Countryhumans: Bela decadência - Third Reich Seguir história

comunacomfome Comuna ComFome

Muitos afirmam que quanto mais no topo você fica, mais a queda para o abismo da decepção é grande . E do fundo do meu coração, adoraria que estivessem errados, mas não a nada para reclamar, afinal, foi uma bela decadência ao chão frio.


Erótico Para maiores de 21 anos apenas (adultos).

#drama #suspense #segunda-guerra #countryhumans #third-reich #urss
27
4.9mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Sextas-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo um

Third Reich, 12 anos






5:35 horas da manhã




Acordo, mais cedo do que de costume, pois estou extremamente ansioso, faço minhas higienes, tomo banho e por fim, me troco para meu primeiro dia de aula com pessoas mesmo, desde que me conheço por gente criado com professores particulares e finalmente, depois de muito implorar, posso estudar como uma criança normal, e poderia passar mais tempo com meu melhor amigo Urss, pois é na sua mesma escola.

Desço as escadas fazendo o mínimo de barulho possível, torcendo para não acordar meu pai, ele fica sempre violento quando eu o acordo sem querer, sempre. Particularmente adoro tomar um bom café da manhã, entãoooo, vamos a caçada!


Vejo nos armários de baixo, e nada do meu cereal, presumo eu que estejam nos armários de cima. Pego um banco próximo á mim e levo até o armário. — Hmmmm, não se esconda de mim.— Estico mais meu corpo a fim de achar meu café da manhã, estico ao máximo abrindo outra porta do armário, e então eu finalmente acho meu cereal, fico na ponta dos pés e é claro acabo perdendo o equilíbrio e levo um belo tombo. — Ai, droga... .

Meu sangue gela quando escuto a porta dele abrindo, calmamente, eu sei que ele não esta nem um pouco nervoso, muito pelo contrário, está feliz, sabe que é um bom motivo para me castigar. O escuto passando a mão de maneira calma no corrimão da escada, enquanto desce calmamente, *isso é torturante*.

Que feio Third, fazendo bagunça logo de manhã?~.— Meu pai fala, num tom calmo, ele já estava com sua roupa de militar, e suas mãos estavam para traz, ele te ouviu e esta segurando algo.


Ah, n-não pai, e-eu só estava ansioso para meu primeiro dia de aula, só isso. —


Cale a boca, olhe toda essa sujeira, mereces uma devida punição~. Ele fala, logo depois bate com o chicote em uma das suas mãos, eu estou com medo.


Ele se aproxima vagarosamente, sabe o quanto me assusta. Se curva um pouco e põe a mão no meu rosto, me forçando o olhar.


Sabe o que você merec-. Trim trim trim. Graças ao bom Deus o telefone toca. —Vaza da minha frente.— Aceno com a cabeça ainda tremulo, e vou pegar minha bolsa para poder ir a escola, faço isso o mas rápido possível, ainda esta bem cedo para ir a escola, eu só não queria ficar lá. Saindo de casa, eu tenho a ideia incrível de ver meu melhor amigo, ele provavelmente já esta acordado, então penso em ir chama-lo.

Alguns minutinhos andando e chego em sua casa, bato no porta e espero alguém atender, e para a minha surpresa o tio Império Russo me atende.


Ah!, olá Third, o que faz acordado assim tão cedo?.— Ele diz alegremente passando a mão no meu cabelo.


Olá tio! Eu só estou ansioso para o primeiro dia, estou muito bem falar nisso—. Minto tentado não transparecer a tortura de mais cedo.


Que bom! Vamos saia desse frio, Urss ainda não acordou, se quiser acorda-lo em quanto eu faço o café da manhã, me pouparia muito tempo.— Ele fala ainda alegre.


Claro—. Limpo os pés no tapete e entro na casa, não é muito luxuosa, mas é uma bela casa.


Subo as escadas com uma certe ansiedade, passo o corredor e vou direto para o quarto do Urss. Abro a porta vagarosamente, e o mesmo ainda estava a dormir. Vou até sua cama e sento no canto dela, vejo a sua face serena, tento o acordar, mas para a minha incrível surpresa, esse comunista me abraça e me puxa para perto.


A-ah, d-droga acorda.— Finalmente a bela adormecida acorda, um tanto ruborizado.


Nazi?.— Ele fala confuso, acho que nunca acordei ele assim, ou ele nunca acordou assim.


Guten tag.— Falo sorrindo, mostrando uma arcada dentaria bem afiada. — Seu pai mandou te acordar e......ahem, gostou de me abraçar?.— Falo em tom de deboche, tento pelo menos.


Haha—. Ele ri e me solta, falo a ele que vou espera-lo na cozinha, o mesmo acena com a cabeça e eu saiu de seu quarto.


Confesso que eu gostei dele me abraçado, deve ser só coisa de amigos...haha.


E então consegui acordar ele?.— Aceno com a cabeça.


Gostaria de um pouco de panqueca Third?— Tio Imp. Russo fala de maneira gentil e irrecusável, sendo assim aceno de novo com a cabeça e ele então me traz panquecas e um café.


Alguns minutinhos se passam e finalmente Urss termina de se arrumar, ele desce as escadas rapidamente.


Bom dia, pai e Nazi.— Urss fala ainda meio sonolento.


Bom dia filho, dormiu bem?.— Imp. Russo pergunta alegre.


Sim...Se certa pessoa me deixa-se dormir mais.— O mesmo fala olhando diretamente pra mim, que só mostro a língua para ele.


Como você esta tão tranquilo? E o primeiro dia de aula.— Falo não tão sereno.


Hahaha, relaxa Nazi, no terceiro dia você já cansa.— Urss fala do modo calmo e debochado, tio Imp escutava silenciosamente e dando algumas risadinhas enquanto servia as panquecas.





*Quebra de tempo*





Já na escola percebo que eu e Urss somos da mesmo sala, o que é um alivio, não gostaria de estar na sala sozinho, e fazendo trabalhos com gente nova, ugh. Sentamos na terceira e quarta fileira da sala, encostados na parede, Urss falou que esse é o melhor lugar, não tinha entendido no começo, mas quando olhei para traz o mesmo já estava dormindo apoiando-se na parede, é faz sentido.





*Quebra de tempo*





Já saindo da escola.


Então, o que achou do primeiro dia de aula? Chato né?.— Urss fala de modo convencido.


O que?? Como pode achar chato? Isso foi incrível!.— Falo com entusiasmo.


Sério que você gostou disso? Credo como eu ainda sou seu amigo hahaha.


Claro que gostei! E eu sou incrível, é impossível não me adorar hahaha.— Falo bem convencido.


Haha, não vou nem falar nad- Ei! Espere ai, acho que passei o caminho de casa sem querer! Merda— Urss fala apressado.

O meu pai vai me matar se eu não chegar na hora certa, tchau Nazi!.— Ele já diz correndo para o caminho de sua casa, grito um tchau para ele e vou em direção a minha casa.

Nesse momento eu lembrei, o quão fudido eu estou quando chegar em casa.




E novamente eu estou com medo.


3 de Fevereiro de 2020 às 01:45 0 Denunciar Insira 7
Leia o próximo capítulo Capítulo dois

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 41 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!