Flores Seguir história

sophiagrayson Sophia Grayson

Sophia amava seu melhor amigo, Shion. Mas será que ele seu amor? | Universo Alternativo | | Shion de ÁriesXOC |


Fanfiction Anime/Mangá Todo o público.

#romance #fluffy #drama #cavaleiros-do-zodiaco #saint-seiya
Conto
0
586 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único - Você aceita meu amor, caro Shion?

Oh, meu amor, essas flores, em minhas mãos, tão belas, tão cheirosas quanto o aroma que emana de você. Delicados lírios, brancos, que me lembram de sua pele, seus traços exóticos e refinados e seu adorável jeito de ser. Por favor, espero que as aceite quando eu as entregar.

Sei que que nunca lhe disse, mas te amo, com tudo o que há de mim. E o que mais desejo é ficar com você pelo resto de minha vida.

Seu senso de humor é tão impecável, tão sério e altruísta que me faz ficar horas e horas te admirando. Te ouvindo falar suas filosofias e sábias palavras, como se já estivesse visto de tudo no mundo.

Recordo-me de quando éramos mais jovens, no tempo de escola, no qual não foi muito bom para mim. Mas me faz te conhecer.

Seu rosto refletia uma inocência juvenil, que exibia — e ainda exibe — o mais puro sorriso, que corava suas bochechas, com aquelas pequenas e fofas covinhas, fechava suas belas íris castanhas sendo destacadas por seus longos cabelos loiros e suas duas pintinhas nos lugares das sobrancelhas, descendência de seu povo.

Adorava trançar suas madeixas quando cochilava na aula. Tão macias e finas, tornado o trabalho era muito fácil. E você tão gentil que nem pegava no meu pé por tal brincadeira.

Te conhecer foi a coisa mais fantástica e sortuda que poderia acontecer comigo. Trouxe certo brilho para mim. Era tão sozinha antes. Não que me importasse. Nunca me importei, mas é gratificante ter alguém que nos escuta, conversa, compreende nossos pontos e o mais importante se importa verdadeiramente. Uma coisa que eu acho muito difícil hoje em dia.

Oh, e a paz que sinto quando estou contigo é tremenda, todos meus receios retirados dos meus ombros quando lhe vejo, me sinto mais forte, como nada nesse mundo fosse capaz de me deter ou apavorar, fico mais alegre e todos aqueles pensamentos ruins que tenho evaporam.

Eu realmente te amo, Shion, mas será que me ama da mesma forma? Gostaria de ser mais que sua amiga e confidente. Quero ser sua companheira, seu porto seguro. Um lugar que sempre poderá ir e encontrar conforto.

Vai aceitar essas belas flores?


××××××××××××××××××××××


A loira acastanhada fechou seu diário, revestido de couro negro, idêntico a um livro, mas somente na aparência. Colocou seu lápis nanquim de lado, em uma caneca que usava como porta treco, já um pouco velha, com pinturas a mão feitas por ela mesma em uma tentativa de explorar diferentes ramos artísticos. Não deu muito certo. O desenho amador era sua área.

Deslizou na cadeira, sentando incorretamente, deitando sua cabeça em no encosto macio. Suspirou. Os sentimentos que guardava a sete chaves durante todos aqueles anos, com muros após muros, agora fluíam loucamente.

Tudo isso por ter visto o seu amado, que voltava de uma viagem de intercâmbio que fizera um tempo atrás. Feliz, radiante como o dia, um charme tremendo. Teve muita sorte por um homem tão lindo e maravilhoso como aquele, não ter sido levado para longe dela e se casado ou algo assim.

Sophia temeu perdê-lo para sempre, e se não agisse logo, iria realmente o perder. E ficaria com esse remorso gravado em seu peito. E um terrível “E se...” em sua mente.

Um vento gelado, cortou seus pensamentos. Avistou pela janela a sua frente o anoitecer, com suas confusões de cores, entre o amarelo, laranja e azul. Se virasse de lado veria a calma movimentação da rua onde ficava sua casa, em uma calma área residencial.

Vazou seu olhar para o ramo de lírios brancos que tinha colhido pela manhã, sendo mantidos por um jarro com água, sem deixar de ter sua bela vivacidade.

Ah, sua ideia simples para se declarar ao seu amado ariano. Recordava-se de quando entregava ramos a ele, colhidas no pequeno jardim de sua mãe, quando ainda eram jovens, no qual aceitava de bom grado aspirando os aromas das flores, segurando-as como se fosse o bem mais precioso que existisse, exibindo seu adorável sorriso.

Será que o mesmo ocorreria agora? Se perguntava, sentindo um frio na barriga e apreensão. Medo de ser enxotada por seu melhor amigo e amor de sua vida.

Com mais um suspiro, levantou-se da cadeira, pegando os lírios e seguindo para fora de sua confortável casa. Arrumou suas simples vestes e as curtas madeixas com os dedos. Queria ficar bem arrumada para encontrar seu Shion.

A passos largos, seguiu para a casa ao lado. Uma casinha igualmente simples e bonita. Shion também era seu vizinho.

Subindo os degraus da varanda, pegou as chaves que o ariano havida dado a ela anos antes. Como eram bons amigos, confiava a casa a ela, quando ele mesmo não estava presente. Para cuidar das coisas ou problemas que surgissem em sua ausência.

Sentindo um mal-estar e tremedeira, não conseguia controlar a enxurrada de sentimentos, abriu a porta com cuidado, passando logo depois por ela.

Cobriu rapidamente a passagem da sala ao escritório, onde Shion trabalhava quando estava em casa. E como o carro estava na garagem e de folga do emprego, Sophia sabia que o loiro se encontrava em tal local fazendo alguma coisa.

E lá estava o dono de seus pensamentos, sentado em sua confortável cadeira, com pilhas e mais pilhas de papel. Com uma caneta escrevia em alguns documentos, com a mão esquerda apoiando seu rosto, que estava péssimo, o trabalho deveria está pegando muito pesado com ele.

Seus belos olhos castanhos estavam sem vida, com bolças escuras ao redor, como se não tivesse dormido, virando noites a fio, suas madeixas rebeldes opacas, estavam presas de qualquer jeito com fios soltos. Escutou um suspiro cansado sair dos desenhados lábios, levantando sua franja no processo.

Sophia não gostava de vê-lo assim. Sempre pedia para ele se cuidar, mas parecia que o mesmo se esquecia disso, e que precisava dormir, comer para sobreviver. E mesmo estando de folga ele não se dava um descanso. Esse era um de seus pontos negativos. Suspirou, erguendo o buquê assim que chegou mais perto do ariano.

Estava tão concentrado, que mal ouvira Sophia entrar. Só quando a mesma estava próxima, sentiu o aroma nostálgico, desviando o olhar no que fazia para o buquê que era estendido e depois para sua amiga, que estava coradíssima. Piscou surpreso. Pouco se importou em como sua amiga tinha entrado sem avisar em sua casa e escritório.

Sentiu tudo borbulhar em seu ser e seus sentimentos guardados por tanto tempo, despertavam. Será que aquilo significava o que achava? Digo, a forma como tudo estava ocorrendo só fazia ele imaginar esse cenário.

Shion amava tanto essa bela moça. Por vezes ela era sua musa e inspiração para seu trabalho. Sua coragem para realizar os sonhos. Sempre apoiando em tudo, não o deixando jamais desistir de nada.

Foi por ela que conseguiu fazer o intercâmbio. Foi um verdadeiro teste esse momento longe dela, mesmo se falando quase todos os dias. Quando retornou foi um bálsamo quando a viu.

Tinha um grande receio de dizer o que sentia, com medo de perder a tão valiosa amizade daquela moça que chamou sua atenção desde que a viu. Sentia-se um covarde por causa disso. Poderia perdê-la desse jeito.

E agora parecia ser um momento perfeito para deixar essa covardia de lado. E tinha uma forte impressão que deveria externar tudo isso naquele momento. Quando abriu seus lábios para tentar dizer algo, mas foi impedido pela bela voz que ressoou no local:

— Oh, meu amor, poderia aceitar essas belas flores? — a sagitariana com sua voz macia, escondendo parcamente sua apreensão, já que seu olhar revelava como um espelho a luta interna que acontecia internamente — Poderia aceitar meu amor, que estava selado por anos? Deixe-me ser seu porto seguro, sua confidente e retirar toda a amargura que preenche seu ser — o loiro se aprumou na cadeira, atônito, absolvendo rapidamente a declaração da amiga, sua frequência cardíaca aumentando, sentindo o impulso contra sua caixa torácica, com a avalanche de emoções caindo de uma vez, agora com mais força ainda.

Então quer dizer que ela o amava, assim como ele? Sentiu um alívio em seus ombros, disputado com a ansiedade e as demais cargas de sentimentos.

Seu olhar sustentava a de sua amiga que a cada segundo estava cada vez mais perto de passar mal, pela demora na reação do outro.

Sorriu, pegando o pequeno buquê e trazendo-o para perto de si, aspirando o perfume, nostálgico e calmante. A jovem moça relaxou por tal ação.

Sua mente vagou para a primeira vez que tinha recebido as flores, em uma manhã quente de verão, logo antes das aulas. Sophia correu até ele, com os lírios em suas mãos, entregando-o tímida. “Me lembram de você” falou com o rosto abaixando para o chão e os braços levantados com o buquê “Por favor aceite-as". Claro que no momento não entendeu nada, mas sorriu pegando as delicadas flores, agradecendo pelo presente, achando muito fofo as bochechas coradas da menina.

— Mas é claro que aceito, meu bem — respondeu, para o alívio completo da sagitariana — Como não poderia? — seus olhos brilharam com vida, levantou-se, dando uma volta pela requintada mesa, indo de encontro a jovem — Fui muito idiota por ter guardado todos esses sentimentos para mim, achado que poderia acabar com nossa amizade — suspirou, a jovem olhava atentamente para ele quase se emocionando por completo — Mas vejo que foi um erro da minha parte. Se eu guardasse para sempre, perderia uma bela vida com o meu lindo amor. E te amo muito, Sophia.

Com a mão direita passou seus logos dedos nas madeixas loiras acastanhadas, indo até o queixo, em uma caricia. Sophia sentiu suas bochechas arderem mais ainda. Logo depois um calor em seus lábios e uma leve e doce pressão. Um selinho tão puro de seu amado. Mal podia acreditar em tudo aquilo.

1 de Outubro de 2019 às 09:20 0 Denunciar Insira 1
Fim

Conheça o autor

Sophia Grayson Só uma garota que gosta de escrever.

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~