A VIAGEM Seguir história

debrittus Maykow Debrittus

A viagem dos meus sonhos...


Conto Todo o público.
Conto
1
1.0mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

A VIAGEM

Acordo com o som do despertador, meu corpo pede por mais um tempo na cama, mas cada segundo de atraso significa uma oportunidade perdida.

Levanto com o maior cuidado para não acordar minha esposa e meus filhos. Sou casado há dez anos e sempre digo para todos que ganhei na loteria ao encontrar uma companheira tão dedicada, amorosa e apaixonada. Por mais que a situação possa estar difícil ela está sempre de bom humor e feliz. Além disso, ao seu lado realizei meu sonho de ser pai, tenho duas crianças maravilhosas.

Sempre vou para o trabalhado caminhando e não demoro muito a chegar. Fui o primeiro a chegar e, sempre que isso acontece, tenho um bom dia. Ao chegar me deparo com um panfleto com os seguintes dizeres: Conheça Maragogi e desfrute de uma das melhores praias e piscinas naturais do Brasil!

A manhã passa rapidamente, durante a tarde o sol está forte e não dá descanso algum, aquela temperatura me faz pensar novamente naquele panfleto, coloco a mão no bolso, retiro o panfleto e o leio novamente, fecho os olhos e...

Decido sair mais cedo do trabalho, passo na agência de viagens e compro um pacote de viagem para toda minha família, vamos para Maragogi daqui a dois dias, minha esposa, apesar do susto vai amar e meus filhos, por mais que eu tente não consigo imaginar o tamanho da alegria que ficarão quando souberem.

Dessa vez apresso o passo para chegar mais cedo em casa. Assim que chego vou logo procurando minha esposa para contar a novidade:

— Meu amor!

— Oi amor, chegou mais cedo hoje! O que aconteceu?

— Tenho uma ótima noticia para você e para as crianças. Falando nelas... onde estão?

— Elas estão brincando com o filho de Dona Maria. Vou lá chamá–los. — não demora muito ela retorna, Clarice tem oito anos e Tadeu seis, eles são minha razão de viver e lutar a cada dia da minha vida.

— Oi papai!

— Oi minha princesa linda.

— Oi papai lindo!

— Oi meu príncipe lindo.

— Olha o papai tem uma surpresa para todos vocês. Daqui a dois dias iremos viajar, e não vai ser uma viagem qualquer, iremos para Maragogi de avião. — será a primeira vez que viajaremos de avião, na maioria das vezes sempre fomos de ônibus.

Durante algum tempo não consegui escutar nada a não ser gritos. Os meninos corriam de um lado para o outro e se abraçavam a todo instante, pude ver a emoção nos olhos de minha esposa, algo que não via há muitos anos.

Meu coração batia acelerado como nunca havia acontecido, depois de vários anos de dificuldades financeiras enfim poderia levar minha família para umas merecidas férias. Aquele dia ficou marcado na minha memória e em meu coração.

Os dias seguintes foram acelerados, Laura arrumava as malas e cuidava de todos os outros preparativos para a viagem, enquanto isso ainda teria que trabalhar mais dois dias, mas logo o dia tão esperado chegou.

Ficaríamos sete dias em Maragogi. A localização privilegiada da cidade, 130 km de Maceió e de Recife, nos permitia um passeio inesquecível, não só por ela, mas por outros pontos turísticos.

Aliás, já havíamos criado todo nosso roteiro, os passeios, as praias que iriamos conhecer, o mergulho nas piscinas naturais. Olhando a lista e tudo o que faríamos, sete dias parecia pouco para tamanha disposição que demonstrávamos.

Contudo, para minha família, que esperou por esse momento durante anos, seria uma eternidade. Cada instante ficaria marcado na memória de cada um de nós!

Chegamos ao aeroporto, meus filhos não tiravam os olhos dos aviões que chegavam e decolavam, não só eles, eu e Laura também estávamos perplexos de tanta alegria.

Entramos na fila para fazer o check-in e não demorou muito estávamos embarcando. Laura sentou-se ao lado de Clarice e fiquei ao lado de Tadeu. Na decolagem não pude deixar de sentir aquele frio na barriga.

O avião acelerando na pista, a mesma acabando e quando parecia que não daria tempo eis que o bico empina e decola. A pressão nos ouvidos gera um incômodo momentâneo. Ao observar a paisagem pela janela do avião, olhos nos olhos de todos vejo a satisfação impregnada.

Depois de 1h 30 de viagem aterrissamos no aeroporto Zumbi dos Palmares na cidade de Maceió, de lá percorremos aproximadamente 124 km de ônibus até Maragogi.

Após quase duas horas de viagem enfim chegamos ao Resort. O local era maravilhoso, nunca na minha vida achei que conheceria tal lugar, meus filhos não se contiveram e gritaram de felicidade, enquanto fazíamos o check-in.

Eles correram até o parque aquático, havia várias piscinas de todos os tipos, algumas térmicas outras de raia para a prática de natação, bar molhado, uma escadaria de madeira que conectava a praia ao hotel, era tudo perfeito.

O local ainda possuía três restaurantes, cinema, pizzaria, restaurante francês e japonês, pista de atletismo, quadras de tênis e futebol. O lugar era ideal para desfrutar da tranquilidade.

A primeira coisa que notei foi o número de estrangeiros que estavam no Resort: holandeses, americanos, italianos, japoneses, argentinos. Era uma união de povos reunidos em um só local. Todos de forma muito cordial.

No primeiro dia resolvemos ficar no local e aproveitarmos todas as piscinas, ao entardecer fizemos um passeio pela praia. Toda vez que olhava para minha família meu coração acelerava, quanto tempo esperei ver essa alegria em seus olhos e poder, enfim, realizar esse sonho era algo que me emocionava, não me contive e lágrimas escorreram pelo meu rosto.

Durante os sete dias fizemos passeios maravilhosos, estivemos em Natal, andamos de bug e escorregamos pelas dunas, descemos de tirolesa, passeamos por Maceió e conhecemos suas belas praias, aproveitamos as comidas típicas de cada região: peixes e frutos do mar, camarão no molho de coco, lagosta na manteiga de garrafa, pata de caranguejo, caldinhos de sururu, carne de sol, dentre outras delícias.

Aproveitamos a visita a Maceió para conhecer suas feiras livres e experimentar as frutas típicas do local tais como: mangaba, cajá, pinha, jaca, caju, dentre outras maravilhas encontradas.

De todos os passeios que realizamos o mais incrível foi o que fizemos até as piscinas naturais, localizada aproximadamente a 6 km da costa. No dia agendado o tempo estava bastante fechado e com várias nuvens em alto mar e podíamos notar até alguns relâmpagos.

Embarcamos por volta das 9h em uma balsa chamada Catamarã e seguimos em direção ao alto mar, na medida em que o barco avançava não pude deixar de notar que iriamos nos aproximando da tempestade.

Questionei um dos integrantes sobre ela, mas o mesmo disse que conforme a direção do vento a tempestade estava se afastando e chegaríamos ao local com sol. Realmente ele estava com razão, ao chegar, o sol brilhava como nunca, descemos e ficamos em um banco de corais, a sensação era incrível, estar com água na cintura, olhar para todos os lados e só enxergar água.

Tivemos a oportunidade de ver peixes de todas as cores, nunca havia visto algo parecido, todos eles vinham até nós com a esperança de conseguir algum tipo de alimento. Chegou um momento em que tivemos a oportunidade de deparar com uma arraia bem próxima. Na hora ficamos todos com muito medo, mas fomos alertados para permanecermos quietos que ela seguiria seu caminho sem problema algum e assim aconteceu.

Passamos ali um dos melhores dias de nossas vidas, todos sempre sorrindo, felizes e alegres, por um tempo esquecemos todos os nossos problemas e dificuldades que a vida nos impusera durante tanto tempo.

Permanecemos ali durantes algumas horas até que pudemos notar que a maré começava a subir e fomos alertados para todos voltarem ao barco. Retornamos lentamente para aproveitar cada segundo daquela visita e daquele local abençoado por Deus.

Quando chegamos ao barco as águas já estavam bem acima da cintura, entramos e pudemos notar que já não enxergávamos mais os corais, a maré já havia coberto todo o local, agora era somente água e mais nada. Retornamos com o corpo cansado, mas com a alma lavada de tanta alegria.

Chegou a tarde do último dia, aproveitei para fazer uma caminhada sozinho pela praia, queria pensar em tudo que passamos, na minha decisão de fazer essa viagem, na alegria da minha esposa e dos meus filhos, nos passeios maravilhosos que tivemos a oportunidade de fazer, experimentar todas as comidas típicas da região e viver esse momento especial. Parei em frente aquela imensidão de oceano e fechei os olhos.

— Acorda Carlos! O que você está fazendo de olhos fechados? Sonhando novamente?!

Abri meus olhos e notei a diferença na paisagem, no lugar daquele oceano lindo e maravilhoso, havia uma imensidão de lixo! Estava no meu trabalho, o lixão de minha cidade. Olhei para minha mão e notei que estava segurando o panfleto com todas aquelas informações que, por alguns momentos, pude sentir na pele e principalmente perceber como minha família ficaria feliz em poder desfrutar desses momentos.

Resolvi sair mais cedo do trabalho, coloquei a sacola com os itens que recolhi no lixão nas costas e retornei caminhando para casa, a cada passo lembrava-me de como seria ótimo poder realizar essa viagem dos sonhos com minha família e lágrimas desceram pelo meu rosto.


8 de Outubro de 2019 às 15:29 3 Denunciar Insira 3
Fim

Conheça o autor

Maykow Debrittus Natural da cidade de Ipatinga, localizada na região leste do estado de Minas Gerais, a 240 km da capital Belo Horizonte. Venho de uma família de quatro irmãos, casado e pai de três filhos. Publiquei meu primeiro livro "Adoção, uma história de Vida”, para homenagear meus filhos, a partir daí passei a escrever por hobby e paixão. Tenho outro livro publicado “O Exercício do Amor – Drama”, participações em revistas, antologias e coletâneas.

Comentar algo

Publique!
Jp Santsil Jp Santsil
Olá, Maykow Debrittus felicitações literárias! Venho através destas palavras para lhe parabenizar pela verificação do seu texto. Li o seu conto ‘A Viagem’, e o enredo me tocou muito, pude sentir a emoção do protagonista em todos os seus sentimentos, sendo mais um motivo para parabenizá-lo pela sua capacidade de transpor em palavras tais emoções em linguagens simples e reais. Me vi na viagem, desfrutei dos lugares paradisíacos e sentir a alegria dos queridos familiares e todas as reflexões do protagonista. Já no penúltimo capítulo, fiquei surpreendido pela virada de 360 graus que a história deu. A coisa dos sonhos dentro dos sonhos, na capacidade imaginativa do Carlos de viajar e criar todo um cenário, família e tudo... de transpor a sórdida lama em que se encontrava em um cenário paradisíaco mais que real. Mais uma vez lhe parabenizo por tamanha faceta literária que pega o leitor(a) de surpresa, e fecha a história com chave de ouro, bugando a realidade em fantasia e vice-versa. Também, ao ler o seu lindo texto, notei como ponto positivo toda a coerência do princípio ao fim da história, e percebi que você como o autor realmente viajou e sentiu tudo transcorrendo em palavras em uma linha de tempo perfeita. Apenas quero fazer algumas observações em possíveis melhorias, vistas de um ângulo externo, como: O texto apresenta alguns poucos erros de conjugação verbal e pluralismos, que se você der a devida atenção creio que poderá consertá-los, exemplo: 'Sempre vou para o trabalhado caminhando' o correto seria 'Sempre vou para o trabalho caminhando', e, '...do avião, olhos nos olhos de todos e vejo...' o correto seria '...do avião, olho nos olhos de todos e vejo...' Essas são pequenas falhas, mas que sendo lapidadas daria um toque de 100% a sua história, portanto, deixo ao seu critério. No mais... satisfação em ler seu conto, e gratidão por nos homenagear com essa linda história, triste em parte e feliz por completo. Grato!

  • Maykow Debrittus Maykow Debrittus
    Muito obrigado pelos comentários, fico feliz por ter apreciado meu conto. Tenho um carinho especial por esse conto. 2 weeks ago
~