Entre nós Seguir história

renkyou renkyou

"Nós estamos velhos, amor. E sim, eu te acho bonito com tudo isso, é o cinquentão mais sexy do bairro. E não importa o que você diga, até mesmo quando tivermos nossos setenta anos ainda vou olhar para você e dizer como te acho lindo."


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas.

#lembranças #Quarentão #Mais-velhos #casados #hashimada
Conto
2
619 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Casados

A primeira coisa que Hashirama pensou ao acordar foi que dormir no sofá não era mais para si. Não se lembrava de uns dez anos atrás suas costas doerem tanto quanto hoje, ainda mais por ter passado uma única noite vendo filmes com seu esposo, esse que pelo visto, já havia se levantado. Podia dizer, com toda certeza, que todo sofá que passou por aquela sala já havia sido sua cama por uma noite, ou algumas.


Isso se devia ao fato de que sempre que ele e Madara, seu marido, brigavam, era proibido de dormir no quarto do casal. Claro, podia dormir no quarto de hóspedes, mas não o fazia por duas razões, e acabava sempre indo parar na sala. A primeira razão, era a TV, no quarto de hóspedes não havia uma e nada era melhor que esquecer os problemas momentaneamente do que vendo algum seriado de comédia, certo? Normalmente, passava a noite inteira vendo Friends. A segunda, era que Madara sempre vinha a cozinha preparar seu café antes de qualquer coisa do dia, e para chegar lá, tinha de passar pela sala, o que fazia com tivesse oportunidade de conversar com o marido sem empecilhos ou desculpas.


Muitas pessoas achavam esta uma atitude exagerada de Madara, pelo que sabiam, por qualquer briga besta, acabava mando-o dormir em outro lugar, mas isso era o que sabia e achavam ser verdade, porém não há ninguém que saiba mais do que acontece na convivência do que quem está nela todos os dias. E se as pessoas soubessem que, em vinte e três anos de casado, muitas das brigas que tiveram, principalmente aquelas ridículas em que você nem sabe como começou, seu marido era o primeiro a dar o passo, pedindo desculpas? Hashirama já havia perdido as contas de quantas vezes, após uma briga boba, Madara apareceu no meio da noite para lhe pedir desculpas e convidando-o para voltar ao quarto.


Para alguns, isso podia parecer o mínimo a ser feito, mas enxergava de outra forma. Aquilo era a prova de que tinham um casamento sólido, de que o homem com quem se casou a duas décadas confiava em si, pois aqueles que realmente conheciam o Uchiha, sabiam que por causa do seu orgulho, dificilmente se aceitava errado em qualquer coisa, então, vê-lo pedir desculpas e admitir que estava errado era um grande passo de demonstração de confiança mútua, mas também, devemos deixar algumas observações que, após tanto tempo, Hashirama não podia deixar de lado, uma sendo que, se Madara realmente estivesse certo e o Senju errado, o marido nunca mais olhava em seu rosto se não desse um jeito de ele mesmo consertar a situação. E a outra, seria que, aquele lado orgulhoso do outro, já havia se desfeito aos poucos e mesmo que o próprio não admitisse, Hashirama conseguiu notar as sutis mudanças e isso fazia com que se apaixonasse ainda mais pelo Uchiha.


Desde que se conheceram e isso, tenha certeza, pode parecer para alguns bobo e clichê, pode notar o coração bom que Madara tinha e não sabia como cultivar, mas não o culpava, crescer em uma família como a dele, em que a aparência e status social estavam acima de tudo e ser homossexual era o pior dos pecados, não deveria ter sido fácil, todavia essas eram lembranças de um passado muito complicado, mas que teve sim, seus momentos bons e só esses deveriam ser contados.


Hashirama se pôs de pé, sentindo mais do que nunca a necessidade de um alongamento para dar um jeito na coluna. Fez alguns que o médico havia-lhe passado na última consulta e não pode deixar de achar graça, que por causa de um sofá, começou a relembrar toda a sua vida com o marido e, agora, até mesmo algumas brigas bem estúpidas lhe vinham à memória e realmente, não tinha como não rir delas. Passaram por tantas coisas ao longo da vida a dois até aquele momento e tinha a plena visão de que passariam por muitas mais. Viver com Madara era tudo, menos tedioso e Hashirama não duvidava nem um pouco que o marido ainda reservava muitas surpresas, só esperava que todas fossem boas. Quando sentiu os músculos mais relaxados e a dor na coluna parecer ter cessado, por hora, resolveu ir até à cozinha, pois sabia que encontraria o que procurava lá.


Madara estava escorado no balcão bebendo seu café, que pelo cheiro e fumaça que saíam da xícara, havia acabado de ser feito. Percebendo que estava sendo observado, lhe devolveu um olhar que o Senju já conhecia bem, o Uchiha queria saber o porquê de estar o encarando.


— Estou observando, que até com o cabelo desgrenhado e o rosto amassado de quem acabou de acordar, meu marido é o homem mais bonito que eu já conheci. — Disse e se aproximou para abraçar Madara pelos ombros, recebendo uma risadinha discreta e um balanço de cabeça em negação como resposta a sua fala, então acrescentou em um falso tom bravo:


— Ei, estou falando sério. Você sabe melhor do que ninguém, que eu nunca mentiria para você.


— Ainda me acha bonito mesmo eu tendo essas rugas e cabelos brancos? Estou velho, com já cinquenta anos, a beleza que tive um dia já acabou.


— Nós estamos velhos, amor. E sim, eu te acho bonito com tudo isso, é o cinquentão mais sexy do bairro. E não importa o que você diga, até mesmo quando tivermos nossos setenta anos ainda vou olhar para você e dizer como te acho lindo.


— Ah! Eu realmente não sei como seria minha vida sem você, Hashirama. — Madara suspirou e não conseguiu evitar dar um longo beijo naquele homem maravilhoso que era o Senju. — Agora diga-me, quando foi que nos tornamos tão melosos? Passamos a noite e boa parte da madrugada de ontem chorando por causa daqueles filmes melodramáticos que você escolheu.


— Olha, eu realmente não sei. — Comentou, aceitando o café que lhe era oferecido. — Mas não foi ruim.


— Não foi. Mas, ainda prefiro meus filmes de ação. Já vou até pensando nos que veremos no próximo final de semana e…


A partir daí Madara começou a falar sobre seus filmes favoritos, os que Hashirama já sabia de cor, mas não era por isso que acabou perdendo o foco no que o outro falava e sim porque sentiu uma felicidade e paz que o fez voltar a pensar no passado, aquele dia parecia estar sendo para isso, lembrar-se do passado. Se sentiu voltando no tempo, no dia do casamento. Os votos que fizeram a vinte e três anos atrás, de ficarem juntos na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, por todos os dias das suas vidas até que a morte os separasse não pareciam ter sido apenas promessas jogadas ao vento e era muito bom saber que teria alguém ao seu lado que o amaria até o fim.



13 de Dezembro de 2019 às 22:42 0 Denunciar Insira 3
Fim

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~