Uma noite de folga Seguir história

nickolliebklost Nickollie bklost

Bulma andava estressada com a sua rotina. Androides chegando, um lunático que estava morando com ela, a responsabilidade da empresa, um namorado traidor da qual ela acabara de se livrar e...trabalho, trabalho e mais trabalho... decidida a relaxar e por a cabeça em ordem, ela resolve tirar um dia de folga e aproveitar um pouco,mas sua folga não seria nada como ela planejou, muito pelo contrário, morar com um saiyajin não é nada fácil !


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas.

#romance #sex #hot #vegeta #shoujo #hentai #dragonball #vegebul #bulma #lovestore #vegetaebulma
1
477 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Unique

Sabe aqueles dias que você acorda e não quer fazer nadinha? Bom, esse era um dos meus dias, especificamente aquele dia!

Linda e completamente relax, assim eu estava na espreguiçadeira na beira da piscina. O sol estava incrível naquele dia, papai e mamãe tinha ido até os alpes visitar Tights que já fazia um bom tempo sem dar noticiais, e claro, mamãe adorou a ideia de viajar e tirar meu pai um tanto do laboratório. Suspirei profundamente sentindo todo aquele aroma gracioso de um dia gostoso invadindo os meus pulmões e sorri feliz...já disse que estava muito relaxada? Não? Então estava muito relaxada.... toda essa conversa de androides e de lutas e do Goku que ficou fora todo esse tempo...tudo sempre muito, inclusive aquele rapazinho de cabelos roxas que me parecia um belo rapaz, mas sumiu, fazer o que né?

Eu precisava daquilo, juro! Já havia um tempo que eu estava assim, vivia para trabalho e não tirava um tempo só pra mim. Também pudera, aquele sayajin lunático intergaláctico não me dava sucesso. Toda hora um maldito problema com a sua preciosa câmara de gravidade - rwnnr Vegeta idiota! - murmurei

Mas não posso negar que ver aquele corpo moreno todo suado semi nu era uma visão e tanto! e ultimamente tenho andando tão carente! Aquele desgraçado do Yamcha! Ah ele não perde por esperar. Logo eu Bulma Briefs? linda, rica e inteligentíssima! Ah aquele safado! Mas não tem problema, não. Muito serviço, muito o que pensar e pouco do meu tempo para desperdiçar com aquele inútil

Mas trabalho não resolvia carência, não é? Tentei flertar com alguns carinhas, mas todos tão sem gracinha...

Não dava!

Gente o sol realmente estava tão bom! E então alguma nuvem o encobriu porque sumiu. Não aguentei abri meus olhinhos para vislumbrar aquela montanha de músculos caramelo e olhos negros dominadores me encarando irritado como sempre. Ah aquela pose arrogante dele, se ele soubesse como fica sexy com ela...mordi o lábio involuntariamente o olhando de baixo para cima, droga de malha apertada! Mas todo aquele clima de puro fulgor que estava me tomando ao me perder naquele homem mudou quando ele começou.

-Rwnnr mulher, arrume aquela droga de painel, tá com defeito!

Eu graciosamente tiro meu óculo de sol e arqueio uma sobrancelha o olhando

-Como é? Olha Vegeta se não percebeu eu estou de folga, sabe o que é isso?

-Rwnnr, eu não ligo pra suas baboseiras, arrume logo aquela droga, é uma ordem! –ele rugiu imponente

Pode parecer estranho, mas aquela voz rouca e autoritária misturado aquele monumento de homem fez meu corpo vibrar como nunca! É to louca mesmo! acho que tanta abstinência não estava me fazendo bem! Mas se tinha algo que eu amava e era muito boa, era em fazer raiva a ele. Ah como era! Uma briga de egos e eu adorava jogar com ele, malcriado sayajin! teimoso e cabeça dura. Será que sou vejo isso como algo divertido? Tá, uma brincadeira um tanto perigosa fazer isso com um assassino intergaláctico muito do mal, mas...eu não conseguia sentir todo aquele temor, não mais... algo nos orbes ônix dele me cativavam de alguma forma... era quase como se houvesse algo muito além daquilo, sei lá. Talvez fosse a convivência...

-Olha aqui seu mal-educado – disse eu me levantando e apontando o dedo para ele – fique sabendo que Bulma Briefs não perde tempo com baboseiras e além do mais, eu não recebo ordens de um lunático. – disse lhe encarando

Só então eu percebi o leve tom rubro na face de Vegeta com o olhar meio estático a mim. Eu estava divina naquele biquíni preto mini, hahaha uma linda e atraente Bulma Briefs!

Quando notou que eu percebi ele desviou o olhar e manteve aquela maldita e gostosa pose arrogante dele. Quer saber acho que no fundo é puro charme!

-Rwnnr não me afronte mulher insolente, eu estou mandando!

-Podia pedir um por favorzinho de vez enquanto, não ia matar sabia – eu respondi com minha voz sedutora e dei uma piscadinha.

--ande logo mulher, não me faça de idiota – ele rosnou – eu preciso treinar

-Treinar, treinar...você só sabe fazer isso! Não sabe se divertir, não é? – falei tocando com o indicador no seu peito...e que peito! Forte, trincado de músculos, suado... senti uma onda elétrica percorrer meu corpo

-é só isso que importa, ser o mais forte de todos – ele bradou, mas não olhava mais nos meus olhos. estava estranho

-Façamos um trato. Relaxa um pouco e prometo que arrumo o painel – eu disse

-Agora! – ele estourou

Eu bufei

-Quer saber Vegeta? Você é grosso e um chato mesmo – falei e vesti a canga fina e caminhei para dentro pegando minha maleta de ferramentas, claro que não ia trocar de roupa só para arrumar algo idiota.

Coloquei meu jaleco fechando por cima e entrei na câmara sendo seguida de perto pelo impaciente Vegeta. E lá estava eu, suando e sofrendo no meio das placas e circuitos...não aguentei abri o jaleco e depois de um tempo finalizando o painel fechei a tampa de acesso e me virei vendo Vegeta encostado na parede apoiando um pé nela com os braços cruzados frente o corpo me olhando. Meu deu uma vontadezinha de saber se esse sayajin é tão imune assim? Sério, ele se faz tão de durão, de que não precisa de ninguém, que não se importa com ninguém... sei lá... me bateu a duvida se ele nunca se sentiu sozinho...

E naquele instante eu não aguentei

-Prontinho menino birrento – falei rindo --- pode me agradecer

-Não seja ridícula, não fez mais que o seu trabalho – ele rosnou marchando para o painel

-Sabe Vegeta, acha que esse seu mal humor e grosseria é falta de se divertir. – falei erguendo um dedo perspicaz e rindo vi ele rosnando tentando acessar o painel da qual eu estava parada na frente

--sai da minha frente mulher insolente – ele dizia – eu não tenho interesse nas suas diversões escandalosas, não tenho tempo para isso

-Uma pena – eu disse no momento que ele se esticou no painel e ficou tão próximo de mim que os corpos praticamente se colavam. Eu senti sua respiração próxima ao meu pescoço e sem querer deixei escapar um suspiro pesado.

Não sou de ferro né? Claro que senti aquela proximidade, senti minhas pernas estremecerem, senti o calor do corpo dele, senti meu coração pular dentro do peito e principalmente eu senti um puta tesão! Afinal já fazia um bom tempo que eu não fazia nada! Era triste, era deprimente, era frustrante! Logo eu, a linda e encantadora Bulma Briefs...

Vi Vegeta então me olhar de canto, mas não era o seu típico olhar, era um olhar diferente...não sei bem como explicar. Então ele simplesmente se afastou irritado murmurando alguma coisa irritado. Eu hein? Ele é maluco ou que?

Não perdi mais tempo, peguei minhas coisas sai dali rapidinho e voltei a minha folga merecida na beira daquela maravilhosa piscina. Acabei por nadar um pouco e depois de um tempo eu me peguei com a impressão de estar sendo observada. Era muito estranho, por que eu sei que não havia ninguém ali, nenhum alarme disparou, eu não vi ninguém, mas mesmo assim aquela sensação não passou. Com o meu lindo sol querendo fugir eu resolvi que já era hora de entrar, tomar um longo banho e ter uma noite incrível merecida por mim. Mas por alguma razão eu estava tão incomodada com o Vegeta. Sempre tão sozinho...tão calado...deve ser tão ruim ser solitário. Eu não imagino minha vida assim!

Dei um longo suspiro pensativa e entrei. Depois de um bom banho de banheira com espuma e sais de banho eu estava novinha em folha. Coloquei um vestidinho simples e escovei meus cabelos. Eu estava gostando do novo visual, aquele permanente não fazia jus a minha beleza, definitivamente não. Desci para a sala e senti o cheiro gostoso do jantar que eu havia pedido, abri uma garrafa de vinho para acompanhar e me joguei no sofá um pouco estendendo meus pés e então percebi que não estava sozinha. Encostado no canto da parede da sala estava Vegeta. Mais calado do que nunca, mais sério do que nunca, mais concentrado. Não resisti fiz um gesto com a mão o chamando para o sofá batendo para ele se sentar ali, perto de mim. Ele virou o rosto com uma careta, como se meu pedido fosse uma enorme petulância, mas seus pés o trouxeram para ali. Onde eu estava.

-Quer um pouco? – eu ofereci o vinho

-Eu não bebo essas coisas – ele rosnou

-Vamos, só um pouco, você precisa relaxar – eu disse e dei a taça a não dele, mesmo um tanto contra ele acabou bebendo um pouco

Antes que percebesse eu estava me sentindo tão leve...e sem preocupações e estava bombardeando-o de perguntas, ele parecia irritado, mas respondia. Então um intenso silencio tomou conta da sala. Eu olhava em cada aspecto daquele homem, dos traços, o porte, a boca. como se analisasse cada detalhe e percebi que gostava de praticamente tudo, suspirei. Então fui tomada novamente pelo estanho sentimento de apresso pelo mal-humorado e lunático sayajin.

-Escuta Vegeta – eu disse quebrando o silencio e ele me olhou, como aquele lindos e sombrios olhos negros, o semblante compenetrado e atento – você se sente só? Digo...tem falta de amigos...de companhia...de alguém, sei lá?

Ele rosnou irritado, como se aquilo não fosse um assunto para se tocar. Parecia incomodo de mais para ele responder ou ao menos pensar em tal fato. Não sei se ele não se sentia, ou se recusava a admitir, mas ...

-Eu sou o príncipe dos sayajins mulher, não preciso de tais besteiras, se eu quiser companhia eu as tenho, mas não quero! Pessoas são irritantes – ele disse desviando o olhar

-eu gosto da sua companhia – eu disse rindo – as vezes, quando não é um chato completo...como agora – eu o olhava ainda e vi quando seus olhos me fitaram meio incrédulos com aquele comentário, mas ele se manteve calado. Apenas me olhava sem dizer absolutamente nada. Seus olhos eram de pura confusão e naquele instante eu senti algo tão forte dentro de mim que não sei explicar o que era.

Um impulso...uma necessidade...uma vontade...

Tremi o corpo involuntariamente e ele arqueou a sobrancelha me analisando. Então tentei mudar o foco tirando toda aquela tensão que começava a se instaurar ali, mas foi terrível o meu senso. Deslizei o dedo por uma cicatriz que havia em seu peito e vi a pele dele se arrepiar, por um momento me lembrei dos sonhos que tinha com esse sayajin...um verdadeiro pecado aquele homem... ele segurou minha mão e olhou em meus olhos, eu vi que ele respirava um tanto mais rápido...

Pra quer negar? eu queria, ele queria, eu queria muito...na verdade há dias eu queria... sentia mão forte dele enlaçar a minha cintura e minha nuca e momento seguinte eu estava perdida na boca daquele homem. Sentia os lábios dele esmagados contra o meu a sua língua dançar com a minha e por kami, como era bom!

Quanto mais sentia o sabor da boca dele, o toque firme de suas mãos em mim, mais eu me aquecia, melhor mais eu fervia...era muito intenso aquilo. eu não conseguia raciocinar.

Senti meu corpo sendo puxado para o seu colo e fui, sim...fui de cabeça, de corpo e alma.

Sentia as mãos deles subindo pelas minhas coxas e cintura e por puxando o vestido para cima, era real aquilo, não era um sonho era puro tesão reprimido dos dois pulsando ali.

Sua boca saiu da minha e desceu pelo meu pescoço me tirando gemidos e o folego enquanto meus dedos se enroscavam naquele emaranhado de fios negros, não podia perder essa chance também, definitivamente não! Beijei o pescoço dele também e deixei que uma das minhas mãos sentisse cada mínimo gominho e músculo daquele corpo e podia ouvir os gemidos leves dele que batiam com ar quente na minha pele. Voltamos a nos beijar de forma tão carente, tão urgente...desesperada, como se a vários e vários meses ansiássemos por aquilo e quiséssemos descontar tudo em um único momento, nosso momento a dois...

Então paramos, frente a frente, testa a testa, olhos nos olhos....

Completo silencio imaculado que era quebrado apenas por nossas respirações ofegantes...

Respirações essas que se chocavam, que exalavam...queimavam...

--eu preciso de mais – eu murmurei entre os lábios dele e senti ele se levantar com o meu corpo e a distancia entre o sofá e minha cama foi quase inexistente, naquele instante.

Levantei meus braços sentindo o vestido saindo puxado desesperadamente por ele e me deslumbrei com seu corpo completamente nu e a meu dispor naquele instante. sedenta...assim eu estava, carente...excitada...envolvida e completamente rendida aquele homem. Senti as mãos e os lábios dele percorrerem meu corpo me arrancando gemidos, suspiros, suor... quando finamente tive dimensão de todo o desejo que estava tendo naquele instante o senti me penetrar tão forte e tão intenso e ao mesmo tempo suave e perfeito que não tinha reação própria, meu corpo era levado pelo vórtex de prazer proporcionado a mim por aquele sayajin. sua boca deslizando com a língua pelo meu pescoço, meu colo. Sua lingue que dançava sobre meus mamilos, nossos corpos que sacudiam no vai e vem frenético e delicioso naquele instante. as peles grudavam pelo suor dos corpos, minhas unhas arranhavam a pele caramelo bronzeada e forte enquanto minha boca gritava e gemia seu nome e murmúrios no ouvido dele. Eu me sentia tão completa, tão realizada...os sonhos não chegaram nem perto de tudo aquilo que sentia naquele instante. eu não conseguiria mais aguentar por muito tempo, não dava...meu corpo tremia, minha mente girava e apenas fechei meus olhos gemendo e sentindo a onda imensurável de prazer que tomava meu corpo e o arrebatava a outra dimensão sentindo ele ir cada vez mais rápido, mais forte e mais fundo dentro de mim. Até que houve um ultimo gemido forte dele e novamente tudo parou...era como se juntos tivéssemos alcançado uma liberdade única...um no outro...sem cobranças, sem medos, sem infortúnios...dois seres que se desejavam e se entregaram...

Não sei por quanto tempo me perdi encarando o par negro de olhos que me encaravam de cima e fiquei vendo sua respiração descompensada se normalizar pouco a pouco até que por fim ele voltou a beijar-me e recomeçamos tudo outra vez. e depois de incansáveis vezes daquilo. Eu finalmente agarrei no sono ao lado daquele sayajin que tanto desejei em sonho.

Nele, me senti segura, amada, protegida e desejada e pude dizer que tive minha merecida folga...e que folga!

Pena que quando amanheceu ele não estava mais lá, na minha caminha ao meu lado. Mas seu cheiro estava, e abracei meu travesseiro sentindo aquele cheiro desesperadamente e não pude deixar de sorrir sabendo que tive a melhor noite da minha vida e nada seria como ele , e nada depois daquela noite voltaria a ser igual...

14 de Setembro de 2019 às 23:32 0 Denunciar Insira 0
Fim

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~