor! disse com certeza

_” Espero isso de você, mas antes, vamos montar a sua ficha, sim? Ele falou

_” Ok!”

_” Vamos ver....” Ele falou tirando algumas pastas de uma gaveta

_” Você atenderá por enquanto a Pamela Isley, Edward Nygma e Harvey Dent... Pode ser?

_” Claro, e sobre os horários?”

_ “As consultas de Pamela Isley serão 2 vezes na semana, as terças e quintas na parte da manhã. As consultas de Edward Nygma serão também duas vezes na semana, sendo nas segundas e quartas na parte da tarde. E por fim as consultas de Harvey Dent serão três vezes na semana, sendo as terças, as quintas e sextas na parte da tarde também. Todas com duração de 1 hora.”

_” Amanhã mesmo já poderá começar. Esses são seus horários e as fichas a respeito deles.

Assim que acabou a entrevista, ele me levou para mostrar o Asylum.

O Arkham era dividido em três grandes prédios, que eram ligados por uma espécie de passarela. O primeiro era onde ficavam as salas dos psiquiatras e a diretoria, ele se ligava ao segundo, que era para os pacientes que não apresentavam grande risco à sociedade, mas que ainda assim eram insanos, com uma pequena enfermaria. Este se ligava ao terceiro que, apesar de ser o menor, era o que tinha a segurança mais reforçada, onde ficavam as mentes mais perigosas de Gotham, o lugar tinha no mínimo umas três solitárias, onde os pacientes eram levados por mau-comportamento, além dos mesmos mal poderem sair de suas celas, com exceção das refeições.

Fomos andando pelos corredores até que vi uma pequena escada que levava a um último andar.

_” Dr. Arkham, aquela escada... Aonde dá?” Perguntei apontando para a escada.

_” Aquela escada leva ao último andar do Asilo, que parece mais um porão. Era lá onde antigamente usavam a terapia de eletrochoque nos pacientes, sobretudo, os mais perigosos.” Ele explicou.

_” Podemos ir lá?” Falo curiosa.

_” Não tem com o que se preocupar com isso Dra. pois essa técnica foi proibida há muitos anos aqui no Arkham.”

Continuamos andando pelos imensos corredores até que começamos a passar pelas celas dos detentos. Então vi uma enorme placa dizendo ‘’ Segurança Máxima ‘’ era apenas um corredor meio escuro, entramos e vi nas celas de vidro placas com nomes. Haviam ao todo 9 celas.

Então li:

- Hera

- Duas Caras

- Charada

- Bane

E estas estavam vazias que seriam:

- Espantalho

- Pinguim

- Freeze

- Pistoleiro

A última cela era escura, mas eu não consegui ir até lá para checar. Eu conhecia maioria dos que li pelos jornais e tv, eles eram horripilantes mas eu os achava interessantes.

Quando eu caminhava até a última cela, ouvi:

_” Vamos Dra, por aqui.” Falou o Dr. Arkham colocando a mão em meu ombro.

Caminhando já em direção a saída, voltamos a conversar.

_” Todos eles são?” Perguntei curiosa.

_” Sim, são os piores vilões de Gotham e região.” Ele disse.

_” E qual o pior deles?” Perguntei.

_” Bom, quem sabe a senhorita possa descobrir futuramente.”Ele mudou de assunto mas entendi.

_” Tudo bem.” Digo antes de sairmos do corredor de segurança máxima.

_” Então nos vemos amanhã, Dra. Haleen Quinzel.”

_” Até amanhã, Dr. Arkham”

Sai do asilo e fui direto para casa. Em casa, aproveitei para arrumar minha roupa e tudo que iria precisar para deixar em minha nova sala.

16 de Fevereiro de 2020 às 21:02 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo Asylum Arkham

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 9 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!