Conto
1
3.7mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Violação

- Eu te odeio! Eu te odeio. – Os gritos de Ana Clara eram carregados de dor. Uma angústia que ela nunca havia experimentado antes. Um sentimento ruim que corroía tudo por dentro igual ácido sulfúrico. Ana Clara estava trancada em seu quarto de criança, sentada no chão enquanto apertava contra o peito seu enorme cachorro de pelúcia; o brinquedo fora um presente do pai, e aquilo tinha sido a única boa lembrança que ela possuía dele antes de ele ter se transformado em um monstro, assustador e cruel.

Eram anos de desespero. De noites mal dormidas, de pesadelos constantes e de arrepios sem fim na espinha. Ana Clara estava cansada, debilitada física e mentalmente. Ela nunca se acostumou com o pai que a botava na cama, lhe cobria, dava um beijo de boa noite e antes de fechar a porta do quarto dizia baixinho:

- Papai já volta. – Como Ana Clara odiava ouvir aquilo. Por vezes ela pensou em se jogar pela janela, mas ela não queria sair como a derrotada da história. Suportaria tudo sozinha e nem ao menos a mãe ela contaria.

E quando o silêncio em casa fazia os passos do pai ela ouvia indo em direção ao seu quarto. E tudo começava com um beijo no pescoço, que coisa nojenta; com um carinho no seio, ela ficava apavorada, mas quando ele pedia para que ela abaixasse a calcinha, era aí que Ana Clara se contraia e tentava fugir, mas não tinha como; ela tinha somente quinze anos e não sabia se defender. Essas violações se repetiriam por meses. Todos os dias. Bastava à mãe pegar no sono para o pesadelo começar, e tudo sendo assistido pelo enorme cachorro de pelúcia de olhar triste e vazio.

Entretanto, Ana Clara poria um fim nisso. Uma noite antes de ir se deitar foi até a cozinha e sorrateiramente pegou e escondeu o abridor de vinhos do pai dentro da blusa que usava. Foi para o quarto e lá permaneceu. Quando escutou o barulho do clique da fechadura já sabia de quem se tratava. Com destreza escondeu o abridor embaixo do travesseiro.

- Oi? – Era seu pai. Quando a porta do quarto se fechou o coração de Ana Clara quase pulou do peito.

O desgraçado se aproximou lentamente, sentou ao lado da filha e a abraçou fortemente; por um momento ela pensou que se tratava de um gesto reconfortante, mas não era.

- Agora você vai tirar essa calcinha e ficar quieta. – Ordenou o pai enquanto tirava as calças.

Ana Clara obedeceu e se deitou ficando na posição preferida do pai. Ao sentir ser penetrada ela também o penetrou, mas no pescoço e por várias e várias vezes; foram seis golpes certeiros até ele não conseguir reagir mais e cair morto fora da cama.

- Eu te odeio! Eu te odeio. – Ana Clara gritava de desespero. O cachorro apertado contra o peito e uma sensação de alívio. O pesadelo tinha acabado.

2 de Julho de 2019 às 17:19 2 Denunciar Insira 2
Fim

Conheça o autor

Fernando Camargo Escrevo desde os oito anos de idade, culpa da professora de português. De tanto gostar de fazer isso (escrever), resolvi estudar jornalismo. Formado, atualmente eu passo meus dias a criar personagens e novas histórias.

Comentar algo

Publique!
Lu Inoue Lu Inoue
Eu super admiro a sua coragem em tratar sobre esse tema, que é algo mais presente do que imaginamos e é tratado como tabu literario e já fui até banida de uma plataforma apenas por mencionar um estupro na minha obra. Me acusaram de fazer apologia. Ou seja, existe, é presente, mas na ficção não temos direito nem liberdade para abordar o tema. Eu sinceramente gostei quando a Ana matou o monstro do pai, quantas garotas abusadas gostariam de ter a mesma coragem e como a vida seria melhor se esses monstros todos morressem, infelizmente não é assim que rola, mas está bem ao menos da ficção. Abraços!
28 de Julho de 2019 às 10:55

  • Fernando Camargo Fernando Camargo
    Obrigado pelo comentário. É um assunto que poucos gostam de escrever, mas infelizmente é um realidade triste e cruel na vida de muitas mulheres. No meu perfil tem outros textos com o mesmo tema: Refém e Desejo de vingança. 28 de Julho de 2019 às 11:26
~