Rob(ô)erta Seguir história

_pat _pat ‘zero_zero

O tempo todo vemos pessoas entrarem no automático e se comportarem cada vez mais feito máquinas. Tornando-se frias e incapazes de distinguir um comando real de um comando automático produzido em nome do ódio e da vingança. Foi o que aconteceu com Roberta.


Poesia Sátira Todo o público.

#poética #robô #roberta #poesia
Conto
0
767 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único

Roberta fica esperta

Tem um letreiro em neon

Escrito “sem noção”

Na sua testa.


Robô, Roberta

Quer amor,

Mas cheia de ódio

Ela está coberta.


Roberta-Robô

Não sabe que fim levou

O cérebro de sucata

Que nunca funcionou.


Programação com defeito

Não sabe sequer escrever direito

Finge que é real, humana

Mas não tem noção do conceito.


Roberta

Robô

Cheia de graxa

E ferrugem

Com vírus no sistema

Você,

Se desconfigurou.


Robô

Roberta

Nem o melhor técnico

Te conserta.


O defeito é de fábrica

Piorou com o tempo

Não há qualquer chance de cura

Nem mesmo com mágica.


Rob(ô)erta

Obsoleta e coberta

De graxa, ferrugem e um pouco de merda

Roberta

Nenhum técnico te concerta

Robô

Finge que é humana

Mas é fria, feia e dura

Uma máquina sem cérebro e coração

Em um corpo de lata


Pobre criatura,

É uma verdadeira sucata.

2 de Novembro de 2019 às 19:00 0 Denunciar Insira 1
Fim

Conheça o autor

_pat ‘zero_zero "o homem planeja e Deus ri." - ditado lídiche

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~