Contagem regressiva para a Copa dos Autores 2020. Registre-se agora e tenha a chance de ganhar prêmios!. Leia mais.
V
Vitor Eduardo


Irmãos órfãos, sem um lar, sem carinho, apenas um ao outro e tudo isso por causa de uma lei que a Igreja implantou na sociedade no século 16. Diana Hekseri e Bell Hekseri irão fazer de tudo para sobreviver à esta perseguição da Igreja Católica.


Aventura Impróprio para crianças menores de 13 anos.
0
3.8mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Sextas-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

A igreja

Em meados do século XVI, em 1552 havia uma família bem estruturada na Inglaterra em uma pequena vila, o pai Drekison Hekseri vive trabalhando para colocar comida na mesa para os seus filhos, a mãe Helga Hekseri, cuida da casa e coloca tudo em ordem se não os filhos podem até colocar fogo no lugar. Nessa época a igreja comanda tudo e todos, qualquer indício de "bruxaria" eles ordenam que o indivíduo seja queimado na fogueira. E o que eles querem dizer com "bruxaria"? Qualquer ação nova ou até mesmo teorias malucas que vão contra os ideais da Igreja. O Papa inventou uma lei um pouco questionável, todas as famílias podem ter apenas um único filho, a família Hekseri teve gêmeos, mas escondem esse fato. Eles se chamam Diana e Bell Hekseri.

Em uma tarde calma sem nenhum furdúncio, Bell olhava o lado de fora, as pessoas, o céu, e uns animais que passavam por perto. Tudo é tão lindo para ele, é uma pena que até hoje nunca teve a chance de colocar os pés para fora de casa. O seu lar é bem pequeno, todos vivem apertadíssimos, tem apenas 4 cômodos a casa, o banheiro, a cozinha, o quarto de seus pais e o quarto dos dois adolescentes.. Ah, olhem a irmã está chegando furiosa.

Diana: Bell, sai da janela agora! O que você está pensando? Se alguém ver você nossa família já era.

Bell: Por que temos essa vida? Eu só quero ir lá fora, conhecer o mundo e nem isso vocês me permitem...

O garoto saiu correndo entristecido para sua cama enquanto sua irmã se lamentava, afinal só ela podia sair, todos acham que Diana é filha única, mas estão enganados. Todos consideram a Diana como uma garota simpática, compreensível, corajosa, determinada e nem se fala da aparência, muitos garotos são apaixonados por ela com seu longo cabelo negro, sua pele morena, seus olhos castanhos e magra como se estivesse sem comer há dias. Já o irmão para o resto da população ele nem existe e seus pais brigam com ele por causa de qualquer espiada pela janela pro mundo lá fora.

A tarde toda se passou com os dois sem se falar após a bronca que Bell levou de sua irmã. Seus pais chegaram em casa, Helga estava colhendo frutas na floresta e Drekison estava trabalhando como ferreiro. Quando regressaram à sua casa notaram que os seus filhos estavam meio que brigados, então Helga perguntou com um ar de dúvida: "O que aconteceu, crianças?".

Diana: Eu não sou mais uma criança. - disse emburrada

Bell: O que você acha? Estou aguentando essa vida horrível durante 14 anos, preso nessa casa que fede a cachorro morto. - falou com muita raiva, apesar que ele nunca sentiu o cheiro de um cachorro morto, ele nunca viu um cachorro.

Helga: Filho, entenda nossa situação, por favor.

Bell: Entender o que? Que vou passar o resto da minha vida preso nessa casa? E por quê escolheram a Diana para poder sair pelo mundo à fora? Ela sempre foi a filha preferida né? EU ODEIO VOCÊS, NÃO AGUENTO MAIS FICAR PRESO DENTRO DESSA CASA! - disse com toda angústia que estava presa dentro de seu coração e saiu correndo para o seu quarto, Helga entra em prantos.

Drekison: BELL VOLTE... - gritou, mas foi interrompido por batidas na porta.

???: Está tudo bem aí? Estamos fazendo a nossa ronda e ouvimos alguns gritos.

Drekison abre a porta e diz: "está tudo bem sim, podem ficar tranquilos, guardas! - disse com um sorriso de desespero, mas o guardas nem se importaram muito com sua expressão estranha e continuaram a andar.

Drekison fecha a porta ficando muito aliviado de terem se safado dessa e começou a andar em direção do quarto dos irmãos, mas Diana entrou na frente.

Diana: Pai, deixa eu conversar com ele. Se você for dar mais bronca nele pode acabar piorando as coisas.

Helga: Ela tem razão.

Drekison: Tudo bem, pode ir mas se ele continuar com essa rebeldia ele vai se ver comigo!

A garota entrou em seus aposentos e não encontrou seu irmão, ela olha dentro do armário e nada, olhou de baixo da cama e nada... Espera! Olha só um buraco que leva para o lado de fora. Diana foi correndo para a cozinha (não que precisasse correr porque a casa é minúscula) contar para seus pais.

Diana: MÃE, PAI, O BELL FUGIU! - gritou toda desesperada.

Drekison: COMO ASSIM FUGIU?

Diana: Achei um buraco em baixo de sua cama.

Helga desmaia só de pensar em todas as coisas que isso poderia causar.

Drekison: AMOR! Droga... Diana fique com sua mãe. Eu vou atrás daquele garoto!

O pai saiu para fora para tentar achar alguma pista de qual direção ele foi, enquanto Diana cuidava de sua mãe.

Bell está muito contente com sua fuga e maravilhado com a vila que ele mora, mas como sabemos tudo que é bom dura pouco e o óbvio aconteceu, pois é. Os guardas que faziam suas rondas encontraram o garoto.

Bell: ME SOLTEM SEUS IMBECIS! - gritou enquanto mostrava seu medo eminente em seu rosto.

Os guardas faziam várias perguntas: "Quem é você?", "Quem são seus pais?", "O que faz fora de casa a essas horas?". O menino sem saber o que fazer deu um chute nas genitais de um dos guardas que ficou gritando de dor no chão, Bell deu às costas para o guarda para correr, mas ele o pegou e deu um soco em seu rosto. Drekison seguiu os gritos de dor do guarda que estava no chão e encontrou seu filho.

Drekison: BELL! - gritou com toda felicidade que conseguia demonstrar no momento.

Isaac (um dos guardas): Sr. Hekseri? Quem é esse?

Drekison: Ele é um sobrinho meu. Esse bobinho sempre se metendo em confusão. - falou com um sorriso desesperador em sua face.

Bell: Até quando você vai ficar negando... a minha existência? EU SOU O SEU FILHO, CARAMBA! - falou, apesar de estar com muita dor por causa do soco que levou

Isaac: Filho? Eu ouvi FILHO? O senhor já não tem a princesinha da sua filha Diana?

Drekison ficou pálido.

Isaac: Arthur, se levante do chão logo e volte para a Igreja e avise o Papa, temos que queimar umas pessoas hoje! - disse enquanto mantinha um sorriso fascinante.

Arthur se levantou e voltou para Igreja mancando pra avisar o Papa, e Isaac pediu para que o levassem à casa dos Hekseri para leva-los. Bell observou seu pai em silêncio enquanto voltavam para casa então resolveu não abrir mais a boca. Ao voltarem para casa Helga já estava acordada ao lado de sua filha, quando viram Drekison e Bell, abriram um sorriso imenso no rosto que sumiu em questão de segundos quando notaram a presença do guarda.

Isaac: Me acompanhem!

Todos estavam caminhando com a esperança totalmente perdida, exceto Bell que não consegue entender muito bem o que está acontecendo. Compreensível né? Nunca falaram o por quê dele ficar preso em sua casa. Ao chegar à Igreja tudo estava pronto para queimá-los. O Papa sonhou com esse dia há vários meses, ele está louco para queimar alguém. A família foi levada acompanhada de três guardas a uma plataforma logo em cima da fogueira que foi acesa e muitos dos moradores tinham abandonado o conforto de casa para assistir o "espetáculo".

Papa Evidóscole: Oh, meu Santo Deus, meu Senhor Salvador, tenha pena dessas almas que cometeram o pecado de ter mais de um filho e esconderam isso por tantos anos. Olhe o tamanho dessa criança já, meu Deus. O Senhor nos deu o privilégio de ter uma vida neste planeta e estamos tentando compensá-lo evitando todo tipo de pecado que conseguimos, MAS ESTA FAMÍLIA ESCONDEU ALGO TÃO HORROROSO DE TODOS TEVE MAIS DE UM FILHO, UM PECADO GRAVÍSSIMO. SE ISSO FOSSE PERMITIDO O SENHOR TERIA TIDO MAIS DE UM FILHO! BOM, ESTÁ NA HORA DE PURIFICAR ESSAS POBRES ALMAS NA FOGUEIRA! QUE O SENHOR OS ACOLHA NO CÉU.

Drekison: Helga... Me desculpe por não ter sido um bom marido.. - falou enquanto chorava.

Helga: Do que você está falando? Eu te amo, você é o amor da minha vida e se esse é o fim estou feliz que seja ao seu lado... - disse isso emocionada e muito triste até perceber o que o marido planejava.

Drekison: Que bom, que bom... Bell, me desculpe por tudo, pelas broncas, por esconder as coisas de você e por te privar do mundo. Você merece uma vida melhor. - continuava se derramando em lágrimas.

Bell começou a chorar.

Drekison: Diana, você é a filha mais responsável então cuide do seu irmão e não se esqueçam, nós amamos vocês!

Diana: Do que o senhor está falando, papai? - perguntou para ele sem perceber que lágrimas escorriam de seu rosto.

Helga: E não se esqueçam de voltar para casa um dia, ela é maior do que vocês imaginam...

Guarda: Vamos se mexam, hora de tostar! - começou a gargalhar.

Helga se joga em cima de um dos guardas e começa a bater nele, o guarda desesperadamente à perfura com sua espada. Drekison empurrou seus filhos de cima de plataforma para o ponto cego do local, não tinha nenhum guarda no lado esquerdo da plataforma. Os outros dois guardas seguraram o homem que salvou a vida de seus filhos e este mesmo homem se jogou na fogueira com esses dois guardas morrendo instantaneamente.

Bell: Mamãe... Papai...

Diana: Vamos Bell, precisamos correr AGORA! - falou ainda sem acreditar no que havia acabado de presenciar

Papa Evidóscole: GUARDAS, PEGUEM OS HEREGES!

Os guardas correram atrás dos irmãos por horas mas perderam eles de vista. Eles conseguiram se abrigar em uma caverna.

Bell: Diana, a mamãe e o papai morreram mesmo? O que a gente faz agora? - disse com um tom de tristeza em sua voz.

Diana: Eu não sei Bell, eu não sei. - ela se acabava em prantos.




11 de Janeiro de 2020 às 10:53 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Leia o próximo capítulo O desentendimento

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 2 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Histórias relacionadas