jace_beleren Lucas Vitoriano

Contos eróticos envolvendo os personagens do anime Love Hina.


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 21 anos apenas (adultos).

#orange #hentai #Love-Hina #pwp
1
3.8mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Naru - Kitsune

A pensão Hinata era um local apenas para garotas, uma grande casa transformada em pensão, com mais de dez espaçosos quartos, um jardim vistoso e, o melhor de tudo, uma fonte termal em seu interior. Atualmente haviam cinco garotas morando no local, três delas eram adolescentes entre seus dezesseis e dezessete anos além de duas menores com seus treze. Fora elas havia Haruka, a gerente do local, mas essa não vivia ali e passava na pensão apenas uns dois dias por semana, as vezes menos.

Era uma manha de sábado, todas as garotas haviam ido juntas a praia se divertir (afinal é para isso que servem os sábados). Duas delas porem haviam ficado na pensão, Naru pois precisava estudar, e Kitsune que não estudava e era uma folgada, vivendo de trabalhos avulsos e de dar golpes em pessoas não muito espertas. Elas tinham respectivamente dezessete e dezoito anos, lindas garotas com corpos bem desenvolvidos e belas curvas.

Naquela manhã ensolarada porem Naru não estava ocupada com seus estudos, Kitsune também não estava dormindo, o que costumava fazer com bastante frequência, isso quando não estava simplesmente jogando seu tempo fora com alguma besteira. Os gemidos abafados que vinham da fonte termal denunciavam exatamente o que elas faziam.

- Não se mexa tanto – reclamava Kitsune com uma voz sensual. Foi possível ouvir um gemido de protesto de Naru e, em seguida, uma risadinha maldosa de Kitsune – não precisa se fazer de certinha eu sei que você quer.

- Eu preciso estudar não tenho tempo para...ahh... esse tipo de coisa! – era a voz de Naru, irritada, mas também carregada de erotismo. Ela arfava e gemia de prazer, seu corpo esquentava de desejo.

Estavam as duas na fonte termal, Naru sentada de costas no colo de Kitsune, as duas cobertas pela água até a cintura. As águas termais estavam em uma temperatura quente e agradável o vapor de fumaça emanava da água em nuvens densas. Naru gemia tentando se lembrar de como acabara naquela situação (ela só queria estudar), era uma adolescente atraente com longos cabelos castanhos que no momento estavam presos. Kitsune era um ano mais velha com cabelos também castanhos, mas bem curtos. Era também a ativa ali. Com a mão direita massageava habilmente um dos seios da amiga enquanto a esquerda estava submersa na água, embrenhando-se no meio das pernas de Naru e fazendo-a soltar suspiros de prazer.

- E-eu preciso estudar... – protestou Naru com uma voz tão fraca que mais parecia um pedido do que uma afirmação.

- Você só faz estudar dia após dia – retrucou a outra com sua voz sensual, seus lábios tocando o pescoço de Naru e depositando neles um beijo bastante ardente – por isso vive tão estressada.

- Kitsune... sério, eu não estou com tempo para isso agora – disse a outra em gemidos, pelo seu tom e pelo fato de não ter simplesmente saído dali era fácil presumir que ela tinha sim tempo para aquilo.

A mais velha apenas riu e começou a dar lambidas no pescoço de Naru ao mesmo tempo que suas mãos acariciavam os seios da garota e estimulavam-na por entre as pernas. Aos poucos os protestos de Naru foram cessando e a garota apenas se deixava tocar, deliciando-se com as caricias experientes de Kitsune.

Ali era sempre assim, uma pensão só de garotas, era completamente natural que uma hora algumas delas começassem a dar uns amassos. Kitsune era uma pervertida e, sempre que tinha a chance, aproveitava para deleitar-se com Naru. Não era que Naru não gostasse daquilo, por sinal estava gostando até demais, mas diferente de Kitsune ela tinha outras coisas para fazer e ficar transando a manhã inteira acabava com sua programação para aquele sábado. Naru relaxou o corpo, os toques de sua amiga a excitavam e a cada minuto que passava era mais difícil achar motivos para resistir. Ela por fim se entregou aos prazeres daquele ato. Kitsune sorriu e massageou com gosto os seios da amiga. Com sua boca dava beijos e lambidas seguidas no pescoço de Naru que suspirava de prazer.

- Então está gostando não está Naru? – havia malicia na sua voz, sua língua deslizando pelo pescoço da amiga.

Naru virou o rosto e beijou-a nos lábios, foi um beijo quente, cheio de desejo. Kitsune retribuiu, lhe felicitava saber que Naru estava caidinha por ela e que estaria disposta a sacrificar a manhã inteira de estudo para uma maratona de sexo.

Sua mão ainda explorava a vagina de Naru, masturbando-a, mas ela a retirou do meio das pernas da amiga e os levou a boca de Naru que chupou os dedos de Kitsune lascivamente de forma obediente e sensual.

- Vamos mudar de posição – disse dando um selinho em Naru – já está na sua vez de me dar prazer.

Naru concordou apesar de estar gostando de como as coisas estavam indo até aquele ponto. As duas saíram da água, Kitsune se sentou na grama abrindo as pernas e exibindo sua vagina depilada e molhada, Naru se colocou de quatro, engatinhando na direção da amiga como uma gatinha manhosa. Ela estava muito excitada e olhava com desejo para o meio das pernas da amiga. Se aproximou lentamente dando beijos e lambidas nas coxas de Kitsune.

- Isso, boa menina, boa menina – disse a mais velha.

Naru prosseguiu com suas caricias, seus beijos se aproximavam cada vez mais do meio das pernas de Kitsune até que sua língua finalmente deslizou pela pele macia da vagina dela. A garota soltou um gemido baixo de satisfação e acariciou os cabelos de Naru, retribuindo-lhe pelo trabalho bem feito.

Ela prosseguiu com as lambidas, sua língua fazendo caricias na vagina de sua companheira, Kitsune sentia o prazer que fazia todo seu corpo vibrar, ela adorava fazer aquilo. Não havia nada melhor do que sexo não importava se era com homens ou com mulheres. Aos poucos Naru foi lambendo outras partes do corpo da amiga, barriga, umbigo, até chegar aos seios e que seios. Kitsune possuia seios avantajados, pareciam duas melancias com mamilos rosados inchados. Ela os lambeu também, com muito prazer, chupou-os com força arrancando gemidos de Kitsune.

- Isso, muito bom!

Naru se empenhava mais e mais. A pele úmida de Kitsune era simplesmente perfeita para se chupar, deliciosa e suculenta. Naru chupava os mamilos com gosto, dando leves mordiscadas de vez em quando.

- Mas que merda é essa que vocês estão fazendo aqui?!

O encanto do momento parou e as duas se viraram para encarar uma Haruka muito mal humorada. Haruka tinha vinte e cinco anos, normalmente era calma, de poucas palavras, mas quando falava botava medo em tudo mundo. Não era a toa que conseguia colocar ordem em uma pensão cheia de garotas.

Seus cabelos eram pretos, um pouco longos descendo até os ombros. Ela trazia um cigarro na boca, normalmente estava fumando, era um habito que nunca havia conseguido largar e provavelmente jamais largaria.

As duas adolescentes ficaram extremamente desconcertadas, em especial Naru que fora pegue chupando os seios de Kitsune, de quatro, e com a bunda empinada apontada para Haruka. Ela retirou o cigarro da boca e soprou uma nuvem de fumaça. Seu olhar acusador recaia sobre as duas com o peso esmagador de sua irritação.

- Haruka nós... – Naru começou a se explicar atrapalhadamente.

- Quieta! – ela espetou a ponta do cigarro na bunda da garota que soltou um gritinho devido a queimadura leve que sentira – eu saio por alguns dias e quando volto vocês estão transformando minha pensão em um motel.

Não havia palavras para rebater aquilo e nenhuma das duas conseguiu pensar em algo para dizer. Haruka fitou as duas garotas e proclamou em seu tom imperativo que podia fazer até Buda tremer de medo.

- Não vou tolerar esse tipo de comportamento aqui. De quatro uma do lado da outra. Vou dar uma punição que vocês nunca vão esquecer.

Elas queriam contestar, mas ficaram tão assustadas que apenas obedeceram. Naru já estava de quatro e permaneceu onde estava, já Kitsune se colocou nessa posição ao lado da amiga como lhe fora ordenado. Haruka observou satisfeita as bundas das garotas, eram redondinhas e macias. Sem piedade deu um tapa forte em cada uma delas, arrancando gemidos das duas adolescentes.

- Bem, bem, bem... está na hora das mocinhas terem uma bela lição. Querem sexo? Vou fazer vocês sentirem tanto prazer que vão querer implorar para que eu pare – havia um divertimento maldoso em sua voz. Haruka também não era nenhuma santinha e iria aproveitar para se divertir um pouco com aquelas meninas malcriadas.

Ela se sentou de joelhos no chão e começou a masturbar as duas que soltavam gemidos abafados. Ela tinha belas garotas ali e iria se divertir muito com aquelas duas. Elas tinham muito tempo e aquela punição demoraria horas e horas. Haruka não tinha pressa, possuía duas garotas a seu dispor e as possibilidades para se divertir com as duas eram incontáveis.

18 de Novembro de 2019 às 15:37 0 Denunciar Insira 0
Fim

Conheça o autor

Lucas Vitoriano Ola, me chamo Lucas, adoro escrever, ver animes, jogar Magic the gathering, ler entre outras coisas mais rs. Sou particulamente fissurado em mitologia grega, meus autores favoritos são Neil Gaiman e Kazuo Ishiguro e, meu livro favorito, é As brumas de Avalon.

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Mais histórias

Nossa paixão clichê Nossa paixão clichê
Desapego Desapego
Not the Bra Not the Bra