S05#08 - MULDER, O GUARDA-COSTAS Seguir história

lara-one Lara One

Vocês se lembram da fic The Fog? Pois bem, agora chegou a vez de Scully devolver o troco e lavar a alma. Imaginem a cara de Mulder ao saber que foi designado pra fazer a segurança particular de um travesti dançarino? Pobre Mulder... Purpurinado até a alma, mano! Fic escrita em parceria: One & Angel Gente esta fic é longa mesmo, presente pra vocês! Pra comemorar as 100 fics que já escrevi.


Fanfiction Seriados/Doramas/Novelas Para maiores de 21 anos apenas (adultos).

#x-files #arquivo-x
0
585 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

S05#08 - MULDER, O GUARDA-COSTAS

INTRODUÇÃO AO EPISÓDIO:

[Som: Bee Gees – Stayin' Alive]

Close das sandálias vermelhas de saltos altos e finos dançando sobre o palco. Meias soquetes de lurex prateado.

A câmera ergue-se pelo esbelto, perfeito e acinturado corpo, que está de costas. Shortinho preto de brilhos, polpa do bumbum aparecendo, os longos cabelos negros pela cintura.

Ela vira-se, movendo os lábios, dublando a música. Mini blusa amarela, peitos enormes siliconados, maquiagem pesada. Plumas pretas ao redor do pescoço. Faz beicinho, chamando as pessoas com as mãos, luvas de cetim até os cotovelos, enquanto recua de acordo com a coreografia.

A boate está lotada. Aplausos e assovios da plateia empolgada. No palco, Richard, mais conhecido como Miss Bloop, continua fazendo sua performance junto as drag queens. A plateia, composta de homens e mulheres, parece vibrar diante do talento dela. Plumas, paetês e mal se distingue que ela seja um homem, tamanha a perfeição do corpo. O rosto, de traços fortes é o que entrega a masculinidade.

Corta para a porta. O sujeito baixinho e barrigudo, entra, com a mão na barriga. Parece bêbado. Passa entre as pessoas, que não notam sua presença, por estarem assistindo o show enquanto se embalam ao som dos anos 70.

O baixinho puxa uma faca do bolso da calça. Aproxima-se cambaleando do palco. Sobe com dificuldades. As drags olham pra ele, enquanto dançam.

Miss Bloop olha incrédula para a atitude e o estado do sujeito. Ele se aproxima, causando pânico. As drags saltam do palco para a plateia, histéricas, mas o baixinho consegue agarrar a alta Miss Bloop e colocar a faca em sua garganta.

A música cessa. O tumulto começa. O baixinho grita, ameaçando a refém, enquanto essa grita desesperada, fazendo escândalo.

SANCHEZ: - Yo voy matarla! Yo voy matarla si alguien se acerca!

MISS BLOOP: - (HISTÉRICA/ AOS PRANTOS) No me mate por favor! No me mate!

SANCHEZ: - Se calla! No se acerque! Yo voy matarla!

MISS BLOOP: - El que usted quiere conmigo? Yo no hice nada... Yo soy una pobre mujer que gana la vida honestamente al suyo.

SANCHEZ: - Cállese!

Ele aperta a faca contra a garganta dela. Miss Bloop começa a chorar, histérica.

Então o baixinho a solta. Abaixa a cabeça e começa a cuspir uma substância alaranjada. Ela olha e coloca a mão na boca.

MISS BLOOP: - Usted es los ok?

O baixinho abre mais a boca.

Close no assoalho do palco. Várias tarântulas caem sobre o palco, em meio a substância alaranjada.

Corta para a boca do baixinho. Tarântulas saem de dentro dela, diante dos olhos horrorizados da vítima e do espanto de Miss Bloop. Ele revira os olhos e cai morto.

VINHETA DE ABERTURA: THE TRUTH IS OUT THERE


BLOCO 1:

Boate Blue Moon – 4:41 A.M.

[Som: Santa Esmeralda – Don't let me be Misunderstood]

Scully desce do carro, com um beiço enorme. Mulder sai atrás dela. Cabelos não tão curtos agora. A multidão está em frente à boate. As pessoas ainda assustadas comentam entre si o que houve.

SCULLY: - ... (BEIÇO)

MULDER: - Não sei porque está desse jeito hoje. Passou o dia todo assim.

SCULLY: - (IRRITADA) Revivendo alguns episódios negros na minha cabeça. Todos relativos a você. Incluem gatos persas, feiticeiras, mulheres em Nova Iorque, garotinhas e piadinhas de mau gosto. E a lista se estende. Sei que é provocação sua, e admito que me sinto provocada. Enciumada. E completamente irritada com você!

Scully passa por entre as pessoas, deixando Mulder pra trás. Mulder para. Vê um policial falando com uma mulher. Inclina a cabeça para o lado, num sorriso descaradamente tarado. Scully aproxima-se dele.

SCULLY: - Não sei onde estão os policiais. Acredita mesmo que se trate de algum caso de feitiçaria??? Quem sabe Skinner está delirando?

Mulder olhando descaradamente, com a boca aberta. Pende o corpo pro lado, babando, provocando Scully. Scully percebe e vira-se pra olhar o que ele tanto olha impressionado.

Câmera que sobe pelas pernas magras e altas, bem torneadas e o bumbum arrebitado num shortinho preto de brilhos, enfiado no traseiro. Usa um curto casaco de peles. Mulder parece catatônico olhando pro traseiro da 'moça'.

Scully olha pra Mulder, indignada.

SCULLY: - (INDIGNADA) Eu não acredito! Mulder, como pode fazer esse tipo de coisa na minha presença????

MULDER: - (BABANDO/ PROVOCANDO) ...

SCULLY: - (MAGOADA) Feche a boca ou vai babar toda a calçada, seu... Seu porco! Maldita crise dos 40, Mulder!

Mulder a empurra e passa por ela. Scully ergue as sobrancelhas, indignada. Vai atrás dele. Mulder aproxima-se num sorriso sacana retirando a credencial.

MULDER: - Agente Mulder, FBI. O que está havendo por aqui?

Mulder olha para o corpo de Miss Bloop, boquiaberto e tarado. Ela mantém os cabelos sobre o rosto, olhando para frente. O policial olha pra Mulder, desconfiado. Scully aproxima-se.

SCULLY: - Agente Scully, FBI. O que está acontecendo? Recebemos um chamado urgente...

POLICIAL: - Ah, essa é a testemunha. Perguntem a ela, porque eu não sei de mais nada.

O policial se afasta. Mulder num sorriso sacana, todo conquistador e simpático. Scully respira fundo, já soltando o ar pelas narinas. Miss Bloop não olha para Mulder. Mulder, bancando o galã, olhando pro traseiro dela.

MULDER: - Pode dizer pra esse humilde policial o que aconteceu por aqui, gracinha? Quem tentou maltratar uma princesa do seu porte?

Miss Bloop vira-se, tira o cabelo do rosto e olha pra ele.

MISS BLOOP: - Eu não sei, meu bem, estou histérica até agora!!!!!!!!!!!! Foi h-o-r-r-í-v-e-l!

Mulder arregala os olhos e faz cara de pânico. Scully olha pra Mulder, mordendo os lábios, segurando o riso.

SCULLY: - (DEBOCHADA) É isso aí, garanhão. Boa sorte. A 'princesa' é toda sua.

Scully coloca a mão na boca, segurando o riso, e sai de fininho debochando de Mulder. Mulder está catatônico, incrédulo.

MISS BLOOP: - Ele entrou, me ameaçou com uma faca e de repente... Ai, Deus, que coisa horrorosa! Ele cuspia aranhas nojentas pela boca, policial! Logo aranhas! Argh! Eu tenho h-o-j-e-r-i-z-a desse bicho feio e peludo! Cruzes!

MULDER: - (CATATÔNICO/ INCRÉDULO)

MISS BLOOP: - Ei, está me ouvindo, policial?

MULDER: - (CAINDO EM SI/ FECHA OS OLHOS) ... Me dei mal...

MISS BLOOP: - Ai, que chato! Nem me apresentei.

Estende a mão.

MISS BLOOP: - Miss Bloop. A seu dispor. Todinha.

Mulder procura Scully com os olhos, mas não a vê. Está em pânico.

MISS BLOOP: - E o seu nome? Deve ter um nominho bonito que combine com você.

MULDER: - ... (CATATÔNICO)

MISS BLOOP: - Ahn?

MULDER: - (PÂNICO)... Mu-Mulder... Fox Mulder...

MISS BLOOP: - Fox??? Hum, você tem lindos olhos de raposa esperta... Puxa, é a primeira vez que alguém me chama de princesa... Você é sempre simpático assim Raposo, ou é porque está na frente de uma dama?

Mulder olha pro lado, em pânico.

MULDER: - (GRITA/ PÂNICO) Scullieeeeeeeeeee!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


Prédio do FBI - 8:15 A.M.

Scully entra no carro, segurando o riso. Mulder senta-se ao volante, com uma cara de poucos amigos. Olha pra Scully com irritação. Scully tenta esconder o riso. Mulder olha novamente pra ela. Liga o rádio.

[Som: Macho Man – Village People]

Scully solta uma gargalhada. Mulder desliga o rádio, irritado.

MULDER: - (INDIGNADO) Tá rindo do quê?

SCULLY: - (SEGURA O RISO) Nada. Percebeu que toda vez que você debocha da minha cara, o destino se encarrega de devolver o troco por mim?

MULDER: - (INDIGNADO) Vai, vai rindo!

A porta traseira do carro abre-se. Miss Bloop entra.

MISS BLOOP: - Então, pra onde vamos, meu guarda-costas?

Mulder esmurra o volante revoltado. Scully olha pra Mulder, segurando o riso. Mulder está sério, irritado.

MISS BLOOP: - O Raposo aí é seu amiguinho?

SCULLY: - É.

MISS BLOOP: - Hum, sorte sua. Pra onde vamos, Raposo?

Mulder vira-se indignado.

MULDER: - (FULO) Se me chamar de raposo de novo, eu juro que faço você virar purpurina em 30 segundos com um tiro só!

Miss Bloop faz um gesto com a mão pra baixo, de quem pouco liga.

MISS BLOOP: - Tolinho! Ele tem um senso de humor incriiiiiivel! Adoro homens com senso de humor... Mas um tiro só? Que pobreza, Raposo! Pensei que você fosse homem de mais tiros.

Scully coloca a mão sobre os lábios, rindo. Mulder rosna furioso e liga o carro. Olha pra Scully.

MULDER: - Me aguarde. Só me aguarde. Vai ter troco.

SCULLY: - Claro. Já está tendo porque é você quem me devia.


City Hotel – Virgínia – 2:19 P.M.

Skinner entra no saguão do hotel, vestido num sobretudo. Mulder está sentado no sofá. Scully verifica as reservas na recepção. Miss Bloop se admira em frente a um enorme espelho. Skinner aproxima-se de Mulder. Senta-se ao lado dele.

SKINNER: - Recebi agora os detalhes. Não haverá mais agentes envolvidos. Querem sigilo do assunto. Kersh solicitou uma reunião comigo e Scully. Com exceção de você, que deverá vigiar Miss Bloop 24 horas por dia. Ou seja, as investigações ficarão a cargo de Scully. Você será apenas um 'guarda-costas'.

MULDER: - (INDIGNADO) Pois eu vou te dizer uma coisa, ô Girafão. Vai ter troco. Vai ter troco por me colocar num caso cheio de lantejoulas como esse.

SKINNER: - Mulder, sei que parece esquisito mas é um Arquivo X! O Kersh empurrou pra mim!

MULDER: - Ah, é bom eu saber disso. Tinha que vir dele!

SKINNER: - Mulder, Kersh quer passar os piores casos pra vocês. Está querendo ganhar de vocês no cansaço. Já viu que não pode expurgar vocês do bureau por incompetência. Nem tem provas do relacionamento de vocês. Quer é torturar até vocês pedirem demissão. Aproveitou-se da burrice do Carter e como são amigos, está se aproveitando da autoridade. Faça seu serviço e não arranje encrencas.

Skinner suspira. Olha pra Miss Bloop. Olha pra Mulder, em tom de deboche.

SKINNER: - Ninguém percebe olhando assim. Não dá pra dizer que se trata de um homem. Não se culpe.

MULDER: - (PÂNICO) Como sabe disso?

SKINNER: - ... (DISFARÇA)

MULDER: - Ah! A Scully anda espalhando por aí sobre as minhas gafes??? É uma conspiração contra mim!!!!

Skinner segura o riso. Mulder cruza os braços, emburrado.

SKINNER: - Mulder, sem brincadeiras. Se falhar nesse caso...

MULDER: - Olha aqui, Skinner, eu sou agente federal, não sou babá de marmanjos que usam saia! Isso é ridículo, eu não vou acatar ordens. Estou fora desse caso!

SKINNER: - Mulder...

MULDER: - Por que tenho a sensação de que está ocultando algo nessa história?

Skinner disfarça. Mulder sorri curioso.

MULDER: - Fala, Skinner. Fala ou vou subir nessa mesa agora e gritar pra todo mundo o que você faz quando pede licença médica.

Skinner olha pra ele, assustado.

SKINNER: - Estarei morto se alguém souber que lhe contei isso.

MULDER: - (CURIOSO) Conte. Estou doidinho pra ouvir. Adoro uma boa fofoca, acredite.

SKINNER: - Mulder, pelo amor de Deus, não diga isso pra ninguém, muito menos pra Scully.

MULDER: - Ela é um caso seu? É isso?

SKINNER: - (PÂNICO) Não! De onde tirou essa ideia? Mulder, além do fato de Miss Bloop ou senhor Richard Franklin ser uma dançarina famosa... Um ex-namorado dela está preocupado com sua segurança. E por envolver um Arquivo X sobrou pra você.

MULDER: - Ex-namorado???

SKINNER: - Sem mais respostas.

MULDER: - (DESCONFIADO) Ele é do Bureau.

SKINNER: - (ASSOVIA)

MULDER: - E é do alto escalão...

SKINNER: - Mulder, não insista, eu não vou dizer nada.

MULDER: - (CURIOSO) Kersh? McKenna?

Skinner suspira. Mulder segura um sorriso safado nos lábios.

MULDER: - Você não é, Girafão. Sei que tem gostos exóticos, mas se limitam a asiáticas e garotas de 20...

SKINNER: - Mulder!

MULDER: - Não... É mais alto escalão ainda...

SKINNER: - Mulder, por favor...

MULDER: - O Canceroso?

SKINNER: - (SEGURA O RISO)

MULDER: - Não, ele é parecido com o filho, gosta de mulher mas prefere viver sozinho... Krycek?

SKINNER: - (ABAIXA A CABEÇA, RINDO)

MULDER: - Não... Não acho que o russo seja chegado... Ele anda com a loira...

SKINNER: - Mulder, não vou dizer nada.

MULDER: - É do FBI. E é alto escalão mesmo.

SKINNER: - ... (ASSOVIA)

MULDER: - (SEGURA O RISO) O diretor Carter.

Skinner abaixa a cabeça. Mulder abre um sorriso malicioso.

SKINNER: - Mulder, pelo amor de Deus, cale essa boca e não diga isso nem pro seu travesseiro ou nós três estaremos na rua!

MULDER: - (DEBOCHADO) Hum... É, depois eu sou o estranho... Bom, gosto não se discute, de luz apagada qualquer coisa é festa, contanto que você não seja o banquete.

Skinner abaixa a cabeça e ri. Levanta-se.

SKINNER: - Mulder, por favor. Não arranje encrencas, ok? Eu pretendo me aposentar no FBI.

MULDER: - Tudo bem, Skinner. Não vou me meter com a 'mulher' dos outros, pode ficar descansado.

Skinner sai rindo. Scully aproxima-se.

SCULLY: - O que foi, Mulder? Por que conversavam tão animadamente?

MULDER: - Depois te conto. Não podemos rir alto num lugar público. É falta de educação e confesso que eu quero gargalhar muito!

SCULLY: - Tão engraçado assim?

Mulder levanta-se.

MULDER: - Tão engraçado e perigoso que até permitiram que ficássemos num mesmo quarto sem questionar nada. Ou estou errado?

SCULLY: - Como sabia disso? Foi por isso que vim falar com você, achei estranho e...

MULDER: - Esqueça, Scully. Mantenha os olhos na moçoila ali porque ela é nosso espelho pra diretoria.

SCULLY: - (INCRÉDULA)

MULDER: - Na verdade, o relatório dela vai valer mais do que o nosso. E acredite, temos o rabo preso de alguém, caso tente nos ameaçar... Scully, quero que faça a autópsia na vítima.

SCULLY: - E você?

MULDER: - Confesso que preferia fazer a autópsia a interrogar Miss Bloop. (PIDÃO) Quem sabe você faz as duas coisas? Ahn?

SCULLY: - (VINGATIVA) Não. Você foi designado para ser o guarda-costas dela. Você se interessou por ela e eu sempre disse que nosso relacionamento seria aberto.

MULDER: - (INCRÉDULO) ???? Disse????

SCULLY: - (DEBOCHADA) Não tenho o direito de prender você, Mulder, o guarda-costas. Amar é libertar. Portanto, se você se sente atraído pela moça, eu não vou dizer nada. Seja feliz. Mas não se esqueça, Mulder: Guarde muito bem as suas costas primeiro, viu? Ali é faca de dois gumes.

Scully sai rindo. Mulder olha pra ela a fulminando com os olhos.

MULDER: - Chata! Isso foi uma piada de muito mau gosto!


Quarto de Miss Bloop – 2:48 P.M.

Miss Bloop entra. Mulder entra atrás dela, deixando a porta aberta. Ela volta e fecha a porta. Olha pra ele e cruza os braços.

MISS BLOOP: - Muito bem, o que quer saber Raposo? E fale logo, ainda tenho um show pra fazer hoje!

Mulder caminha até a janela. Olha pra fora. O foco da câmera fica nele.

MULDER: - Conhecia o sujeito?

MISS BLOOP: - Nunca vi mais gordo.

MULDER: - Chamava-se Pablo Sanchez.

MISS BLOOP: - Olha pra este corpito aqui e diga, Raposo, se eu sou mulher de sair com tipinhos baixinhos e que não são bem dotados?

Mulder morde os lábios pra não rir.

MULDER: - Algum namorado zangado?

MISS BLOOP: - Que eu saiba nenhum. E você? Tem algum zangado com você?

Ele ignora a pergunta, cerrando o cenho.

MULDER: - Você é praticante de feitiçaria... Magia negra?

MISS BLOOP: - Cruuuuuzes, Raposo! Me chame até de homem que me ofende menos!

Mulder vira-se pra ela. Vira o rosto pra janela rapidamente.

MULDER: - (IRRITADO) Quer fazer o favor de se trocar no banheiro?

MISS BLOOP: - Te incomoda?

MULDER: - É, me incomoda. Eu, um agente do FBI, especialista em mentes criminosas e tenho que ficar agora aqui, sem investigar nada, servindo de babá do mundo artístico alternativo?

Mulder passa por ela e sai do quarto, indignado.


Boate Blue Moon – 5:29 P.M.

[Som: Sister Sledge – We are Family]

Mulder parado na porta do camarim. A porta aberta. Miss Bloop na frente do espelho, se maquiando.

MISS BLOOP: - Entra, Raposo.

MULDER: - Não, estou bem aqui.

MISS BLOOP: - Não vou morder você, t-o-l-i-n-h-o.

MULDER: - ... (IGNORANDO-A)

MISS BLOOP: - Ai, pelo menos fala alguma coisa! Credo!

MULDER: - (DEBOCHADO) Uma bicha entra num sexshop. Toda discreta, chama um vendedor e pergunta pelos 'artigos' de borracha. O vendedor a leva numa sala reservada e mostra vários dos artigos, de tamanhos e cores diversas. A bicha olha, aponta e diz baixinho: Eu quero aquele vermelhão lá daquele canto. O cara fala: Ei, bicha, aquilo é o extintor de incêndio!!!

MISS BLOOP: - Hahahaha. Mas conheço uma melhor ainda! Você vai a-d-o-r-a-r! (DEBOCHADA) Posso contar?

MULDER: - Pode.

MISS BLOOP: - O judeu foi na zona, escolheu uma menina e foi logo perguntando: Quanto? Ela: 20 dólares. Ele: E com sadomasoquismo? Ela: para você me bater ou apanhar? O judeu: Para eu te bater! Ela, preocupada: E você bate muito? O judeu cretino: Não, só até você devolver o dinheiro!

Mulder olha atravessado pra ela.

MISS BLOOP: - Não julgue para não ser julgado. Mas até que a sua piadinha foi boa, Raposo. Vinda de um preconceituoso...

MULDER: - Não sou preconceituoso contanto que não fique dizendo coisas pra mim.

MISS BLOOP: - Que coisas?

MULDER: - Você sabe do que estou falando.

MISS BLOOP: - Hum, Raposo, vou te dizer uma coisa. Você tem é medo de cair na minha cantada. Porque você não tirava os olhos do meu bumbum enquanto eu falava com o policial.

MULDER: - Pensei que fosse uma mulher.

MISS BLOOP: - Mas você ficou desejando. O que importa é a aparência não o conteúdo.

Ela caminha rebolando em direção a porta de acesso ao palco.

MISS BLOOP: - Só vou ensaiar e depois vamos jantar no hotel!

Ela vai pro palco. Mulder cerra os punhos.

MULDER: - (INDIGNADO CONSIGO) ... Bem feito pra mim. Eu tenho que ouvir isso. Eu sou um tarado, tenho que ouvir isso! Imagino como a Scully deve estar se divertindo com a minha cara!

O celular de Mulder toca. Mulder atende.


Corta para Scully no necrotério. Com uma pinça, ela retira uma tarântula do estômago do baixinho. Observa a aranha, analisando-a.

SCULLY: - Aranhas.

MULDER (OFF): - Do que está falando?

SCULLY: - Tarântulas... No estômago do senhor Sanchez.

Scully coloca a aranha num recipiente metálico, junto às outras que formam um monte.

SCULLY: - Pela aparência diria que são tarântulas africanas.

MULDER (OFF): - Por quê? Elas mostraram o visto de imigração?

SCULLY: - (SORRI) Engraçadinho. Mulder, pode me explicar como uma pessoa engole tarântulas... Esqueça a pergunta.

MULDER (OFF): - (RINDO) ... Ficando entendida em aranhas, é Scully?

SCULLY: - Alguma teoria?

MULDER (OFF): - Tem algo a ver com magia.

Scully pega uma pasta e abre. Retira um papel. Caminha pelo necrotério, lendo em voz alta.

SCULLY: - Faz sentido. Segundo as investigações da polícia, o senhor Sanchez era casado, tinha dois filhos e... Um amante.

MULDER (OFF): - Você disse um?

SCULLY: - É, você ouviu bem. A polícia foi atrás do amante, chamado Bob, o Empalador, mas ele havia sumido e ...

MULDER (OFF): - (INCRÉDULO/ PÂNICO) Bob o quê?

SCULLY: -O Empalador.

MULDER (OFF): - ... (PÂNICO) Ai! Nem vou perguntar o que ele 'empala'.

SCULLY: - (DEBOCHADA) Empalador porque ele é um bruxo conceituado que faz feitiço usando estacas, empalando animais.

MULDER (OFF): - Ufa! Continue.

SCULLY: - Também é mágico. Resumindo tudo. Adivinhe com quem o Sr. Bob Empalador teve um caso?

MULDER (OFF): - Miss Bloop?

SCULLY: - Exatamente. O senhor Sanchez foi até a boate para mata-la, talvez por ciúmes. Mas foi surpreendido por um feitiço repentino. Foram encontrados na casa do sr. Empalador várias fotos de Miss Bloop na parede. E alguns rituais mágicos que envolviam objetos que achamos serem pessoais.

MULDER (OFF): - Então o sr. Empalador... Poderia ainda estar apaixonado por Miss Bloop e como não é correspondido, está tentando matar todos que se aproximem dela. Um maníaco obsessivo.

SCULLY: - Exatamente. Vou falar com Skinner. A polícia está vigiando a casa, mas ele não voltou. Senhor Empalador foi embora. Desapareceu no ar.

MULDER (OFF): - Vamos ter que bolar um plano pra pegar o sujeito. Scully, eu tô ferrado. Não posso sair daqui. Você vai ter que resolver isso com Skinner e o FBI.

SCULLY: - Tudo bem. Mas a única questão que realmente me deixa intrigada nisso tudo é: como Miss Bloop consegue ter tantos homens doidos por ela, mais do que eu tive a minha vida toda?

MULDER (OFF): - (DEBOCHADO) Quer a resposta?

Ela desliga o celular rapidamente. Solta o ar pelas narinas.


FBI – Gabinete do diretor-assistente – 7:12 P.M.

Skinner senta-se no sofá, segurando um copo de café. Scully está sentada ao lado dele. Kersh na poltrona, lendo os papéis da necropsia. Olha pra Scully.

KERSH: - Bruxaria???

SCULLY: - Não falei isso. Falei que havia aranhas e ninguém poderia ter ingerido tamanha quantidade de aranhas vivas e...

KERSH: - Olha, agente Scully. Sei por fontes seguras que esse homem é perigoso. Não encaro isso pelo lado de ser um maldito bruxo, porque não acredito nessas besteiras. Mas ele tem ficha na polícia porque já matou outro travesti. E se fugiu, há alguma coisa por aí que eu quero respostas. E respostas concretas.

SCULLY: - Sim, senhor.

KERSH: - Mulder está vigiando o Sr. Richard?

SCULLY: - Sim.

KERSH: - Sinceramente, acho que isso vai afugentar o suspeito. Miss... Senhor Richard precisa de uma proteção que não desperte a atenção do acusado.

Skinner morde os lábios e põe as mãos no rosto. Scully olha pra ele sem entender.

KERSH: - Quero Mulder à paisana. E se você frequentar o local, também deve ir disfarçada.

SCULLY: - Roupas normais?

KERSH: - (VINGATIVO) Normais para o ambiente. Acho que me entendeu.

Kersh levanta-se e sai. Scully olha pra Skinner. Skinner segura o riso.

SCULLY: - O que ele quis dizer com...

Scully segura a frase. Olha pra Skinner. Arregala os olhos.

SKINNER: - (RINDO) Você vai dar a notícia pro Mulder. Eu não! Ah não! Não me arranje mais encrencas com ele... Estou fora!


Boate Blue Moon - 8:39 P.M.

[Som: Bee Gees - Stayin' Alive]

Miss Bloop entra na boate, requebrando ao som da música. Num vestido vermelho longo de paetês e plumas ao redor do pescoço. Mulder atrás dela, sério, num terno impecável e sobretudo.

MISS BLOOP: - A-d-o-r-o essa música!!!! Ai! Me sinto a própria dama de vermelho hoje...

MULDER: - (CORTANTE) Odiaria se esse vestido voasse pra cima na minha frente.

MISS BLOOP: - Odiaria nada, Raposo. Ficaria apaixonado! Estou de tanguinha vermelha também.

MULDER: - Argh!!!!!!!!!

Corta pra Scully, no balcão do bar, tomando um suco. Mexendo os quadris, debochada. Mulder olha pra ela e faz beiço. Ela sorri.

Miss Bloop pede uma bebida, erguendo o dedo e o garçom já corre pra atende-la. Mulder atrás dela, mantendo distância. Miss Bloop vê uma 'amiga'. Acena. Vai até a mesa em que a outra está. Mulder a segue. Escora-se numa coluna revestida de espelhos. Cara de poucos amigos. As duas trocam beijinhos no rosto sem se tocar. Sentam-se.

BABY: - Quem é o bofe que tá seguindo você?

MISS BLOOP: - O bofe? Hum, é meu homem do FBI. Meu guarda costas.

BABY: - Aiiiii, que chiqueeeeeeee! Está se sentindo a própria Whitney Houston!

MISS BLOOP: - E como! Ele é lindo, não é? Deixa o Kevin Costner no chinelo, meu amor. Mas não inveje. Tire esse olho gordo daí. Isso não é pra quem quer, é só pra quem pode.

BABY: - Hum... Ele tem bons músculos... Acho que tem boa carne.

MISS BLOOP: - Credo, olho gordo! Xô! Você não gosta de carne, gosta de peixe, meu a-m-o-r! Ou largou o marinheiro?

BABY: - Ai, Bloop! Peixe demais enjoa! Tem que variar o cardápio. Mas galinha de jeito algum! ... (SUSPIRA) Ai, mas ele é lindo...

MISS BLOOP: - Precisa sentir o Hugo Boss que ele usa, discretamente. Você rolaria nesse chão imundo em estado convulsivo implorando piedade d-i-v-i-n-a! Sentiu só a pose dele? E aqueles olhos cor de jade? Ahn?

BABY: - Ele é gay? Me parece enrustido. Menina se não for converta logo antes que uma amapoa desgraçada o fisgue.

MISS BLOOP: - Ai, meu Deus!

BABY: - Imagina que horror?!!! Nooossssssaaa!

As duas fingem cuspir pro lado, fazendo cara de nojo.

BABY: - Depois que eles sentem o cheiro daquela coisa nojenta, nunca mais minha filha. Tenha certeza disso. Converta agora!


Corta pra Scully que se aproxima de Mulder, segurando o copo.

SCULLY: - Quer suco de laranja? Hum?

MULDER: - (DESCONFIADO) Daria um dedo pra saber o que aquelas bichas estão falando.

SCULLY: - (DEBOCHADA) Hum, ainda não percebeu? Só pode ser sobre você. Estão animadas.

MULDER: - Eu mereço! Eu mereço! Tô pagando os meus pecados! E você tá se divertindo, não é, Scully?

SCULLY: - (DEBOCHADA) Eu? Imagina...

MULDER: - Esses serão os piores dias da minha vida! Uma bicha querendo sacanagem e a mulher que eu amo rindo da minha cara.

SCULLY: - Mulder, admita. Isto é engraçado.

MULDER: - (MALICIOSO) Engraçado é o que tenho vontade de fazer com você agora, debaixo do lençol e com muitas fatias de tomate e mussarela, salpicados de orégano.

Ela olha pra ele em pânico.

MULDER: - Isso seria engraçado.

SCULLY: - (SÉRIA) Mulder.

MULDER: - Ahn?

SCULLY: - Você às vezes me dá medo!

MULDER: - É que eu queria ouvir você gritando pizza.

SCULLY: - Ahn???

MULDER: - P-i-z-z-a. Aquela coisa redonda cheia de queijo.

SCULLY: - Meu sabor favorito é calabresa. E o seu, 'Raposo'?

MULDER: - (DEBOCHADO) Não sou chegado em calabresa. Prefiro de queijo suíço com melões naturais.

Scully coloca as mãos sobre os lábios e sai em disparada rindo. Ele sorri, abaixando a cabeça.

Baby olha pra Miss Bloop.

BABY: - Hum, ele está sorrindo.

MISS BLOOP: - Pra você?

BABY: - Claro. Estou de frente pra ele.

Miss Bloop levanta-se furiosa, levando o copo de Martini consigo. Aproxima-se de Mulder, que fica sério.

MISS BLOOP: - Conhece a piada da calabresa fatiada?

MULDER: - Ahn???

MISS BLOOP: - Pois... Deixa pra lá. Não descobri qual é a sua ainda, Raposo. Mas faça isso de novo e eu juro que cometo crime passional aqui dentro me descabelando t-o-d-i-n-h-a!

Ela atira o Martini na cara de Mulder. Empina o nariz e passa por ele. Mulder não entende nada, limpando o rosto.

MULDER: - O que deu nessa bicha doida?

Scully aproxima-se. Puxa um lenço do bolso e o ajuda a secar-se.

SCULLY: - Ciúmes?

MULDER: - Eu tenho que aguentar isso. Dá pra acreditar?

SCULLY: - Mulder, pense assim: Hoje, quando as corujas estiverem sobre os postes e a lua no céu escuro, eu farei o mesmo. Com a única diferença que passarei minha língua e não um lenço nesse rosto barbeado e cheiroso.

MULDER: - (DEBOCHADO) Scully... Chame o afetado. Vou pedir que ela atire uma garrafa inteira no meu corpo e nós vamos pro hotel pra você fazer isso...

SCULLY: - Depois, Mulder... Tenho uma investigação me esperando.

MULDER: - (PÂNICO) Você não vai me deixar sozinho num clube gay!

SCULLY: - (DEBOCHADA) Não é gay. Tem bissexuais também. Admita, Mulder, você tá adorando a coisa. Aumenta sua auto-estima.

MULDER: - Ainda bem que estou armado. Qualquer bafo no meu pescoço e eu atiro!

SCULLY: - Mulder... Acho melhor você estufar o peito e salvar a Penélope Charmosa... Não me admira que você babou feito um buldogue quando viu ela... Olha lá...

Mulder olha para onde Scully aponta. Miss Bloop está sentada junto ao bar. Um bando de homens ao redor. Alguns acalentando, outros oferecendo bebidas.

MULDER: - Deixa ela... Acredito que está em ótima companhia.

SCULLY: - (ASSOVIA) O relatório Mulder... O relatório... Kersh pode chegar de surpresa...

MULDER: - Dane-se o relatório... Dane-se o Kersh!

SCULLY: - (VINGATIVA) Mulder... Está encarregado de protegê-la. E se isso não acontecer, não reclame depois se tiver que servir cafezinho para o Kersh e fazer chamego quando ele estiver mal humorado...

Miss Bloop levanta um braço. Quase não se pode enxerga-la, em meio aos homens.

MISS BLOOP: - (DESESPERADA) Raapooosoooooo!!!!!!!

O grito redunda no local. Todos olham para Mulder. Scully solta uma gargalhada de Gillian. Mulder morde os lábios, sem saber o que fazer.

MULDER: - Não... Isso não... Não, não, não, não... Que não tenha ninguém que me conheça por aqui...

SCULLY: - Vai lá Mulder! Ela precisa se sentir segura entre seus ombros largos... Afinal, todos aqui já viram que você é o homem dela.

MULDER: - (INCRÉDULO) Queee???? Vai me largar de lambuja pra essa Priscila, a rainha da cidade?

Miss Bloop se desvencilha da multidão que a cerca, indo em direção a eles. Mulder abaixa o rosto e fala coisas ininteligíveis. Miss Bloop chega e se agarra em um dos braços dele.

MISS BLOOP: - Raposo, eu estou n-e-r-v-s-a-a-a-a-a-a!!!!!! Esses bofes estão me perseguindo!!! Preciso me sentir segura!!!! (OLHA PARA SCULLY COM NOJO)... O que ela faz aqui??? O que pretende????

Scully pende o queixo. Mulder cerra os punhos, louco para sair correndo.

MISS BLOOP: - (INDIGNADA) Não vai me responder o que essazinha está fazendo aqui????? (BATE O SALTO NO CHÃO) Hein???? Raposo! Estou falando com você!

SCULLY: - (DEBOCHADA) "Amiga", eu estou i-m-p-r-e-s-s-i-o-n-a-d-a com você! O seu estilo é único!!! Sempre sonhei em fazer uma consulta de moda com alguém que entendesse do assunto... Vejo que encontrei!!!!

Scully olha para Mulder, fazendo beicinho. Ele está completamente catatônico.

MISS BLOOP: - (SEM RESISTIR) Messssmo??? Acha que estou poderosa?

SCULLY: - Poderosa e absoluta!

Miss Bloop abre um sorriso. Mulder não acredita no que está vendo. Miss Bloop agarra Scully com o outro braço. Fica entre Mulder e ela. Começa a arrastá-los entre as pessoas.

MISS BLOOP: - Aiiii, já estou cansadinha disso aqui!!! Vamos para o meu camarim... Como você se chama meu bem?

SCULLY: - (OLHA PARA MULDER) Pode me chamar de Bambi... (GOSTINHO DE VINGANÇA)

MULDER: - (ATORDOADO) Ahh...ahhh..ãhh.

Miss Bloop olha para ele, cheia de paixão.

MISS BLOOP: - Meu Deuzinho!!! Não geme assim não!!! Eu sou uma mulher digna e não posso descer do salto na frente de todo mundo! Guarda essa voz de Sean Connery para as intimidades, Raposo... Vamos Bambi... Preciso te mostrar minha coleção de plumas!

Scully cerra os lábios para não rir. Mulder está branco como cera.

SCULLY: - Mulder....(CUTUCA A CABEÇA DELE) Alôô, tem gente em casa? Vamos... Tenho muitas coisas a aprender com Miss Bloop....


BLOCO 2:

Apartamento de Skinner - 11:20 P.M.

Skinner, no banheiro, enrolado com uma toalha na cintura, termina de fazer a barba. O celular toca insistentemente. Ele solta o aparelho de barbear sobre a pia e vai pra sala, limpando o rosto com uma toalha. Pega o celular de cima da mesa de centro e atende.

SKINNER: - Skinner....

CARTER (OFF): - (PREOCUPADO) Walter?

Skinner cai sentado no sofá, numa fisionomia debochada.

SKINNER: - Diretor Carter???

CARTER (OFF): - (RECEOSO) Sim...

SKINNER: - Algum problema?

CARTER (OFF): - ...

SKINNER: - (ESTRANHANDO) Senhor?

CARTER (OFF): - (BANCANDO O FORMAL) Diretor Assistente? Poderia me dar informações sobre o caso de seus principais agentes?

SKINNER: - Kersh não lhe passou???

CARTER (OFF): - (DISFARÇANDO) Estive impossibilitado de contactar com Kersh... Eu... Eu quero saber o que os agentes Mulder e Scully estão fazendo.

SKINNER: - (CÍNICO) Meus agentes estão investigando um caso de tentativa de assassinato. Mulder está protegendo a vítima.

CARTER (OFF): - Quem é a vítima?

SKINNER: - (ADORANDO) Um transformista muito famoso Richard Franklin... Conhecido como Miss Bloop...

Skinner ouve algo despencar do outro lado da linha. Olha pro telefone. Segura o riso ao máximo que pode.

SKINNER: - (GOLPE DE MISERICÓRDIA) Mulder é o guarda Costas...

Mais barulho. Algo quebra do outro lado.

CARTER (OFF): - (NERVOSO) Obrigado Diretor Assistente... Pedirei mais detalhes do caso amanhã...

Carter desliga. Skinner desata a gargalhar. Pega o telefone e seleciona Mulder.

MULDER (OFF): - (RAIVA) O que é Girafão?????? Tomando uísque e teclando com a Girafuda, na vida boa, falando sacanagem, enquanto eu fico aqui cheio de purpurinas, vendo silicone vazar, nessa maldita boate, onde caras peludos ficam olhando mansamente pra mim, o que me faz ter que me locomover encostado pelas paredes? Pagando o preço de um maldito gato persa? Casa, casa pra você ver o que é bom.

SKINNER: - Acho bom você cuidar muito bem da donzela... Mas isso não inclui serviços "internos"... Controle seus hormônios, Raposão. E nada de gatos persas de duas patas...

MULDER (OFF): - (INCRÉDULO) O queee?????

Skinner desliga, rindo.


Corta para Mulder. Mulder olha para o telefone, incrédulo.

MULDER: - (INDIGNADO) O que ele tá pensando???? Eu gosto de filé mignon e não coxão de fora, duro e cheiro de hormônios!!!! Vai ter troco Girafão! Te prepara, heliporto de nano-óvni!


12:06 A.M.

[Som: ABBA – Dancing Queen]

Scully passa por entre as pessoas, em direção camarim de Miss Bloop. Fala pelo telefone. Olha para todos os lados, desconfiada.

SCULLY: - Vocês precisam arranjar para mim e rápido! Bem grande!

Ela para perto do bar. Fica na ponta dos pés, tentando enxergar alguma coisa entre a multidão.

SCULLY: - Não, Langly! Isso não vai funcionar... Pega o outro... Eu sei que vocês conseguem... Eu preciso fazer isso!! É que... Lembram?...... O quê?? Disso eu não sabia!..... Pois é... Agora eu não posso perder... Eu sei, pode ser perigoso... (RI) Tão perigoso quanto daquela vez...

Ela desvia o olhar. Se sente uma criminosa.

SCULLY: - Ele pode me ver... Não pode saber... Eu sei que vocês vão conseguir uma bem grande... Ah, não esqueçam dos detalhes também, esses é que fazem a diferença... Ok, daqui a pouco? Não demorem!!! E se quiserem, podem estar presentes. Mas só com.....

MULDER: - (DESCONFIADO) Scully?

Scully dá um grito, tamanho é o susto. Algumas pessoas olham para ela.

SCULLY: - Não faz isso de novo!

MULDER: - (MAIS DESCONFIADO AINDA) Mas por que se assustou???? Com quem falava?

SCULLY: - (TENTANDO ESCAPAR) Ihhh... Mulder... Já está começando as cobranças é??? Daqui a pouco está sentado no meu sofá, com aquela pança de cerveja, cheio de bebuns ao redor e gritando "Jaburu, trás as fritadas de uma vez!!!"

MULDER: - Do que você está falando mulher?

SCULLY: - Estou falando que não suporto cobranças, ok? Já chegam os relatórios do FBI! Nunca, mas nunca mais repita isso!!!!! Estou indo pro hotel. Nos encontramos depois.

Ela sai, se fazendo de brava, empurrando as pessoas. Mulder não entende nada, fica balançando a cabeça. Um moreno alto, sentado no bar, bem elegante, de terno e gravata, revira o Martini com a azeitona. Olha pra Mulder.

JULIO: - É assim sempre... Bobs velhos no cabelo, "chambre" florido da mãe, chinelo de pelúcia rosa e aquele creme verde fedido no rosto, dizendo "vem cá meu tesão"... E ainda querem que você tenha apetite. Essas RPM's...

MULDER: - RPM???

JULIO: - Reinaços pré e pós-menstrual. A tensão menstrual fica para os dias férteis. Elas são alienígenas, eu sei que são... Eu já fui bi também. Mas não adianta.

MULDER: - ...

JULIO: - Posso te pagar uma bebida?

MULDER: - (DESCONFIADO) Não, eu...

JULIO: - Entendo você. Não demora muito e você troca sua mulher por um homem. No início é estranho, mas depois percebe que nada como um homem pra entender outro, ele sabe como dar prazer, sabe do que você gosta... Homens são sexo, não são neuroses sexuais como elas. Mas você me entende. Frequenta este lugar há muito tempo? Nunca te vi antes por aqui.

MULDER: - (CATATÔNICO) ...

JULIO: - ... Quer ir pra um lugar melhor? Eu e você? Tenho um apartamento perto daqui e adoraria te fazer feliz. Me parece tão carente... Sou muito carinhoso, não se preocupe.

Julio pega a mão de Mulder. Coloca uma chave na palma da mão dele e a fecha. Mulder olha pra ele em pânico. Sai de fininho pelo meio da multidão.

Corta para a porta. O sujeito alto, de cavanhaque, entra. Gel nos cabelos. Elegante, com um medalhão no pescoço. Procura algo com os olhos. Passa a mão pelo cavanhaque, revelando o anel com uma caveira de olhos vermelhos de rubi.


City Hotel – 3:21 A.M.

Miss Bloop caminha em direção ao quarto. Mulder atrás, com cara de pitbull enraivecido.

MISS BLOOP: - Calma Raposo... Não quer encher esse rostinho lindo de rugas, quer??? Pra quê esse estresse todo?

MULDER: - Quer que as minhas futuras rugas se transfiram pra você? Três caras me cantaram lá naquele lugar!

MISS BLOOP: - Que ótimo! E você?

MULDER: - O que você pensa que eu sou? Hein? Eu sou hetero, poderia respeitar meu gosto por pele macia, seios naturais e coisas mais molhadas?

MISS BLOOP: - Há gosto pra tudo. Mas deveria experimentar.

MULDER: - Vou até ficar quieto. Nem vou te dar resposta. Não vale a pena.

MISS BLOOP: - Mas Raposo, você não precisa dar o que não quer. Você pode apenas ter.

MULDER: - (IRRITADO) ...

MISS BLOOP: - Não sei porque se choca! Você é caretão, sabia?

MULDER: - (INDIGNADO) Caretão??? Um sujeito alto, barbudo, com mais pelos que um macaco passou por mim e sussurrou no meu ouvido que tinha 30 cm me esperando!

MISS BLOOP: - (EMPOLGADA) Pegou o telefone dele?

Mulder olha pra ela, enfurecido.

MISS BLOOP: - Tá, Raposo... Não vou roubar sua cantada.

MULDER: - (IRRITADO) O pior ainda foi ser chamado de 'minha tchutchuca' por um negão de dois metros de altura!

Miss Bloop lança um beijinho no ar. Coloca a chave na fechadura. Antes de entrar, Mulder a impede.

MULDER: - Entro primeiro.

Ela abre um sorriso. Mulder entra. Estaqueia e empurra Miss Bloop para trás. Puxa a arma e aponta.

MULDER: - (GRITA) Parado!!! Vire-se com as mãos sobre a nuca!!!

Miss Bloop dá um espiadela. Há um homem baixo, vestindo uma jaqueta de couro velha, de cabelos escuros, mexendo em algumas sacolas. O homem põe as mãos atrás da nuca e levanta-se. Está de costas.

MULDER: - (INTIMIDANDO) Vire-se!!

O homem se vira. Mulder deixa cair a arma no chão, tamanha é a incredulidade.

SCULLY: - Nossa Mulder!!!

MULDER: - (INCRÉDULO) Scully????????? O que é isso????????

Ela se aproxima dele, caminhando que nem homem. Jaqueta de couro velha, uma camiseta enorme dos Ramones, calças pretas largas e botinas. Uma peruca morena escondendo os cabelos ruivos. Nenhum resquício de maquiagem.

SCULLY: - Gostou????

MULDER: - (SEM VOZ)

MISS BLOOP: - Bambii!!!! Meu Deus, você é 'entendida'??? Por que não me falou antes???

MULDER: - (INDIGNADO) O que está acontecendo aqui????? De quem são essas roupas? Scully, você tá ficando maluca?

SCULLY: - Mulder, quem em Washington poderia me emprestar algumas roupas, sem que elas ficassem enormes???

MULDER: - (MAIS INCRÉDULO AINDA) Frohike!!!! Eu pego aquele nanico!!!

SCULLY: - A camiseta é do Langly... Tive que cortar um pouco para não ficar nos joelhos...

Mulder está atordoado. Scully olha pra ele apiedada.

SCULLY: - Sei o que vai dizer, mas não estou fazendo sacanagem pra você. Não sabia como te dizer isso, você ia ficar mais irritado do que está e... Mulder, preferi fazer isso no choque. Foram ordens. De Kersh. Quer que estejamos misturados aos clientes da casa. Ou chamaremos atenção desnecessária.

MULDER: - ... (PÂNICO) Não... Você não vai me dizer...

Miss Bloop vai até a sacola. Os olhos brilham. Ela abre um sorrisão. Derrama o conteúdo da sacola sobre a cama.

MISS BLOOP: - Raposo!!!!! Eis a sua vestimenta!!!!!!! Poderosaaaa!!!!!

Mulder olha para a cama. Revira os olhos, em estado de choque. Cai deitado na cama.


Boate Blue Moon - 8:44 P.M.

[Som: Sister Sledge – We are Family]

A câmera baixa focando a entrada da boate na calçada.

Diversos tipos de sandálias e sapatos passam em frente à tela. Conversas, gritinhos e saudações são ouvidos ao fundo. A câmera enquadra dois coturnos enormes, repleto de fivelas e tachas.

Um par de botinas velhas menores aparece também, logo atrás.

Duas sandálias roxas, de plataforma, altíssimas.

Os três começam a caminham em direção à entrada da boate.

A câmera sobe até enquadrar três pessoas, de costas. O sobretudo de um deles esvoaça conforme caminha. As plumas e mantôs de outro também balançam ao vento. Conforme vão passando, as pessoas olham, fascinadas. Eles conversam entre si, mas não se ouve. O moreno de sobretudo gesticula irritado com o baixinho ao lado. A mulher ruiva e alta caminha em frente ao moreno, resplandecente. Chegam até a entrada.

O segurança enorme, Wudolf, vestido de motoqueiro, os olha desconfiado. A mulher gesticula abertamente. Wudolf olha para o moreno atrás dela. Pede que abra o sobretudo. Ele reluta. O baixinho o cutuca, querendo evitar vexame. O moreno concorda. Abre o sobretudo.

Corte. A câmera sobe lentamente pelo homem de sobretudo. Vêem-se os coturnos. Um cuecão com taxas, de couro. Tiras de couro que traspassam pelo abdômen, fivelas e argolas penduradas. A pele brilha de óleo, ressaltando os músculos. A câmera sobe até focar o rosto. Óculos escuros. Os cabelos arrepiados, com gel. É Mulder. A mulher ruiva olha para ele, fascinada.

MISS BLOOP: - Meu Deus, Raposo!!! Você é um atentado contra a moral e os bons costumes!!!!! Não tem problema Wudolf, ele é meu guarda-costas.

Miss Bloop engata um dos braços nos de Mulder. Puxa Scully também. O enorme Wudolf olha para Scully, desconfiado. Scully faz cara de nojo. Ele abre passagem. Bloop solta os dois e caminha para o camarim.

Os olhares masculinos passam por Mulder.

SCULLY: - Mulder, não é só você que está em uma situação ruim... (RI) Daqui a pouco aparece um Margaridão, e eu não poderei recuar... Afinal, meus trajes revogam a minha preferência sexual....

MULDER: - (IRRITADO) Ah sim, claro... Não duvido que você goste... Mas me chama pra festa, ok?

SCULLY: - Mulder!!!!

MULDER: - ...

SCULLY: - (PASSANDO A MÃO PELO ABDÔMEN DELE) Você não imagina o quanto está...

MULDER: - Scully, acho melhor você não me provocar...

SCULLY: - Isso é uma ameaça??

MULDER: - Não... Apenas um aviso. Não sabe como posso agir aqui.

SCULLY: - (DEBOCHADA) Vai dizer que não gosta de sentir os olhares famintos para cima do seu corpo escultural... Isso eleva sua 'auto-estima', não? Você mesmo me disse isso.

MULDER: - Entendi, Scully. Tudo isso por causa de um gato persa. Tudo bem, se vingue. Eu mereço. (DEBOCHADO) Mas não estou magro e sem graça??

SCULLY: - As pessoas não gostam de homens musculosos Mulder. Gostam de homens definidos. Nós gostamos de sentir exatamente onde estamos tocando... Esquadrilhar você é praticamente uma aula de anatomia...

MULDER: - Scully, você está bem??? Já percebeu onde estamos???? Isso aqui é uma boate gay!!!

SCULLY: - E daí??? Não sou 'homem'?

Mulder olha para cima, balançando a cabeça.

SCULLY: - Mulder, se eu não estivesse vestida de homem, juro que te estupraria aqui na frente de todo mundo!!!! Vou confessar, ver você desse jeito deixou minha imaginação fluir!

MULDER: - Ahh sim!!! Está se excitando com o meu constrangimento!!!

SCULLY: - Não. Estou me excitando com a sua situação. Pode me chamar de doente, mas sempre dissemos que não haveria segredos entre nós. É como se eu olhasse pra esses homens te desejando e elevasse minha auto-estima sabendo que eles não têm chances. Só eu.

Miss Bloop puxa os dois em direção ao camarim.

MISS BLOOP: - Aiiii, seus lerdinhos!!! Vamos!!! A Bloopinha aqui precisa se arrumar para o show!!!

Eles seguem Miss Bloop. Mulder olha para as pessoas da boate. Não sabe se ri ou se sai correndo.

MULDER: - É... Se eu estivesse me vestindo normalmente, daí sim me sentiria um alienígena... Olha isso!

Frank Anaconda, um sujeito musculoso, passa por eles, usando somente uma tanguinha fio dental. Atira um beijinho para Mulder. Ele se segura para não bater no cara. Scully arregala os olhos, impressionada.

SCULLY: - Nooossa... Que bumbum!

MULDER: - (IMITANDO A VOZ DELA) "Hum Mulder, nós não gostamos de homens musculosos, gostamos de homens definidos"... Aham, tô vendo o que a nanica gosta....

SCULLY: - Você viu a bunda dele???? Meu Deus!!! (DEBOCHADA) Mulder, dizem que homens que têm o traseiro grande costumam funcionar muito bem na frente...

MULDER: - (IRRITADO) E você acha que eu iria reparar em uma bunda anabolizada???? Eu te garanto que se espetarem um alfinete ali, a coisa murcha na hora! Acho melhor reformular a sua teoria sobre os homens, "Miss Scully"... E afinal, ali na frente não deve funcionar nada.

SCULLY: - Como pode garantir?

Mulder fica quieto. Irritado.


10:14 P.M.

[Som: Village People – In the Navy]

Várias drags fazendo performances no palco, com Miss Bloop ao centro. Está com uma peruca loira em estilo pantera, e um macacão justíssimo de lurex em azul e branco, simulando um marinheiro. Plumas para tudo quanto é lado. A plateia grita, batendo palmas em pé, acompanhando a música.

Mulder espia por detrás do palco. Scully a seu lado.

MULDER: - Confesso que adoraria ver seu irmão Bill Dog ali fazendo isso. Seria mais engraçado. Hehehehehe...

SCULLY: - (FRANZE O CENHO)

MULDER: - Esse cara é esperto. Ele não ia se expor...

SCULLY: - Confessa Mulder... Olha o corpo que ela tem!!

MULDER: - (BEIÇO)...

SCULLY: - (SANTINHA) Mulder, eu não estou te julgando!!! Se uma mulher me aparece na frente com a cara do David Duchovny, eu não iria pensar duas vezes!!!

Ele continua olhando para Miss Bloop.

MULDER: - Olhando assim, de longe, a gente não pode reconhecer mesmo... Como pode??

SCULLY: - Pensa bem... Não tem celulite... A flacidez só vai aparecer lá pelos 60, os músculos são firmes...

MULDER: - Mas são esses detalhes que fazem a diferença! Mulher é macia, sedosa! Homem é duro demais!

SCULLY: - (MALICIOSA) Como você sabe? E além do mais, "maciez" e "sedosidade" é interpretada pelas mulheres como gordura localizada e flacidez.

MULDER: - (INDIGNADO) Eu sei porque sou homem! Não começa Scully. Não estou com cabeça agora. E você tá se revelando mais sarcástica do que eu! Deus me livre de pisar no seu calo de novo! Cruzes!

SCULLY: - (DEBOCHADA) 'Cruzes?' Olha, Mulder, acho que você já começou a acrescentar o dicionário local ao seu. Não vai demorar muito e já vai se referir a mim como 'meu bem'.

Mulder olha para ela, cortante. Ela levanta as mãos, pedindo calma. Ele volta a olhar para o palco.


Corta para o homem que entra na boate. O cavanhaque, a aparência fria, terno, camisa aberta. É Bob, o 'Empalador'.

Aplausos frenéticos irrompem dentro do clube. Mulder está atento a cada movimento. Miss Bloop se despede, cheia de pompa. As drags se refestelam ao lado dela. Mulder entra no palco, à contragosto, trazendo Miss Bloop para o camarim. As drags olham para ele boquiabertas. Miss Bloop esnoba. Scully vai atrás.

MULDER: - (SECO) Por hoje chega. Não pode ficar fazendo shows correndo perigo de vida.

MISS BLOOP: - Raposinho, eu faço isso para viver! E ainda tenho mais dois shows esta noite ainda!! E por que euzinha teria medo, com você ao meu lado? (OLHA PARA SCULLY) Concorda Bambi?

SCULLY: - Claro!! Imagina! Mulder é um agente de extrema competência...

Uma Drag vem correndo, abanando as mãos, com um celular na mão.

DRAG 1: - Bloooopppyyyy! Aiiii, é ele, é ele!

Miss Bloop se emociona toda, pegando o telefone. Atende às pressas.

MISS BLOOP: - Cartyyyyyyyy!!!!!

Mulder olha para Scully.

MULDER: - (SUSSURRANDO/ INCRÉDULO) Carty????

Scully fica com a boca aberta. Mulder leva a mão ao queixo dela, fechando sua boca.


1:21 A.M.

[Som: Village People – Macho Man]

A câmera esquadrilha pelos ambientes da boate. Muita gente rindo, outros se agarrando. Gira pelo lugar até dar de encontro à Mulder, perto da entrada dos camarins. Move-se em direção a ele.

O som ao redor da câmera se distorce, as imagens se tornam nubladas e sem cor, lentas e disformes. Aproxima-se rapidamente. Mulder não percebe. Ouvem-se bulhas cardíacas aceleradas e o som de respiração difícil. Mulder pressente e desvia sua atenção. Quase cai para trás, assustado. Continua olhando, incrédulo para a pessoa de longos e volumosos cabelos cinzas, que passa por ele indo até Miss Bloop no camarim.

MULDER: - (INCRÉDULO) Diretor Carter??????????

Carter conversa com Miss Bloop. Fisionomia preocupada. Veste uma saia cinzenta e uma túnica escura, além da peruca cinza. Mulder continua olhando catatônico. Scully se aproxima e percebe. Espia pra dentro do camarim.

SCULLY: - (RINDO) Eu não acredito! O que a "Madame Min" está fazendo aqui???

MULDER: - (DEBOCHADO) Acredito que uma performance dele no palco com um cabo de vassoura piaçava seria interessante... Pobre da vassoura...

SCULLY: - Deus! Mulder, estou de alma lavada!

MULDER: - Dois.

Carter desvia o olhar pra porta. Mulder e Scully disfarçam. Carter pega o sobretudo de Mulder, que estava sobre uma cadeira e o veste. Fecha a porta do camarim, batendo-a.

MULDER: - (DEBOCHADO) Acho que ela tá f-u-r-i-o-s-a a menina! Noosssaa!!!

SCULLY: - Mulder, não provoque. E você? Vai ficar assim?

MULDER: - Assim como???

SCULLY: - (RECEOSA) Assim... Desse jeito... (GESTICULA) Assim...

MULDER: - (CÍNICO) Tá querendo que eu coloque o sobretudo?

SCULLY: - (OLHA PARA OS LADOS)

MULDER: - Como, se a Madame Min está com ele??? (IRÔNICO) Sou subordinado, recebo e "acato" ordens...

Um sujeito aloucado passa por eles e para, olhando para Mulder. Scully fica desconfiada e pega no braço dele. Ele parece um estilista espalhafatoso. Olha para Mulder, de cima à baixo, impressionado. Scully cerra os dentes. Mulder se diverte com o aborrecimento dela.

VERUSKA: - Dio Mio !!!!!

MULDER: - (SANTO) Algum problema?

VERUSKA: - (IMPRESSIONADA) Lei è perfetto!!!! Con quel corpo di Dio romano!!! E con quell'arma enorme!!!!!! Mio Santo!!!!

MULDER: - ????

VERUSKA: - Ohh, me desculpe!!! Me apresento: Veruska Bellare. Sou produtora de eventos e caça talentos...

SCULLY: - (IRÔNICA) Caça talentos???? O que quer?

VERUSKA: - O que eu quero????? Dio mio! Estou em frente a um Deus Romano e você ainda me pergunta???? Calma benzinho! Tenho muito que conversar com o morenão aqui. Toparia posar nu para uma revista internacionalmente conhecida para gays???

Mulder estufa o peito, orgulhoso. Scully olha para ele, incrédula. Veruska analisa Mulder de novo, com um olho clínico.

VERUSKA: - Você desbancaria o Mark Walberg para Boogie Nights, e ainda dispensaria a prótese que usou para...

SCULLY: - Me poupe!!!! Nem tente tocar nele porque é propriedade particular!

Scully fica na frente de Mulder. Ela mal chega na altura dos ombros de Veruska, que olha para ela. Scully a encara com frieza.

VERUSKA: - Humpf... Aqui está o meu cartão, caso pense melhor. Apenas não desperdice o seu potencial por causa dela... Você tem talento. (OLHA PRA BAIXO) E como! Percebe-se... Bom, filmes também estão no convite.

Mulder pega o cartão. Veruska sai pela porta. Scully olha para Mulder. Ele ri.

SCULLY: - Tá devolvendo o troco, não é?

MULDER: - Scully... Você pode ser baixinha, mas intimida do mesmo jeito...

SCULLY: - ...

MULDER: - Sabe de uma coisa? Deveria deixar Madame Min fazer o serviço e enquanto isso eu adoraria admitir que sou gay e atacar um 'baixinho' aqui... Hum??? Que tal?

SCULLY: - (DEBOCHADA) Tem um problema, eu sou ativo, Raposo.

MULDER: - (PÂNICO) Esqueça... Você é doida, eu tô fora!


2:33 A.M.

Mulder e Scully se aproximam do bar. Mulder com o sobretudo aberto por cima da roupa de couro. Julio está sentado, bebendo uma cerveja. Olha para Mulder com o rabo dos olhos, de cima a baixo. Mulder pede uma cerveja.

SCULLY: - (IRRITADA) Nhé... nhé... nhé... Não começa Mulder!!!! Se um dia eu encontrar uma bermuda laranja, camisetas de rock, bonés com marketing empresarial e ver o meu porsche entre as suas coisas, se prepare! E ai de você se começar a ter espinhas!!!!!

MULDER: - (SEM ENTENDER) Do que está falando???? Scully, já percebeu que você anda tendo oscilações estranhas de humor???? Acho que aquele cara tinha razão quando me falou das RPM's...

SCULLY: - RPM's????

MULDER: - (DISFARÇANDO) Vamos, não posso deixar a Lady sozinha, ou senão o meu "trio indispensável" que irá a jogo...

Miss Bloop se aproxima. Pede um Martini.

MISS BLOOP: - Temos tempo ainda, Raposo. Quero curtir um pouco antes de retomar o palco....

MULDER: - Acho bom você não beber demais.

MISS BLOOP: - Aiiiii credo! Estou apenas no primeiro copo!!! Pra derrubar a Bloopinha aqui, só depois de garrafas!

Scully ri. Mas tem o olhar longe.

MULDER: - Vem cá Scully... Estou notando um certo ar "sorumbático" em você, ou é impressão minha?

SCULLY: - Humm, está se informando para adquirir uma linguagem mais culta???

MULDER: - O "amansa-burro" serve pra quê?

SCULLY: - (TRISTE) Deixa Mulder... Coisas de mulher...

Dois homens musculosos, vestidos como Mulder, passam por eles. Ele tenta anima-la.

MULDER: - Olha Scully... Que vontade de dar uma espetada ali, hein??

SCULLY: - (MALICIOSA) Espetada???????? Ah não Mulder, essa eu não esperava de você...

MULDER: - (PÂNICO) Não foi nesse sentido!!!! Não inverta as coisas! Foi no sentido do alfinete que eu falei!!!!

SCULLY: - Me engana que eu gosto...

Mulder cruza os braços, de beiço. Júlio levanta-se. Cutuca no braço de Mulder.

JULIO: - Algo o incomoda?

Mulder se vira para olhar quem é. Scully também. Ela arregala os olhos. Julio se abaixa, com aquele olhar fatal. Pega a mão de Scully e a beija.

JULIO: - (SEDUTOR) Muitíssimo prazer... Senhorita...

MULDER: - Ei cara, afinal de contas qual é a tua? Pra que time você joga?

JULIO: - Puxa, ficou com ciúmes?

MULDER: - Dela, você quer dizer né?

Miss Bloop levanta-se, puxando Scully pelo braço, que reluta.

MISS BLOOP: - Vamos Bambi, quero que você me ajude na maquiagem...

Bloop arrasta Scully para o camarim. Mulder tenciona ir, mas Julio o impede.

JULIO: - Conhece a Bloop há muito tempo?

MULDER: - Não muito...

Mulder começa a sair dali. Julio o segura de novo.

MULDER: - Qual é a sua afinal?

JULIO: - Calma!!! Qual é o motivo da agressividade???

MULDER: - Não estou acostumado com isso... Me sinto um alienígena aqui...

JULIO: - Dois... E então?

MULDER: - Boa noite.

Mulder sai de fininho. Julio tira um maço de cigarros do bolso. Sorri. Pede outra cerveja.


City hotel - 3:12 A.M.

Mulder sai do banheiro de cuecas boxer. Scully está deitada sobre a colcha, de camisola, procurando algum canal com o controle remoto. Mulder se aproxima dela e sobe pelo corpo dela a cheirando. Ela ri.

MULDER: - Que coisa boa... Sentir esse perfume... Mulher... Eu preciso de mulher, de cheiro de mulher, de gosto de mulher... Hum, que delícia...

SCULLY: - (RINDO) Mulder!!!!

Ele senta-se ao lado dela. Gesticula como Miss Bloop.

MULDER: - Cartyyyyyy! Ai, Carty! Meu Carty queriiiiddddooo!!!!

Scully ri.

MULDER: - Confessa, Scully. Depois nós dois somos loucos... Onde estão os dados do caso? O que apurou?

Miss Bloop entra no quarto e vai pro banheiro, batendo a porta. Mulder suspira.

MULDER: - Isso é absurdo! O que me adianta ficar com você aqui e ter quartos conjugados?

SCULLY: - Mulder, deixe-a em paz. Sabe que até gosto dela?

MULDER: - Também gosto dela, mas não vou dizer isso. É tudo que ela quer ouvir!

SCULLY: - Ela é uma pessoa muito sofrida. Li a ficha dele. Criado num orfanato, fugiu pras ruas, roubou, caiu na prostituição... E assim pagou o curso de seus sonhos: dança. E se fez na vida com isso. Não pode condenar alguém pela opção sexual. É como condenar pela cor. Pela crença.

MULDER: - Scully, você sabe que eu não tenho nada a ver com isso, não julgo, mas na minha situação eu tenho que ser antipático. Me entende né?

SCULLY: - (RINDO) ... Toma, leia o que descobri sobre o senhor Bob Empalador. E aí tem a foto dele.

Mulder pega os papéis. Começa a ler. Scully continua a assistir TV.

Miss Bloop sai do banheiro, num robe cor de rosa, cheio de plumas e tamancos de saltos. Olha pra eles, debulhando lágrimas.

MISS BLOOP: - Sabe qual é a pior coisa que uma pessoa como eu pode ouvir?

Os dois olham pra ela.

MISS BLOOP: - Estou triste! Muito triste!

MULDER: - Comigo? (CULPADO) Olha, desculpe, eu não quis ofender você... Eu não sou preconceituoso, se fosse não poderia ser psicólogo!

MISS BLOOP: - Você é psicólogo??? (BEIÇO) Estou precisando de um... (SUSPIRA/ DESANIMADA) Não, Raposo. Não foram seus comentários que me deixaram triste. Foi Carty. Ele me insultou. Me chamou de bicha! Acho que está com ciúmes de você.

SCULLY: - Ora, Bloop, não deveria ligar pra isso. Ele estava é com inveja de não ser como você.

MISS BLOOP: - Não, não me conformo.

MULDER: - Olha aqui, da próxima vez você diz pra ele: sabe qual é a diferença entre homossexual e bicha? Homossexual é o seu filho e bicha é o filho do vizinho.

MISS BLOOP: - (SORRI) Ai, Raposo... Só você mesmo pra animar esta pobre mariposa triste.

Ela senta-se ao lado deles. Suspira.

MISS BLOOP: - Não me interprete mal, Bambi... Não estou de olho no Raposo. Só gosto de me divertir porque ele fica furioso. E acho isso engraçado.

SCULLY: - Mas por que me preocuparia...

MISS BLOOP: - Eu já notei, Bambi. O modo como vocês se tratam, como se olham... Não precisa mentir pra mim, eu sei que vocês têm medo de serem separados. Sei que só estão nesse caso por medo. Estão até mesmo fazendo coisas que jamais fariam, estão sentindo-se mal com isso, mas superam tudo, contanto que não tenham motivos pra jogar contra vocês.

Scully abaixa a cabeça. Mulder suspira. Bloop apóia a mão no ombro dele.

MISS BLOOP: - Saibam que eu não vi nada. Não gosto de gente má que tenta destruir os grandes romances. Isso é reflexo de sua falta de capacidade para amar, se entregar. É medo. É inveja de nunca ter vivido isto... Os sentimentos verdadeiros. O coração. O amor... Que muitas vezes supera até mesmo a barreira do mesmo sexo.

Scully sorri. Bloop levanta-se. Dança suavemente pelo quarto, com os braços abertos, apaixonada.

MISS BLOOP: - Amor. Ah, palavra gasta, que virou sentido pejorativo e teve seu sentido verdadeiro mal usado. E nós vivemos numa época em que os padrões de comportamento sexual e conceitos relativos ao casamento estão mudando... E assim, o conceito do amor puro... Imaculado amor.

Scully senta-se na cama, sorrindo. Perde os olhos pra Miss Bloop, encantada.

MISS BLOOP: - Mas de todos os tipos de amor... Ah! (COLOCA AS MÃOS NO CORAÇÃO) Meu preferido é o amor-renúncia... Aquele do ser que se doa por completo a alguém, renunciando aos próprios desejos e anseios. O conceito mais sublime do amor. O que faz com que admitimos que somos imperfeitos, ignorantes. O que nos leva a aprender com o outro, a crescer cada vez. Superar todas as barreiras...

Scully olha pra ela fascinada. Miss Bloop olha pra eles. Mulder sorri cansado.

MISS BLOOP: - Os grandes amores sempre sofrem para ficar juntos. Isso é a regra da vida: Fazer para merecer este amor. Deus joga todos os testes aos corações apaixonados... A cada empecilho, eles continuam ali, um no olho do outro, mãos dadas, chorando a desgraça e sorrindo juntos com as conquistas. Tristão e Isolda? Romeu e Julieta? Abelardo e Heloisa? Doutor Jivago e Lara? Dostoiévski e Ana Grigórievna? Rotana e Alexandre o Grande... Helena e Menelau... E por que não o amor sublime da bailarina e o soldadinho de chumbo?

Scully olha pra Mulder. Mulder lhe sorri. Bloop continua dançando, como se flutuasse.

MISS BLOOP: - Imaginem algum deles sem o outro? A história continuaria? Não. Nunca mais seria a mesma. Nunca mais. A magia teria ido. Por que como fazer o que ficou esquecer o amor sublime que teve? Se tivesse esquecido, o conceito mais puro teria sido devastado, e nós odiaríamos o que ficou vendo-o como um mentiroso, que nos enganou. E enganou ao que se foi.

Miss Bloop caminha até a porta. Abre-a. Olha pra eles.

MISS BLOOP: - Os maiores amores acabam sempre em um que se vai e outro que fica chorando a dor. Ou em dois que se envenenam para morrerem juntos... Mas ainda há os que chegam à vitória. E vivem felizes para sempre. Apenas uma coisa é comum a todos os grandes amores: eles são sofridos. E são lindos por isto.

Scully derruba lágrimas. Mulder a puxa pra um abraço. Bloop olha pra eles, acenando.

MISS BLOOP: - Vou dormir, meu quarto está trancado e não vou ouvir nada. (PISCA O OLHO) N-a-d-i-n-h-a. Vou sonhar com o meu príncipe encantado. Quem sabe um dia ele me encontre. E me leve embora no seu cavalo branco, me tirando desta vida triste e sem muito futuro.

Ela sai fechando a porta, deixando algumas plumas flutuando pelo ar.

Mulder olha pra Scully.

MULDER: - Acho que entramos na história.

SCULLY: - (DERRUBANDO LÁGRIMAS) Ainda acha?

Ele sorri ternamente. Beija-lhe a testa.

MULDER: - Vem, deita aqui. Quero abraçar você. Bem forte.

Ele deita-se. Ela deita-se quase por cima dele. Abraça-se nele. Ele a envolve nos braços. Ela fecha os olhos.

SCULLY: - (MURMURA) Eu te amo.

MULDER: - Amo você também, minha baixinha. Desculpe pelas minhas faltas. Eu vou me corrigir quanto a esse meu jeito moleque. Prometo.

SCULLY: - Mulder, eu acho boa essa coisa de provocar ciúmes, é um jogo. Só não exagera, tá?

Mulder a aperta mais contra si. Fecha os olhos, aspirando o perfume dela.


BLOCO 3:

Boate Blue Moon - 6:11 P.M.

A boate está fechada ao público. Wudolf, parado na porta. Agentes do FBI conversam entre si. Diana Fowley entra num vestido preto e longo de paetês ao lado de Carter. Wudolf olha pra ela de cima a baixo. Acena negativamente com a cabeça.

WUDOLF: - Que traveco mais feio...

Skinner está sentado no bar. Scully ao lado dele, vestida de homem.

SKINNER: - Hoje ele vai atacar. É o último show. Quero que fique de olho em tudo. Há 10 agentes aqui dentro que vão estar prontos pra agarrar o safado.

Carter e Diana se aproximam. Scully arregala os olhos, olhando pra Diana de cima a baixo. Skinner olha pra Diana.

SKINNER: - O que...

DIANA FOWLEY: - Estou aqui a pedido de um amigo.

Diana olha pra Scully, num sorriso debochado.

DIANA FOWLEY: - (DEBOCHADA) Está bonita, agente Scully.

Skinner olha para Carter.

SKINNER: - Disse que eu não deveria envolver mais agentes. Por que envolveu? E por que ela não está à paisana?

CARTER: - Faz perguntas demais, diretor assistente. Diana Fowley é perita em assuntos paranormais.

SKINNER: - Temos Mulder pra isso.

CARTER: - Mulder está fora, a função dele é apenas vigiar Miss Bloop. E eu não confio na capacidade da agente Scully pra isto.

Skinner fica quieto, indignado. Scully está voando em pensamento, só olha para Diana Fowley que está sensualíssima no vestido. Diana olha para Carter.

DIANA FOWLEY: - Vou andar entre as pessoas. Melhor circular por aí. (OLHA PARA SCULLY) Como uma mulher.

Diana afasta-se. Carter pede uma bebida. Scully acompanha Diana com os olhos. Percebe todos os agentes olharem pra Diana admirados e depois olharem pra ela, aos cochichos e risinhos. Scully franze o cenho, chateada.

Diana aproxima-se de Mulder que conversa com Miss Bloop. Mulder vê Diana. Olha-a de cima a baixo debochado. Miss Bloop percebe e vira-se. Diana aproxima-se de Mulder. Olha para Miss Bloop num sorriso.

DIANA FOWLEY: - Olá, sou a agente especial Diana Fowley.

Diana estende a mão. Miss Bloop nota o olhar de Mulder. Olha para Diana. Não a cumprimenta.

MISS BLOOP: - Sobre o que falava Raposo, antes de termos a conversa interrompida?

MULDER: - O que faz aqui?

DIANA FOWLEY: - Estou trabalhando no FBI novamente.

MULDER: - ... Está bonita.

DIANA FOWLEY: - (SORRI CONVENCIDA) Eu sou bonita.

Mulder sorri. Miss Bloop cerra o cenho.

MISS BLOOP: - Olha, eu não quero me meter neste papo muito animado, mas só queria dizer que eu sou o centro das atenções por aqui, se alguém se esqueceu.

Mulder olha pra ela.

MULDER: - Não, não me esqueci não. Acontece que há muita diferença entre poluir meus olhos com coisas como você ou regozija-los com mulheres como ela.

Miss Bloop olha pra ele.

MISS BLOOP: - Você é um grosso!

Miss Bloop sai dali, indignada. Diana sorri. Olha para Mulder.

DIANA FOWLEY: - Juntos novamente?

MULDER: - Está no caso?

DIANA FOWLEY: - Sim.

Mulder sorri cínico. Olha para ela. Aproxima seus lábios da orelha dela.

Scully vira-se para o bar e fecha os olhos. Levanta-se e sai da boate, segurando as lágrimas.

Mulder fala mansamente no ouvido de Diana, sorrindo.

MULDER: - Mantenha-se afastada de mim.

DIANA FOWLEY: - Por quê?

MULDER: - (SEXY) Você me causa... Manifestações pelo corpo todo.

DIANA FOWLEY: - (SORRI) Ora, Fox... Ainda se excita facilmente?

MULDER: - (SEXY) Não falei de excitação, falei de urticária.

Mulder olha pra ela num sorriso mais cínico e se afasta. Diana tira o sorriso dos lábios, ficando séria.


6:21 P.M.

Miss Bloop retira vestidos do cabide. Analisa-os. Scully caminha pelo camarim, observando as roupas.

MISS BLOOP: - ... Raposo foi muito grosseiro comigo. Não gostei. Mas tudo bem. Pedi ao Wudolf um favor.

SCULLY: - Que favor?

MISS BLOOP: - Hoje não terá nada de cuecões de couro. Ele fica por aí exibindo sensualidade e virilidade. Mandei Wudolf arrumar um uniforme de policial. Visual do Village People pra ele hoje. Vingança, querida!

Scully sorri.

MISS BLOOP: - Toda bicha passiva usa uniforme. Vão olhar pra ele e ver 'sinal verde'. De ativo ele não fica mais aqui dentro. Nunquinha! E olha que fui boazinha, porque ia vestir ele de drag. Já tinha até achado um vestido rosa choque fantástico e uma peruca crespa rosa claro.

Scully começa a rir.

MISS BLOOP: - Ora, isso serve pra ele aprender a não brincar com Miss Bloop... Ai, não encontro nada interessante pra vestir no último show.

SCULLY: - Estou com medo. Ele vai atacar hoje.

MISS BLOOP: - Ah, não se preocupe com isso. Se meu destino é morrer, nada vai conseguir impedir que aconteça um dia.

SCULLY: - Você teve um caso com ele... Nunca percebeu a real natureza de Bob?

MISS BLOOP: - Bambi querida, eu sou homem e posso lhe dizer que nem mesmo assim consegui perceber as mentiras dele. Homens são mentirosos. Enganam até homens!

SCULLY: - ...

MISS BLOOP: - Quando conheci Bob, eu estava na ruína. Foi ele quem me conseguiu alguns shows. Me prometeu amor, proteção, coisas que toda a mulher quer. Não liguei para o fato dele ser um bruxo. Achava isso excitante. Bob é um homem atraente, bonito, excitante, místico. No entanto, nada disso foi verdade. Depois fiquei sabendo que ele havia matado a ex-parceira.

SCULLY: - Sabe por que fez isso?

MISS BLOOP: - Porque encontrou a mim.

SCULLY: - Como assim? Ele a matou porque ela se recusava a aceitar...

MISS BLOOP: - Não, já estavam separados. Mas então ele me disse que só havia lugar pra uma no coração dele e que a outra, quando virava apenas a ex, deveria morrer. Ou macularia minha presença.

SCULLY: - Meu Deus, ele é doente!

MISS BLOOP: - Talvez minha sorte seja que ele ainda me tem como a mulher dele em seu coração. Quando ele encontrar outro travesti, eu estarei fadada a morrer.

SCULLY: - E o que fez quando descobriu?

MISS BLOOP: - Na mesma noite peguei minhas roupas e fui embora. Fugi para Vancouver. Fiz meu nome por lá. Então resolvi voltar pra Califórnia. Conheci Carty... Ele ainda era um agente. Mas não ficamos juntos por muito tempo. Ele foi transferido pra Washington, era casado, tinha filhos... Tive outros namorados depois e então a chance de fazer uma turnê pelo país apareceu. E eu sabia que Washington estaria incluída no roteiro. Mas pensei que Bob tivesse me esquecido... Tolo engano... Quando vi o que aconteceu com aquele homem, liguei para Carty pedindo ajuda.

Miss Bloop nota que o olhar de Scully está distante.

MISS BLOOP: - O que acha desse, Bambi? Acho que vermelho combina comigo. Tem brilhos, plumas...

SCULLY: - (SORRI) É lindo...

MISS BLOOP: - Já usou algo assim?

SCULLY: - (SORRI) Não... Uma vez, mas... Foi apenas um joguinho que fiz com Mulder...

MISS BLOOP: - Bambi, sei que sou mais alta do que você, mas tenho uns vestidos aqui muito legais que não me servem. Escolhe um pra você.

SCULLY: - Não, obrigada... São muito caros.

MISS BLOOP: - Mas eu quero dar um deles pra você!

SCULLY: - E-eu... Eu ficaria ridícula num vestido assim.

MISS BLOOP: - Ridícula por quê?

Scully sai caminhando pelo camarim, observando tudo. Miss Bloop larga o vestido. Olha pra ela.

MISS BLOOP: - Algum problema Bambi? Posso sentir de longe que você está triste. É essa roupa, não é? Ela tira toda a sua feminilidade.

SCULLY: - (SORRI) Não, eu...

MISS BLOOP: - Por que não aceita o vestido?

SCULLY: - Eu nunca usaria algo assim. Me desculpe.

MISS BLOOP: - Ora, Bambi, nunca sabe quando pode ser convidada pra uma festa.

Scully olha para os vestidos com os olhos brilhando. Mas abaixa a cabeça.

SCULLY: - ... E-eu... Eu não ficaria bonita. Não tenho corpo pra usar isso.

MISS BLOOP: - Você? Ora me poupe Bambi! Você é mulher!

SCULLY: - Mas eu não sou sexy e sensual pra usar isso. Estou até com uns quilinhos a mais...

MISS BLOOP: - Quem disse isso?

SCULLY: - Ora... Eu tenho espelho em casa.

Miss Bloop puxa a cadeira até a frente do balcão onde se maquia.

MISS BLOOP: - Sente-se aqui Bambi.

Scully olha pra ela.

MISS BLOOP: - Vamos. Sente-se. Vamos conversar. Por que tenho a sensação estranhíssima de que Raposo e aquela perua morena têm algo a ver com isso?

Scully senta-se. Olha para as maquiagens sobre o balcão. Miss Bloop fica atrás dela.

MISS BLOOP: - Olhe pra você. Olhe para esse rostinho delicado. Essa carinha de menina.

Scully olha para o espelho à sua frente.

MISS BLOOP: - Quem disse que não é sexy?

Scully cerra o cenho, quase chorando.

SCULLY: - Eu não sou bonita, não sou alta, eu não sou nada!

Miss Bloop olha apiedada pra ela.

MISS BLOOP: - Ô amiguinha... Não diz isso. Acha que o Raposo ficaria com uma mulher sem graça?

SCULLY: - Ele é apaixonado por mim, o que o torna cego. Mas até ele perde os olhos inclusive pra você que é homem, porque eu não sou bonita! Olha aquela mulher! Aquela Diana! Você viu quando ela entrou? Todos olharam pra ela! Ela chama a atenção, ela tem presença. Mas eu??? Eu não tenho nada. Eu sou a coisa feia e sem graça do FBI. Nem sei como Mulder sente tesão por mim! Não é à toa que olha pras outras!

Scully se debruça sobre o balcão e chora. Miss Bloop agacha-se, afaga seus cabelos. Olha pra ela com ternura.

MISS BLOOP: - Ô minha querida... Eu entendo o que está sentindo dentro de você. Eu sei o que é ouvir piada acerca de seu corpo, de seu rosto... Sofrer comparações... Meu docinho, as pessoas são muito cruéis. Julgam umas às outras pela aparência física, não pelo coração. Escute o conselho desta bicha burra aqui.

Scully olha para ela, sentindo-se fraca.

MISS BLOOP: - Bambi, escute bem o que eu vou te dizer. A mulher é o ser mais perfeito que Deus criou. E Ele sabe bem o quanto eu daria para poder sentir o que seria uma concepção. Sentir aquele pedacinho de gente tão amado, tão esperado, crescendo dentro de mim. A sensação de poder protegê-lo, de senti-lo vivo... Eu não sei como seria, mas acho que chega a doer o amor que se possa sentir por um filho.

Scully derrama lágrimas. Miss Bloop passa as mãos delicadamente pelo rosto dela.

MISS BLOOP: - É magia Bambi. Só vocês podem sentir isso. Só vocês têm a capacidade natural e avassaladora de amar. O corpo, que tanto é cultuado, e que tanto te preocupa, pelo que vejo, é apenas uma capa. Você pode ser baixinha, ter seios pequenos ou um bunda grande... Ser gordinha ou magra demais... Mas sempre será perfeita. (SUSPIRA) Todas vocês são perfeitas. Aceite isso. A perfeição está no que as mulheres são, e não na imagem que possam fazer delas. E o Raposo sabe disso, Bambi.

SCULLY: - Mulder me irrita! Ele parece fazer questão de me provocar olhando pra essas mulheres! Você viu com ele olhou pra você, parecia um lobo!

MISS BLOOP: - Meu amor, deixe que ele olhe. Olhar não tira pedaço. Ignore. Se ele assoviar, ignore. Deixe até passar a mão, continue ignorando. Ele vai cansar. Só faz isso pra atrair sua atenção porque você fica irritada com isso! Afinal, convenhamos, Raposo é muito bonito, mas ele não é um Richard Gere ou um George Clooney. Claro que você deve adorar sair e desfilar com ele por aí, mas vamos com calma. Você fica intimidada com a beleza do Raposo. E não devia ficar não.

SCULLY: - ...

MISS BLOOP: - Olhe pra Bloopinha aqui.

Scully olha pra ela. Miss Bloop retira lenços de papel da caixinha e seca as lágrimas dela delicadamente.

MISS BLOOP: - Aquela coisa alta, magrela, com aquela cara talhada a martelo foi alguma namorada dele?

SCULLY: - (SORRI) Foi. Antes de mim. (TRISTE) Pensei que o pesadelo nunca mais voltaria... A presença dela me deixa acuada. Eu não sei se Mulder ainda sente algo por ela... Ela é linda, Bloop. Ela tem o corpo dos sonhos! Olha aqueles peitos enormes! Eu tento usar sutiãs que ressaltem meus seios... E ela os tem naturalmente!

MISS BLOOP: - Que mau gosto! Cruzes! Esses homens me dão nojo, sabia? Pra eles basta ter uma papagaia no meio das pernas e nem olham pro resto!

Scully sorri.

MISS BLOOP: - Olha, deixe-a. Deixe estar jacaré que tua lagoa há de secar! Palavra de Miss Bloop!

Scully começa a rir.

MISS BLOOP: - Você é tão delicadinha, você é uma bonequinha. Sua mãe deve ter criado você como um mimo precioso.

SCULLY: - (SORRI)

MISS BLOOP: - Imagino que quando era garotinha devia usar lacinhos nos cabelos, aqueles vestidinhos de babados...

SCULLY: - Esse é o meu problema. Eu olho pra você, olho pra essas drags todas... Vocês têm sensualidade. Vocês se expõem. Eu não consigo fazer isso. Algumas vezes até coloco minha sensualidade pra fora, mas entre quatro paredes! Seria ridículo se eu fizesse isso fora de casa.

Miss Bloop levanta-se. Vai até os vestidos.

MISS BLOOP: - Vou provar como você é sexy.

SCULLY: - Miss Bloop, não...

MISS BLOOP: - Psiu! Não me chame de mentirosa, menina! Eu tenho olho clínico pra coisa. Você tem uma piranha ensandecida dentro de você. E não ache isso feio não... Preciso achar alguns acessórios... Retire essa corrente do pescoço, tenho algo muito bonito pra você colocar. Hum... Pulseiras vão cair bem em você...

Scully sorri.

MISS BLOOP: - Coloque essa mulher da noite pra fora. Essa perua. Coloque essa vadia pra fora, menina! Sensualidade não vem de fora, vem de dentro. Assim como beleza. Está tudo aí guardadinho, você só tem que usar. Ai quem me dera ter nascido mulher! Olha o trabalho que eu passo pra ser uma e você que é por natureza não valoriza?

Miss Bloop entrega um vestido azul claro pra ela.

MISS BLOOP: - Vista isso.

SCULLY: - Não, eu...

MISS BLOOP: - Vista agora! Vou arranjar um sapato pra você, meus pés são enormes e você tem pezinhos. Tire essa roupa fedorenta de homem. Isso não faz bem pra você. Se Carty falar algo, eu mesma chuto as bolas dele.

Miss Bloop abre a porta do camarim.

MISS BLOOP: - Baby!!!!!!!!!! Chame as meninas aqui temos uma transformação completa pra fazer!

As bichas entram empolgadas, fazendo algazarra.

MISS BLOOP: - Meninas, peguem aquela 'Dália Negra' e botem pra fora dela.

Elas fazem a maior bagunça. Pegam o secador de cabelo, maquiagem, aos esparros e gritinhos.

MISS BLOOP: - Preciso de sapatos pequenos... Wudolf!!!!!!!!!!!!


7:08 P.M.

Miss Bloop cruza os braços, escorada na porta.

Corta para Scully. Levanta-se da cadeira. Um vestido azul claro sensualíssimo, cabelos arrumados e maquiagem. Batom vermelho, unhas vermelhas.

MISS BLOOP: - Ai, como ruivas combinam com vermelho! Deus, ruivas são sexy por natureza! Bambi, você agora é uma fêmea fatale.

Scully olha-se na frente do espelho, sorrindo. Miss Bloop aproxima-se.

MISS BLOOP: - Olhe pra você, Bambi. Olhe para essa mulher.

SCULLY: - Não parece que sou eu.

MISS BLOOP: - Pois é você. Essa é você. Essa cinturinha, esses seios perfeitos. Olhe bem pra esse rostinho de menina-mulher. Conforme você olha e sorri, passa de anjinho a pecadora. Eles enlouquecem com isso!

Scully fica se analisando.

MISS BLOOP: - O vestido combina com seus olhos. Seus lábios bem delineados... Olha que beicinho sexy você tem!

SCULLY: - (RINDO) Eu não acredito que estou vestida assim...

MISS BLOOP: - Menina, você tem um equipamento de primeira linha. Daqueles de parar o trânsito e causar acidente. Saia assim pra rua pra ver o que acontece. No mínimo uns três milionários vão pedir você em casamento. Pobre Raposo... Ele não tem porte pra segurar isso tudo. Tem mesmo é que fazer ciúme pra chamar sua atenção.

SCULLY: - (SORRI) ...

MISS BLOOP: - Ele ama você, minha princesinha. Acredite. Mas ame a si mesma. Mostre pra ele que você pode ser muito mais. E mostre pra você também. Vocês formam um casal lindo. Imagino os filhos de vocês... Vão ser como deuses.

SCULLY: - (SORRI)

MISS BLOOP: - Se tiver uma menina, fale pra ela da Bloopinha. E diga pra sua filha que só por ser mulher, ela já é abençoada diretamente pelas mãos de Deus.

SCULLY: - (SORRI) Gosto de você. Não vou deixar que nada de mal te aconteça. Você é uma amiga pra mim.

As duas se abraçam. Ficam abraçadas. Miss Bloop se afasta secando as lágrimas.

MISS BLOOP: - Ai, pára com isso! Vai fazer minha maquiagem borrar t-o-d-i-n-h-a. Me espera aí, vou procurar umas luvas brancas pra combinar com os sapatos.

Miss Bloop sai do camarim. Scully fica se admirando no espelho. Olha ao redor. Não há ninguém. Scully começa a fazer poses estilo Marylin Monroe. Sorri. Coloca a perna sobre a cadeira. O vestido com corte lateral revela suas coxas. Scully ajeita as meias sete oitavos, passando as mãos pelas pernas sensualmente. Fecha os olhos.

BOB: - Oi.

Scully retira a perna da cadeira rapidamente, olhando pra porta.

Close em Bob, o Empalador. Segura um buquê de rosas vermelhas. Terno bem alinhado, camisa branca de babados, uma pedra vermelha no colarinho substituindo gravata. Olha para ela de cima a baixo. Sorri.

BOB: - Desculpe, me disseram que era o camarim de Miss Bloop.

SCULLY: - C-como entrou aqui?

BOB: - Pela porta... (ADMIRADO) Deus, você é perfeito...

SCULLY: - ...

BOB: - (ENCANTADO) Você é a bonequinha mais perfeita que meus olhos já viram... Olha, se eu não visse você aqui, diria que é uma mulher... Desculpe-me, entrei para dar flores a uma pessoa. Mas acho que elas combinam mais com você.

Scully está assustada. Ele entrega as rosas pra ela. Toma sua mão e a beija.

BOB: - Vou deixar você se preparar para seu show. Estarei na platéia. Não mais pelo que buscava aqui. Mas por você. Acabo de me apaixonar por seus olhos.

Ele sai de costas, olhando apaixonado pra ela. Scully senta-se, atordoada.


7:28 P.M.

Skinner anda de um lado para outro no camarim. Miss Bloop nervosa, rói as unhas. Scully olha pro nada, tensa.

SKINNER: - (NERVOSO) Como aqueles idiotas não viram o sujeito entrar pela porta dos fundos?

MISS BLOOP: - Estavam ocupados em olhar aquela piranha de negro desfilar pelo clube?

SKINNER: - Até essa agora o Carter tá matando... (PIGARREIA) Desculpe, senhoras.

MISS BLOOP: - Eu tenho uma ideia.

Skinner olha pra ela.

MISS BLOOP: - Mas não revele isto ao Mulder.

Scully olha pra Bloop.

MISS BLOOP: - Se Bob disse essas coisas para Bambi, sinal de que ele vai me matar. Podemos usar Bambi para atraí-lo. Ele virá hoje para vê-la.

SCULLY: - Como assim?

MISS BLOOP: - Bambi, sei que vai dizer que não consegue. Mas antes que eu diga o que é, pense no que conversamos hoje sobre o Raposo. Sobre aquela mulher e todas as outras. E reflita bem. Está dentro de você. Faça. Você pode mostrar isso pra ele, pra ela e pro mundo! E me salvar ao mesmo tempo.


BLOCO 4:

7:41 P.M.

[Som: Right Said Fred - I'm too sexy]

Miss Bloop, atrás das cortinas, olha para a boate, insegura e desconfiada, mal relaxando para fazer o show. No palco, outras drags fazem uma performance.

Corta para a plateia.

Mulder, vestido apenas de calças de couro justíssimas de cintura baixa e colete de couro aberto. Sem camisa alguma. Cabelos puxados para trás com gel. Pulseiras de couro. Mistura-se entre as pessoas. Fisionomia angustiada. Olha para todos os lados, discretamente. Percebe que é mais alto do que a maioria das pessoas que olham o show. Abaixa-se um pouco, tentando sumir no meio da multidão. Ergue a cabeça e olha em direção à porta. Pânico. Esquiva-se novamente entre as pessoas, agachado. Bate com a cabeça na barriga do gordão. Olha pra cima. O cara alto e forte, com um bigode enorme, roupa dos Hell Angels, tatuado, segurando uma cerveja enquanto dança, sorri pra ele, piscando o olho. Mulder faz uma cara de pânico. O sujeito atira um beijinho. Mulder dá um sorriso sem graça e sai de fininho para o outro lado.

Corta para a entrada da boate. Julio tenta espiar pra dentro.

JULIO: - (INDIGNADO) Onde ele está, Meu Deus???

Wudolf suspira.

WUDOLF: - Por quem procura?

Duas mulheres saem da boate. Uma abraçada à outra.

ROXI: - Não o encontramos, Juju....

JULIO: - Pois tratem de encontrar!!! Não posso perder um homem daqueles!! Preciso dele!

TARA: - Sabe de uma coisa Julio???? Vai se danar, sua bicha enrustida!

As duas voltam pra dentro. Julio olha, incrédulo. Wudolf estufa o peito, contendo o riso.

WUDOLF: - (FINGINDO) Quem você tanto procura, afinal??

JULIO: - Um cara...

WUDOLF: - (PROVOCANDO) Como ele é??? Quem sabe eu o conheço e te ajudo...

JULIO: - (SUSPIRA) Moreno alto... Ombros largos... Músculos definidos, olhos verdes penetrantes, cabelos castanhos sexys... Ai, ele todo é sexy...... Ontem estava com um cuecão de couro com taxas, coturnos... Óleo pelo corpo...

WUDOLF: - Ahhhhhhhhhh...... Sei...

JULIO: - (CURIOSO) Conhece???

WUDOLF: - (DEBOCHADO) Procura pelo Raposo... Raposão... Esse é o nome de guerra dele.

JULIO: - (ANIMADO) Raposão???

WUDOLF: - (PROVOCANDO MAIS AINDA) Pelo que vi por aqui, ele não perde em nada em "tamanho" para o Anaconda... Conhece Veruska, a famosa caça talentos?? Todos conhecem o quanto ela é crítica para avaliar algum pretendido em potencial. Pois é... Ela se impressionou com o "potencial" dele... Disse que desbancaria o Mark Walberg para Boogie Nights...

JULIO: - (CATATÔNICO)....

WUDOLF: - (GOLPE DE MISERICÓRDIA) Detalhe... E sem usar qualquer prótese....

Julio arregala os olhos. Olhar de desespero. Olha para Wudolf quase em pânico. Entra correndo na boate.

JULIO: - Raposoooo!!!!

Wudolf desata a rir. Percebe que as pessoas olham para ele. Retesa o cenho, se recompondo.

WUDOLF: - Vou ter que avisar o pobre coitado do tira...

O enorme segurança entra na boate e chama o grupo de Frank Anaconda. Anaconda está usando camiseta colada rosa pink, óculos escuros e shortinho de jeans desfiado.

WUDOLF: - Cobrão, preciso que você tome o meu lugar aqui por alguns instantes... Preciso resolver um problema...

ANACONDA: - E você ainda me pergunta??? Qual é o problema desta vez?

WUDOLF: - O "Dom Juan" de novo. Agora achou outra vítima. Está atrás do Raposo...

ANACONDA: - (SORRI) Não me admira... O segurança gostosão da Bloop está sendo requisitado pela boate inteira. Mas percebi que ele é dos difíceis...

WUDOLF: - (BRINCA) Esses são os melhores, certo?

ANACONDA: - São os mais quentes e com maior resistência física... Se eu mesmo o pegasse ia dar um trato naquela bundinha gostosa...

Wudolf sai rindo. Entra na boate a procura de Mulder.

[Corte]


Mulder se dirige para o banheiro. Assovios e olhares para ele em todos os pontos.

MULDER: - (RESMUNGANDO) A Scully chama isso de enaltecer o ego????

Mulder toca na maçaneta da porta. Sente a presença atrás de si que coloca as mãos por trás dele, em sua cintura. Olha pra baixo e vê as mãos enormes masculinas e peludas. Mulder fecha os olhos em pânico.

Skinner sai de trás dele rindo. Mulder fica furioso.

MULDER: - Quer me matar do coração?

SKINNER: - (RINDO) ... Assustou, hein???

MULDER: - (INDIGNADO) Girafão, isso não teve graça. Já tinha imaginado quantas semanas eu ficaria sem me sentar.

SKINNER: - Precisava ver a sua cara de pânico... (RINDO) Também olha as roupas que você está usando!!!

MULDER: - Deixa... Deixa... Tem um cara aí que é doido por carecas.

Skinner para de rir e sai de fininho. Mulder empurra a porta, rindo. Entra num box do banheiro.

MULDER: - (COM AS MÃOS NO ROSTO) Eu mereço... Eu mereço... E a Scully ainda de birra comigo... O que eu fiz para merecer isto?

Alguém abre a porta do box. Mulder leva um susto. É Wudolf.

MULDER: - Não vem não.... Já estourei o meu limite de paciência.

WUDOLF: - Ao contrário do que você pensa, eu não estou interessado em você. Bonito corpo, mas não faz o meu tipo. Você tem carinha de neném. Agora venha. Tenho ordens do seu diretor de que você tem que estar trajado para a casa. Portanto, vamos até os camarins que tem uma roupa pra você. E é melhor me obedecer, se quiser sair íntegro daqui. Anaconda está de olho em você.

MULDER: - Íntegro?? Anaconda? (PÂNICO) O popular '30 centímetros'??? (DESESPERADO) Ai meu Deus! Eu juro que se sair virgem dessa, eu nunca mais provocarei a Scully!!!!!!!!!!!


8:21 P.M.

[Som: Village People – YMCA]

O palco está vazio, à espera da nova atração. As pessoas se dispersam pela boate.

Corta para Mulder vestido num uniforme de policial. Miss Bloop sorri, abraçada em Mulder. O cap lustro e orgulhoso escondendo parcialmente os cabelos do agente.

MISS BLOOP: - Você não imagina como fica magnífico de farda, Raposo... E esse fiozinho de cabelo castanho que cai na sua testa... Meu santinho!!!! Imagino você ali naquele palco, requebrando esses quadris definidos ao som da música.

MULDER: - (DEBOCHADO) Acho que para vocês, todos os homens ficam magníficos de farda....

MISS BLOOP: - Errado. Os homens ficam bem de farda. Você fica magnífico. Mas não enalteça seu maldito ego.

Mulder sorri.

MULDER: - Aceito... Porque vem de você. Não sabe o quanto me sinto seguro com você do meu lado.

MISS BLOOP: - Hum... Você? O macho man? Eu virei seu guarda-costas aqui é?

MULDER: - Não leve ao pé da letra.

MISS BLOOP: - Seria até ofensa, meu a-m-o-r. Sou passiva.

MULDER: - E a Scully... Onde ela está??? Estou preocupado, não a vejo há horas...

MISS BLOOP: - Calma... Ela está ocupada. Atenha seus olhos ao público. Bob estará aqui hoje...

MULDER: - Eu não sei porque ela pensa essas coisas de mim... Ela sabe que eu nunca faria isso com ela...

MISS BLOOP: - Sabe porque é bom ter um amigo gay???? Porque apesar de ser biologicamente um homem, portanto, sei o que um homem sente, mas penso como mulher. Por isso entendo os dois lados.

MULDER: - Interessante... Vou anotar essa teoria no meu caderno...

Miss Bloop sorri. Olha para o palco, e depois para ele, o admirando.

MISS BLOOP: - Você é raro Raposo... Nunca conheci alguém assim como você, tão intenso, incisivo e ao mesmo tempo tão sensível. Bambi tirou a carta grande por ter o seu amor.

MULDER: - (TOCADO) O nome dela não é Bambi...

MISS BLOOP: - Dana Scully...

MULDER: - (SURPRESO) Se sabe, por que continua chamando ela assim??

MISS BLOOP: - Aposto que Bambi era uma antiga paixonite sua, no mínimo...

MULDER : - Isso não é verdade... Nunca chegou nada perto disso...

MISS BLOOP: - Mas foi alguém que você desejou muito...

MULDER: - ...

MISS BLOOP: - Raposo, te dou uma dica valiosíssima: nunca tente enganar uma mulher. Nós sempre sabemos quando vocês escondem alguma coisa ou não querem falar. É automático, instintivo, e não tem como evitar. Parecemos sentir a descarga de hormônios nos corpos masculinos quando eles se veem tentados a alguma coisa...

MULDER: - Naquela época a gente vivia imerso em tensão sexual, mas... (SORRI) Eu adorei ver a Scully morrendo de ciúmes... Aquilo me mostrou que um dia eu poderia me abrir para ela. Ela sentia alguma coisa, nem que fosse um ciúme fraterno ou de posse...

MISS BLOOP: - Bambi era bonita?

MULDER: - Por que todas as mulheres perguntam isso???

MISS BLOOP: - Por que para alguém chamar a sua atenção, ela deveria ser bonita...

MULDER: - Por que diz isso???

MISS BLOOP: - Ela era??

MULDER: - Sim era...

MISS BLOOP: - Olhe outra teoria interessante: 60% das mulheres bonitas tem auto-estima baixa. Ou se acham gordas, feias, desajeitadas... E 80% dos homens feios, o que de longe não é o seu caso, se acham lindos e maravilhosos. Por isso tem tanto velho barrigudo cantando menininha... Eles pensam que podem...

MULDER: - O que quer dizer com isso?

MISS BLOOP: - Não acabei... E 40% dos homens bonitos não se acham bonitos. O ego masculino é estranho. É muito mais fácil você encontrar homens que não se importam com a aparência, e que acham que podem tudo. E mulheres não. Isso vem de muitas coisas, mas é normal encontrar mulheres lindas que não se acham bonitas.

MULDER: - Mulheres são eternas insatisfeitas... Olha a Scully. É linda e se acha feia, gorda, desajeitada, baixinha...

MISS BLOOP: - E você por acaso não alimenta a insegurança dela quando fica babando pelas outras? Acha isso muito bonito?

MULDER: - Você é homem. Sabe que olhar é algo inconsciente.

MISS BLOOP: - (DEBOCHADA) Olhar é algo inconsciente para o homem, assim como trair, é algo inconsciente para a mulher. Ela procura outros que alimentem sua estima.

Miss Bloop se afasta dele. Mulder fica em pânico. Diana Fowley se aproxima.

DIANA FOWLEY: - Impressão minha ou assumiu seu lado gay enrustido? Fazem um belo casal...

Mulder olha pra ela.

MULDER: - O que faz atrás de mim? Terei de mover um processo judicial para que fique distante?

DIANA FOWLEY: - Calma, Fox. Acho que o ambiente está estimulando sensações que você não percebia antes. Lembra-se quando eu dizia que sensibilidade demais é indício de carência paterna? Sabe que a maior parte dos homossexuais homens teve conflitos paternos na infância? Ora, você sabe. Você é psicólogo. E sabe que essa sensibilidade, essa falta de carinho de um homem, se reflete na sexualidade.

Mulder se afasta dela indignado. Diana Fowley sorri.

Corta para o meio da multidão. Bob está ali, olhos atentos ao palco.


9:02 P.M.

Skinner pede um uísque. Carter ao lado dele bebe outro. Acende um charuto.

CARTER: - Estou com a sensação de que o plano da agente Scully não vai funcionar. Deveria ter mandado o Kersh subir lá em cima. Atrairia mais gente com a cara feia dele.

Skinner olha atravessado pra ele, mas fica calado. Bebe seu uísque.

CARTER: - Poderia ter mandado Diana. Ela tem um corpo escultural, não acha, Walter?

SKINNER: - (DEBOCHADO) Não. Eu tenho gosto mais apurado. E se resume a asiáticas e garotas de 20 anos...


Corta para Mulder. Aproxima-se do bar.

MULDER: - Uma cerveja.

O barman serve a bebida. Mulder suspira.

MULDER: - (RESMUNGA) Preciso me acalmar. Estou muito nervoso hoje.

JULIO: - Quer conversar?

Mulder ergue o olhar suspirando.

MULDER: - Você de novo?

Julio aproxima-se rapidamente, trazendo seu copo consigo.

JULIO: - Deixa eu te pagar uma bebida... Está bonito de policial. Ficou muito sexy.

MULDER: - Obrigado. Está bonito também vestido de agente do FBI.

JULIO: - Agente do FBI? Puxa, eu não tinha percebido que o terno poderia significar isso. Você tem uma boa observação.

MULDER: - Olha aqui, meu amigo, me dá um tempo, tá legal? Não vai conseguir o que quer, eu já estou estressado e até acostumado com isso.

JULIO: - Procurei você a noite toda. Estou apaixonado. Se não está, pelo menos me dê o direito de sentir isso.

MULDER: - Olha... Qual seu nome?

JULIO: - Julio. Pronuncia-se como o Iglesias.

MULDER: - Olha aqui, ô latin lover, eu tô cansado, chateado, não tive um dia bom, então vê se me esquece.

JULIO: - Conversar comigo não vai tirar sua masculinidade, sabia? Eu sou homem também. Apenas gosto de homens. Acha que eu entraria aqui vestido como esses malucos? Nunca! Eu gosto deles, transaria com eles, mas não sou um travesti.

MULDER: - ...

JULIO: - O que você faz?

MULDER: - Sou policial não tá vendo?

JULIO: - (SORRI) Tudo bem... Sou professor de física numa universidade. E milionário excêntrico.

Julio estende a mão pra ele. Mulder o olha desconfiado.

JULIO: - Não se preocupe, não vou agarrar você.

Mulder sorri. Os dois trocam um aperto de mão.

JULIO: - Tentei, mas... Você não quer, respeito isso.

MULDER: - Você não tem cara de quem frequenta este tipo de lugar.

JULIO: - Nem você. Você parece estar aqui por obrigação, não porque goste.

Carter, fica olhando desconfiado para os dois. Skinner, meio dormindo, com a cabeça sobre o balcão, revirando as pedras de gelo do copo com o dedo. Entediado.

MULDER: - (SORRI) Desculpe a grosseria.

JULIO: - Tudo bem, eu entendo já disse. Não quero saber o que o trouxe até aqui, só achei você interessante, estou tentando te ganhar numa cantada e até agora fui mal sucedido. Há 3 noites tento e nada funciona. Acho que não vai funcionar não é?

MULDER: - Não.

JULIO: - Tudo bem, desisto. Mas deixe que pelo menos eu pague sua bebida. Vou me sentir menos perdedor.

Mulder sorri pra ele.

MULDER: - Tá bem, se isso te faz feliz. Mas vai prometer me deixar em paz...

JULIO: - Prometo.

Julio paga a bebida de Mulder. Carter olha incrédulo. Mulder coloca a mão no bolso. Retira uma chave. Entrega pra Julio.

MULDER: - Isso é seu. Vai encontrar alguém que a queira.

Carter fica observando curioso. Julio pega a chave e sorri. Mulder retribui um sorriso e se afasta dali.

CARTER: - Walter...

SKINNER: - Fala.

CARTER: - Conhece Mulder?

SKINNER: - Como assim?

CARTER: - Ele é... Deixa pra lá.

Carter acompanha Mulder com os olhos.


9:33 P.M.

Mulder vestido de policial. Parado ao lado do palco, observando a plateia. Conversas e risos altos. Mulder procura Bob com os olhos. Continua atento. Miss Bloop sobe ao palco. Aproxima-se do microfone. Mulder continua de olhos na plateia.

MISS BLOOP: - Boa noite a todos!

A plateia aplaude. Ela se curva à frente, agradecida. Manda beijinhos com as mãos.

MISS BLOOP: - Gente, gente, obrigada. Muito obrigado mesmo! Hoje é minha última noite aqui, na companhia maravilhosa de vocês. Mas eu volto. Bloopinha voltará sempre!

Eles aplaudem.

MISS BLOOP: - Bem... Já que esta é a última noite, resolvi trazer um amigo para proporcionar um momento de delírio para vocês. Preparem seus corações... E mantenham seus bichinhos dentro das calças, tolinhos. (APONTA PRA MULDER) O policial ali na frente também!

Todos riem. Mulder faz cara feia.

MISS BLOOP: - Ele é uma pessoa de talento incrível, exala sensualidade pelos poros t-o-d-i-n-h-o-s! Não tem um homem ou mulher aqui que não vá deixar a boca pender e ficar babando. P-o-d-e-r-o-s-í-s-s-i-m-a! Vocês nem vão dizer que é um homem! Sinceramente, eu mesma tive que conferir para acreditar!

A plateia ri e assovia. Mulder acena negativamente com a cabeça.

MULDER: - (DEBOCHADO/ RESMUNGANDO) Mais uma bicha desvairada... Eu devia ter aplicado meu dinheiro na Gaiola das Loucas. Hoje estaria rico...

MISS BLOOP: - Quero aplausos pra ele. Com vocês, meu amigo, o transformista... Bambi!

Mulder sorri. A plateia aplaude.

MULDER: - (RINDO DEBOCHADO) Bambi...

O sorriso dele vai diminuindo.

MULDER: - (PÂNICO) Bambi???

Mulder olha pro palco. Arregala os olhos.

[Som: Why don't you do right – Amy Irving]

Corta para o palco. Apenas a luz lilás revela a silhueta de curvas definidas, no vestido azul claro de brilhos. A luz sobe revelando o rosto cabisbaixo com cabelos ruivos caídos por sobre os olhos.

SCULLY: - You had plenty money in 1922...

Scully ergue a cabeça lentamente, lançando um olhar sexy por entre as mechas de cabelo que lhe caem no rosto. Mulder abre a boca. Catatônico. A plateia fica em silêncio. Scully caminha com esse olhar até a frente do palco, em saltos altíssimos, mexendo os quadris sensualmente, enquanto dubla. Luvas brancas até a altura dos cotovelos, estalando os dedos.

SCULLY: - You let other women make a fool of you...

Ela passa as mãos pelo corpo, em movimentos suaves, dançando, subindo e descendo o corpo que movimenta sensualmente, de olhos fechados. Cabelos caídos sobre rosto. Diana Fowley pende o queixo, incrédula.

SCULLY: - Why don't you do right... Like some other man do?

Mulder a observa em transe. Abre um sorriso de surpresa, olhos parados, vidrados.

SCULLY: - (FAZENDO BEICINHO/ SERPENTEANDO O CORPO E CHAMANDO COM O DEDO) Get out of here... Get me some money too...

Carter deixa o charuto cair da boca.

CARTER: - Meu Deus! Walter... Acho que estourei o zíper!

Os agentes disfarçados do FBI estão hipnotizados. O silêncio é geral. O barman empurra a cerveja sobre o balcão, mas o dono da cerveja não presta atenção. O copo cai no chão. Diana Fowley está catatônica. Sai emburrada da boate, mas ninguém percebe. Estão vidrados na ruiva.

SCULLY: - You're sittin' down and wondering what it's all about...

Scully dirige o olhar para Mulder, estendendo a perna para o lado, revelando a abertura lateral do vestido, requebrando os quadris. Revira os cabelos sensualmente com as mãos, descendo-as pelo rosto e seios.

SCULLY: - You ain't got no money they will put you out ...

Scully olha para baixo, mechas ruivas pelo rosto, passando as mãos pelos seios, se abraçando e tocando sensualmente. Olha dentro dos olhos de Mulder, com um olhar de súplica, enquanto dança.

SCULLY: - Why don't you do right... (SE CONTORCENDO/ DESLIZANDO AS MÃOS PELO CORPO) Like some other man... Do? ... (PASSA A LÍNGUA PELOS LÁBIOS)

Mulder está em estado de delírio. Começa aplaudir e gritar. A plateia o segue. Parecem um bando de lobos famintos.

SCULLY: - Get out of here... Get me some money too...

Skinner, apoiado com o cotovelo no balcão e o rosto na mão, solta um suspiro involuntário olhando pro palco. Mulder olha hipnotizado pra Scully. Ela remexe os quadris, retirando uma das luvas. Aproxima-se dele novamente. Ele a olha com a expectativa brilhando nos olhos.

SCULLY: - Now if you had prepared it 20 year ago...

Ela remexe os quadris, dançando, inclinada pra frente, de olhos fechados.

SCULLY: - You wouldn't be wondering now from door to door...

Ela envolve a luva no pescoço dele, puxando de uma extremidade à outra, como se o massageasse suavemente. Ele sente o corpo quente, vidrado nela, boca semi-aberta de empolgação e incredulidade.

SCULLY: - Why don't you do right... (BEICINHO SEXY) Like some other man do?

Ela passa a ponta dos dedos pelos lábios dele, segurando as duas extremidades da luva numa das mãos, como se o segurasse por uma coleira. Ele sorri incrédulo, como se estivesse fora da galáxia.

SCULLY: - Get out of here... Get me some money too...

Scully puxa-o pra frente. Olha-o sedutoramente nos olhos. Ele empolgado.

SCULLY: - Get out of here... Get me some money too...

Scully o empurra e dá as costas, atirando a luva por sobre o ombro. Para. Desliza a mão pela lateral do corpo até o bumbum e vira-se pra Mulder, os cabelos pelo rosto. Lança um olhar sexy.

SCULLY: -(BEICINHO SEXY) Why don't you do right... Like some other man do?

Ela vira o rosto e continua caminhando, requebrando os quadris sensualmente, com a cabeça erguida, saindo do palco.

A plateia se levanta, aos assovios, aplausos, palmas e gritos. Histeria masculina. As lésbicas começam a assoviar e gritar. Carter sobe em cima de uma mesa e aplaude, assoviando e pedindo bis.

Corta pra Mulder. Ele fecha os olhos, num sorriso, como se estivesse envolto em mágica.


10:01 P.M.

No camarim, Scully sentada na frente do espelho. Olha pra si mesma e sorri.

A porta do camarim sacode com a histeria masculina. Som de gritos, batidas na porta, assovios.


Corta para o outro lado da porta.

Os homens se acotovelam desesperados, um gritando com o outro, batendo e arranhando na porta. As Drags conversam empolgadas sobre a coreografia que Scully fez no palco. As lésbicas empurram os homens. Uma confusão dos diabos. Mulder olha para o bolo humano que se formou em frente ao camarim. A palavra "BAMBI" surge em coro coletivo, repleta de empolgação. Mulder começa a avançar para a porta. Conforme as pessoas o reconhecem como sendo o homem seduzido pela ruiva no palco, abrem espaço. Olhares impressionados. Mulder tem uma tímida expressão de vitória no rosto. Chega até a porta. Todos o olham. Silêncio geral. Mulder pega a chave do bolso e a põe na fechadura. Suspiros tensos. Mulder abre a porta e entra. A histeria geral reinicia. Eles começam a gritar e se acotovelar novamente.


Corta para o interior do camarim. Som da balbúrdia lá fora.

Mulder tranca a porta. Encosta-se na porta. Scully o observa pelo espelho. Tira o sorriso rapidamente do rosto. Mulder aproxima-se, sem jeito, cabisbaixo. Retira o quepe.

MULDER: - Eu... (SORRI SEM GRAÇA) ... E-eu...

SCULLY: - ...

MULDER: - Estou pasmo.

SCULLY: - ...

MULDER: - Acho que... Excitado, surpreso, empolgado, abobalhado, arrependido...

Ela abaixa a cabeça.

MULDER: - Acabo de sair de um show numa boate onde eu... Eu vi uma mulher que... Nunca tinha visto antes... Ela me deixou feito uma marionete sem reação alguma. Eu não sabia se pulava no palco, se escondia o que meu corpo mostrava, se babava, latia, rolava no chão, batia palmas imitando uma foca... Se ela me dissesse lambe meus pés, eu faria... Se dissesse revire-se no lodo, eu faria. Se mandasse eu me arrastar no chão suplicante, eu o faria com certeza... Coisas de homem.

SCULLY: - ...

MULDER: - (CABISBAIXO/ SEGURANDO O QUEPE NAS MÃOS) Eu... Quero pedir desculpas. Por tudo que fiz de errado, pela minha arrogância, pela minha galinhagem... E pelos pensamentos sacanas que tive enquanto via aquela mulher dançando pra mim na frente de todos... (FECHA OS OLHOS) Movendo aqueles quadris... Aquele corpo sexy e perfeito... Aquelas curvas... Seios, lábios, olhos, pernas... Tudo tão perfeito... Tão tentador... E-eu... Eu explodi em hormônios, fiquei ali delirando, como se o tempo tivesse parado... O beicinho... Deus! Aquele beicinho, aquele rostinho santo num corpo de pecadora...

SCULLY: - ...

MULDER: - Ela parecia uma bonequinha ingênua fazendo um convite para o pecado. E qualquer homem cai de quatro por uma mulher como ela. Poderia vender minha alma ao demônio... Me atirar ao inferno, na incandescência do seu corpo. Eu não conseguia ver a Scully, sabe? Eu via outra mulher, uma daquelas que você tem que pagar pra ter, porque todos querem ter, pagam e têm... Uma profissional, entende? E... Eu fiquei muito excitado com isso... De ver todos aqueles idiotas babando assim como eu.

SCULLY: - ...

MULDER: - Me desculpe. Eu desejei aquela mulher. Aquele fogo. E-eu... Estou num estado de choque... Ela me faria fazer qualquer coisa por ela. Só pra tê-la... Possuí-la...

SCULLY: - ...

MULDER: - Só pra fazer todas as loucuras e sujeiras mais asquerosas com aquele corpo. Dizer todas as coisas mais sujas e asquerosas no seu ouvido. Usar você. Me fartar de prazer.

SCULLY: - ... O que quer, policial?

MULDER: - (SEXY/INCISIVO) Você.

SCULLY: - ...

MULDER: - (QUASE SEM FÔLEGO) Você que mexeu com as piores fantasias que um homem pode ter em segundos.

SCULLY: - ...

MULDER: - Tudo bem... Sei que mulheres assim são por apenas uma noite. E são caras. Mas acredite, podem fazer um homem cometer suicídio em troca de apenas um beijo. Eu cometeria.

SCULLY: - ... (SEGURA O RISO)

MULDER: - ... Só queria ter aquela mulher pra meu prazer. Saciar a fome eterna que eu tenho por aquela carne. O espírito que me desculpe, mas tem um animal dentro de mim que gritou hoje à noite. Um animal desconhecido. Respondendo ao teu chamado.

Mulder se aproxima dela. Scully não olha pra ele, vira o rosto.

MULDER: - Então?

SCULLY: - (PROVOCANDO/ ESNOBANDO) Você cheira a cerveja barata. Quem pensa que é? Você é muito pouco pra mim... Você não é digno nem pra beijar meus pés. Cai fora daqui.

Ele sorri. Abre a carteira e retira um dinheiro. Aproxima-se dela. Coloca o dinheiro entre os seios dela.

MULDER: - 'E me dê algum dinheiro também...'?

Ele afasta-se, abrindo a porta do camarim num sorriso bobo. Olha pra ela.

MULDER: - Só tenho isso. Mas me diz seu preço e vou ao inferno para pagá-lo. Nem que passe minha vida numa sarjeta em troca de apenas uma noite com você. Morreria feliz. Com um sorriso descaradamente safado na minha cara.

Mulder sai, fechando a porta atrás de si.


Scully retira o dinheiro dos seios, com a ponta dos dedos. Observa. Olha-se no espelho. Sorri pra si mesma. Realizada.

BOB: - Será que eu posso pagar o seu preço?

Scully vira-se rapidamente. Bob sai detrás de um biombo. Scully levanta-se rapidamente.

SCULLY: - Como entrou aqui?

BOB: - Estou apaixonado por você. Quero você pra mim.

SCULLY: - E-eu...

Bob a agarra pela cintura. Scully arregala os olhos.

BOB: - Você vai ser minha princesa. Se não for por querer, vai ser por magia.

SCULLY: - Se não me soltar vou gritar.

BOB: - Não banque o difícil... (E A SEGURA FORTEMENTE PELO QUEIXO) Você não vai gritar. Faz aquele beicinho que você fez pra aquele otário lá no show. Por que me traiu? Você vai me esnobar, como fez com aquele idiota?

SCULLY: - ...

Bob cola os lábios nos de Scully, passando a mão pelo traseiro dela. Scully tenta gritar e se soltar mas não consegue. Ele se afasta. Olha pra ela.

BOB: - Nos veremos de novo. Tenho algo a fazer. Depois venho te buscar.

Bob sai pela porta do camarim. Dá de cara com Miss Bloop.

MISS BLOOP: - (FECHA OS OLHOS) Deus...

Bob a segura pelo pescoço, empurrando-a pra dentro do camarim, fechando a porta. Scully arregala os olhos. Bob puxa um punhal da roupa.

BOB: - Péssimo sistema de segurança vocês têm aqui. Basta apresentar uma carteira de sócio fundador e ninguém revista.

MISS BLOOP: - Está bem! Se quiser me matar, faça de uma vez. Mas pare com essa balela toda!

BOB: - Você é o travesti mais arrogante que eu conheci, Bloop. Acha que alguém se importa se você morrer? Vai ser mais uma bicha morta, só isso.

Scully vai se afastando, tateando o balcão com as mãos pra trás.

BOB: - Princesa, relaxe. Vou me livrar dela e poderemos ser felizes.

Bob vai recuando de costas até a porta, com o punhal apontado pra Bloop. Põe a mão na maçaneta pra trancar a porta.


Corta para o corredor. Julio olha de um lado pra outro. Esbarra numa drag.

JULIO: - Oi... Eu... Eu estou procurando um sujeito alto, moreno, másculo, vestido de policial...

DRAG: - O Raposo??? Você e mais a boate inteira atrás dele... Estava no camarim da Bloop.

JULIO: - Ah, obrigado.

Julio sorri. Abre a porta do camarim. Acerta Bob que cai ao chão. Miss Bloop começa a gritar histérica. Scully pega o spray de cabelos e espirra na cara de Bob. Ele começa a gritar. Julio observa a cena sem entender nada.

JULIO: - O que está acontecendo...

SCULLY: - Chame o Mulder!!!!!!!!!

Scully sai porta à fora. Julio continua parado. Bob levanta-se.

BOB: - Vou matar você sua bicha velha.

Bloop respira fundo. Faz drama.

MISS BLOOP: - Se é pra morrer, que eu morra toda produzida. Aproveite agora. Estou maquiada ainda. É só uma pobre bicha indefesa contra um monstro asqueroso.

JULIO: - Por que vai mata-la?

Bob vira-se pra Julio.

BOB: - Quem é você?

JULIO: - Julio... Pronuncia-se igual ao Iglesias.

BOB: - Fique fora disso, Julio Iglesias.

Bob parte pra cima de Bloop. Julio o agarra pelas costas, segurando seu braço. Miss Bloop grita histérica.


Corta para o corredor. Mulder vem com a arma em punho, seguido por Scully. Aproxima-se do camarim.

[Som: Whitney Houston – Will Always Love You]

Julio sai do camarim, segurando Miss Bloop nos braços, que olha pra ele apaixonada.

MISS BLOOP: - Meu herói!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Mulder e Scully se entreolham.

Julio sai levando Miss Bloop pelo corredor, num sorriso. Olham-se apaixonados. Bob está morto no chão. O sangue escorrendo pelo piso.

Mulder e Scully ficam parados, catatônicos, acompanhando o 'novo casal'.

SCULLY: - (INCRÉDULA) Não acredito... Como ela consegue isso tão fácil?

MULDER: - (INCRÉDULO) Perdi meu homem pra ela. Acredita? Acredita que ele me trocou por um travesti?

SCULLY: - Seu homem??? Mulder...

MULDER: - O que é?

SCULLY: - Precisamos de técnicas de auto-estima. Perdemos a nossa agora. Totalmente. Ela é mais sexy como travesti do que eu... E você, até como gay sai perdendo suas cantadas.

MULDER: - Vamos pra casa, Scully. Mas pode pagar o táxi? Deixei meu dinheiro todo com uma dançarina de boate.

SCULLY: - Mulder, você não pode ver uma vadia mesmo, não é?

MULDER: - Aliás eu paguei e não recebi nada.

SCULLY: - Hum... Tem um motel aqui perto, mas não está incluso no preço.

MULDER: - (SAFADO) E o que está incluso?

SCULLY: - Tudo.

MULDER: - Tudo???? Serviço completo????

SCULLY: - (SAFADA) Completinho.

MULDER: - Negócio fechado. Mas quero discrição. Sou um cara casado.

SCULLY: - Pensei que fosse gay...

MULDER: - Ora, eu sou gay. Por isso estou aqui. Você não é travesti?

SCULLY: - Hum... Acho que podemos chegar num acordo.

Os dois riem.

MULDER: - Era a piada que faltava pra finalizar esse caso.


[Som: Bee Gees – Stayin' Alive]

Corta pra Carter que se aproxima pelo corredor, sério. Mulder e Scully se entreolham. Carter aproxima-se deles. Mulder olha pra Scully, meio receoso. Carter olha pros dois.

MULDER: - O que fizemos de errado?

Carter retira uma chave do bolso e entrega pra Mulder. Pisca o olho. Olha pra Scully de cima a baixo.

CARTER: - Apartamento 134. Reservei champanhe e uma festinha privê pra nós três.

Carter dá as costas. Sai com as mãos no bolso das calças, assoviando descaradamente.

SCULLY: - (CATATÔNICA) Mulder...

MULDER: - (CATATÔNICO) O que é?

SCULLY: - (CATATÔNICA) Vamos embora. Não quero mais brincar de sex apeal. Isso é perigoso...

MULDER: - (CATATÔNICO) Scully, saída estratégica pela porta dos fundos. Só vamos parar de correr daqui à dois quarteirões. Acha que aguenta?

SCULLY: - (CATATÔNICA) Melhor irmos pra bem longe, por via das dúvidas. Que tal um motel no Kansas?

MULDER: - (CATATÔNICO) Do jeito que estou assustado, eu consigo correr sem parar até o Kansas.


X

06/06/2001

16 de Agosto de 2019 às 10:11 0 Denunciar Insira 0
Fim

Conheça o autor

Lara One As fanfics da One são escritas em forma de roteiro adaptado, em episódios e dispostas por temporadas, como uma série de verdade. Uma alternativa shipper à mitologia da série de televisão Arquivo X. https://www.facebook.com/laraone1

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~