Lua de Fel Seguir história

J
José Nicholav


Quando casou com Pedro era virgem, mas na noite de núpcias ela sentiu o quanto ele era capaz de ao mesmo tempo dar prazer e ser maquiavélico. Totalmente inocente, foi submetida a experimentar o que é ser de muitos, na lua-de-fel.


Erótico Para maiores de 21 anos apenas (adultos). © José Nicholav

#hot-fetiche
0
564 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Primeira Noite

Era madrugada, olhei para o lado da minha cama e lá estava ele, dormindo tranquilo, enquanto eu sentia dores por todo o meu corpo. Adormeci. No dia seguinte acordei assustada. Olhei para o relógio. Meio dia. Dormi pouco, mas depois da festa de casamento era esperado.

Levantei-me e vi que estava com marcas no meu corpo. Pensei no que pudera ter sido, mas nada vinha em minha mente.

Enquanto me dirigia para o banheiro fui surpreendida com um bilhete em cima de uma escrivaninha.

- "Para a pessoa que não sabe quem eu sou... ainda..."

Pouco me lembrei da noite passada, somente que saí de casa como Pedro. Mas sabia que na noite anterior não foi tirado somente a minha virgindade, parecia que tinha um oco dentro de mim. Mesmo assim, quando eu lembrava do Pedro eu queria ele de novo.

Ouvi passos. Fui para o banheiro.

- Onde você está? Cadê esta pessoa safadinha? - Sorriu alto.

- Já vou. - Gritei com tom de sensualidade.

Procurei ser rápida. Fiz uma ducha interna para não correr nenhum risco, pois queria quando ele chegasse, me achasse limpinha. Ele me aceitou como sou, uma virgem, insegura, inexperiente. Eu não podia decepcioná-lo. Me hidratei e voltei para o quarto com a ideia fixa de me entregar para ele. Saí e fui procurá-lo. Ele estava sentado na varanda, mas sorrindo, como se estivesse conversando com outra pessoa. Percebendo a minha presença falou:

- Fique aí. Tenho uma surpresa para você.

Levantou, chegou perto de mim e me deu um selinho. Disse que eu tinha passado na noite anterior com nota 5, mas agora seria a hora da verdade, se eu era dele mesmo.

- Claro que sou. Você me aceitou como ...

Não me deixou completar a resposta e nem abraçá-lo. Me afastou com as mãos e me jogou sobre a cama.

- Quanto você aguenta levar na bunda sem reclamar heim? Eu enfiei tudo na tua buceta, com vontade... Mas eu quero saber se aguenta muita rola neste cu e levar muita gozada.

- Pedro. Você sabe que eu, eu ..

- Tira esta roupa. Aliás, não... tira somente esta calcinha.

- Mas Pedro, eu pensei que você.

- E pensou certo. Eu vou comer você até ficar estourada. Você vai gostar, não se preocupe.

Levantou a minha saia.

- Puta merda. Que bunda linda você tem Brenda.

Olhei para ele com uma carinha de malandra e pensei que ele me amaria, me faria carinhos, me mostraria coisas novas como um homem faz à sua mulher.

- Vou acabar com você. - Disse com muita fome de sexo. - Aliás, vamos ...

Olhei para a varanda e vi cinco rapazes másculos vindo em minha direção. Quis me levantar, mas Pedro me segurou. Ele estava tão louco de prazer que não percebeu que tinha deixado a porta da varanda aberta. Alguns vizinhos somente ouviriam, mas outros viriam ele e os outros me fudendo.

Ele tirou a bermuda e começou a esfregar sua pica na minha bunda.

- Fique quieta. Eu vou com calma... muita calma...

Obedeci e senti o pau dele crescer entre as minhas nádegas. Eu o queria, mas somente ele e não todos aqueles homens. Pensando que ele estava brincando comigo e seria somente um fetiche de querer os seus amigos me verem nua e ele me comendo, pedi para entrar na minha buceta.

- Entra meu amor. Bem gostoso como ontem à noite.

De repente, ele segurou forte pela minha cintura e posicionou a cabeça contra o meu anelzinho. Avisei a ele que nunca tinha feito isso, mas ele disse que faria com muita calma. Mas sem dó, enfiou com tanta força que gritei alto, muito alto. Ele metia com tanta força que eu puxava o pano da cama, quase o rasgando.

Depois de tanto mexer forte dentro de mim, depois de estar completamente dominada e enrabada por ele, eu podia sentir orgasmo dele se aproximando rapidamente, mas ele segurava... E depois enfiava novamente. E assim foram várias vezes até que enfiou tão fundo no meu cu que senti o seu esperma sair e ficar preso dentro do meu ânus.

- Ahhhhh!!! - Gritou como um leão. - Que bunda gostosa..

Tirou rapidamente de dentro de mim e disse para eu não me mexer.

- Agora é a vez de vocês rapazes. Aproveitem. - Deu gargalhadas.

Quis me levantar, mas ele me segurou pelo cabelo.

- Você não me quer como marido Querida? - Disse olhando nos meus olhos e beijando a minha face.

Respondi que sim com a cabeça.

- Então. Para ser minha vai ter quer passar pelo teste do rabo. Quanto mais aguentar, mais desejo eu vou ter e você será minha, para sempre - Sorriu dizendo. - Aceita?

- Sim. - Minha voz estava embargada, mas eu queria satisfazer o meu marido.

Fechei os olhos e sem saber qual era dos homens somente sentia o tamanho e o volume diferenciado de cada um. Os gemidos eram inevitáveis e quanto mais eu gemia mais eles saboreavam o momento, sorriam e me fudiam.

A sequência era assim, enquanto um me possuía, os outros ficavam esperando a vez. O gozo de se misturavam dentro de mim e ao mesmo tempo escorriam pelas minhas pernas.

Pedro, sentado, olhando para tudo aquilo, sorria com prazer para mim e pagava no pau como se fosse masturbar. Eu sabia que ele queria aquilo, estava lhe dando prazer.

Cada um queria ser melhor que o outro e quando todos ficaram satisfeitos, sairam de perto de mim. Eu deitada de costas sobre a cama, ouvi a voz de Pedro:

- Agora sou eu, de novo meu amor. Você me quer?

Fiquei muda.

- Não quer o seu marido? - Falou alto.

Balancei a cabeça afirmando. Ele passou a mão no cabelo e disse aos seus amigos.

- Quero um favor de vocês rapazes, se não estiverem cansados. - Sorriu.- Enquanto eu enfio neste cu que já está abertinho para mim, quero que gozem novamente, mas agora, na boca dela. Vai me dar tesão ver esta cena.

E assim foi feito. Enquanto ele tirava e colocava o seu pinto grosso alternando na minha buceta e no meu cuzinho, os amigos dele enfiavam a rola na minha boca enchendo com leite. Pedro gozou umas duas vezes, nesta rodada, até que antes da última, tirou rapidamente de dentro do meu ânus e enfiou na minha boca, colocando todo o seu gozo dentro da minha garganta.

- Ahhhhh!!! Que delícia.

Eu estava sobre a cama, jogada, sem força. Vi os rapazes se vestindo. Na porta, quando se despediam de Pedro, ouvi um perguntar.

- E aí? Vai continuar dando a tua mulher para a gente? Ou foi somente um presente de lua-de-mel?

Pedro sorriu, fechou a porta e a trancou. Me deu um beijo no rosto, me levou para o banheiro, me deu banho, penteou o meu cabelo, me vestiu e me colocou para dormir. Eu não queria falar nada, meus pensamentos estavam turvos, mas fui vencida pelo cansaço e adormeci.

.....

De madrugada acordei com o pau do meu marido enfiando na minha bunda. Gemi. Olhei para o redor e novamente, pessoas, mais pessoas... dez homens.

Pedro sorriu para mim.

- Você quer?

Sou toda sua Pedro. Faço o que você quiser.

5 de Novembro de 2019 às 17:02 0 Denunciar Insira 0
Fim

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Histórias relacionadas