Mestre Das Armas: Retorno Seguir história

alucardnosferatu Shadowlord Mawhell

ATENÇÃO: Essa é mais uma série Mestre das Armas. Acompanhe a ordem cronológica para não se perder: -Caçado por todos -Conflito Nacional -Com amor, morra! -Fight Fire With Fire -Rest In Peace -Finish the Fight -Retorno ** Dois anos após os eventos de Finish the Fight, Levi retorna à ativa com alguns trabalhos casuais, mas ao voltar para seu país de origem, ele descobre algumas coisas que ele preferiria nunca ter descoberto. Agora ele se encontra no meio de um jogo entre razão e emoção, e sem saber o que fazer, ele precisará de ajuda de algumas pessoas.


Ação Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#assassinato #245 #230 #258 #armas #ação
0
742 VISUALIZAÇÕES
Em progresso
tempo de leitura
AA Compartilhar

De volta à ativa

-Esteve me esperando? - retiro a pistola de dentro do terno - É bom que você continue calado - levanto a arma, ponho em sua testa e atiro.

Dois anos. Sarah precisou de apenas dois anos para poder construir todo o seu império novamente. É incrível como essa garota consegue fazer tudo dar certo.

Agora que tudo está limpo, posso voltar aos meus trabalhos casuais como esse. Estou dentro de uma boate e o homem que acabei de matar estava dentro do banheiro. Foi aí que eu saí de dentro da cabine e fiz a pergunta.

Continuando a história...

Saí do banheiro e o grave som das batidas abafa a minha audição. Luzes rosas piscavam incessantemente por todos os lados. Olho para frente e vejo um homem correndo em minha direção. Levanto o punho e soco a cara dele. Ele dá uns passos para trás, bate a perna no encosto e cai na pista. Todos que estavam na pista viram sua queda e agora o sangue estava por toda a pista. As mulheres foram as primeiras a correr. A correria ajudou, pois, os inimigos ficaram confusos e não conseguiam me ver no meio da multidão que estava trancada no local.

-Eles não irão abrir a porta para não perder o dinheiro...

Me misturei com as pessoas e andei até a porta que leva à gerência. Havia dois homens fazendo a guarda, retirei as duas pistolas que estavam dentro do terno e atirei nos dois. Por sorte, o DJ não desligou a música, ou seja, o som ainda estava abafado. Dei um chute na porta e arrombei ela.

-Pare! - um homem coloca as mãos para fora de seu esconderijo - Estou desarmado!

-Se meu trabalho fosse cumprir as leis, talvez eu te escutaria - levantei a pistola e dei três tiros no homem através do pequeno sofá em que ele se escondia - Inútil.

**

O meu telefone tocou enquanto eu estava dirigindo.

-Cortana, atenda! - instalei uma inteligência artificial no celular que tem reconhecimento de voz.

-Alô? - uma voz destemida e extremamente sedutora surge do outro lado.

-E aí?

-Como foi o seu primeiro trabalho? - escuto um som de como se ela tivesse pulado na cama.

-Bem simples. Entro, mato alguns homens, encontro o alvo principal e acaba.

-Não era isso que você queria?

-Sim... é que estou sentindo falta da agência.

-Isso que acontece quando se põe um incompetente no poder de uma grande nação. A agência de espiões do Brasil era perfeita... até colocarem um retardado analfabeto na presidência. Bom, pelo menos consegui pegar alguns dos melhores espiões... uns até bons demais, ou melhor, um.

-Pelo menos fiz o país voltar aos trilhos quando limpei todo o gabinete comunista.

-Tá... agora vamos ao que interessa. Você já pode voltar a usar seu nome verdadeiro. Está totalmente limpo. Ninguém mais se lembra quem foi o homem que derrubou um prédio público, matou o chefe de um grande banco ou até mesmo assassinou o presidente do Canadá e ainda destruiu o edifício também - consegui ouvir uma leve risada.

-Já que você diz...

-Já falhei alguma vez?

-Sim, mas foi com outra coisa.

-Então estou com a consciência limpa.

-Ótimo. Era só isso?

-Não... mas prefiro que descubra sozinho. Tchau! - escuto algo como se fosse uma risada incerta.

-Descobrir o quê?

Sarah sempre teve o dom de me deixar confuso em todo final de ligação. Bom, espero que não seja nada tão preocupante...

**

Peguei um avião que estava indo para o Brasil. Pela primeira vez em dois anos, consegui ir para casa. Sentei na poltrona do avião, coloquei os fones de ouvido e comecei a escutar a música Dread and the Fugitive Mind, do Megadeth.

-Espera... tem algo errado...

Comecei a pensar bem e percebi o que estava errado. Leticia não havia mandado uma mensagem, ou feito alguma ligação. Foi muito estranho perceber isso, pois, era sempre ela quem esteve se preocupando comigo.

Provavelmente a Sarah deve ter falado com ela, ou seja, nada para se preocupar por enquanto. Apenas relaxei ali e dormi o resto da viagem.

8 de Dezembro de 2019 às 03:37 0 Denunciar Insira 0
Continua…

Conheça o autor

Shadowlord Mawhell Um metaleiro que sempre esteve sozinho durante toda a sua vida. Escrevo histórias com um tom mais sério, ou seja, você não verá algo como uma história comum de um feed do Inkspired ou do Wattpad. Apaixonado por música, por leitura, por e escrever e pela política. Aliás, se você ler alguma história com a opinião política contrária a sua, não pare a leitura por esse motivo, até porquê é apenas um livro. Não quero e nem tenho desejo de mudar sua opinião, apenas leia e diga se gostou ou não.

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~