Beside Me Seguir história

fromkais honey .

Sehun deveria saber, as borboletas que tomaram conta do seu estômago eram o sinal que ele deveria ter dado meia volta e ido para a biblioteca ler alguma coisa ou até melhor achar Kyungsoo e tentar convencer o rapaz a ajudá-lo a pegar um dos livros da sessão restrita da biblioteca. Mas a vida não era assim, Oh Sehun que o diga


Fanfiction Bandas/Cantores Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#exo #sehun #kai #sekai
0
362 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Does this feeling flow both ways?; Capítulo Único

Sehun achava que seria mais um dia normal, ele foi para suas aulas do dia normalmente, fez alguns dos trabalhos que tinham de acumulado pela semana ainda assim havia sobrado um tempo para descer na para ajudar o professor Young com algumas das criaturas mágicas. O plano inicial era esse, mas obviamente não havia sido o que acabou acontecendo, infelizmente, ele deveria saber que seus planos não seriam seguidos ainda mais quando viu um dos meninos do time dequadribolda grifinória escutando alguma coisa que o professor falava.

Sehun deveria saber, as borboletas que tomaram conta do seu estômago eram o sinal que ele deveria ter dado meia volta e ido para a biblioteca ler alguma coisa ou até melhor achar Kyungsoo e tentar convencer o rapaz a ajudá-lo a pegar um dos livros da sessão restrita da biblioteca.

Mas a vida não era assim, Oh Sehun que o diga.

O rapaz se encontrava junto de Kai, ou Jongin, um dos batedores do time da grifinória. Um dos melhores batedores de toda a escola. E talvez até seria menos ruim se estivessem apenas treinando quadribol, não que Sehun fosse bom ou praticasse o esporte de alguma forma, mas qualquer coisa seria melhor do que estar entrando na floresta proibida.

Entrando na floresta proibida com Kim Jongin, especificamente.

Ele nem se lembrava direito o porquê ele havia concordado com o professor quando ele pediu que ajudasse o outro. Ainda mais porque o batedor estava cumprindo uma detenção por ter falado demais durante a aula de adivinhação. Não o entendam mal, Sehun era um aluno modelo, alguns professores o consideravam um dos melhores bruxos da sua idade, bom considerando tudo que um aluno em seu quinto ano podia fazer, claro, e ele sempre ajudava os colegas que pediam. Fosse da sua própria casa, a Sonserina, ou fosse de uma das outras. Céus, ele tinha vários amigos que nem eram da sua casa e sim da Corvinal.

Porém...

Se soubesse que teria que ficar com Jongin não teria aceitado ajudar, o outro rapaz era o total oposto dele, e tudo que ele podia observar de longe não ajudava em nada em sua opinião pessoal sobre Kim Jongin. O moreno era, também, do quinto ano, aluno da grifinória, o melhor batedor do time e excepcionalmente sociável. Não tinha um fantasma de todo o castelo que não soubesse quem era o rapaz, fora que até as pinturas tinham coisas boas para falar dele, quem dirá os alunos.

Para falar a verdade Sehun nunca havia trocado nenhuma palavra com o moreno, eles estavam na mesma turma de adivinhação e poções, mas o loiro apenas o via conversar com os alunos que se sentavam ao seu redor, não com o resto da sala. E toda vez que acabam por acidente se encontrando nos corredores, ou simplesmente pelas escadas, Sehun sentia suas bochechas queimarem e a sensação que deveria trocar o caminho aumentar dependendo a distância que o outro estava.

O estudante não sabia muito bem explicar o porquê de tudo aquilo, ele quase perguntou para Chanyeol, um dos seus amigos da Lufa-Lufa, porém desistiu assim que o outro chegou falando em como havia sido legal treinar junto com o time da Grifinória.

Sem nenhuma resposta para seus próprios sentimentos ele estava ali a menos de alguns centímetros do seu oposto total.

Os ombros quase se esbarrando por estarem em uma das trilhas da floresta proibida para ele cumprir a maldita detenção. Sehun não tinha tanta certeza, mas parecia que Jongin queria falar algo, e isso estava o incomodando, afinal ele não era a pessoa que mais falava durante o jantar, o que diabos estava acontecendo agora que ele nem conseguia olhar diretamente para o loiro sem se retrair e continuar andando como se estivesse nervoso.

Sehun respirou fundo, arrumando o pequeno lampião que segurava, apesar de ser de tarde ainda a floresta era bem escura, parou no meio do caminho fazendo o rapaz parar e o encarar com uma expressão incrivelmente fofa de susto, o estudante mesmo sentindo suas bochechas queimarem tentou o encarar sem desviar o olhar.

"Olha, eu sei que não nos conhecemos. Mas se você quiser falar alguma coisa, pode falar. Eu não vou te tratar mal, não é só porque somos de casas diferentes e em teoria rivais que todo mundo deve se odiar..." O loiro disse olhando para os orbes morenos do rapaz que abria e fechava a boca como um peixe. “Quero dizer, você claramente quer falar alguma coisa, não sei porque não fala?”

Veja bem, paciência nunca foi uma das melhores virtudes do estudante da sonserina, por isso quando viu que Jongin provavelmente não iria responder revirou os olhos e continuou na trilha fazendo questão que cada passo fizesse as folhas secas quebrarem sob as solas de seus sapatos como um ponto implícito que deveria ficar bem claro.

Que absurdo, e ele achando que aquela rivalidade ridícula entre casas havia sido abandonada a tempos. Enquanto seguia a trilha acabou deixando seus pensamentos tomarem conta e o lado bom era que pelo menos não teria que ficar muito tempo com Jongin, apenas o suficiente para ele colher os cogumelos que o professor pediu e então estaria livre.

O que significaria que depois de voltar para o castelo ainda teria tempo de passar na biblioteca antes de ir para o jantar.

Sehun não estava realmente prestando atenção no caminho que seguia, a probabilidade de poder ficar em uma das salas do oitavo andar praticando algumas poções depois do jantar tomou conta dos seus pensamentos, por isso, acabou quase tropeçando em uma das raízes que saiam do chão.

Ele já estava se preparando para e provavelmente se machucar feio, porém o impacto nunca aconteceu. Ainda não tinha aberto os olhos, mas ele podia sentir que algo estava o segurando, não parecia ser qualquer tipo de criatura que vivesse lá e sim braços humanos.

Novamente as borboletas tomaram conta da barriga dele, a queimação nas bochechas não parecia ter ido embora em nenhum momento. Abrindo os olhos lentamente pode ver que Jongin, Kim Jongin, o melhor batedor da escola, uma das pessoas mais amadas da escola inteira, o encarando ainda com aquele olhar levemente assustado.

A única coisa diferente era que dessa vez ele parecia não estar tão assustado.

“Toma cuidado.” Jongin disse baixo, a voz dele estava levemente rouca pela falta do uso, e céus, Sehun não iria admitir isso nunca, mas ele podia jurar que sentiu um arrepio tomar conta de seu corpo.

Demorou um pouco, mas logo ele tinha os sentidos de volta e já estava se ajeitando de pé sem a ajuda das mãos do outro. Lógico que Sehun não sabia lidar com esse tipo de situação por isso assim que ficou de pé, limpou a garganta de um modo até que exagerado demais e agradeceu apenas com um aceno de cabeça.

Arrumou o lampião que graças aos céus não tinha caído nochão, caso contrário seria um estrago e tanto.

Os dois continuaram o caminho sem trocar mais nenhuma palavra, pelo menos não demoraram a chegar no que parecia a clareira onde estavam os malditos cogumelos. Por mais que a floresta fosse bem fechada aquela pequena clareira tinha um pouco de luz natural, ainda deixava tudo meio azulado como se estivesse de noite, mas nada que fosse impossível enxergar.

Jongin começou a tarefa sem falar nada, como havia sido o caminho todo.

Sehun por sua vez deixou o lampião apoiado em uma das pedras do lugar e começou a recolher algumas plantas que reconheceu dos livros que tanto lia, nunca é demais colher ingredientes ainda mais quando apenas tem um final de semana para comprar o que precisa, se bem que se o loiro pedisse para a professora de herbologia ela com toda certeza daria algumas das coisas sem questionar muito.

O pensamento fez com que sorrisse levemente.

“Você deveria sorrir mais.” Escutou a mesma voz grossa de Jongin se fazer presente. “Fica bem em você.”

Ok, por essa ele não esperava. Sehun encarou o menino que estava bem mais próximo do que a última vez que ele havia visto, a queimação em suas bochechas voltou e nossa ele só queria se enfiar no quarto e nunca mais sair de lá. Kim Jongin estava ali, ao vivo e em cores, falando que o sorriso de Sehun era bonito, que tipo de conto mágico era esse?

Pelas barbas de merlim, esse dia não poderia ficar mais estranho.

“Obrigado.” Respondeu baixo se virando para se ocupar com alguma coisa e não ter que olhar para o rapaz.

Sehun supôs que o outro tivesse voltado a sua tarefa, o que realmente aconteceu, mas não estava tão mais afastado e sim próximo do estudante da sonserina. Mesmo com a proximidade eles não conversaram, porém trocaram meios sorrisos quando os olhos se encontravam ou quando acidentalmente se esbarravam.

Sehun olhou sua pequena bolsa, já tinha tudo que precisava e esperava que Jongin também já tivesse terminado de pegar as coisas, afinal estava ficando tarde e não seria nem um pouco bom que ficassem por aqueles cantos tão tarde.

“Jongin...” Disse fraco, no entanto, chamando a atenção do outro rapaz, que o olhou esperando que continuasse. “Já terminou? Acho que seria uma boa voltarmos.”

O estudante da grifinória o encarou por alguns segundos para então olhar para a sua própria bolsa e novamente para o loiro. “Acho que sim.”

“Ótimo. Então vamos, está começando a ficar frio demais.”

Antes que pudesse pegar o lampião, o maior pegou e sorriu fraco para ele. “Nada mais justo, você trouxe e eu levo de volta.”

Sehun não pode segurar o pequeno sorriso que se formou.

“Tudo bem.”

Ele com toda certeza teria muito o que conversar com Kyungsoo durante o jantar, principalmente porque quando estava voltando para o castelo Jongin fez questão de acenar para si, como se dissesse um tchau silencioso

26 de Janeiro de 2020 às 00:01 0 Denunciar Insira 0
Fim

Conheça o autor

honey . 🚀 𝖿𝗅𝗒 𝗆𝖾 𝗍𝗈 𝗍𝗁𝖾 𝗆𝗈𝗈𝗇 ✩ decidi criar isso aqui para deixar todas minhas histórias em um lugar só, talvez. ✩ ss. kinobam ✩ ss. mooochi

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~