Os Meus Contos Seguir história

pandinhakk Pandinha Kk

rei postar todos os meu contos que eu fiz durante a escola , alguns podem falar sobre a vida e outros sobre fantasia , eu acho eles fofos mas aproveitem .


Fantasia Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#terror #vida #contos #239
0
642 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 15 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Sem Temer

Era um vez uma menina com medo da vida mas sem temer a morte , certo dia ela nasceu num dia chuvoso no final de Outubro era uma data triste para seus parentes por causa que essa data lembrava a morte . A menina cresceu alegre e tímida mas sempre com medo da vida , quando tinha seus dois anos quase morreu por uma picada de escorpião mas a morte não a queria e assim seguiu , os pais da menina eram separados nunca tiveram nada, só tinham ela , um elo de uma noite , a mãe da menina era uma lunática e obcecada pelo pai da garota . Ela brincava e sorria sem temer a morte , quando tinha três anos fora abusada por um dos seus primos a menina achava graça e via aquilo como um descoberta pro um corpo novo sem ser o seu , a garota fora repreendida pela sua mãe e ela não entendia na época a coisa que ela tinha feito com seu primo .

A menina cresceu sem temer a morte , agora com seus quatro anos saiu do antigo apartamento que dividia com a mãe e avó , foi pra outro lugar mas na mesma cidade , conheceu um garoto mais velho e com uma certa implicância com a garota mas sem perceber não se separavam , o menino tinha uma mentalidade maliciosa e a menina pura e com medo da vida não podia entender aquilo , não naquela época. Numa certa noite ela estava brincando com o garoto e ele pediu sua mão e ela deu sem pestanejar , o mesmo pediu para a garota fechasse os olhos e ela fez sem dizer nada e com um sua pequena mãozinha sentiu algo , algo que estava duro e rijo e ela sentiu medo e lembrou do primo , sua sorte ou não , foi a mãe que a chamou para comer biscoitos que ela estaria fazendo , sem dizer mais nada , correu para sua casa e permitiu ocultar aquela informação que teve com o amiguinho alguns minutos atrás , foi um erro.

Com a mesma idade,sua vó ainda trabalhava para sustentar não somente ela mais seus dois filhos que não tinham onde morar , a mãe nunca trabalhou e o tio da menina era um fracassado que era ou é usuário de drogas . A mãe da menina conheceu um homem que era casado e tinha uma filha mais nova que a menina , a mãe da garota era uma amante e a menina cresceu sabendo disso e sem falar nada ocultou mais uma vez aquela historia para si. A garota estava na escolinha que era perto onde a mesma morava sem saber que o que a espera iria levar como uma memória não traumatizante mas sim dolorosa , a mãe da garota estava transando com o homem casado no banheiro, a menina ficou em frente a porta com seus olhos atentos a qualquer movimento e os ouvidos aguçados tentando entender o que era aqueles gemidos , ela foi para o único quarto que continha naquela casa , pegou moedinhas que tinha guardado e subiu correndo escada que a levou para a mercearia de um senhor já de idade com um cachorro chamado Scooby , a menina sempre que se sentia estranha com sigo mesma ia até aquele lugar que era do lado de sua casa e ia comprar bala ou outra besteira mas aquele dia foi diferente , mesmo sendo uma rua sem saída com poucas casas e uma escola que tinha ali os carros eram muitos e com um desses carros que um carro desgovernado quase a atropelou dentro da mercearia , ocultou mais uma vez o ocorrido .

Na mesma época quando tinha seus quatro anos foi roubado seu primeiro beijo por um garoto com o dobro de sua idade , a menina se mudou daquele lugar e foi morar num bairro distante do centro da cidade , a avó com pouco que sobrava do seu trabalho juntava cada gorjeta ou dinheiro que era lhe dado e com vários empréstimos a mãe da menina ganhou um pedaço de terra que construiu a casa , a menina já tinha seus cinco anos e sempre brincava sozinha com seus amigos imaginários , nunca gostou de bonecas ou de brincar de casinha , sempre era sobre uma vida melhor com sua família , avó da menina mesmo com seus quarenta e três anos estava gravida do terceiro filho . O pai da garota era "casado" mas sempre a visitava quando dava , sua mãe ainda era obcecada pelo pai da garota .

A menina já tinha seus seis anos e a tia que tinha meses nasceu e ela era linda mas não podia fazer barulho para não acordar a recém-nascida , então ela brincava na rua como sempre desde que a menina nasceu , a mãe da garota gostava de fazer coisas para festas e gastava mais do que podia fazendo coisas de E.V.A , a garota estava ficando solitária mas sempre sem temer a morte . Ela entrou numa escola mas sempre perguntavam a causa da menina ser tão miudinha e nem parecia ter seus belos seis anos , mas a menina não comia ou ela bebia toddy ou era o peito da mãe que ainda saia leite , até seus nove anos foi assim mamando no peito da mãe. A escola foi como um refúgio para a menina sem ela perceber , a garota era a mais inteligente de sua classe e sempre fazia tudo com capricho e tirava suspiros de seus professores e os superiores a eles , com sete anos conheceu sua primeira amiguinha e ela gostava de ter uma pessoa para conversar de verdade mas a mesma coisa aconteceu quando ainda tinha seus quatro anos , a sua nova amiguinha gostava de beijar e ela não queria perder a amizade e sempre fazia o que ela pedia , os beijos foram virando carícias pelo corpo até a amiguinha chamar a prima e agora não era uma e sim duas , ela tentava gostar mas sempre era um misto de pavor . Sua mãe arrumou um namorado mas não deu certo , o tio da menina já tinha engravidado a vizinha irmã da amiguinha, moravam juntos e sempre mudando de casa sem pagar aluguel ou fugindo de algo que o tio fez , a tia da garota que era bebezinha já tinha seu um ano de vida e ela teve um aniversário com o tema de circo , a menina ficou com inveja da tia ainda pequena , a menina sempre imaginava seus aniversários com varias pessoas ao seu redor mas como eu disse os parentes não iam por causa da data do aniversário da menina que lembrava a morte , os aniversários dela sempre iam os pais , a avó e agora a sua tia , a mãe sempre animava a garota sempre falando : " eles que perderam essa festança não fique assim." A mãe da garota era um ponto seguro mas iria mudar isso .

No terceiro ano do fundamental a menina teve o seu primeiro grande sofrimento , Bullying , os amigos que tinha feito não queria mais saber da mesma igualmente a professora , a menina que sempre apreciou a saber mais sobre as matérias que aprendia indo sempre na biblioteca com sua mãe para saber mais , só que mudou, a menina não queria mais aprender , não gostava mais de estudar e sempre com medo de algo que os amiguinhos iriam fazer se ela contasse para sua mãe , a professora amava a amiguinha que começou a fazer Bullying com a menina , sempre que a mesma tentava falar a professora dizia que era mentira , ela perdeu a esperanças e sempre não temendo a morte . A mãe da garota acabou descobrindo e tomando providências mas nada que tirasse a dor do coraçãozinho da menina .

Seu quarto ano fora um fiasco sua mãe estava namorando um homem mais velho e a vó empurrava a filha para o homem mas depois percebeu a burrada e tentou separar mas nada adiantou . No final de novembro a mãe da garota não ajudava mais nos deveres de casa ou para fazer algum trabalho de escola , a menina pela primeira vez teve que se virar sem os conselhos da mãe e isso destruiu mais o coração puro da menina tímida e com mais medo da vida que já tinha . Em Dezembro do mesmo ano que a menina cursava o quarto ano viu a mãe e o futuro padrasto na cama semi nus , ela ficou chateada por não ter sua mãe na cama dormindo junto com a mesma , ela sentia saudades da mãe , fazendo cafuné , vendo seus deveres e ver se estavam corretos ou da alguma dica em matemática que a menina na época amava .

No seu quinto ano a família da menina dissolveu , sua mãe e seu padrasto iriam sair da casa de sua vó para tentar não perder o filho que a mãe da menina estava tentando gerar pela terceira vez , a vó era aposentada e a sua tia com cinco anos já estava na escolinha e o tio sabe-se lá onde ele estava . A menina se mudou para tentar ter mais contato com a mãe mas foi em vão , ela mentia falando que tinha dor de cabeça para ter um mínimo contato com sua mãe . O pai da garota a disse : "Sua madrasta está gravida e é uma menina."

A menina queria ser consolada e tentar fazer sua mãe a ajudar por que acabara de perder o pai pra sua irmã , mas sem ser consolada ela recebe mais para frente que a mãe estava grávida , a menina tinha onze anos estava frágil como porcelana ela precisava de ajuda para tentar desabafar , se não tinha a mãe e nem o pai ela pediu a morte . A morte que ela nunca temeu mais que a vida , a morte que nunca a abraçava como ela sempre desejou desde quando ela tinha seus oito anos .

Mas quando tinha dez o seu primo tentou mais uma vez abusar dela , a menina estava fazendo lições e pedia ajuda mas ajuda que não obteve e sim alisamentos sobre suas coxas e parte intima , ela queria gritar mas guardou mais vez aquilo para si . Com nove sua vó quase perdeu a vida e ela teve que ficar com uma crente , a menina ficou até de noite na casa da vizinha crente com sua tia de três anos , a vizinha tinha um filho e o filho beijou a menina , a menina pediu mais uma vez a morte mas como sempre não foi atendida .

Com onze mudou de casa por causa da sua mãe gravida , mudou para uma casa perto de sua vó e como as casas eram perto , fizeram um trilho em um lote vazio , a menina brincava com mais amigos que fizera com seus nove anos , brincava de tudo , ela conheceu uma menina ruiva parecia que o fogo estava em seus cabelos a mesma apresentou seu grupo de amigos e ela ficou interessada em um em especial , já tinha dado o seu terceiro beijo em um menino da escola e que era o seu vizinho mas não gostava mais dele . A menina ficou com o garoto mais velho mas ela tinha acabado de comer pão de alho e nunca mais foi beijada por aquele garoto e sempre iria ser zoada por "boca de alho" . A mãe da menina descobriu que ela tinha beijado o menino e ficou muito brava com ela a chamando de puta e sem vergonha e que estaria de castigo , ela chorou e se viu sentada numa gangorra que tinha no lote vazio que faziam de trilho , ela gostava de ficar ali até de noite e ficar vendo as estrelas no céu e imaginar se um dia iria ser ela naquele céu . Ela estava se formando no quinto ano e o cabelo estava na orelha e todos os amigos que ela brincava a chamavam de vassoura , os seus cabelos sempre foram cheios e ela vendeu o cabelo para dar o dinheiro para a mãe que precisava pagar algumas contas , a menina não sabia que iria ser zoada pelo corte mas tentou colocar um sorriso no rosto e começar a zoar ela também . A menina ficou com um garoto na festa de formatura que gostava dela desde do segundo ano e isso vazou para os ouvidos de sua mãe no dia que ela tinha que pegar seu diploma e ela imaginava que aquilo iria a tornar menos inútil e puta para sua mãe mas foi engano dela , ela ficou de castigo e a única saída dela era o celular que agora tinha um aplicativo novo de conversas que só precisava do número do celular , ela não gostou de primeira mas depois gostou e viu se apegando em um homem adulto de outra cidade , ela estava frágil e precisava de carinho e ele com as palavras que ela precisava arrancava dela fotos intimas , ela foi pega e sua mãe a bateu e chamou de tantos nomes que não queria lembrar . Sua mãe a liberou do castigo no dia dois de fevereiro , ela brincava mas percebeu que nenhum dos amigos queria ela ali , mas eles a engolia , chegou a noite e todos começavam a expulsar ela para casa , para os seus "amigos" brincar com os outros que não podiam vir brincar com eles por causa que a mãe proibiu eles brincarem com uma puta sem miolos na cabeça , ela sentou no mato e ficou tentando não chorar quando via e ouvia seus amigos a criticarem , ela reviveu tudo e pediu novamente a morte mas como sempre ela não atendeu ao pedido . " Só vou embora se minha melhor amiga vim até a mim e me pedir ." E a melhor amiga foi , ela contou até dez e via todos ali a mandarem ela contar mais rápido , ela estava ali sem os pais deles saberem , estava ali uma intrusa que apresentou todos , estava ali a menina que estava morrendo mas sem temer a morte . Ela se levantou e foi andando e ouviu " graças a Deus que ela foi embora , não aguentava mais ." Ela ouviu aquilo e pensava e pensava pra não chorar mas foi mais forte , ela começou a correr abriu o portão de lata e chorou como um bebê que ela ainda era , nem quando perdeu seus pais para os "filhos" que tinham ela chorou mas por que a dor que ela estava suportando tanto transbordou quando se viu sem seu refúgio da vida que ela tinha medo .

Ela queria desabafar com a psicóloga que ela tinha mas sua mãe não a levava mais por falta de dinheiro , ela gostava de conversar por causa do pai mas não deu em nada e sua mãe a tirou de lá por dizer :" Não vejo nenhuma melhora nela." Com doze anos viu uma amiga de escola pegar um pedacinho de madeira e se cortar , aquilo fez a menina ficar com medo por que ela já tinha tentado uma vez se cortar quando ainda tinha a gangorra do lote vazio . Ela como uma boa pessoa com o coração machucado sem pestanejar perguntou o motivo : "brigas com minha mãe eu não aguento mais." Ela guardou toda a dor que sentia para si e tentou animar a amiga mas ela também começou a se cortar , ela havia achado o seu botão de escape e em novembro sua mãe e avó descobriu que ela se cortava , não cortes pequenos e banais mas sim cortes profundos que estavam demorando a virar cicatriz , ela perdeu o celular mas ela encontrou outro meio de aliviar um pouco as emoções que sentia e foi com a professora que a dedurou pra sua mãe que ela se cortava , a professora era de português uma matéria fácil pra garota , a professora tinha pedido para comprar um livro da coleção vagalume e ela na época odiava a lê mas foi quando abriu a primeira página para tentar ler e fazer um resumo da historia que ela se perdeu num mundo sem voltas , ela queria saber mais sobre aquele livro , queria lê e viajar para outros lugares e esquecer aquele mundo real e doloroso que ela estava vivendo .

No sétimo ano , ela ainda se cortava e já tinha tentado se matar uma vez , ela namorava um garoto que conheceu no seu sexto ano mas não foi longe , a menina agora fazia psicólogo e psiquiatra , ela tinha depressão crônica aguda e na época não sabia mais também esquizofrenia . No mesmo ano ela tentou matar o irmão e começou a morar com a vó já que ela estava se mudando e deixando a casa que comprou com suor e vários empréstimos pra sua filha e contra gosto o marido da filha e neto .

No oitavo ano a mãe da menina a abandonou e falou que a própria mãe a tinha a roubado mas a menina não gostaria de viver mais naquela casa e no bairro que sofreu tanto , ela mudou de escola e viu ser chamada de sapinha por causa de sua boca que sempre ficava ressecada ou por tanto morder pela ansiedade que tinha , fez colegas mas nunca amigos , ela dizia: "Amizade é uma palavra muito forte pra dizer para pessoas que não conhecemos direito e colega é uma palavra para apenas conhecidos como é o caso dessas pessoas ."

No final do ano que cursava oitavo ano se viu afundar cada vez mais na depressão , ela não saia não por não querer por que vontade ela tinha e muita mas não conseguia , na matemática que sempre amou tinha um bloqueio que não conseguia tirar por medo mas conseguiu , ela se sentiu tão feliz por ter tirado quatorze numa prova valendo quinze . Ela se apegou mais em livros e sempre tinha um na mão ou na sua mesa da sala de aula , ela ainda se isolava de todos por causa que tinha medo de se machucar mais uma vez . A mãe a largou de lado mas disse a seguinte frase : " Você morreu para mim , não é minha filha , nunca tive filha." O pai tentava ter alguma aproximação com a menina mas ela tinha medo te acontecer a mesma coisa que aconteceu com a mãe . Todo o dinheiro que conseguia pelo seu aniversário ou festas de finais de ano que conseguia dava pra sua vó já que a mesma não tinha guarda legal da menina e nem recebia pensão e o aniversário que não era mais comemorado , não por causa de ninguém se lembrar mas a menina não queria se lembrar daquela data que sempre existiria no final de Outubro , a menina não queria ser lembrada que estava viva e respirando .

Nono ano a menina agrediu uma pessoa e foi expulsa da escola mas todos a chamavam de mentirosa , ninguém dizia mais nada e nem falava com ela mas ela já sabia a dor da rejeição , mudou de escola e tentou ser uma menina nova mas no meio do ano parou de ir na escola , não conseguia mais ir , não por não ter vontade mais por medo , medo de todos que estavam ali , ela podia conhecer toda a escola e conversar com todos mas ela tinha medo e ainda tem , perdeu prova e trabalho , trabalho que lembrou que sempre iria sofrer por Bullying , ela gostava de fazer tudo sozinha , ela aprendeu a ser sozinha quando era muito nova e sempre os trabalhos eram despejados em cima dela mas sempre cobrava para ajudar nas despesas que a vó dela tinha mas num trabalho ninguém deu um centavo e as pessoas a ameaçaram a quebrar a maquete . Ela ficou sem ir na escola por um mês mas voltou com medo nos olhos e medo no coração , estudou para fazer as provas que tinha perdido mas depois parou de ir na aula por medo , não medo não , pânico . Começou pela escola , depois foi por mercado e por fim tudo que fosse lotado ela tinha pânico , a menina começava a se machucar e se estressar a ficar sem ar e tentava pensar em algo que faria esquecer que estava na escola , mercado , ônibus etc mas nada adiantava . Parou de ir na escola e repetiu , parou de ir no mercado para ajudar a fazer compras , parou de andar de ônibus mas sendo obrigada a ir no psicólogo e psiquiatra ia de ônibus suando frio e querendo sair daquele automóvel o mais rápido possível , por causa que aquelas pessoas a encaravam , iriam matar ela , iriam fazer mal a ela , ela iria começar a viver tudo de novo , ela queria gritar , ela queria matar todos que estavam ali , ela estava com medo de si mesma .

Tentou fazer o nono ano na escola de novo mais no segundo dia não conseguia sair da porta do apartamento que morava com sua vó e tia de nove anos , tentou fazer supletivo mais nunca conseguiu sair de sua casa e ir fazer a prova de história que faltava pra ir pro primeiro ano , ela estudava mais esquecia tudo , esquecia ou tinha medo de esquecer . Preferiu ser uma reclusa que só dormia e comia , mas ela começou a não ter fome , parou de ter sono , ela estava morrendo aos poucos e ela estava abraçando a morte como uma amiga mas sempre se lembrava de sua vó que estava ali e que também sofria . Ela tem medo de sair de sua casa e machucar alguém , então preferiu a sua casa e livros para consola-la já que não teria mais uma vida como sempre imaginou , sendo uma brilhante cientista ou astrônoma mas não seria nada , ela estudava em segredo , pesquisava matéria no celular que aprenderia no seu primeiro ano , seu pai sempre falava : "Você precisa sair dessa precisa ter mais força de vontade se quer ser alguém na vida , se não , vai ser uma ninguém."

A menina tentava falar que sempre tentava ser alguém que orgulhasse os seus parentes e a chamaria de útil , a mente da menina estava tão destruída que ela achava que precisava ser útil para alguém menos para si mesma , ela pensava que se o pai dela chegasse para uma pessoa que quebrou a perna e falasse : " Ande , você precisa sair dessa ." Será que a pessoa que quebrou a perna seria capaz de andar sem sentir dor ? A resposta é não . A menina tinha tentado seis vezes ser amiga da morte mas ela ainda não a queria , ela tinha medo , medo de machucar a única pessoa que tentava a salvar mas tinha as vezes que ela pensava que já aguentou muito ser escrava da vida . Ela poderia ter conforto , lazer e outras coisas que maioria das pessoas tinham , não era pra chamar atenção de ninguém , ela doaria tudo se isso a levasse a morte . Sua psiquiatra a abandonou e entrou outra no seu lugar , ela não confiava em mais ninguém e sentiu mais medo quando sua psicóloga disse que estava grávida e que iria sair de licença como sua psiquiatra fez , a psiquiatria prometeu que voltaria mas não voltou , tendo a crer que ela não poderia confiar em ninguém , a psicóloga falou a mesma coisa agora só falta esperar e ver se ela iria voltar pra menina .

A vó da menina falava que quem cometia suicídio era pessoas fracas e sem amor , então ela confidenciou isso pro substituto de sua psicóloga e ela disse com todas as palavras , letras e espaços : " Não acho que eles sejam pessoas fracas mas sim pessoas fortes por aguentar tudo e ainda sim sorrir como se nada tivesse acontecido , elas precisavam de ajuda e algumas encontraram mas a depressão não deixa a pessoa , ela está dentro de todos e que só precisa de um motivo pra ela crescer e se transformar no nosso pior pesadelo...Não temer a morte e sim a vida."

Assinado: A garota.

14 de Julho de 2019 às 02:17 0 Denunciar Insira 0
Leia o próximo capítulo A Morte e a Vida

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 6 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!