donnadan Donna Dan

Sasuke recebe a contragosto a missão de organizar o casamento de uma amiga, Naruto é contratado para trabalhar no evento. As situações mais inusitadas podem garantir as melhores noites de suas vidas. OneShot - Lemon - NaruSasu Em comemoração ao NaruSasu day postada originalmente em 03/07/2016 capa: snow_124 modificada por mim


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 21 anos apenas (adultos).

#bartender #naruto #narusasuday #narusasu #lemon #sasuke
Conto
20
4.5mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo único

Notas iniciais :

Oi, gente!

Eu tive a ideia dessa fanfiction durante o trabalho (eu trabalho como bartender às vezes), e quis postar hoje (03/07/2016) em comemoração ao NaruSasu day!

Então, gente, essa história contém lemon e é Naruto ativo e Sasuke passivo. Se não gosta não leia, simples <3

Espero que apreciem <3

Sem mais delongas, chupa esse limão!




Revisado por NathFelixl


O líquido amadeirado emanava um cheiro forte do copo. Mesmo que ainda faltasse mais de uma hora para o início da cerimônia, ninguém seria capaz de negar um pedido do primeiro padrinho, principalmente por ser quem era. Sasuke desfrutava sua bebida fora de hora tranquilamente, enquanto acompanhava os preparativos de longe. O salão já estava praticamente pronto, e os funcionários andavam de um lado para o outro ajeitando os últimos detalhes da decoração. Aparentemente, o trabalho estava ainda mais intenso na cozinha. Garantiria que tudo saísse perfeito, como Karin queria, ou não era um Uchiha.

Odiava casamentos, mas não pôde recusar o convite para ser padrinho dos dois que se casariam hoje. Ele sabia que era parcialmente responsável por aquela união e ficava feliz em vê-los juntos - mesmo sem entender como duas pessoas que brigavam tanto e implicavam constantemente um com o outro e podiam estar juntas e dar tão certo. As brigas infantis de Karin e Suigetsu foram evoluindo e alcançando uma tensão sexual tão densa que dificultava ficar perto deles muitas vezes.

Uma loira alta conferia sua prancheta e organizava a equipe. Ela exalava profissionalismo e compostura. Seu cabelo dourado e longo estava preso em um rabo de cavalo alto bem arrumado, e ela usava um vestido preto ajustado, simples e elegante. Ela também era a responsável pela decoração e pelas flores. Sasuke havia feito uma boa escolha. Ele quis garantir à amiga uma experiência de casório sem estresses ou correrias e se dedicou, como padrinho, a cuidar de tudo. Os amigos apenas tiveram que dar a decisão final entre as opções.

Desde o começo, os profissionais que conheceram Sasuke perceberam o quanto ele era exigente - não aceitava nenhum tipo de enrolação, falta de compromisso ou de postura, ou um resultado que fosse menos que o combinado. Ele havia pensado tudo com cuidado, e os noivos ficaram muito satisfeitos com as sugestões, sem discordar de seus conselhos. Optaram pela cerimônia no local da festa, evitando deslocamentos e atrasos, já que Karin e Suigetsu não tinham divergências em convidar todos tanto para o casamento quanto para a festa.

A equipe do bar chegou, desviando o Uchiha de seus pensamentos. Diferente do buffet e da assessora que ele havia escolhido para acompanhar a execução do evento, a contratação daquela equipe de bartenders foi obra da noiva. Aquela era a única equipe com quem não teve contato nenhum. Ele achou arriscada a contratação repentina, mas não queria contrariar a amiga; apenas ficaria de olho para garantir que atendessem as suas expectativas.

Observou, sem sair de seu lugar, o pequeno grupo carregando as caixas com copos, equipamentos e materiais para a área destinada ao bar. Havia uma mulher e dois homens, que foram prontamente recebidos por Ino, que conferia o contrato e dava as coordenas de onde deveriam montar o bar. Um homem de cabelos castanhos carregava parte dos materiais e trajava um uniforme simples da empresa. Logo atrás, carregando caixas que pareciam pesadas, apareceu uma mulher de cabelos tingidos de rosa, que se esforçava no mesmo nível do colega, demonstrando ter muito mais força do que seu porte denunciava.

O último funcionário a entrar roubou totalmente sua atenção. Todos os três exalavam beleza e jovialidade, porém o loiro os superava por muito aos olhos do Uchiha. Além de chamar atenção pela beleza, ele também tinha uma atitude mais extrovertida, e logo recebeu olhares atravessados da mulher de cabelo rosa e de Ino, por estar falando muito alto - diferente dos outros, que trabalhavam se esforçando para não serem notados. Aquela atitude expansiva não era um problema em si. Nenhum dos convidados havia chegado ao local, e, diferente do restante, a equipe de bartenders devia chamar atenção e encantar os convidados.

Depois de trinta minutos, todo o bar estava montado, com decoração, frutas e equipamentos a postos. A apresentação do trabalho era excelente. O loiro e a mulher foram até o banheiro dos funcionários e voltaram ainda mais tentadores. Eles vestiam uma camisa social branca, com calça e coletes pretos. A mulher de cabelos rosados estava maquiada e com o cabelo preso em um coque frouxo muito charmoso. Já o homem estava com os cabelos levemente molhados e arrumados com gel, dando um ar de rebeldia. As mangas da camisa içadas de modo desleixado, revelando parte do braço forte, reforçavam aquela ideia. Simplesmente lindo.

Os poucos convidados que chegaram adiantados aguardavam na área da cerimônia. Ino passou conferindo se o bar estava em conformidade com o contrato e se afastou satisfeita, deixando aquela área vazia novamente, apenas com os bartenders. A mulher de cabelos rosa pegou seu celular e se afastou para atender uma ligação, enquanto o loiro pegava a última peça que faltava para compor seu uniforme: Uma gravata. Sasuke o viu encarar o objeto irritado, reclamando baixo de alguma coisa. Ele parou de frente a uma coluna revestida de espelhos e começou uma tentativa desengonçada de fazer um nó em torno de seu pescoço.

O Uchiha observou, se divertindo, o loiro repetir o ato várias vezes, ficando, a cada tentativa, mais irritado. Resolveu aproximar-se, a fim de resolver aquele pequeno “problema” e aproveitar para abordar aquele que havia prendido sua atenção desde o primeiro olhar, antes de focar sua atenção nos preparativos restantes na área da cerimônia.

— Perdendo pra gravata? – O loiro sobressaltou-se por não ter percebido a presença do moreno.

— Ahh, oi! É... parece que ela está com a vantagem. – Respondeu com um sorriso sem graça depois de se recompor do susto.

— Vantagem? Isso me parece um massacre. – Sasuke disse com um sorriso sacana no rosto.

— Pelo menos alguém aqui parece estar se divertindo com isso. – Respondeu o loiro irritado, voltando sua atenção para o espelho e reparando o quão desastroso estava o resultado da sua oitava tentativa. Bufou, abaixando os braços, e decidiu esperar Sakura voltar para dar um jeito naquilo. Porém, foi surpreendido quando o homem com quem conversava deu um leve puxão em seu braço, virando seu corpo para ficar frente a frente com ele.

— Que foi, bastardo? – Naruto disse nervoso enquanto era virado. Já se preparava para mais ofensas quando sentiu a mão gelada tocar por acidente a pele de seu pescoço, enquanto o moreno desfazia o suposto nó da gravata.

— Fica quieto. – Ele ordenou ajeitando a gravata para começar o nó. Naruto emitiu um breve som contrariado, mas obedeceu e virou o rosto discretamente para o lado, para não ter que encará-lo o tempo todo; estavam muito próximos.

O loiro não resistiu em espiar pelo canto, enquanto o outro estava concentrado em terminar as passadas na gravata. Já havia trabalhado em tantas festas, mas não se lembrava de alguém que ficasse tão bonito assim em um terno.

“Tinha que ser tão antipático quanto bonito...” – Naruto pensou.

— Pronto. – Depois de alguns movimentos, que Naruto definitivamente não conseguiu acompanhar, o nó estava finalizado. Pela quantidade de passadas, ele também imaginou que não fosse um nó comum. Virou-se para conferir na superfície espelhada e ficou encantado.

— Nossa! Ficou muito bom! – Havia um formato diferente, com dois gomos em vez de um. “Sakura vai ficar morrendo de inveja”.

— Claro que ficou.

Naruto se virou novamente para o homem, exibindo um sorriso de tirar o ar. “Um sorriso desse deveria ser considerado um crime” – pelo menos contra a atitude normalmente indiferente do Uchiha.

— Ficou muito bonito. – Sasuke disse encarando os olhos azuis, que brilhavam em conjunto ao sorriso, e deixando perceptível que ele não se referia à gravata. Naruto deu um meio sorriso pela nova atitude do outro e relaxou a postura. – Eu vou indo.

— Você é padrinho, né? – O loiro perguntou por causa da flor presa no terno do moreno.

Sasuke assentiu com a cabeça e se virou, indo em direção à área da cerimônia. Levantou a mão em um aceno breve e disse sem se virar — Mais tarde venho conferir se os drinks são melhores que seus nós de gravata.

— Tudo bem aí, Naruto? Ele veio reclamar de alguma coisa? Ouvi dizer lá na cozinha que estão muito exigentes com tudo, que o padrinho que está acompanhando os serviços é um pé no saco. – Disse Sakura, vendo Sasuke se distanciando e Naruto com uma cara irritada. — Nossa! Você que fez isso? – Ela questionou admirada pelo nó na gravata de Naruto.

— Não, foi ele. É um dos padrinhos.

— Droga! Se eu tivesse chegado um pouco mais cedo, ia pedir para fazer na minha também. Vou procurar como faz na internet para não ficarmos diferentes... – Falou a mulher, pesquisando nós de gravatas no celular.

A cerimônia foi breve, e, depois de alguns minutos, os primeiros convidados já buscavam o trio para pedir seus drinks. Sakura e Naruto eram os bartenders, e Kiba era o barback. O Uzumaki procurou o moreno entre os convidados inutilmente, já que, como padrinho, este deveria fazer sala e tirar algumas fotos antes de começar aproveitar a festa.

De longe, Sasuke observava a dupla trabalhando. Certamente eram bonitos e transbordavam simpatia. Eles até começaram a realizar algumas acrobacias com as garrafas, à medida que o bar ia ficando mais movimentado. O Uchiha estava satisfeito.

Naruto viu que Sasuke se aproximava e se esforçou para não perder o foco e causar um acidente com as garrafas. De todos os bartenders, ele era o que mais se atrapalhava, no entanto era também o mais criativo e que o fazia as manobras mais inusitadas. O Uchiha passou mais tempo do que seria seu normal próximo ao bar, não que tivesse bebido muito, mas ficou a maior parte do tempo observando o loiro trabalhando e conversando com os convidados que também disfrutavam do serviço dele.

Sakura percebeu a atenção especial que Naruto dava ao padrinho da cerimônia e, discretamente, deu-lhe um beliscão escondido, o reprendendo - em parte pelo profissionalismo, em parte por inveja, visto que o moreno parecia gostar da atenção recebida.

— Relaxa, Sakura! Esse é o cara chato que temos que agradar para receber mais indicações no futuro. – Naruto comentou baixo no ouvido da amiga, se justificando. A música impedia que os convidados conseguissem ouvi-los.

— Aham… Sei. – Sakura provocou, sem acreditar na desculpa esfarrapada do amigo.

(...)


Mais um evento tranquilo, foi o que o trio pensou. No final da festa, haviam seguido todo o contrato sem nenhuma intercorrência e agradado os convidados. Alguns, inclusive, haviam desaparecido, provavelmente por terem bebido demais. “Derrubar” os clientes era um orgulho para qualquer bartender.

Os três amigos de trabalho já tinham guardado todo o material no Utilitário e aguardavam a carona do loiro chegar para irem embora. Kiba lutava para manter os olhos abertos no banco do carona, e Sakura tremia de frio encostada no carro ao lado da porta do motorista.

— Alguma notícia, Naruto? – Sakura perguntou.

— Não, Sakura-chan. Mas eu falo sério, não precisa se preocupar. Você ainda tem que levar os equipamentos na empresa… São quase quatro da manhã, vou me virar. – Naruto sorria, porém, internamente, queria matar Jiraya por ter desaparecido. Ele prometeu que o buscaria! O Uzumaki acreditava que ele deveria estar “galinhando” por aí e havia se esquecido do compromisso.

Vencida pelo cansaço e sob a promessa de que Naruto não faria nada estúpido, Sakura se despediu e deu a partida no carro, deixando o amigo sozinho ao lado da saída do salão. Com a correria típica do fim de festa, o loiro não conseguiu localizar o moreno para conseguir seu telefone, nem sabia o nome dele. Estava frustrado e sem condições de ir para casa - se pegasse um taxi, gastaria praticamente tudo que havia ganhado com aquele trabalho.

— Foi deixado pra trás? – Naruto estava tão distraído com o celular, tentando localizar o tio, que não percebeu que o homem em quem pensava tinha se aproximado. Sasuke segurava um cigarro com uma das mãos e seu paletó na outra.

— Mais ou menos. – O loiro estranhava aquilo. Desde a primeira vez que o viu, o jeito daquele homem tanto o irritava quanto o atraía. Não podia mentir que tinha vontade de fazê-lo perder toda aquela pose, gemendo alto. Isso seria no mínimo interessante.

— Vai ficar aí plantado até amanhecer? – Sasuke provocou, já se virando para começar a andar. – Vamos, Usuratonkachi.

— Ei, teme, pelo menos diga seu nome antes de sair ofendendo os outros de graça. – Disse quando alcançou o bastardo.

— Sasuke Uchiha.

— Uchiha da rede de bancos? – O loiro perguntou impressionado

— Hn.

— Tá explicado. – Naruto riu, se referindo ao jeito metido do Uchiha, e Sasuke entendeu a provocação.

Sasuke deu um leve sorriso. Há muito tempo ninguém falava com ele daquela forma.

— Eu sou Naruto Uzumaki. Onde estamos indo?

— Eu moro aqui perto.

Naruto levantou a sobrancelha sem dizer nada. “O que esse bastardo pretende?” - Não que estivesse realmente preocupado, mas com certeza aquela era uma reviravolta inusitada para sua noite. Andaram em silêncio por alguns segundos, lado a lado, até que Naruto, desconfortável com a situação, tentou puxar assunto.

— Gostou do bar?

— Vocês trabalharam bem. Karin ficou muito satisfeita com a festa.

— A noiva?

— Sim.

— Realmente, a festa ficou muito bonita. Ela tem bom gosto. – Comentou colocando as mãos nos bolsos devido ao frio da madrugada.

Naruto não sabia que quem havia escolhido praticamente tudo relativo ao casamento foi o Uchiha. Sasuke não sentia necessidade de se explicar; sabia que tinha bom gosto e estava satisfeito com o resultado de seu esforço.

Chegaram à portaria da mansão do Uchiha em poucos instantes. Sasuke morava realmente muito próximo ao salão. Depois que escutou o sobrenome do moreno, Naruto não esperava por menos. A rede Uchiha era uma das maiores redes de bancos internacionais, e aquele era o melhor bairro da cidade.

— Você pode pedir um táxi ou tomar uma cerveja comigo. – Sasuke sugeriu desativando o alarme próximo à porta da sala. — Não vai demorar muito para amanhecer, e imagino que seria uma boa opção para poupar o dinheiro que ganhou hoje.

— Pode crer. – Naruto respondeu animado. Aquele bastardo sabia ser legal também. — Antigamente a galera animava tomar uma cerveja depois de trabalhar, e voltávamos para casa de manhã. Agora são um bando de velhos cansados. – O loiro comentou parado na sala, vendo Sasuke desaparecer dentro do cômodo seguinte. Aquilo parecia bom demais para ser verdade. Talvez tivesse que agradecer Jiraya em vez de matá-lo.

— Eu tenho que sair às oito. - Escutou Sasuke dizer, sua voz ficando gradualmente mais alta a medida que voltava ao cômodo — Posso te deixar em algum lugar no caminho até a sede do banco, se te ajudar. – Sasuke disse voltando com duas longnecks e entregando uma delas ao loiro. Eles bateram as garrafas de leve e tomaram um longo gole cada um.

— Sede? Mas hoje é domingo, você vai trabalhar?

— Vou. - Sasuke bufou, ele parecia cansado.

Naruto deu dois passos para frente, diminuindo a distância entre eles, e colocou sua garrafa na mesinha de centro ao seu lado. Não fazia o estilo tímido e nem se faria de desentendido sobre o clima que havia rolado entre eles. Já eram quatro horas da manhã, então para que sutileza?

— Eu acho que você precisa relaxar. - Afirmou, colocando as duas mãos no pescoço do Uchiha, deslizando-as e colocando um pouco de pressão nos ombros do moreno, antes de puxá-lo para um beijo pela nuca.

Naruto beijou e sugou o lábio inferior do Uchiha, assistindo satisfeito ele fechar os olhos e buscar sua cintura, o correspondendo. O loiro pegou a garrafa da mão do outro, colocando-a ao lado da sua, antes de empurrá-lo com certa brutalidade contra a parede atrás deles, iniciando um beijo mais agressivo. Faria aquele Uchiha gemer ou não era um Uzumaki.

Sasuke levou as mãos até o cabelo do loiro, acariciando e puxando os fios, levado pelo jeito afoito de Naruto. Não tinha o que reclamar. Há tempo buscava alguém que o desse aquele tipo de tratamento, mas normalmente era só ouvirem seu nome que viravam gelatina a sua frente. Suspirou em deleite, sentindo o Uzumaki interromper o beijo e morder seu queijo e, logo depois, seu pescoço, próximo ao maxilar, enquanto afrouxava o nó de sua gravata. Ele voltou a beijar a boca do Uchiha e, às vezes, mordia os lábios com força, deixando-os vermelhos. Sasuke começou a abrir os botões do colete que usava por cima da camisa social, e o outro começou a ajudá-lo a se despir, desfivelado seu cinto.

Toda a roupa no meio do caminho parecia muito incômoda. Naruto tentava ser gentil com os botões de sua camisa para não perder nenhum, todavia a pressa dificultava aquela missão. Ficou ainda mais difícil quando Sasuke conseguiu tirar a própria camisa, ficando com o peito nu. O loiro ficou hipnotizado com a visão do Uchiha com os cabelos bagunçados, os lábios vermelhos e com a marca de seus dentes no pescoço. A pele pálida parecia tentadora e fácil de marcar. Faltava a marca de suas unhas pelo corpo dele.

Pensando nisso, soltou sua camisa, antes de terminar de abrir todos os botões, e espalmou as mãos no abdômen do Uchiha, apertando e subindo até alcançar os mamilos rosados, o estimulando com os dedos e voltando a atacar o pescoço pálido com mordidas e chupões. Sasuke sentia-se devorado por Naruto. Era pressionado com força contra a parede e sentia o membro rígido do outro roçando no seu; também tinha pressa em se livrar de toda aquela roupa. Terminou de abrir os botões da camisa dele e afastou o tecido dos ombros bronzeados até Naruto jogar os braços para trás, terminando de retirá-la.

Quando colocou as mãos no Uchiha de novo, tratou de começar a descer as calças dele junto com a cueca, enquanto Sasuke chutava seus sapatos para longe. Sem dar muito tempo para que o outro pensasse em alguma coisa, Naruto içou uma das pernas pálidas, livrando-a das roupas, passando-a por cima do seu ombro e, com isso, deixando o moreno exposto da forma que queria. Segurou a ereção de Sasuke, o masturbando lenta e firmemente, antes de chupar seus testículos e, assim, ouvi-lo gemer, do jeito que queria, e senti-lo segurar seus cabelos.

Naruto sorriu vitorioso e forçou a perna em seu ombro dobrada para cima, abrindo espaço para lamber a entrada do homem, ouvindo-o gemer mais alto. Aquilo o estimulava ainda mais e enaltecia seu ego. Deixou-o bem molhado, descansou novamente a perna de Sasuke em seu ombro e começou a chupá-lo com entusiasmo, até o limite de sua garganta.

Sentia que Sasuke estava totalmente entregue, sem conseguir conter totalmente os gemidos de prazer. Naruto parou o oral, para lambuzar seus dedos de saliva, e enfiou um dedo totalmente no interior do Uchiha, voltando a chupá-lo. O loiro não foi delicado e movia o dedo tão afobadamente quanto chupava o pau gotejante de Sasuke. No entanto, este não podia se importar menos com a dor que sentiu: era muito pouca comparada ao tesão e à expectativa de ter uma foda como não tinha há anos.

Com a mão livre, Naruto esmagava as nádegas do Uchiha, deixando marcas avermelhadas e o abrindo ainda mais. Sasuke estava enlouquecendo, queria que o outro começasse a se movimentar dentro dele com toda aquela energia. O Uzumaki sentia seu cabelo ser quase arrancado pelo moreno, que investia o quadril contra sua boca, intensificando o oral que recebia.

Naruto, que não era muito controlado normalmente, começou a se esforçar para receber toda a extensão do Uchiha em sua garganta - o chupando com força - e meteu logo três dedos dentro do canal apertado dele, com pressa para deixá-lo preparado. Sasuke gemeu de dor e de prazer; tirou a perna de cima dele e puxou o cabelo de Naruto com força para afastá-lo.

O Uzumaki resmungou, mas, antes de dizer qualquer coisa, Sasuke o empurrava com o pé, com força suficiente para desequilibrá-lo e jogá-lo contra o chão. A queda só não foi de toda desagradável devido ao tapete fofo que cobria o local e por ver Sasuke vindo para cima de si totalmente alterado, arrancando suas calças.

Naruto ajudou - chutando os sapatos junto com as calças - e, quando estava livre de todo aquele tecido, viu Sasuke abocanhar seu membro com vontade, deixando-o bem babado, enquanto arranhava seu quadril com força. Naruto revirou os olhos e segurou o tapete com firmeza. Quando o Uchiha sentiu que havia lubrificação suficiente, posicionou uma perna de cada lado da cintura do Uzumaki, direcionando o pau duro até sua entrada e descendo o corpo de uma vez. A dor e a violência da investida o atiçavam ainda mais; era daquilo que sentia falta, de ser totalmente consumido por alguém.

— Porra, Sasuke. - Naruto disse, socando o chão e levantando o tronco, de modo a ficar sentado. A expressão de dor do Uchiha o deixava ainda mais excitado.

Naruto começou a beijar o outro com vontade, abraçando sua cintura, esperando que se sentisse menos desconfortável. A respiração de ambos estava descompassada. Sasuke tinha o queixo, o pescoço e a clavícula mordidos pelo Uzumaki que apertava seu corpo cada vez mais contra o seu.

Sasuke sentia o corpo inteiro arder, como se a pele de Naruto estivesse coberta de brasas. Apoiou as mãos nos ombros bronzeados e começou a movimentar o quadril, ensaiando os movimentos; não queria esperar. Naruto afrouxou o abraço, para não atrapalhar Sasuke a se mover, e deitou-se, a fim de aproveitar o show. O Uchiha apoiou as mãos no peito do loiro, para facilitar o impulso, e começou um sobe e desce profundo no membro do Uzumaki.

Naruto segurava o quadril do outro, ajudando-o a dar impulso, e se movia também para cima, penetrando Sasuke ainda mais intensamente. Contudo, aquela posição o estava incomodando. Não queria ficar tão quieto. Sasuke era maravilhoso e estava tão desejoso quanto ele; isso aumentava a ânsia e a vontade de estocá-lo com mais vigor.

Totalmente fora de si, Naruto usou toda sua força para levantar-se do chão, levando Sasuke junto. Quase caiu com ele, mas por sorte não estavam distantes do sofá.

— Cuidado, dobe. – Sasuke disse o fuzilando com o olhar, por estar se exibindo demais, quase causando um acidente.

Naruto não se abalou pelo olhar do Uchiha. Na verdade, quando deitou as costas do moreno no sofá e o penetrou de uma vez com força - dobrando as pernas pálidas contra o peito dele -, viu a expressão severa desaparecer - dando lugar a uma expressão deliciosa de prazer -, o que foi o estopim para começar a fodê-lo violentamente.

Sasuke gemia alto, arranhava os braços de Naruto e se deliciava com os golpes em sua próstata. O Uzumaki deixou que uma das pernas do moreno ficasse em seu ombro, para deixar a mão livre para começar a masturbá-lo. O Uchiha já estava muito próximo do ápice.

— Eu vou gozar. – Sasuke avisou entre os gemidos. Naruto sentia a pressão em torno de seu membro aumentar, e aquilo era delicioso.

— Eu também. – Informou, aumentando a profundidade das investidas.

Naruto abaixou-se para beijá-lo, abafando o gemido sôfrego do moreno, que se derramava em sua mão ao mesmo tempo em que Naruto gozava em estocadas irregulares em seu interior. Os dois respiravam intencionando recuperar o fôlego, diante da intensidade da transa.

Sem que combinassem nada, sem que falassem nada, houve uma sincronia entre eles. Com as testas coladas, Naruto buscava se abraçar ao moreno e distribuía beijos carinhosos em sua face e seu pescoço. Sasuke se posicionava tentando aconchegar o loiro ao seu corpo e recebendo aquele carinho de bom grado. Depois de alguns instantes, Naruto se afastou deixando que Sasuke se levantasse.

O moreno, vendo a face sonolenta do Uzumaki, estendeu a mão num pedido mudo para que ele o acompanhasse. Não eram necessárias muitas palavras entre eles. Conduziu-o até o quarto, e Naruto se jogou na cama larga enquanto Sasuke ia até a suíte. Mandou uma mensagem para sua secretária, que deveria acordar em breve, mandando que desmarcasse seus compromissos.

De que valia ser o homem poderoso que era, se não podia fazer uma gracinha de vez em quando?



Notas finais:

E aí, gostaram ♥ ?

Comentários?

Críticas?

Recomendações?

Amor?

Beijo grande pra vocês e feliz NaruSasu day(03/07)!


15 de Agosto de 2019 às 08:08 4 Denunciar Insira Seguir história
4
Fim

Conheça o autor

Donna Dan Compartilhando meus devaneios em aparições irregulares. Vem surtar comigo! Créditos da Fanart: Snow_124 https://snow124-art.tumblr.com/

Comentar algo

Publique!
kellys Balck kellys Balck
Ameeiiiiiiiiii
March 06, 2020, 15:11

Jessie Teixeira Jessie Teixeira
Ameeiiii. Quero mais
January 01, 2020, 19:58

  • Donna Dan Donna Dan
    Obrigada, Jessie! Assim que tiver mais será postado ^^ June 06, 2020, 22:19
~

Mais histórias

Iniciativa Fanficadores - descrição do projeto Iniciativa Fanficado...
O alvorecer do amor O alvorecer do amor
Axis Mundi Axis Mundi