O Andarilho. Seguir história

R
Rodrigo Henrique


Acompanhem a jornada de Ygor Shalbarian, um andarilho e caçador de recompensas que viaja por um mundo perigoso e sombrio.


Aventura Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#aventura #fantasia
0
1.9mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todos os Domingos
tempo de leitura
AA Compartilhar

I

O cavalo atravessava a floresta escura com passos lentos e silenciosos carregando seu cavaleiro que empunhava uma espada de dois gumes marcada por batalhas passadas, ele olhava para todos lados como se procurasse algo. O animal parou bruscamente próximo a uma pilha de corpos, relinchando para o homem que desceu dele segurando a espada com as duas mãos. Ele caminhou lentamente observando o solo e os arredores, parando diante os corpos e sentindo o forte cheiro deles, colocou a mão então em seu nariz para proteger do fedor e agachou virando alguns corpos para cima para os reconhecer, mas sem conseguir sucesso na busca. Ele se levantou e virou-se para o cavalo, que havia desaparecido deixando apenas uma enorme poça de sangue onde estava parado minutos antes, o cavaleiro agarrou a espada com as duas mãos novamente mas com força redrobrada enquanto olhava aterrorizado para os lados, escutou passos atrás de si e se virou com um grito e lançando um corte no ar com a espada, não acertando nada. Quando enfim abriu os olhos e ergueu a cabeça, os corvos nas árvores dispararam no ar gritando o mais alto que podiam.


O dia havia acabado de amanhecer na aldeia de Akmoeth, com seus moradores saindo de suas casas com cuidado e tristeza no rosto. Era uma aldeia suja e pequena, sem muito a oferecer para viajantes. As mulheres donas de casas colocavam as roupas para secar, enquanto os demais ajudavam com os restos de alimentos que eles possuíam naquele dia. Os moradores verificavam as casas que demoravam para serem abertas depois de certo horário, pois acreditavam que algo ruim poderia ter ocorrido com as pessoas que residiam nelas, e foi isso que ocorreu desta vez em um lar familiar. A mãe, os dois filhos e o marido foram encontrados enforcados dentro de casa, eles já sabiam o que havia ocorrido lá por isso se preocuparam apenas em tirar os corpos da casa e os enterrar em uma região afastada das casas. As horas foram passando e eles não tinham muito o que fazer naquela situação, as áreas próximas a vila eram perigosas e nenhum dos moradores jamais haviam usado alguma arma ou participado de um combate, geralmente passavam o dia inteiro lamentando, chorando e brigando. As crianças não podiam brincar fora de suas casas, pois muitas já haviam sido mortas por se aproximarem da floresta. A vida naquela aldeia estava próxima do seu fim e todos já sabiam disso.

Próximo de escurecer, escutaram algo se movendo pela estrada que atravessava a floresta até a aldeia e se esconderam, esperando pelo pior e de dentro de suas casas ficaram observando quem ou o quê tinha acabado de chegar. A primeira coisa que viram foi um cavalo inteiramente branco, que chegava a brilhar um pouco quando o sol o tocava, logo em seguida moveram a atenção pro homem montado sobre o animal. Ele era forte e possuía um cabelo tão escuro como a noite mais sombria, usava algumas peças de armadura pelo corpo enquanto carregava uma bolsa na mão direita com duas espadas dentro. Ele cavalgou até o centro da aldeia e então desceu do companheiro e colocando a bolsa nas costas enquanto caminhava procurando por alguém:

— Olá? Alguém pode me ajudar? - o homem perguntava olhando para as janelas da casa. — Eu sei que estão em suas casas, consigo ouvir seus batimentos. Não precisam se esconder, não farei mau a vocês. — falou o homem se sentando num pequeno muro de pedra.

As pessoas começaram a conversar dentro das casas, mas não ficaram confiantes o suficiente para saírem de suas casas:

— Eu fui mandado pelo mesmo de antes. - ele falou soltando a bolsa com as espadas na grama. — O cavaleiro Estreuss.

O homem conseguiu sentir o alvoroço de todos:

— Ele morreu! - o grito saiu de dentro de uma das casas.

— Disso eu já sei. Eu vim aqui para terminar o trabalho dele. - o homem respondeu cruzando os braços. — Eu estou aqui para matar o monstro, mas só posso fazer isto se vocês cooperarem. - ele falou se levantando e abrindo os braços.

Levou entre cinco minutos para as portas começarem a serem abertas e os moradores saírem de suas casas. Eles continuavam com medo, estavam bem afastados do caçador se escondendo um atrás do outro:

— Você não vai conseguir! O outro caçador era poderoso e falhou. - falou um homem magro com dificuldade de ficar em pé por causa da perna machucada.

— Sua perna, você foi atacado pela criatura? - perguntou o caçador apontando para a perna dele.

— Sim. - respondeu o homem estranhando o acerto.

— Você conseguiu vê-lo? Consegue me descrever ele? - perguntou ele cruzando os braços.

— Não. O ataque foi rápido e estava escuro. - respondeu o homem pegando na perna.

— Isso dificulta as coisas. - respondeu ele colocando a mão no queixo.

— Você veio para fazer as mesmas perguntas do caçador anterior? - perguntou uma mulher com três crianças abraçadas a ela.

— Ah. Me desculpe, preciso de informações para caçar o monstro. E como me disseram, o homem anterior está morto. - respondeu ele encarando a mulher.

— Não sabemos de muita coisa. Os ataques sempre ocorrem próximos a floresta escura e geralmente a noite, Jesfer foi um dos poucos a escapar. - falou a mulher encarando o homem de volta.

— Não me diga que tentaram enfrentar o bicho? - perguntou o caçador caminhando na direção deles.

— Alguns não aceitaram ficar de braços fechados esperando os serviços do rei. - respondeu a mulher pegando uma das crianças nos braços.

— Não sirvo ao rei. - respondeu o homem parando na frente da mulher afastando os demais de medo.

Todos se assustaram com os olhos vermelhos dele, mas a mulher encarou fundo eles ao invés de os temer:

— Então, quem é o senhor? - perguntou ela sem dar um passo.

— Sou Ygor Shalbarian, caçador de recompensas. - respondeu Ygor abrindo um leve sorriso. — E sirvo a mim mesmo. - ele falou provocando ela.

A mulher não perdeu a postura e se apresentou também:

— Me chamo Sashya. - ela falou colocando a criança no chão e estendendo a mão para o caçador.

Ele apertou a mão dela e fez uma reverência com a cabeça:

— Agora tratemos de negócios. Fui contratado pelo rei para terminar o serviço do cavaleiro dele, Estreuss. - ele falou soltando a mão dela e voltando a atenção para todos. — Se tiverem qualquer informação, me passem. Podem ser de grande ajuda. - ele respondeu caminhando em direção a bolsa de espadas dele.

Ele se abaixou e a pegou, colocando nas costas e caminhando até o cavalo que atraía a atenção das crianças curiosas. Ele pendurou a bolsa na sela do cavalo e então olhou para Sashya:

— Foi uma longa viagem. Sabem onde posso descansar? - perguntou ele olhando para as casas.

— Podemos ceder uma de nossas casas. - respondeu ela olhando para todos os questionando.

A maioria deles negou e os demais ficaram sem responder, ela se irritou mas se conteve:

— Fique na minha, vou preparar a cama. - ela falou sorrindo para Ygor.

Ygor concordou com a cabeça e voltou ao cavalo, enquanto esperava ela preparar os aposentos. Poucos minutos se passaram e então ela voltou pedindo para ele o seguir, chegaram na casa rapidamente com ela apontando para a cama de casal dela:

— Uma cama de casal. Onde está seu marido? - Ygor perguntou começando a tirar a armadura pelas ombreiras.

— Ele foi um dos que desafiou o monstro. - ela respondeu com tom triste.

— Meus sentimentos. - ele falou soltando o cabelo do rabo de cavalo de antes.

Ela acenou com a cabeça e então saiu do quarto, o deixando descansar. Ygor deitou na cama, porém não dormiu. A verdade é que ele raramente dormia de verdade, usava o tempo para descansar o corpo apenas. Enquanto estava deitado, começou a pensar sobre a criatura e a situação da aldeia.

Faltando alguns minutos para completar uma hora de descanso, Ygor saiu do quarto com a armadura no corpo:

— Já descansou? - perguntou um garotinho sentado no chão da casa olhando para ele.

— Sim. - respondeu Ygor se dirigindo para a porta e saindo, caminhando para o cavalo.

As crianças se afastaram do animal e ficaram observando o caçador. Ele enfiou a mão em alguns bolsos da sela e pegou alguns frascos coloridos e enfiou no bolso da calça, pegou a bolsa das espadas e colocou nas costas e por fim virou a cabaça d'água boca abaixo e guardando na sela novamente. Alisou o rosto do cavalo e então saiu caminhando para fora da aldeia, quando ouviu gritos o chamando. Se virou para trás e encontrou Sashya correndo na direção dele segurando uma espada:

— Eu vou com você. - ela falou parando diante dele.

— Meu trabalho é acabar com as mortes e não aumentar elas. - ele respondeu ela com ignorância. — Você não pode ir. - ele falou se virando e voltando a caminhar para a floresta.

— Não sirvo a você. Estou indo para vingar meu marido e todos os outros. - ela respondeu puxando a espada da bainha.

Ele puxou uma espada da bolsa e girou rapidamente, cortando a franja dela inteira:

— Sabe usar uma espada ou está apenas se enganando? - ele perguntou com a espada parada em frente ao rosto dela.

— Eu sei algumas coisas. - ela respondeu levantando a espada e batendo-a contra a outra espada.

Ele colocou a espada contra a dela e puxou para si, agarrando a espada dela pela lâmina:

— Certeza que consegue? - ele perguntou soltando a espada dela no chão.

A mulher olhou para a espada no chão e voltou a olhar para Ygor, que havia desaparecido sem deixar rastros:

— Merda. - ela falou baixo pegando a espada no chão.

Ygor estava caminhando lentamente pela floresta desviando das rotas principais e fáceis, ele pegou um dos frascos no bolso e bebeu, com sua visão ficando clara como se estivesse de dia. Ele andava com uma espada em mãos, o cheiro de morte podia ser sentido a quilômetros de distância, mas isso não afetava ele. De acordo com a localização da lua, ele já acreditava que estava perto das onze horas da noite e não havia encontrado nenhum sinal da criatura. Ele parou um pouco e enxergou alguns metais brilhantes na estrada principal, eram os restos da armadura de Estreuss. Ele caminhou lentamente até a estrada principal e se agachou em frente aos metais, os pegando e colocando no bolso. Eram metais caros que Ygor sabia que futuramente seriam úteis. Seus olhos se moveram rapidamente para a direita quando um alto grito foi ouvido:

— Estúpida. - ele falou se levantando e disparando em alta velocidade na direção do grito.

Não demorou muito para chegar lá, encontrando Sashya segurando a espada cara a cara com um Larva Slaad, uma éspecie de sapo rochoso de aproximadamente quatro metros. O monstro saltou para cima da mulher pronto para devora-la, quando Ygor pulou sobre ele e enfiou a espada em suas costas e abrindo um longo corte nele, fazendo a criatura gritar e cair no chão:

— Eu mandei você não vir! - Ygor gritou com ela ainda com a espada erguida para o Larva Slaad.

— Que bicho é esse!? - ela perguntou desesperada correndo para trás de Ygor.

— Isso é um Larva Slaad, uma aberração anfíbia, e esse é dos pequenos. - ele falou sem tirar os olhos do monstro.

— Pequeno!? - ela gritou com ele.

— Sim, isso quer dizer que ele obedece a um maior. - ele respondeu abraçando Sashya. — Não esperava por isso, isso acaba com metade das minhas ideias de como mata-lo. - falou Ygor olhando para a espada danificada.

— O que vamos fazer? - ela perguntou tremendo.

— Pega, sua espada não vai durar muito. - ele falou entregando a espada que ele usou para cortar o Slaad.

Ela pegou ainda tremendo e concordando com a cabeça. Ygor puxou a outra espada da bolsa:

— Resistência a ácido, fogo, frio e eletricidade, magia é imune contra ele. - ele falou com o braço na frente de Sashya. — Vou ter que ir na força mesmo. - ele falou colocando as duas mãos no cabo da espada.

A criatura se recuperou e então olhou para Ygor, soltando um alto grito assustador e se erguendo nas pernas traseiras. O caçador deu um forte salto e lançou uma magia de impulso pra baixo, lançando-o mais alto ainda e enquanto segurava a espada com uma mão, agarrou várias pequenas facas com a outra e esperou o monstro olhar para ele:

— Olha... Olha pra cá... Isso! - falou Ygor quando a criatura olhou pra ele.

Ele jogou as facas no rosto do bicho, com uma acertando o olho dele o fazendo gritar de dor e raiva, e enquanto estava distraído gritando, Ygor caiu sobre seu rosto e enfiou a espada no nariz a puxando com força para baixo, rasgando o monstro até a barriga e saltando para longe. Ele caiu rolando ao lado de Sashya que observava aquilo assustada:

— Vamos! Os gritos não foram por causa da dor! - ele falou pegando na mão dela e a puxando enquanto corriam.

— Então foi para quê? - ela perguntou olhando para a criatura sangrando.

— Para chamar o grandão. - ele falou no exato momento que um grito bem mais poderoso que do Larva Slaad cobriu a floresta.

Os dois se assustaram e pararam de correr, Ygor puxou Sashya e se esconderam abraçados atrás de uma árvore com os rostos praticamente colados:

— Ele chegou. - ele falou com uma mão na cintura de Sashya e a outra segurando a espada ensanguentada.

Um estrondo foi ouvido a alguns metros atrás de onde estavam, era a chegada do Slaad Vermelho. Ygor olhou rapidamente e voltou para a posição:

— Esse é dos grandes. - ele falou soltando uma risada de desespero.

Sashya estava segurando o choro, não estava aguentando de tanto medo e desespero. O caçador trocou de posição com ela, a colocando contra a árvore com a mão livre no ombro dela:

— Preciso que fique aqui e não se mova. - ele falou olhando nos olhos dela. — Levarei ele pra longe. Se algo te atacar, você tem a minha espada. Não pode ser pior que aquilo. - ele falou pegando na espada que estava na mão dela.

Ela acenou com a cabeça, concordando com tudo que ele disse e engolindo o choro. Ygor girou a espada na mão e começou a caminhar na direção do monstro que ainda não havia percebido a presença dele. Quando enfim ele percebeu, ele começou a correr na direção do monstro e então saltou para cima dele, levando um tapa com força o jogando contra três árvores, as derrubando:

— Você é poderoso. Suponho que foi você que matou meu subordinado. - falou o Slaad telepaticamente com Ygor.

Ele se levantou dos escombros das árvores e levantou a espada encarando a criatura:

— É, acertou. Você vai ser o próximo. - falou o caçador limpando o sangue nos cantos da boca.

— Forte determinação, mas sabe que isso não será possível. - respondeu a criatura caminhando na direção de Ygor.

Ele voltou a correr na direção do monstro vermelho, mas lançando fortes rajadas de vento na direção da criatura a desorientando. Quando estava a poucos metros dela, ele saltou e se jogou para cima dele, com a espada em posição pronta para enfiar na cabeça mas foi interrompido pela grande garra do Slaad Vermelho que se ergueu contra ele. Ygor rodopiou para o lado, com a garra acertando apenas seu braço cortando a manga e o braço dele, o fazendo acertar outra árvore:

— Sua tática não vai funcionar. - o monstro falou abrindo um sorriso doentio. — Ela não vai sair viva daqui. - ele respondeu olhando na direção de Sashya escondida ainda atrás da árvore.

Ygor se levantou rapidamente olhando para onde ela estava, confirmando que a criaura sabia onde ela estava:

— Ela não tem nada a ver! - ele falou levantando a espada novamente.

A criatura soltou uma gargalhada alta e então começou a correr na direção que ela estava escondida, Ygor fez o mesmo e colocou todas forças nas pernas. Ele deu uma longa volta e saltou sobre ela, a abraçando e tirando ela do caminho antes do Slaad agarrar a árvore toda e a esmagar. A velocidade que ele a pegou fez com que ficasse tonta e dolorida, quando enfim parou de correr e voltou a respirar sentiu uma sensação ruim e voltou a correr interrompendo o descanso, com a criatura caindo atrás deles e enfiando a garra neles acertando apenas as costas de Ygor a cortando levemente e rasgando sua roupa. Ele parou de correr e se virou ligeiramente para trás erguendo a espada que se chocou com garra da criatura a quebrando, assustando-a:

— Não me subestime. - ele falou girando a espada.

A criatura abriu um sorriso e ficou sobre as duas pernas traseiras, o encarando. No exato momento que ele saltou, o monstro enfiou as duas mãos onde ele estava. Sua força foi toda para o braço direito que lançou a espada com força no rosto da criatura, perfurando seu olho direito e a fazendo gritar em agonia:

—Você não vai conseguir nos encontrar sem seus olhos, não é mesmo? É através deles também que você encontra nossos pensamentos pra usar sua telepatia. - falou Ygor pegando um frasco do bolso e tomando todo.

A criatua retirou a espada do olho e a esmagou com a mão, partindo para cima de Ygor com raiva, que saltou para o lado em alta velocidade desviando do golpe mortal e lançando cinco facas no ar acertando o braço direito dela. A criatura firmou as pernas traseiras e girou o corpo para a direita, com Ygor se posicionando em uma árvore e saltando com um forte impulso dela para cima da criatura segurando uma faca em cada mão. A criatura saltou para cima dele, que se jogou para o lado rolando no chão e acertando uma árvore deitado, enquanto isso a criatura caía no chão angustiando em dor tentando alcançar as facas em suas costas:

— Coloquei facas nas folhas. - falou Ygor se levantando e apontando para a árvore que ele estava em cima minutos antes. — Não pensei que você ia cair. - ele falou abrindo um pequeno sorriso enquanto escorria sangue de sua testa.

Sashya passou correndo pela criatura e enfiou a espada no pé dela, a fazendo gritar em desespero. Ygor assustou com o grito, mas viu Sashya se escondendo e então puxou suas últimas duas facas e começou a correr pra cima do bicho que se recompôs e fixou a atenção na garota correndo:

— Ei, sapo desgraçado! - gritou Ygor girando as facas nas mãos.

Quando o monstro olhou para ele, ele já estava na frente de seu olho esquerdo depois de um forte e silencioso pulo, as facas perfuraram fundo e rasgaram o olho dele até a boca com Ygor as puxando para baixo, caindo no chão enquanto olhava o monstro gritar de dor com os olhos sangrando bastante:

— Desgraçado! - gritou o monstro balançando os braços para todas direções que conseguia.

Ygor se arrastou para trás, saindo do alcance dos golpes do Slaad e então voltou as mãos na direção das árvores ao redor da criatura e então lançou as ondas mais fortes de vento com as forças restantes, as fazendo cair sobre ele e o derrubar no chão. Não foram o bastante para o matar, mas sim para desorienta-lo. Ele caminhou até a frente da cabeça dele e parou, com Sashya se aproximando logo em seguida deles:

— Você perdeu. - falou Ygor ofegante e ferido estendendo a mão para Sashya.

Ela colocou a espada velha dela na mão dele, que a pegou com força e agradeceu. Ele se agachou diante a cabeça do monstro e então enfiou a espada fundo na cabeça dele e puxou com força para todos os lados, fazendo em pedaço o que estava lá dentro. Os últimos gritos do Slaad Vermelho foram perturbadores e altos, com todos na aldeia conseguindo escutar, o sangue começou a escorrer e cair no chão:

— Terminou. - falou Sashya apertando forte a mão de Ygor.

— Sim, as almas mortas por eles podem enfim descansar. - ele respondeu abraçando ela.

Eles ficaram parados lá por alguns minutos, com Sashya chorando com o rosto contra o peito dele. Ygor finalmente respirava com calma e recobrava a consciência. Os dois voltaram caminhando para a aldeia, com Ygor mancando e gravemente ferido, mas que melhoraria com um simples descanso de acordo com ele. Chegando lá foram recebidos com alegria e muitas perguntas, mas sem responder nenhuma, com Ygor indo direto para o tão desejado descanso, depois de um banho. Quando estava na cama, ele olhava para o teto da casa com o corpo espalhado por toda cama até a porta ser aberta e Sashya entrar:

— Com licença. - falou ela com uma saco em mãos.

— O que é isso? - perguntou ele sem olhar para ela ainda.

— O seu pagamento, pegamos um pouco de cada morador da vila. Esperamos que seja o bastante para você. - ela falou sentando na cama.

— Não quero o dinheiro de vocês. - ele falou erguendo o torso e sentando na cama. — A primeira coisa que chamou minha atenção quando cheguei aqui foi ver a situação deste local, não consegui não sentir nada como sempre sinto. E também, já vou receber do rei por ter tampado este buraco para ele, não quero que sofram mais do que já sofreram. - ele falou colocando o cabelo para trás. — Me senti na obrigação de ajudar vocês e não de completar um serviço. - ele abriu um sorriso inocente diante dela.

Ela sorriu de volta e colocou o saco no chão:

— Mas nós gostariamos de oferecer algo a você por tudo que fez para nos ajudar. - ela falou juntando ambas mãos.

Ele lentamente colocou uma mão no rosto dela:

— Saber que ficaram melhor. - ele respondeu ela alisando seu rosto.

— Todos nós agradecemos por sua ajuda, Ygor. Sem você não conseguiriamos. - ela falou sorrindo.

Poucas horas depois, Ygor já estava arrumando suas coisas em seu cavalo para partir. Ele estava com um grande prejuízo depois deste serviço, mas ele não se preocupava com isso pois o dinheiro que receberia do rei iria arcar com toda armadura e pelo menos com uma espada nova. As crianças se despediam do cavalo enquanto os adultos se despediam do seu salvador:

— Não nos esqueceremos do que fez por nós. Volte quando quiser. - um dos moradores falou fazendo reverência a Ygor.

— Iremos ficar bem daqui em diante. - falou Sashya cara a cara com ele.

— Eu sei que vão, pois você estará aqui. - ele falou sorrindo para ela.

Ela abraçou ele forte, dando um beijo caloroso em sua bochecha.

Ele então montou no cavalo e bateu as rédeas, partindo floresta dentro enquanto os moradores acenavam para ele. O fim não parecia tão próximo mais para aquela pequena aldeia.













29 de Dezembro de 2019 às 19:25 0 Denunciar Insira 0
Continua… Novo capítulo Todos os Domingos.

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~