Athena! Você virou mocinha! Seguir história

sophiagrayson Sophia Grayson

Saori Kido, a atual deusa Athena, condenada por uma profecia, não conseguia dormir por causa de dores e... Sangue? Ainda bem que sua amazona, Shun de Andrômeda, estava lá para ajudá-la. | Knights of The Zodiac |


Fanfiction Anime/Mangá Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#knights-of-the-zodiac #saint-seiya #cavaleiros-do-zodiaco #drama #fuffly
Conto
0
421 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único — Minha deusa, a senhorita cresceu!

Era uma noite fria no esconderijo secreto de Saori Kido, a atual deusa Athena. A calma e o silêncio eram tanto, que mesmo com as camadas de aço, ferro e rochas fazendo a proteção, dava para escutar o canto dos animais noturnos e o cair das águas da cachoeira local.

Os jovens meninos dormiam profundamente em seus quartos, cansados de suas lutas anteriores. Tatsumi se mantinha acordado, observando as câmeras de segurança em busca de algum invasor e pronto para qualquer fuga que precisasse.

Mas para a jovem deusa, a noite estava sendo muito incômoda. Ela sentia dores em baixo do ventre, a fazendo ficar em posição fetal. Não entendia o motivo para tamanho desconforto.

Começou a suar e se revirar na cama. Não tinha nem conseguido pregar o olho e precisava estar bem descansada para os dias que viriam, mas parecia que seu corpo pensava o oposto. Desistiu de dormir e ficou encarando hora o teto e hora a parede ao lado. Começava a ficar preocupada com o que sentia, pensava até em chamar o Tatsume, mas a dor era tanta que não tinha energia para se levantar.

Já no alto da madrugada e para seu desespero, sentiu algo escorrendo em suas pernas, fazendo-a pular na cama assustada. Retirou todas as cobertas de si e ligou o abajur. No meio de suas pernas viu uma grande mancha vermelha em seu pijama.

Um frio se fez presente em sua espinha. Se levantou e mesmo com toda a dor que sentia se dirigiu ao banheiro ao lado, onde se despiu por completo vendo suas roupas manchadas de sangue.

Passou as mãos nos longos cabelos lilases. Um grito saiu de seus lábios sem perceber. Seu Cosmo estava tão revolto que chamou a atenção de seus cavaleiros nos quartos ao lado, e que com o grito pularam da cama e foram até ela.

Shun foi a primeira a chegar, completamente descabelada com o pingente de Andrômeda nas mãos. Seu vestidinho de pijama estava com uma parte ensacada em sua calcinha cor de rosa, um pé com chinelo e outro sem. Parecia até os semideuses de Percy Jackson quando acordavam de surpresa com um ataque.

Em largos passos abriu sem autorização, muito preocupada, a porta do quarto da deusa, seguindo diretamente para a o único cômodo com luz ligada, que era a suíte do quarto.

— Athena! — gritou entrando em pose de batalha, assustando a divindade.

Shun arregalou os olhos surpresa quando a viu nua e chorosa com o sangue entre as pernas. Os olhos verdes se cruzaram com os dela, fazendo a amazona ver o tamanho do horror que estava a amiga.

Em poucos segundos a deusa a agarrou com medo.

— Shun! O que está havendo comigo? Estou com tanta dor! E agora esse sangue... Eu não quero morrer! — chorou nos ombros de sua serva e amiga — Não quero morrer!

A esverdeada estudou todo o local não entendendo de início o que estava acontecendo, e o que tinha ferido sua deusa. Até que viu a lingerie ensanguentada no chão e juntou as peças.

— Está tudo bem, senhorita Saori — Shun finalmente se pronunciou, dando batidinhas nas costas de sua deusa — A senhorita não está morrendo.

Shun se lembrava bem como foi assustador sua primeira menstruação e que também pensava que estava morrendo. Na época a maioria de suas amigas amazonas não tinham ainda passado por isso e não tinha mulheres mais velhas as treinado.

Foi seu mestre, Daidalos, que a acalmou e explicou tudo com carinho e cuidado o que sabia do assunto. Inclusive foi até uma pequena farmácia comprar remédios e absorventes.

Agora era sua deusa que passava por isso, então ela iria cuidar dela.

— Não? — perguntou a menina deusa assustada, se afastando para encarar sua amazona — Então por que eu sangro, se não vou morrer?

Shun sorriu compreensiva.

— Esse sangramento que você está tendo se chama menstruação, senhorita Saori — explicou — Nós mulheres temos isso uma vez ao mês. Nosso corpo se prepara para conceber uma cria e quando não há, a parede de sangue formada no útero se desfaz, ocorrendo assim o sangramento — a deusa pois as mãos na boca incrédula — Dura alguns dias e vem com cólicas um tanto chatas — sorriu — A senhorita virou mocinha, Saori.

— Não vou morrer?

— Não mesmo, senhorita!

— Então quer dizer que isso significa que posso ter filhos agora?

— Bom, é.

Saori passou as mãos nos cabelos nervosamente começando a compreender sua situação.

— Mas como vou sair por aí sangrando desse jeito?

— Com absorventes! Vamos comprar para a senhorita assim que o dia amanhecer — disse Shun — Enquanto isso vou dar alguns dos meus.

— Obrigada, Shun! — a jovem deusa estava ficando mais calma depois da explicação de sua amazona, mais ainda um pouco assustada com tudo aquilo.

— Disponha, minha deusa — afirmou a menina — Vou agorinha pegar alguns absorventes e analgésicos para a dor que está sentindo, enquanto isso se limpe desse sangue, sim?

A deusa ascendeu. Logo a esverdeada seguiu para seu quarto encontrando Seiya, Shiryu e Hyoga com pijamas um tanto infantis para os dito “homens machões” — um com estampa de Pegasus, o outro com de tigres e o último de patinhos — descabelados no meio do caminho preocupados com a deusa.

— Shun! — disse o castanho — O que está acontecendo? A Saori está bem? Escutamos um grito e seu Cosmo revolto.

— Não se preocupem, está tudo bem. Ela só teve sua menarca e ficou assustada — contou a menina — Estou cuidando dela.

O trio de garotos olharam surpresos.

— Menarca? — perguntou Seiya sem entender o termo, fazendo o loiro ao seu lado revirar os olhos.

— Menstruação, Seiya — explicou o aquariano — As mulheres têm isso todo mês. É um-

— ‘Tá, tá! Já sei o que é! A Marin ficava pior nesses dias. Só não reconheci o termo — disse o sagitariano, fazendo Shiryu e Shun darem uma pequena risada.

— Está sob controle, se quiserem podem voltar a dormir — afirmou a menina.

— Obrigado, Shun — agradeceu o libriano, retornando junto com a dupla de meninos que encrencavam para os quartos.

Shun achou graça dos companheiros, que agiam tão sérios por várias vezes, mas na verdade ainda eram crianças que brigavam por besteiras. Logo depois foi para seu quarto e pegou o que precisava voltando assim para a menina deusa.

— Sinto muito pela demora, senhorita Saori — pediu Shun ao entrar novamente do banheiro da garota, que agora estava banhada e sentada no vaso para não se melar novamente com uma muda de roupas limpas na mão — Os meninos ficaram preocupados, mas já expliquei a situação.

A deusa ascendeu compreendendo.

— Tudo bem, Shun e sou eu que agradeço por estar cuidando de mim.

Shun sorriu. Se aproximou de sua deusa e a entregou um pacote de absorventes e remédios que tomava para a dor. Explicou como se usava, colocando um deles na calcinha limpa que Saori tinha pego.

A deusa prestava atenção em tudo que sua amazona ensinava, que não era assim tão complicado.

— Esse remédio é para ser tomado em oito em oito horas — balançou a cartela — Em mim não passa a dor, mas alivia bastante.

— Entendo, Shun — afirmou Saori sorrindo por tamanha gentileza que era tratada, a maioria das pessoas a odiava por ser uma deusa com uma profecia sombria. Pouco tinha visto a gentileza e carinho — Vai me ajudar bastante, obrigada novamente — se curvou agradecida.

— Ora, minha deusa. Disponha! — sorriu — É para isso que servem as amigas.

Os olhos de Saori Kido brilharam. Estava tão feliz, mesmo sendo seguida e sofrendo atentados, mas tinha conhecido pessoas muito bondosas e gentis, que fariam de tudo por ela. E ela por eles também.

24 de Janeiro de 2020 às 14:47 0 Denunciar Insira 2
Fim

Conheça o autor

Sophia Grayson Só uma garota que gosta de escrever.

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~