Início de um recomeço Seguir história

riwsaa Riwsaa L.

Pobre destino se você me perguntar, ele é um espírito poderoso, uma alma que está trancada em um lugar onde o tempo, o espaço e a matéria não tem sentindo. Solidão é o que eu vejo e eu me sinto triste por ele.


Fantasia Todo o público.

#suspense #mistério #sozinho #abismo #Oser #Matéria #Riwsaa #Cristais
3
1.0mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 15 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Introdução

Em uma escuridão, nasce uma luz bem pequena que ofuscava no vasto abismo. Lá se encontrava o futuro. Em segundos se transformou em algo totalmente diferente que ninguém nunca viu, em pouco segundos vai se evoluindo em várias formas até se criar. Ele estava parecendo maior, com o peito estufado, postura ereta e as pernas paralelas acima do ombro, se mantendo rígido, uma figura Humanoide. Seu rosto estava raso, pois então, olhos para ter uma visão panorâmica de tudo, e sua boca e seus ouvidos... para que iria ter uma boca e ouvidos? Ele ficou parado por um momento e se perguntou por onde ele estava? Por que ele está ali? Quem o criou? Quem era ele? O que ele estava fazendo ali? Ou o que ele iria fazer ali? Muitas perguntas para serem feitas, mas nenhuma para ser respondida.


Ninguém poderia responder as suas perguntas, pois ele estava sozinho. Sozinho, no vasto abismo cinza, onde o branco de sua feição estava destacando.
Ainda não tendo respostas, ele decidiu pensar. Naquele profundo abismo ele estava sozinho, ele estava flutuando, então não tinha uma superfície para ele poder andar com suas pernas. Olhou para si mesmo " Minhas pernas!" Pensou. Ele criou sua forma física conforme o seu desejo então significa que ele pode fazer algo conforme o abismo? Pegou sua mão direita aberta, olhou para ela e em seguida a fechou. Em sua frente abriu um buraco que em segundos o abismo tinha a superfície que o ser tanto desejava. A superfície não estava certa, ela não estava se adaptando ao abismo, nisso o ser levantou a mão esquerda na altura dos seus ombros, e o profundo abismo tinha sido totalmente desfigurado. Em poucas ações podíamos ver do que era feito o abismo, de uma matéria nunca vista. Ele era rígido e ao mesmo tempo líquida, ela se adaptava de acordo com que o ser mandava e até transformava em coisas inimagináveis. Estava tudo restruturado, havia locais mais fundos e outros mais densos, superfícies flutuando e assim por diante.


Tudo em seu devido lugar, o ser se aproxima de uma superfície onde ele concentrou a tal matéria em um local alto, para assim se sentar. Tendo sua postura reta com as suas mãos em cada lado, fazendo com que o local se adeque se transformando em seu aposento. E assim sentado ele ficou, encostou sua mão em seu queixo e ficou a observar o abismo. Não sabia ao certo o que ele iria fazer depois de se levantar, mas ele iria pensar em alguma coisa.


Pobre destino se você me perguntar, ele é um espírito poderoso, uma alma que está trancada em um lugar onde o tempo e a matéria não têm sentido, solidão é o que vejo e eu me sinto triste por ele.


Depois que reestruturou o abismo, ele estava completamente irreconhecível. Montanhas, planícies flutuando, locais que poderiam ter uma grande queda e até não poder ter chão. Mas somente naquele lugar cinza, sua matéria era completamente diferente, ela se destacava com cores aleatórias. O ser se levantou e foi caminhando ao uma parte que se encontrava a matéria.


Branca, amarela, rosa, vermelha, todas as cores que tinha por direito. O ser se abaixou, pegou-a e ficou olhando para o pedaço de pedra transparente que tinha todas as cores com algumas coisas brilhosas se mexendo. Se levantou e pensou "O que é isso?", no mesmo momento a pedra rígida se transformou em um líquido e se espalhou nas brechas de sua mão, ao cair no chão viraram pequeninos cristais, uma com cada cor individual e cada forma diferente. No total haviam 7, vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, índigo e violeta. Se abaixou novamente e esticou o braço para pegar um cristal, mas quando olhou para sua mão, metade dos seus dedos estavam cinza com as pontas pretas.


Ele ficou olhando para as mãos e pensou o que teria feito isso, então percebeu que as únicas coisas que tinha feito era somente tocado na matéria. Não tinha certeza se realmente foi a matéria que tinha feito isso, comparou a outra mão e a outra estava branca, sem nenhuma mancha cinza ou preta. Pensou na possibilidade de estar somente no abismo e foi uma reação para ter essas manchas, olhou para seus pés e estavam cinza. "Por que?" Olhou para mão branca, percebeu que em nenhum momento ela tinha tocado na matéria do Abismo. Então o que era o Abismo? Uma prisão para ele? Para ele morrer?


"Não faz sentido" pensou, "Qual sentido de estar preso em um lugar em que eu consigo controla tudo? " Novamente perguntas que não poderiam ser respondidas. E lá ele estava novamente perdido, o que iria fazer com aqueles cristais? Mas o que eram aqueles cristais?


Se abaixou perto dos cristais e sentou-se no chão. Olhou para os cristais e pensou sobre as manchas. "Não posso perder tempo, se esse lugar está me danificando por estar junto com esses cristais, tenho que fazer alguma coisa a respeito disso. Mas primeiro o que são eles? " disse o ser observando os cristais de cores diferentes, nisso ao elevar sua mão e com um simples estralar de dedos aparecer um graveto e assim ele estava mexendo nos cristais. "Cada um tem um cor e forma diferente, cores fortes, quentes e frias se interligam em si contendo 7 cores." O ser observava os cristais detalhadamente, assim podendo saber o que poderia ser. O ser sabia que eles não eram normais, pela forma que eles se adaptavam conforme o abismo.


Percebendo que pouco sabe dos cristais, O ser precisava testar como eles reagiriam individualmente, se eles eram realmente poderosos e em um impulso o ser tocou no primeiro cristal que estava em sua frente. Ao tocar o ser foi levado para uma dimensão completamente estranha, lá estava mostrando visões dele em primeira pessoa. Com um impulso seu corpo se chocou com uma força extrema, estando na dimensão seu corpo não era mais reconhecido, a gravidade estava deformando suas moléculas. O ser estava sendo sugado pela gravidade, em um vai e vem, sentia-se leve e em seguida pesado, mas com ao passar das imagens estava reconhecendo algumas coisas que ele já tinha visto ou até tinha feito, mas não sabia como se chamava ou não sabia o motivo de ter feito isso, em segundos bilhões de coisas vieram em sua mente, Ele estava lá. O ser reconhecia aquela pessoa, sentia ódio por ela, até que outra imagem veio a sua mente “ Eli ”. O ser por sua vez estava com um pressentimento de que suas respostas estivessem prestes a serem respondidas, até que em um piscar de olhos ele estava sentando diante dos cristais novamente, e sua mão estava a tocar o cristal vermelho.


- Eu estive te esperando por tanto tempo.


Em instantes o silêncio do vasto Abismo é quebrando.


- Por onde você esteve?


Faz pouco tempo que está no abismo, mas para ele é como se fosse a eternidade que ele não ouvia ninguém, apenas seus pensamentos. Agora alguém ou alguma coisa estava se comunicando e ele não sabia como reagir. Ele olhou para os lados e nada.


- Estou aqui. O ser olhou ao redor novamente e nada. Quem estava falando com ele? a única certeza era que sua voz era de um homem, aparentemente jovem? Ele não saberia, mas não era desconhecida.


- Olhando para todos os lados, você nunca irá me encontra- a voz começou a falar novamente - Se quiser conversar comigo deveria pelo menos ter algo para comunicarmos, não é mesmo?


O ser percebeu que ele não tinha uma boca e muito menos ouvidos. Ele ainda sentado, pegou a sua mão que estava manchada e passou na parte inferior de seu rosto assim trazendo uma abertura que seria a sua boca. Assim fez também aos lados de seu rosto trazendo os ouvidos. Ao fazer tal ato, o ser conseguiu ouvir o silêncio do abismo, como também ouvir as rochas que estavam sendo restruturadas pela força da gravidade.


- Quem é você?- perguntou o ser.


Em um momento tudo ficou em silêncio. O ser ficou atento e com esperanças no que a voz iria responder, ele queria que suas perguntas fossem respondidas. Queria saber por que estaria ali, naquele lugar.


- Sou o primeiro a conversar com você?- perguntou a voz ignorando completamente a dúvida do ser.


O ser balançou a cabeça em afirmativa.

- Quem está conversando comigo? - o ser perguntou com atenção por onde olhava.


- Está sozinho? - Rapidamente perguntou novamente ignorando a pergunta do ser.


Estando impaciente e vendo que nenhuma de suas respostas seriam respondidas o ser se levantou em um impulso e falou alto:


- Você vai me responder? -Disse o ser. Ele ficou a esperar uma resposta da voz e nada- As únicas coisas que quero são respostas, está bom? - Continuou e nada - Quem eu sou? Onde estou? Por que eu estou aqui? Por que eu estou ficando com manchas negras nas partes do meu corpo? Eu estou morrendo? O que eram aquelas visões? Quem eram aquelas pessoas? Quem é Eli? E onde você estar?


- Abaixo de você - no mesmo estante o ser olhou para baixo e o que ele via era somente os cristais - Sou o vermelho, me chamo Rody - o ser ficou a observar o cristal vermelho ele não estava brilhando como os outros ao seu redor, estava apagado.


- Você é um cristal? - o ser disse sem acreditar. Quem pensaria que o primeiro a conversar com ele seria um cristal. Um pequenino cristal misterioso.- Esse cristal? - disse pegando o cristal vermelho.


- Está debochando de mim?- disse com um tom de raiva.


-Não,-Disse o ser- Eu apenas não, acredito que seja você.- disse sincero.


-Olha aqui! Não deveria falar comigo desse jeito está me ouvindo? Sou mais poderoso que você possa imaginar.- disse Rody começando a sentir raiva.


Ao perceber o que Rody falou, teve absoluta certeza que os cristais eram poderosos. Pensou sobre Rody, ele sabe de coisas, e até poderia saber quem era ele. Mas o pouco tempo que ele esteve conversando com Rody, ele só sente raiva e fúria, sempre com o sentimento de contra-atacar Rody.


- Poderoso? Imagino - disse sarcástico-Se fosse tão inevitável, não seria pequenino e estaria em um cristal - O ser estava agindo por impulso.


- Como ousa? - em instantes o cristal vermelho foi elevado na altura do ser, criando uma aura vermelha em forma idêntica ao do ser, só com uma diferença ela era maior. Com o impulso O ser se assustou, mas não se intimidou e ficou rígido em seu lugar- Você deveria saber com quem está lidando seu moleque, sou um dos cristais mais poderosos, inevitáveis que alguém já viu. - Se aproximando Rody, colocou sou mão em seu ombro e aproximou o seu rosto- E não é você um ser inútil que vai contradizer isso. –O rosto do Rody estava tão próximo que O ser conseguia ver a tenção que em seu olhar.


‘ Um ser inútil ’. Quando ditada, foi um ponto chave para o ser saber que Rody sabe de coisas, e até mesmo saber como o ser foi parar lá. Então decidiu que fosse necessário provocá-lo ou enfrentá-lo, mas não iria se intimidar com as ameaças de Rody, na verdade ele iria aproveitar, pois Rody poderia comentar algo importante.


- “Um ser inútil”– disse O ser - Como poder afirmar isso?


Rody tirou a mão, que estava em cima do ombro do ser, e mostrou um sorriso. Um sorriso que nunca tinha visto. Que em seguida se elevou em uma gargalhada barulhenta, virando as costas para o ser, assim se distanciando. O ser não estava entendendo o que estava a se passar e até se perguntou se falou algo engraçado.


- Olhe ao seu redor -Disse Rody com o sorriso em seu rosto virando-se para o ser, com os braços abertos – Você nem sequer sabe onde está, imagina saber quem é você”


O ser sabia eu ele estava certo. O ser não sabia quem era ele e muito menos onde estava. Então Rody continuou:


- Como falei, você é um simples ser fútil, inútil para mim, para os outros, para este lugar e universo- disse Rody gesticulando com as mãos- Eu tenho misericórdia dos outros, por te colocarem aqui. Eles sinceramente não deveriam te ver assim- disse Rody olhado fixamente para os olhos do ser-desse jeito. - terminou Rody demostrando o total desprezo. Oser ouvia atentamente as palavras de Rody, até mesmo seus desgostos da parte de Rody.


O ser então foi colocado aqui? Neste lugar, por que? E por quem? Não fazia sentido, por que iria controlar um lugar que não fosse meu? Só se ele fosse feito por mim? Não saberia ao certo. Universo, ele estava em um universo. Então era do universo que o ser tinha tirado aquela superfície?


- Impressionante -Disse o Ser ao pensar mostrou um sorriso de vencedor. Rody por sua vez não entendeu o porquê dessa reação. Suas respostas estavam sendo respondidas, mas outras sempre ocupavam seus lugares. Então por que O ser era inútil para Rody? Ou para os cristais? O ser pensou e pensou.


“ - Eu estive te esperando por tanto tempo."


A primeira coisa que Rody falou ao ser. Tudo o que ele fez, como se criar neste lugar que continha a matéria dos cristais, ele que descobriu a matéria, ele deformou a matéria, ele criou os cristais, foi para encontrar os cristais, até podendo se corromper. Os cristais eram predestinados para O ser. Significava que os cristais eram para serem usados a favor do ser. Mas como? O ser não sabia, mas tinha a completa certeza que Rody estava errado, completamente errado.


-Qual a graça?


O ser então foi interrompido de seus pensamentos por Rody e sua cara de desgosto.


-Você sabe o que está fazendo aqui?- Agora era vez do ser, intimidar Rody.


Rody por sua vez, ficou calado. Essa não era a reação que O ser espera, principalmente dele por sempre ser o primeiro a atacar, agir ou ficar furioso. O ser não sabia por que ele ficou calado, talvez para não saber dos cristais? Por que dessa reação?


-Não vai falar nada? – insistiu o ser- Eu sei muito bem o porque de vocês estarem aqui.- Disse olhando para os cristais.


O ser não sabia por que ele ficou calado, talvez para não querer que o ser saiba dos cristais? Ele estava com raiva mas não falava nada. O ser por sua vez gostava de analisar as reações de Rody, pois ele sempre está cheio de surpresas. Pelo pouco tempo que estiveram juntos O ser observou como Rody reage a cada conversa, sempre irritado, furioso, ele não tinha medo, ele transmitia o medo. Violento a palavra que o define, sempre transmitindo esse sentimentos .


Se aproximando de Rody continuou:


-Você está errado, completamente errado sobre as suas informações relacionado a mim- disse encarando Rody , cara-a-cara- Não sou um ser inútil para você ou para os olhos.- disse em uma voz calma. Em segundos a feição de Rody mudou.


-E quem é você?- Disse debochando – Você não é nada sem mim. Como eu tinha dito e estou falando agora, sou inevitável para você- Em seguida Rody coloca seu dedo apontando para a cabeça do ser- você não sabe nada do que esta falando ou pensando. Sinceramente você nem deveria acreditar em si mesmo.


Tudo o que Rody falou não fazia sentido. Nada. Estão apenas ignorou.


-Você sabe o que está fazendo aqui?- e nada de Rody responder- Sabe quem o criou?


-Sei.


-Não sabe. Você apenas sabe quem foi que te mandou aqui.- a feição de Rody mudou com as palavras do Ser.


O ser percebia o quanto Rody é feroz e poderia ser perigoso para ele, mas algo o ser já percebia há tempo, ele não conseguia dialogar. Digamos que Rody, sempre ficava com raiva por algo fútil e não conseguia pensar nas coisas e muito menos falar, partiria primeiramente para força. Assim demostrava como Rody era, um homem forte e grande mas com o pensamente de uma ervilha.


- Você tem dúvidas e você não é o único - começou O ser - estamos no mesmo barco Rody, você e eu podemos juntar todas as informações assim os dois iríamos estar ganhando- Rody ouvia atentamente o que o ser ouvia- você entende?


-O que eu ganho?- Rody já falou rapidamente.


- Respostas? - disse sarcástico.


O ser tinha seus limites, mas sempre que Rody falava algo sem pensar ele não sabia se controlar.


Rody passou segundos pensando.


- Como vim para aqui?


O ser então tentou recordar do primeiro momento que ele ouvia Rody.


-Você provavelmente apareceu quando toquei no cristal vermelho, agora minha vez.


Rody balançou a cabeça como afirmativa.


O ser pensou qual séria a primeira primeira pergunta. Deveria perguntar do lugar se Rody reconheceria, mas sua pergunta já foi respondida. Rody não sabia como foi parar neste lugar. Talvez ele saberia quem era Eli? Ou oque eram os cristais? Então recordou das visões, ele ao tocar no cristal vermelho ele viu aqueles visões, então Rody viu também?


- Quando eu te invoquei - Rody estava ouvindo atentamente- Você sentiu ou observou algo diferente?


Rody estranhou a pergunta, mas em seguida respondeu:


-Não, nada fora do normal. Apenas quando falei algo você tinha saído de um transe e em seguida ficou parado por um momento.


É claro. Apenas o ser tinha visto aquelas visões até se recordado das duas pessoas que ele provavelmente conhecia. Então apenas ignorou as pergunta relacionada a ele e decidiu perguntar sobre os cristais.


-Minha vez- disse Rody- quem me criou?


Essa era a pergunta que o ser esperava. Como Rody reagiria se descobrisse que quem criou foi o ser?


- Eu - Falou calmamente com o queixo erguido colocando suas mão pata trás demostrando seu peito estufado.


-Como ?- disse Rody, por sua o ser já tinha uma justificativa.


-Minha vez de perguntar.- disse ignorando Rody e indo onde os cristais estavam- Eles têm uma forma individual de pensar, falar, ou agir?


-Tem mais de uma pergunta!- exclamou Rody ficando com raiva.


- Os cristais foram feitos por mim. Ao me criar neste abismo, reestruturei ao meu favor para ele tivesse uma superfície,-Disse virando para Rody, que ainda estava imóvel em seu lugar- Essa superfície que você está aqui em pé. Assim fazendo para que esse lugar fosse meu. Com isso observando este local, vi do que era feito.-virou-se novamente para olhar para sua mão aberta. Ela agora estava com todos os dedos negros apenas com a metade da mão cinza. Já a outra mão estava começando a ficar do mesmo jeito - Esse material de diversas cores, que se encontra em rachaduras nessas planícies.- Então o ser pensou em um nome para denominar a tal matéria-"Éfily" é como se chama a matéria. Ao pegar ela derreteu em minha mão e se espalhou nas brechas de minha mãos, assim caindo no chão e se transformando nos 7 cristais.


Rody ficou quieto, e o ser ao ver sua quietude perguntou:


-Então Rody, você não respondeu minha pergunta- disse virando-se- Me fale sobre os cristais.

13 de Outubro de 2019 às 21:15 5 Denunciar Insira 4
Continua… Novo capítulo A cada 15 dias.

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
tiago líreas tiago líreas
Os sete cristais são de exatamente o mesmo número e exatamente as mesmas cores das almas humanas do Undertale. Se for coincidência, é uma das grandes. Deixando isso de lado,fiquei animado pra ler o resto. A narrativa parece seguir a mesma linha esotérica dos meus textos, descrevendo um protagonista confuso e sem saber seu propósito de existência. Curti mesmo!

  • Riwsaa L. Riwsaa L.
    Sobre undertale eu não sabia que eram sete kkkkkkk. Sobre as cores eu me inspirei no arco-íris e na psicologia das cores. Obrigada! 2 weeks ago
  • tiago líreas tiago líreas
    https://vignette.wikia.nocookie.net/vsdebating/images/2/22/What-type-of-human-soul-from-undertale-have-you-g-2-8394-1456540382-13_dblbig.jpg/revision/latest?cb=20170514224439 Bem, talvez o Toby Fox também se tenha inspirado na mesma base u.u 2 weeks ago
  • Riwsaa L. Riwsaa L.
    É talvez sim u.u 2 weeks ago
~

Histórias relacionadas