Um Amor de dimensões Seguir história

yui-kawachima1575938847 Yui Garbe

A história de um amor que transcendeu as dimensões. Primeiro conto de uma trilogia


Conto Todo o público.

#drama #romance #conto
Conto
0
1.1mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Um Amor de Dimensões

Dois anos se passaram desde que meu antigo noivo me deixou, desde então me tornei fria, sem sentimentos, sem família e com poucos amigos. Me perdi num mundo que não é meu lar.

A vida não tem sido fácil para mim. Meu nome você deve estar se perguntando, meu nome é Yui.

A coisa mais difícil é manter um sorriso onde não há felicidade, manter uma luz onde só há trevas. Queria mesmo desaparecer desse mundo.

Não vejo razão alguma para me levantar a cada dia. Me falta algo, falta metade de mim, a qual nunca encontrei. Chego muitas vezes a pensar que fui um acaso, uma alma criada para ser só, num universo de pares eu seria a única ímpar.

Porém tudo isso estava prestes a mudar.

Num fim de semana qualquer, durante uma forte tempestade, a qual me surpreendeu durante meu trajeto de volta para casa, vi em meio às grossas gotas que caiam, a silhueta de um rapaz ali parado em meio ao descampado.

No primeiro momento, pensei que fosse uma mera ilusão de minha perdida mente, porém ele era real. Mesmo com pouca luz e com ventos que balançavam as copas das árvores e a enorme quantia de chuva, sabia que ele estava sorrindo.

Este estendeu uma de suas mãos em minha direção, como se me convidasse para sentir a fria tempestade sobre meu corpo já não tão aquecido, devido a falta de uma blusa mais quente e à prova d’água. Estranhamente, esse gesto me fez me sentir bem e sem me importar com nada, fui em sua direção.

Nunca o havia visto, porém sabia que ele não era ruim (algo no meu coração, afirmava).

Ele segurou minha mão, me olhou nos olhos, sorriu e disse:

- Obrigado.

Não entendi o motivo do agradecimento e mesmo assim, como por instinto, respondi:

- De nada.

Logo em seguida me abraçou forte, carinhosamente, mas firme. Nesse momento tudo a minha volta desapareceu, nada mais importava. Senti, mesmo por sobre nossas vestes encharcadas, seu calor, pude sentir seu coração batendo acelerado, no mesmo ritmo que o meu. Ficamos ali, parados por apenas alguns segundos, só que para mim parecia que havia durado por horas.

O soltei e mesmo sem entender nada eu:

- Por que me agradeceu? - Já esperando algo ruim, quando:

- Te agradeci por existir.

Meus olhos se encheram de lágrimas, pois tão simples palavras, nunca haviam soado tão tenras e calorosas para meu coração duro e ferido outrora.

Ele cuidadosamente secou minhas lágrimas e ao mesmo tempo o céu se acalmou e mostrou o mais belo luar, que em tempos não avistava, e iluminou a nós. Então ele retirou o capuz que cobria a cabeça e parte de seu rosto e finalmente pude ver seu belo rosto.

Sua pele clara, seus cabelos levemente ondulados e curtos de coloração castanha e seus lindos e encantadores olhos verdes. “Nossa! Como é lindo”, pensei e com o brilho do luar sobre nós, parecia um anjo.

Não consegui dizer uma só palavra. Estava atônita, meu coração batia como nunca batera por alguém durante minha vida. Naquele momento, o jovem com um tenro sorriso me olhou com o olhar mais puro que jamais havia sentido e falou docemente:

- Senhorita. - Foi como se tivesse me trazido de volta para uma nova vida, mesmo assim não pude tirar os olhos de seu olhar e respondi, sentindo cada célula do meu corpo tremer:

- Me desculpe. - Com uma voz tremula e gaguejando um pouco continuei - Não sei onde estava com a cabeça me desculpe por tê-lo deixado falando sozinho.

Com o mesmo sorriso de antes, acenou com a cabeça levemente e disse:

- Imagine, não há com o que se desculpar, você não fez nada de mais, porém deve estar com fome, não?

Só pude pensar Deus, estou faminta, mas tudo o que consegui dizer foi:

- Sim, na verdade estou com um pouco de fome.

- Então vamos ao centro da cidade para que possamos comer algo, pois também estou com fome. - Dito isso, o rapaz estendeu o braço me convidando e sorriu delicadamente. Segurei em seu braço e começamos a caminhar. Nesse momento, uma brisa soprou e o perfume do jovem se espalhou por ali. Nossa que perfume maravilhoso pensei. Nós caminhamos por vários minutos e percorremos uma grande distância, porém pela primeira vez não me senti cansada, ao contrário, estava com vontade de caminhar mais e mais, estando ao lado dele poderia dar a volta ao mundo a pé.

Por fim, chegamos a uma pequena lanchonete, nada extravagante ou luxuosa, só que muito aconchegante e agradável.

Após comermos, eu ainda mal conseguia dizer duas palavras sem gaguejar, ele gentilmente pergunta:

- Poderia me dar o prazer de saber o teu nome? - Ele sorri e continua - Que indelicadeza de minha parte. - Ele toma minha mão sutilmente e a segura carinhosamente e prossegue. - Muito prazer, meu nome é Kaliel. - Após isso, curvasse levemente e levando minha mão até próximo a seus lábios, a beija suavemente. Senti meu rosto ficando ruborizado e com um tímido sorriso respondi:

- Muito prazer senhor Kaliel, meu nome é Yui.

Ele então sorri e diz:

- Não há a necessidade de me tratar com tanto formalismo minha querida. - E beija meu rosto, com seus lábios quentes e macios.

Não consigo me controlar, meu corpo já não me obedece mais, na minha mente todas as perguntas pairam, quando ele diz:

- Já está tarde acho melhor te levar para sua casa. - Não queria ir embora, queria ficar ali pra sempre ao lado dele. Ele era o que sempre sonhei e subitamente diversas perguntas saíram de minha boca como se essas tivessem vontade própria:

- Onde você mora? Qual a tua idade? O que estava fazendo lá naquele lugar? Você vai sempre para lá? Por que me tratou assim tão bem? Como posso ir embora e deixar você aqui? O que eu fiz pra você não querer que eu fique mais perto de você? - Ele me abraça e acaricia meus cabelos e responde:

- Tenha calma Yui, tenha calma. Você não fez nada de errado, apenas estou preocupado em deixar uma mulher tão linda caminhando pelas ruas a essas horas da noite. Não se preocupe com nada tenho certeza que amanhã nos veremos novamente e poderei responder as tuas dúvidas, tudo bem? - E sorri.

Com toda a dor no coração e a certeza de nunca mais vê-lo, deixei que me levasse até minha casa. Naquela noite mal consegui dormir somente pensando em tudo o que havia ocorrido e lembrando como ele era lindo e gentil. Era ele que eu queria para minha vida. Lembrava-me do cheiro do perfume, do calor de seu abraço, do seu rosto sendo iluminado pela lua.

No dia seguinte me levantei como sempre, sem vontade de sair da cama, vou ao toillet, e depois me dirijo para a cozinha. Quando chego lá, encontro um lindo buquê de flores lilases, minha cor favorita de flores, com um cartão simples, embrulhado em um pequeno lenço vermelho. Abro o cartão e diz:

"Não há palavras para descrever o que fez por mim ontem. Obrigado por ter salvo minha vida."

Kaliel

Nesse momento comecei a chorar de soluçar e finalmente caiu a ficha, que aquilo tudo tinha sido real.

Na mesma tarde eu fui até o mesmo lugar, para procurá-lo, mas foi em vão. Fiquei lá até anoitecer. O luar já não tinha o mesmo brilho de outrora. Então, com o coração apertado e com lágrimas nos olhos me dirigi para minha casa. Quando chego lá, tenho a melhor surpresa de todas, ele ali parado sentado na escada da varanda de casa me esperando. Já imaginei que ele iria me escorraçar por tê-lo feito esperar por mim (mesmo que não tivesse a menor ideia que ele estaria a minha espera), por sei lá quanto tempo. Ele então vem até mim e me abraçando forte diz:

- Nossa Yui, você está linda.

Eu o abraço forte também e mais uma vez pude sentir nossos corações batendo na mesma frequência e com grande receio perguntei:

- Você não está chateado comigo Kaliel?

- Por que essa pergunta Yui? - Retrucou ele gentilmente, porém com um ar de surpreso.

- Não sei, talvez porque você deva ter ficado aqui me esperando por muito tempo.

Ele sorrindo diz:

- Esperaria minha vida toda por você bobinha. - E beija minha testa.

Olho para ele e digo com um sorriso espontâneo no rosto:

- Fazia muito tempo que alguém não me fazia sorrir.

- Então é bom ir se acostumando, pois você sorrirá um pouco mais então.

E eu:

- Isso é uma cantada?

- Não. - respondeu ele - Isso é uma promessa. - E me puxando suavemente diz:

- Vem Yui, vem comigo, há algo que quero te mostrar.

Eu o sigo sem resistir. Caminho até uma pequena lagoa a algumas quadras da minha casa e então ele:

- Pronto é aqui.

- Aqui onde? - perguntei.

- É aqui! Quero te mostrar algo incrível. - disse ele sorrindo como se aquilo fosse a oitava maravilha do mundo.

Eu disse:

- Eu conheço esse lugar. Ele fica a algumas quadras da minha casa, não tem nada de novo aqui Kaliel. - após ter dito isso, que pensei no que havia dito e com essa, imaginei que havia jogado fora o amor da minha vida, mas ele, colocando o indicador por sobre minha boca e apontado para as águas disse:

- Você acha que conhece esse lugar, mas já viu isso?

E então, como se por encantamento a água se tornou um espelho do céu e pudemos ver uma chuva de estrelas cadentes. Ele se deitou na grama e me chamou para deitar e ver o espetáculo de brilhos e cores. Parecia até ser a comemoração dos céus pelo o que estava acontecendo conosco, ou melhor, era como se o universo estivesse feliz por nós. Aquilo foi inacreditável. E após esse espetáculo maravilhoso, finalmente nos beijamos. Minha nossa como esperei por esse momento, indaguei comigo. Foi uma noite perfeita.

No dia seguinte, acordei com outro humor, com uma nova energia, me arrumei e fiquei esperando ele. Esperei e esperei e esperei até que adormeci no sofá da sala. Abro os olhos e ele está ali sentado olhando para mim com aquele sorriso de me tirar suspiros. Ele então:

- Boa noite minha bela adormecida. - e sorri.

Eu não entendendo nada, respondi:

- Boa noite meu príncipe. - me levantando e me atirando em seus braços. - Como entrou aqui? - perguntei.

- Seu pai me deixou entrar, disse que você estava dormindo que era para eu ver. Ia te chamar, mas quando te vi dormindo com esse seu rostinho de anjo e um sorriso puro, achei melhor deixar você descansar.

- Mas Kaliel, por que não me chamou? Você deve ter ficado entediado ai.

- Olhar para você nunca me entedia, minha luz. - disse ele com o sorriso mais sereno que pude ver.

Nessa noite, fomos novamente até aquela lanchonete que fomos, quando nos encontramos pela primeira vez, e ficamos relembrando tudo o que passamos naquele dia. Foi algo diferente e bastante inusitado para mim, mas enquanto ele recontava o que passamos aquele dia, sentia como se tudo fosse um conto de fadas, de tão perfeito. Foi uma noite maravilhosa.

No dia seguinte, o que eu mais temia estava para acontecer. Ele chegou em casa, à tarde, meu pai estava lavando o carro como sempre fazia e eu o estava ajudando. Ele disse com um olhar diferente:

- Boa tarde, razão da minha vida.

- Oi meu anjo e protetor. - já sentindo que algo estava estranho. - O que houve meu amor, você está parecendo diferente hoje?

Então ele:

- É que essa noite é o meu ultimo dia aqui. - respondeu ele com lágrimas nos olhos.

- Mas como assim? Por que é seu ultimo dia aqui? Que história é essa Kaliel? - indaguei indignada.

- Minha doce Yui, o que tenho para te dizer é verdade, pode parecer loucura, mas não é. - e continuou. - Eu sou de outra dimensão, sou aquele que está sempre ao teu lado, aquele que te sopra ideias e conselhos, sou aquele que te ama mais que tudo, que abriria mão de tudo por você, mas infelizmente me foi dado à permissão de vir para cá por só alguns dias, eu sinto muito por ter que te deixar.

Com o coração destruído e chorando de soluçar eu o abracei tão forte quanto eu podia e gritando a plenos pulmões, exclamei com todas minhas forças:

- NÃÃÃÃÃOOO! VOCÊ NÃO PODE FAZER ISSO COMIGO! EU TE AMO MAIS DO QUE A MIM MESMA! VOCÊ NÃO PODE ME ABANDONAR! NÃO ASSIM! NÃO VOU DEIXAR QUE SE VÁ! VOU TE SEGURAR FIRME TE PROTEGEREI E NINGUÉM TE LEVARÁ DE MIM! - e o segurando com todas as forças de cada fibra do meu corpo.

E ele diz:

- Amor! Jamais te abandonarei, sempre estarei com você onde quer que vá, só não estarei nessa dimensão, você me sentirá, sentirá meu perfume e sentirá meu carinho e meu beijo toda vez que estiver se sentindo só, mas não me é permitido ficar aqui por enquanto. - e com toda a calma e todo o amor que alguém pode ter, ele continua - Meu anjo me dê um beijo, o mais gostoso beijo para que nos lembremos disso e quando nos encontrarmos novamente possamos repeti-lo por muitas vezes depois.

Então, naquele momento, senti como se ele estivesse desaparecendo, como se estivesse escapando de minhas mãos, me deixando e eu já não podia fazer nada além de beija-lo mais apaixonadamente que eu podia. Foi o melhor e o pior beijo de toda minha vida. E à medida que ele sumia a lua ai desaparecendo no céu, as estrelas iam se apagando, o céu se fechando e a chuva começando a cair. Ele se foi, e aquela tempestade voltou, mas pela primeira vez não reclamei de ficar encharcada de chuva, pois me fazia lembrar de meu amado, protetor, meu anjo guardião, para sempre meu Kaliel.


Inspirado em um sonho que tive no dia 14 de agosto de 2012.

Yui Garbe Pires

15/08/2012

13 de Dezembro de 2019 às 19:25 0 Denunciar Insira 0
Fim

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~