Inferno particular Seguir história

renkyou renkyou

Após perder sua amada a eras atrás, Azazel se trancafiou no lugar mais sombrio do inferno para tentar — quantas vezes fosse preciso — ressuscitá-la, todavia, sua única companhia nesses dias eternos, agora, é um ser de chifres e desejos insaciáveis. •Fanfic do anime Mayonaka no occult koumuin


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas.

#Azazel-e-o-Diabo #inferno #diabo #Azazel
Conto
0
668 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Único; o Diabo e Azazel


— Falhei, mas não irei dessa vez. Eu lhe darei seu corpo.

— Falhei, mas não irei dessa vez. Eu lhe darei seu corpo.Falhei, mas não irei dessa vez. Eu lhe darei seu corpo.

A voz de Azazel alcançou os ouvidos do ser imerso na escuridão, entretanto não fez com que ele ao menos se movesse. Aquela cena já se repetirá infinitas vezes, mas ainda o divertia como na primeira. O desespero nos olhos daquele que um dia já fora um anjo, lhe proporcionava o deleite que tirava a monotonia dos dias no inferno, provavelmente, seria questão de mais um pouco de tempo para se entediar com Azazel, mas enquanto isso não acontecia, aproveitaria o que pudesse dele.

O observou colocar mais uma menina raptada no chão, se não se enganava, dessa vez, ele procurava uma perna esquerda como a de sua amada. Não tinha graça alguma vê-lo montar aquela mulher, ele nunca notava que ela não mais pertenceria a esse mundo. Sua alma não se contentaria com um corpo formado por partes alheias e o pobre coitado estava fadado àquelas tentativas falhas pela eternidade — e isso, sim, tinha graça aos seus olhos.

Deslocou-se das trevas, fazendo sua presença física se formar aos poucos, mas não notável para Azazel que mantinha total concentração no que fazia. Primeiro seus olhos vermelhos intensos, em seguida seu rosto pálido e seu par de chifres inclinados com seus cabelos esverdeados. Por fim, do seu tronco para baixo se formou com as vestes típicas: seu vestido e suas luvas de cor preta.

Um sorriso pequeno ostentou seus lábios, e não era nada bem-intencionado.

Caminhou até Azazel escorando-se perto dele sobre o altar em que os corpos da mulher inigualável aos olhos de seu companheiro passava a eras. Sua mão subiu até a nuca dele e não foi para uma carícia, agarrou-se aos fios de cabelo ali, suas unhas grandes e afiadas machucavam a pele, então, com um forte puxão o rosto de Azazel estava perto do seu, sem expressão como sempre.

— Não vê que está me atrapalhando? Volte outra hora.

A chateação na voz de Azazel em nada o afetou, O ex-anjo sabia quem mandava ali e não poderia fazer nada mais do que reclamar, o que já era um atrevimento e tanto, mas gostava disso. No entanto, ele que não se atrevesse a mais, ou então, sofreria nas profundezas de seu reino eternamente sem nunca mais poder obter o que tanto almejava.

Realmente, o diabo não é alguém que aceita desaforos, muito menos em sua própria casa.

— Não voltarei, pretende fazer algo sobre isso?

Calado. Era bem mais bonito assim, aliás. Se inclinou para frente, seus lábios se uniram aos de Azazel, eram frios como os seus. E não foi nenhuma surpresa quando a mão forte dele agarrou sua cintura de uma vez, colando seus corpos.

Encerrou-se o beijo e a boca dele desceu por seu pescoço, deixando mordidas no local. Pode sentir entre suas pernas a ereção de Azazel e a forma como ele se movia buscando por alívio.

Contudo, aquele parecia ser um prazer para mais a frente, pois Azazel soltou-se de si de forma brusca e atrapalhada. Aos seus olhos se mostrava um carneiro tentando fugir do lobo. Conseguiria correr um pouco, mas logo seria alcançado pelo lobo e comido por inteiro.

— Maldito Diabo, não irá me tirar do caminho de meu objetivo.

Ele quis gritar e transparecer sua raiva, porém a única coisa que fez foi brandir baixinho. Que coisa adorável. Sorriu debochado, porque não provocar mais?

— Oh, sério? Das últimas vezes você não me pareceu tão preocupado com isso. — Segurou-o pelo queixo com força. — Você é deplorável, Azazel. Voltará com o rabo entre as pernas para meu colo rapidinho, sabe que é sempre assim.

— Dessa vez não, tenho que terminar o corpo de minha amada e não irei me demorar mais por sua causa.

O soltou, vendo-o se misturar em sua areia cinza e sumir, provavelmente indo buscar sua nova vítima. Azazel estava irritado e excitado, uma bela combinação. Demoraria a voltar dessa vez, mas quando voltasse, iria para seus braços, pois ele tinha o conhecimento e a experiência do prazer ínfimo que somente o dono daquele inferno poderia proporcionar.

Era uma brincadeira divertida e que o animava, afinal, até o Diabo precisava de uma distração às vezes.

8 de Dezembro de 2019 às 11:46 0 Denunciar Insira 0
Fim

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~