A.D.F.I.N.E.M. Seguir história

lireas Tiago Líreas

Escrito ano passado, quando eu ainda não tinha adotado a pseudofilosofideologia de que os pincéis lexicográficos são o que fazem um texto, mas ainda tem seu charme. O conceito veio à mente enquanto ouvia Star Treatment, dos Arctic Monkeys >>> muito boa, por sinal [Créditos a Kai {Twitter: @CrypticArtifact} pela pintura da capa.]


Poesia Impróprio para crianças menores de 13 anos.
Conto
5
443 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

A Dança do Fim Inicia-se No Êxito da Morte

"Enfim veio a cavalaria",

Assim disse ninguém,

Pois ninguém era, ou havia.

Veio do longe, do além.

Enviada pelo poder máximo

Para varrer toda a criação;

Limpar o antigo cenário,

Que neste já não há ação.


Os pés dourados dos soldados,

dançando, claro, sem sincronia,

pisavam o vácuo que sumia

em direção ao que foram comandados.

Saídos todos do portal,

espalham-se para trabalhar.

Uns fugiam do silêncio mortal,

Outros tocavam os homens sem olhar.


Estrelas escureceram;

Cometas enegreceram;

Planetas estremeceram;

Águas endureceram.

Tesouros escondidos há milhares de milênios

Reduzidos a escassos restos de hidrogênios.


Galáxias desmancham-se.

Os tempos desmantelam-se.


A culpa é do Homem,

Que não soube me(n)surar-se,

Tampouco censurar-se.

Agora seus anjos lhes consomem.


Lhes consomem até ao fio.

Exterminada a matéria, seguem pelo leito.

Seu trabalho aqui está feito.

O palco negro e vazio.


Agora cabe apenas ao Autor,

Reescrever a nova peça.

Algo melhor do que esta;

Sem protagonista autodestruidor.


22 de Agosto de 2019 às 12:24 6 Denunciar Insira 7
Fim

Conheça o autor

Tiago Líreas — Como escritor, quando o sou: apaixonado; eclético; vanguardista; entusiasta de excentricidades, atrocidades e, mormente, surrealidades; militante de vocábulos insólitos; criador de enigmas; misturador; explorador. — Como leitor: exigente ímpio de originalidade; ávido comentador; possivelmente importunante por conta de sinceridade áspera ou vontade inconveniente de compartilhar pensamentos próprios. — Como pessoa: leia o que compartilho e interprete como quiser!, afinal o trabalho textual artístico, ao meu ver, é sempre um despejo de nós próprios sob diversas formas, agregando conhecimento e experiências e imaginação e fantasias em uma massa sintética ou dispersa que nos representa das maneiras mais estranhas, sutis ou discretas possíveis. Quando escrevo não falo de mim, porém as palavras, enquanto forem assinadas, sempre o farão. Sem meu consentimento, mas quê que se há-de fazer :V

Comentar algo

Publique!
Álisson Lima Álisson Lima
Muito bom, gostei!

  • Tiago Líreas Tiago Líreas
    Obrigado por comentar, e fico feliz que tenha gostado! Pretendo fazer mais do gênero mas vai ter de ser um bocado mais á frente por conta de falta de tempo minha, no momento. 6 hours ago
Fernando Avendanha Fernando Avendanha
E assim vamos nós, em nossa ganância, ao fim
Fernando Avendanha Fernando Avendanha
Uma crítica à ambição do homem, do furor agressivo, e um pensamento acerca de um muito possível futuro! Muito bom, muito bom. E, no final, uma crítica a si próprio por criar um poema de eu lírico autodestrutivo kkk Parabéns

  • Tiago Líreas Tiago Líreas
    Na verdade a parte final se refere ao criador desse mundo (o que pode se remeter tanto a Deus quanto a mim próprio por ter fabricado no poema um universo semelhante ao nosso, apesar de ser no futuro), mas não sou eu próprio o autodestruidor, é o protagonista, e esse é o Homem. Obrigado por comentar! 5 days ago
~

Histórias relacionadas