GORILLA Seguir história

julia-goc1563922246 Julia Goc

Bruno e Isabella querem fugir juntos para recomeçarem a vida longe de toda a confusão e decadência do "La Jungla", mas as coisas se complicam quando Bruno decide que vale qualquer coisa para conseguir o dinheiro que vai comprar a nova vida. Livremente inspirado no clipe da música "Gorilla", lançado em 2013.


Fanfiction Bandas/Cantores Para maiores de 18 apenas. © Todos os Direitos Reservados

#espanhol #latino #brunomars #hot #musica #drogas #mars #love
2
3.9mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Sextas-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

1

Hija de puta! Acha que me engana! Mas eu sei exatamente o que está acontecendo! - deu outro gole no uísque, enquanto procurava pelo batom na bancada de espelhos iluminados.

Dé qué estás hablando Nya? – Rúbia passava mais lápis ao redor dos olhos, gostava de acentuar o ar asiático, enquanto isso fingia não saber que era de Isabella que a outra reclamava, desde que a chica começara a dançar lá, algumas semanas atrás, Nya não tinha outro assunto.

Bien sabés de quien hablo – respondeu irada, passando novas camadas do batom carmim nos lábios.

Si, de Isabella – respondeu com um suspiro, revirando os olhos - tinha un poco esperança de que fosse de outra pessoa.

As duas estavam sentadas em suas mesas de maquiagem no apertado arremedo de camarim que ficava do lado esquerdo dos fundos do palco, já estavam vestidas com os minúsculos tubinhos brilhosos e davam os últimos retoques na maquillaje e no cabelo, de frente para os espelhos cravejados de lâmpadas, logo começaria o turno da noite, e sendo uma sexta-feira, esperavam casa cheia.

No puedo Rúbia! Ela acha que não vejo a maneira como olha pra ele com aquela maquiagem toda borrada, e como caminha por ai com aquele pelo todo loco, achando que é a dona do pedaço – deu outro gole na bebida e estreitou o copo entre os dedos – Ela acha que é única, que ele quer algo sério, provavelmente pensa que a ama. Uma burra.

― Exatamente, eu não sei por que essa preocupação – virou-se para a companheira – você melhor do que ninguém sabe que nadie puede atar a ese chico.

La actitud snob! Me irrita! Pero, bien se acha que pode vir aqui e atrapalhar meus esquemas, ela que me aguarde, com certeza el jefe não vai gostar de saber pra quem ela anda dando.

― Uhhh – Rúbia respondeu em tom de piada, suavizando a conversa – eres tan mala.

As amigas riam ainda quando notaram algo se mover perceberam através do espelho a sombra despenteada de Isabella caminhar até elas, parou atrás de Nya e a encarou pelo reflexo do espelho; o rosto exageradamente maquiado da que estava sentada se contorceu numa expressão entre a raiva e o susto contrastando com o rosto de Isabella que não demonstrava nada.

Deu mais uma tragada no cigarro que segurava, expeliu a fumaça para baixo, em direção ao cabelo de Nya e derrubou a bituca no copo de uísque, parou na porta e jogou um beijo com a mão esquerda, na direita tinha uma garrafa de Jose, seguiu caminhando como se não tivesse ouvido nada relevante mascarando com sucesso o ódio que sentia.

Enquanto caminhava ouviu ao longe que Rúbia segurara a amiga impedindo-a de segui-la e começar uma briga de verdade e por alguns segundos considerou voltar e esbofetear a porto-riquenha, mas esse não era seu estilo.

No que dependesse de Isabella, primeiro Nya morreria de ódio, engasgada no próprio recalque; odiava esse tipo de situações, geralmente fazia amizade com as outras chicas da casa porque apreciava muito sua paz, mas as coisas ali haviam chegado num ponto em que ela já não tinha mais controle da situação.

Nya vinha fazendo de tudo para afastá-la de Bruno e Isabella não sabia quanto tempo ainda aguentaria mantendo a atitude fria e distante; no fundo sentia que não era algo tão pessoal, mulheres como a colega estavam sempre procurando outra mulher com quem rivalizar e não sossegavam enquanto não destruíssem seu alvo.

Isabella não pretendia cair tão fácil.

No momento a parte do plano que estava em execução era garantir que Bruno seria totalmente dela, infelizmente o plano sofrera um baque quando descobriu que ele e Nya haviam transado nos dias em que ela precisara se ausentar.

Isabella não entendia como ele fora capaz de correr para o meio das pernas da outra tão rápido, jogar fora todas as promessas e planos que haviam feito, tudo que estavam organizando.

Bruno era um babaca.

A verdade é que o desgraçado não sabia manter as calças abotoadas; já não se falavam a três dias e em situações normais Isabella não se importaria, apenas se afastaria e ponto final.

Mas gostava do maldito.

Não conseguia expulsá-lo da mente e a verdade é que já morria de saudade das mãos firmes e habilidosas, dos beijos recheados de mordidas, dos braços fortes, das pernas torneadas que a sustentavam contra a parede.

O homem fazia amor como um gorilla.

Respirou fundo e sacudiu a cabeça tentando espanar as lembranças.

― Arrumando o cabelo, Bella? – Julio provocou de trás do bar com uma gargalhada, Isabella sorriu de volta e lhe mostrou o dedo do meio, todos ali implicavam com o cabelo desarrumado dela.

Caminhou para o palco e se sentiu ao mesmo tempo satisfeita e miserável por não vê-lo ali, resolveu sentar-se no topo dos caixotes e tentar se distrair com as conversas de Kameron e John, pelo menos eles não lhe eram hostis.

--

Chegou ao bar no mesmo horário de sempre, atravessou o estreito corredor que levava para o espaço principal e lá ela estava ela, no canto esquerdo ao lado do palco, sentada no topo de algumas caixas empilhadas e fumando lentamente, dividia uma garrafa de tequila com John e Kameron enquanto ouvia, e parecia se divertir com a conversa deles, que arrumavam os instrumentos para mais tarde.

Sentiu o coração acelerar.

Já estava pronto para a apresentação da noite, a camisa estampada com os três botões de cima estrategicamente abertos, a calça escura, o coturno, o chapéu panamá, todos os sete anéis e a pulseira dourada de elos largos, já estavam no lugar o cabelo estava começando a ficar grande demais deixando os cachos um tanto desordenados, mas debaixo do chapéu ficava tudo bem, faltava só pegar com Nya a corrente de ouro que ela tinha levado para arrumar o fecho.

Àquela hora o pessoal da banda estava começando a chegar, as dançarinas a circular arrumadas e Malcon dava os toques finais na limpeza, ou o que quer que fosse aquilo que ele fazia no chão.

Ainda estavam no final da tarde, e o sol brilhava suavemente lá fora, mas isso não impedia que alguns já estivessem quase bêbados. Era o ambiente, ele achava, abafado, sempre cheirando a fumaça, las chicas passando em roupas minúsculas, até as paredes ali pareciam dar sede.

Era um bar comum, na verdade beirava a feiura, alguns descascados nas paredes, um jogo de luzes precário, um palco com passarela, na qual havia espaço para pole dance, no entanto La Jungla era bem frequentado, raramente as noites eram ruins e fazia sucesso predominantemente entre a comunidade latina da região.

Olhou novamente na direção de Isabella procurando atrair sua atenção.

Inutilmente.

A pele morena estava coberta por um pequeno short jeans e uma blusa solta que deixava seus ombros a vista, os olhos oblíquos voltados para Kameron, dando atenção a uma idiotice qualquer que ele estava contando, o cabelo negro ondulado, formava uma bagunça irresistível ao redor do rosto e os restos de maquiagem em torno dos olhos.

Bruno sentou-se em um dos bancos altos do bar.

― A de sempre Julio – falou para o bartender sem tirar os olhos dela.

Buenas mi amor... – a voz arrastada de Nya surgiu em seu ouvindo ao mesmo tempo que a língua dela avançou em seu pescoço, a mão direita subia pela nuca e a mão esquerda se agasalhava em seu membro, sob a calça, ele inclinou a cabeça para trás e deixou isso durar alguns segundos.

Tomou a cerveja entregue por Julio e então passou a mão ao redor de sua cintura e trazendo-a para o meio de suas pernas.

― Oh...Nya... – disse baixinho enquanto puxava-a lentamente para si, ela o beijou na boca, de um jeito molhado, depois a escorou em si de modo que continuasse lhe beijando o pescoço, assim podia retribuir o carinho sem tirar o olhar de Isabela, ainda em cima do palco, que continuava ignorando-o, apesar do "esforço".

A mão de Nya continuou estimulando-o até que Bruno sentiu que ia passar dos limites e lhe segurou o pulso esquerdo meneando a cabeça. "es suficiente" ele disse apenas mexendo os lábios, sem emitir som.

― Trouxe uma coisa pra você. – disse baixinho ao ouvido dele, fazendo com que os lábios roçassem em sua pele.

Ele agiu em reflexo e lhe segurou o outro pulso que ia em direção aos seios, sabia o que ela ia pegar ali, a corrente, porém era imprescindível que Isabella não soubesse disso.

― Vejo você lá em cima? – ele perguntou num tom sugestivo, para evitar a cena de ciúmes que sabia que ela queria causar.

Mas sabia que ela não trocaria a possibilidade de foderem pelo capricho de causar uma briga com Isabella, Nya tinha suas prioridades.

Ela o beijou novamente antes de sair e assentiu com a cabeça e um sorriso de canto.

Saiu andando e Bruno deu mais uma olhada, o cabelo negro e cacheado, o vestido brilhoso que contrastavam com sua pele escura e o gingado ao caminhar, ele simplesmente não conseguia resistir, na verdade nunca havia tentando e olhando-a ir embora não conseguia encontrar razão nenhuma para isso.

Quando olhou para frente se lembrou de uma única razão para resistir a Nya, a tal razão o estava encarando com desprezo e apesar de não gostar da maneira como ela olhava comemorou intimamente o fato de que finalmente estava prestando atenção.

Meneou com a cabeça indicando a ela que o seguisse para os fundos, precisavam conversar e acabar com aquilo logo, não aguentava mais essa briga estúpida.

Ela acentuou a expressão de desprezo, pulou da caixa e levou a garrafa de tequila até Kameron, passando a mão em seu braço numa carícia, ele que estava de costas, não percebeu estar participando de um showzinho para irritar Bruno, e cometeu o infeliz erro de passar o braço ao redor de sua cintura.

Bruno saltou do banco onde estava e caminhou silenciosamente postando-se ombro a ombro com o amigo e encarando Isabella, ao notá-lo Kameron afastou Isabella com tanta rapidez que ela teve que se apoiar agilmente com a perna para evitar uma queda, olhou feio para ela.

Deja de hoder Isabella!! – exclamou meneando a cabeça – Não me enfiem nessa confusão de vocês! – apontando para os dois e se afastando com um dos cabos na mão.

― Preciso falar com você, AHORA. – Bruno enfatizou e tomou a garrafa da mão dela.

No – ela respondeu ríspida dando as costas e saindo pela porta lateral.

― Isabella, POR FAVOR. – ele a seguiu enquanto atravessava o palco e entrava para a parte dos fundos do bar pelo lado direito.

Yo que te pido Bruno! – atravessava os caixotes do estoque e se virou para ele - Por favor!

― Não posso continuar assim mi amor – segurando – a pelo ombro com a mão esquerda, procurava onde colocar a garrafa para poder segurá-la com a outra mão e evitar que escapasse.

Percebendo o impasse ela estendeu a mão e tomou de volta a tequila, deu alguns goles enquanto ouvia-o dizer o quanto a amava e o quanto era única e que por ela faria qualquer coisa.

Sí, haces cualquier que sea por mí, pero no deja de follar Nya. Lo basta! – soltou os braços – no escucho más nada de ti.

Saiu empurrando caixas pelo caminho, procurando a passagem dos fundos que dava para o camarim, precisava tomar um banho e trocar de roupa, mas precisava mesmo era sair de perto dele, antes que o perdoasse e acabassem transando no meio das caixas.

24 de Julho de 2019 às 12:47 0 Denunciar Insira 0
Leia o próximo capítulo 2

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 1 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!