Café amargo Seguir história

badbaby Bad Baby

Olhou novamente para o açucareiro, aquele pequeno recipiente de cerâmica a fazia, sem qualquer motivo, se sentir triste. Ela se lembrava de quando tinha alguém para adocicá-la, para completar o seu tão amado café.


Romance Contemporâneo Todo o público.

#amargo #badbaby #doce #café #coffe #258
Conto
5
421 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Café amargo

Com os olhos focados no conteúdo preto como nanquim. Estava amargo, o sabor mais puro e apaixonante do café.

Ao bebericar, o líquido quente desceu pela sua garganta, lhe dando uma sensação aquecedora em seu interior. Pensou imediatamente numa pincelada de aquarela marrom num pedaço de pergaminho.

Os carros buzinavam e jogavam água pelas ruas o tempo todo. As pessoas passavam apressadas com suas galochas, capas de chuva e sombrinhas. As crianças eram impedidas de brincar na chuva por suas mães zangadas e cinzentas.

O céu cinza apenas deixava o café dela ainda mais prazeroso.

Do lado de dentro da lancheria, não era possível ver muito da rua por causa do vidro borrado pela água da chuva que caia sem cessar.

Ela tirou sua atenção do café escuro e focou no açucareiro de cerâmica pousado delicadamente no centro da mesa. "E se eu apenas..." Pensou por um instante. Estava se perguntando se o café seria igualmente acolhedor se fosse doce. Mas o gosto amargo lhe trazia, de certo modo, uma felicidade inexplicável. Ao olhar ao redor, via as pessoas lanchando, de fato. Pessoas comiam torradas ou croissant. A mesa ao lado de sua mesa, um casal comia pequenas tortas de limão.

Ao tocar a xícara, sentiu a mão quente demais, mas não largou e tomou mais um gole de sua bebida. Fechou os olhos e se sentiu em um outro universo apenas seu. O casal continuava a conversar e comer suas tortinhas. Aquilo a fez pensar que, enquanto tomava seu café amargo, ela precisava de algo para adocicar seu pequeno momento diário naquela cafeteria.

Olhou novamente para o açucareiro, aquele pequeno recipiente de cerâmica a fazia, sem qualquer motivo, se sentir triste.

Ela se lembrava de quando tinha alguém para adocicá-la, para completar o seu tão amado café. Ela tirou a pequena lapiseira amarela de seu bolso e fez alguns rabiscos em seu pequeno caderno.

Ouviu a garota pedir mais tortas de limão e, depois, viu o garçom passando com uma bandeja cheia delas. Logo, outro homem foi em sua direção. Ela desviou o olhar e fingiu estar concentrada no que escrevia no caderninho. Escreveu algo sobre as gotas de chuva que caíam.

O homem se aproximou e perguntou se ela desejava mais alguma coisa além do café.

Ela fechou o caderno e pousou sua lapiseira na mesa. Olhou para o pequeno açucareiro novamente e depois para seu café. Ela olhou para o homem.

Pode me trazer tortinhas de limão, por favor?

21 de Agosto de 2019 às 19:54 1 Denunciar Insira 4
Fim

Conheça o autor

Bad Baby Não sei quem sou. Apenas sei que gosto de ser

Comentar algo

Publique!
~

Histórias relacionadas