O Que Eu Sinto Por Você Seguir história

sophiagrayson Sophia Grayson

Hanako Koyanagi amava aquele ruivo briguento, mas não tinha coragem de dizer. Todavia Tarou Kabakura não iria deixar seu amor se ir assim. | Spoilers | | Volume 4 | | OVA |


Fanfiction Anime/Mangá Todo o público.

#romance #drama #fluffy #Wotakoi
Conto
0
319 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único - O que sinto por você

Ela poderia dizer que antes de o conhecer melhor o capitão do time de Tênis, só queria simplesmente lutar por um espaço para o time feminino para poderem treinar. Como até então somente existia o masculino tudo era deles. Logo se tornado egoístas e hipócritas, com pensamento de que só por serem mulheres eram “fracas” para tal esporte! Quanta ignorância!

As brigas eram recorrentes e bem tensas. Mais tudo pela resistência severa do capitão.

Hanako jamais imaginou que uma visita a uma loja de produtos relacionados otaku para comprar umas coisinhas e pegeu no flagra, Tarou Kabakura lendo mangá shoujo. Talvez fosse um ótimo jeito de conseguir o que queria. Com uma simples foto. Chantagem!

E no dia seguinte pois em prática e conseguiu o que queria. O fato de ser otaku pegaria muito mal com as pessoas, que eram bem resistentes e não aceitavam esses hobbies. Ele seria ridicularizado e sua vida social comprometida.

Então foi fácil, fácil deixar aquele rapaz mal-encarado no lugar e com o time masculino sem entender o que tinha ocorrido, indo assim alternar os treinos em outro lugar.

Mas o que jamais imaginou fosse se apaixonar por aquele jeito tão arrogante e fofo que Kabakura tinha. O que foi o motivo de chantagem foi também o início da aproximação.

E não sabia ao certo quando ficou apaixonada, mas quando Tarou lhe mostrou como se fazia um saque corretamente sentiu seu mundo e o tempo parar.

Somente observando os cabelos ruivos balançarem pelo salto, os olhos castanhos pequenos e pontudos em uma concentração invejável, com o uniforme escolar que comprometia seus movimentos quando aterrissou sem jeito no chão.

A admiração foi instantânea. Ele tinha mais do que um rosto arrogante. Queria aprender tudo o que o outro tinha a ensinar. Queria ficar mais perto dele, saber seus gostos, suas manias e defeitos.

As brigas deixaram de ter o significado de raiva verdadeira, para pura e simplesmente provocação sem nada muito sério. Mesmo que as vezes tivesse mensagens subliminares.

Era como pequenos laços se formando entre eles. Conexões tão simples que poderia se tornar em um grande futuro se permitirem.

Tinha aquele frio na barriga incompreensível que sentia ao vê-lo com aquela cara de bandido, como gostava de falar ou seu coração palpitar quando sorria sutilmente. Era tudo tão confuso que Koyanagi vivia em um mar revolto, sem compreender se tudo aquilo era amizade ou algo a mais.

Sem falar daquela dor que sentia quando Kabakura falhava em algo. Quando perdia um jogo. Ele tinha dado tanto de si, para então, em sua visão “fracassar”. O que era visto de forma diferente para Tarou.

O ruivo bagunçava os cabelos tingidos esverdeados dela e dizia: “Nós não podemos vencer em tudo Koyanagi. Sempre vai existir pessoas melhores, com mais experiência e vise versa. Mas não quer dizer que falhamos e que fracassamos. É uma porta que se abre e aprendemos mais”.

E tudo com aquele sorriso fino e contido que dava. Isso a fazia ter mais orgulho dele. Era tão inteligente e não se deixava abater. Impressionante como um grande homem poderia estar escondido por de baixo de todas aquelas máscaras sérias e raivosas que mostrava as pessoas, chegando a assusta-las.

Era gentil, se preocupava com os amigos. Era um paizão iniciante (por ser muito jovem), sempre protegendo e colocando o dedo em tudo que achava injusto ou simplesmente por achar necessário.

Hanako se divertia quando via que ele até se emocionava, dependendo da ocasião.

Agora seu tempo estava esgotando. Logo Taoru se formaria e deixaria Hanako na escola a cursar seu último ano. Se separariam e talvez nunca mais se veriam. Cada um para um lado do Japão, fazendo faculdades diferentes ou em empregos diferentes.

Nos últimos dias perdeu todo o tipo de oportunidade de falar o que sentia. Seu corpo se congelava só em pensar no que falar. E logo chegou a tão temida (por ela) formatura. Deixou um bilhete para Taoru encontra-la no pátio depois de acabar a comemoração.

Mesmo que demostrasse resistente e agisse como se não importava com a partida do mais velho, mas por dentro estava um furacão em seus piores níveis.

Mentiu para ele que tinha apagado a foto da chantagem. Mas ela estava no celular e pastas no seu computador em casa. As vezes gostava de ficar admirando aquele rosto. E acreditava que a partir de agora seria a única coisa que teria dele.

Encrencaram como sempre quando ele chegou. Mas o que não esperava fosse Kabakura falasse verdades, mesmo que quebrasse o clima com comparação de shoujo anime.

E que ela também agisse da mesma forma. Aquela sinceridade do fundo de seu coração, com o medo de perdê-lo e iria perdê-lo, se o deixasse ir assim. Tentou disfarçar indo embora, mas segundos depois sentiu os fortes braços dele a arrodearem e seu rosto choroso bater levemente no peitoral.

— Não seja idiota Koyanagi — sussurrou em seu ouvido — Não me esconde nada com esse rosto tristonho — fitou intensamente os olhos castanhos-purpuras — Eu não sou muito bom com sentimentos, todavia me desculpe, mas não posso te deixar ir. É o como se tudo perdesse o sentido sem você ao meu lado. Eu te amo e todo esse seu jeito esquisito de ser. Você entrou em minha vida subitamente, sem bater na porta e a bagunçou toda. Mas também a arrumou de uma forma sutil e aconchegante.

Hanako ficou congelada. Seu coração a mil, não acreditava no que estava saindo dos lábios do mais velho. Deixou suas lágrimas caírem na emoção. Acreditava que ele realmente a considerasse uma “baranga”, pelo tanto das vezes que a chamou assim. Mas pelo visto era só para provoca-la. Dava para ver toda a sinceridade e amor que dava para ver agora nos pequenos olhos castanhos.

— Seria um otário se te deixasse ir — riu de leve — Deixar a única pessoa que me fez sentir bem e sem ter a necessidade de precisar esconder alguma coisa. Nada mesmo — pegou o rosto delicado da esverdeada, limpando as lágrimas por baixo dos óculos ovais — O que me diz Koyanagi? Sei que senti o mesmo só de olhar, mas eu te pergunto: Quer continuar a ver esse cara esquisito e otaku? Quer ser minha namorada?

Hanako o apertou ainda mais o abraço, voltando a colocar seu rosto no peito envergonhada pelas duas coisas: a declaração do mais velho e por ter ficado congelada, mal dizendo uma palavra.

— Claro que sim — a voz saiu abafada — Eu também te amo Kabakura.

Lógico que hoje em dia ele não admita que foi o primeiro a declarar, sempre apontando o dedo para a mulher e fazendo toda uma cena. E Koyanagi sempre fazendo questão de lembra-lo de sua fofa e linda declaração.

22 de Setembro de 2019 às 09:56 2 Denunciar Insira 1
Fim

Conheça o autor

Sophia Grayson Só uma garota que gosta de escrever.

Comentar algo

Publique!
Sakura Angeli Sakura Angeli
Eu preciso ver as OVAs depois kkkkk O Tarou é um tipo de personagem q gosto bastante. Sério mas, tem seu lado engraçado e legal <3 Não é a toa que a Hanako gostou tanto dele kkkk Mas que casalzinho tsundere difícil hein? Fico feliz q tudo tenha dado certo no final... teria que dar né? Amei, Sophia <3

  • Sophia Grayson Sophia Grayson
    Como assim, ainda não viu a lindeza do OVA?! Veja depois, é um dos meus episódios que mais gosto e o volume 4 do mangá se quiser ler rs. Adoro o Tarou kkkk quando vi o anime pela primeira vez não entendi bem a química deles, mas na segunda, fui tipo: Puf! Se tornou meu casal favorito. Depois vem o Nao-chan com a Kou rs. Para no final da lista ser Narumi e Hirotaka <3 Tinha que ficar, né? Se ela deixasse ele ir embora mesmo... É um casal difícil, mas creio que é só encrencam assim por se gostarem muito. Senão não seriam noivos rs. Obrigada, querida <3 Beijos! 3 weeks ago
~