Contos - Aventuras Mágicas Seguir história

saaimee Ana Carolina

São 26 curtas que contam passagens na vida dos personagens escolhidos. Cada capítulo fala sobre uma estória individual entre dois personagens. Algo que pode trazer consequências ou somente lembranças boas para se guardar. Você vai encontrar pequenas narrativas sobre amizades, perigos, magia, aventura e sentimentos.


Fantasia Medieval Todo o público. © Todos os personagens aqui pertencem a mim e TsukiAkii. Portanto postar/reproduzir estas estórias em qualquer página sem a minha autorização é completamente proibido. Plágio é crime e eu tomarei providências.

#romance #sobrenatural #magia #oneshot #comedia #original #amizade #ficção #contos #oc #ação #coleção
1
1080 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Segundas-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

Prólogo.

As estórias contam que nosso planeta era inicialmente habitado somente por criaturas e plantas onde a Deusa da vida havia feito seu lar. Para ela, todos os dias eram repletos de alegria e motivos para comemorar a existência de cada encanto.

Vivendo assim por tanto tempo a fez acreditar que essa felicidade duraria para sempre, entretanto, em um dia que era para ser mais um de alegria, uma de suas queridas criaturas havia caído ao chão e não conseguia mais se levantar não importava o que fizesse.

Era estranho não ver seus braços se moverem ou suas asas baterem. Era até... Assustador. Por milênios vivendo naquela Terra isso nunca tinha acontecido e, por isso, a jovem Deusa não soube o que fazer a não ser se deitar ao seu lado e esperar.

Com os dias passando a criatura não voltou a se mover, ao invés disso, começou a se tornar esquelética de uma forma incomum onde todo seu brilho havia desaparecido. Essa transformação só trouxe ainda mais perguntas a sua mente onde não conseguia encontrar qualquer significado.

Aos poucos mais e mais criaturas começaram a cair, desde as mais pequeninas até as gigantescas que pareciam que nunca seriam abaladas.

A Deusa estava desolada vendo todo o brilho que se esforçava para manter vivo naquele local desaparecendo vagarosamente sem poder fazer nada. Porém ela não parou para se sentar em nenhum único minuto decidindo se agarrar com todas as suas forças a vontade que tinha de manter a vida circulando enquanto procurava a razão para isso.

Em busca da resposta, enquanto decorria pelas florestas que outrora eram habitadas por inúmeros seres, ela encontrou um homem vestido de preto sentado em um tronco caído no meio da solidão. A Deusa nunca tinha visto aquela silhueta antes e menos ainda reconhecia seu rosto escuro de ossos expostos, porém ela reconhecia bem os diversos seres caídos ao seu redor com a mesma fisionomia magra do pássaro dias atrás.

Ela descobriu naquele dia que aquele era o Deus da morte e, assim como ela, queria viver ali.

A Deusa tentou de várias formas o impedir de ficar. Tentou explicar o mal que estava causando e até implorou para que deixasse a vida em paz, porém foi em vão. O homem não queria causar mal, mas sabia que tanto quanto ela que precisava ficar.

A jovem Deusa não podia desistir de tudo que amou por tantas décadas somente porque ele queria um espaço ali e em um ato desesperado de proteção ela o atacou dando início a uma guerra que custaria muito mais do que escolher um dono para a Terra.

Entre raios e escuridão eles abriram espaço para mais do que aquele lugar poderia suportar.

Da fúria para vencer surgiu o Deus da guerra, do desejo de salvar todos surgiu a Deusa da paz. Da vontade de ter mais nasceu o Deus da fome e da esperança do planeta, a Deusa da fartura. Da luta sem fim veio a Deusa da doença e para aclamar o final surgiu o Deus da cura.

Em uma guerra violenta a Deusa da vida e o Deus da morte perceberam o erro que cometeram por seus desejos egoístas transformando tudo aquilo que queriam proteger em dor e lamento. Então, para tentar se redimirem com as criaturas amedrontadas, a Vida e a Morte resolveram se afastar do mundo.

Ela, se selou junto a cura, a paz e a fartura criando os portões do além Celestial. Enquanto Ele, junto a guerra, a doença e a fome, criou os portões Mundanos onde ninguém deveria atravessar.

Ambos juraram não interferir no espaço um do outro e permitir que a vida florescesse todos os dias contanto que a mesma encontrasse a morte em todo anoitecer. E prometeram, por fim, cuidar das almas das criaturas depois que seus corpos partissem e as guiariam de volta aonde quer que seus corações pedissem.


Os restos dessa história ainda estão aqui. Criaturas que surgiram da morte e outras que frutos da vida se escondem desde o início de tudo ajudaram a fazer este mundo se tornar o que é.

Agora, milênios depois, guerras e novas espécies tomaram lugar se alastrando por todos os cantos, contando novas histórias e deixando suas sequelas.

Novas linguagens, novos olhares, novas vidas e novas mortes. Nesse mundo repleto de magia, seres anormais, perigos, animais que tomam forma humanas e humanos que se tornam bestas é onde nossa estória começa. Foi daí que tudo começou e aqui onde tudo será contado.


A jornada por Alluk começa agora!

1 de Julho de 2019 às 16:20 1 Denunciar Insira 2
Leia o próximo capítulo Míngua

Comentar algo

Publique!
Karimy Karimy
Olá! Escrevo-lhe por causa do Sistema de Verificação do Inkspired. Caso ainda não conheça, o Sistema de Verificação existe para ajudar os leitores a encontrarem boas histórias no quesito ortografia e gramática; verificar sua história significa colocá-la entre as melhores com relação a isso. A Verificação não é necessária caso não tenha interesse em obtê-la, então, se não quiser modificar sua história, pode ignorar esta mensagem. E se tiver interesse em verificar outra história sua, pode contratar o serviço através do Serviços de Autopublicação. Sua história foi colocada em revisão pelos seguintes apontamentos retirados dela: 1)Pontuação: Falta de vírgula em advérbios e orações adverbiais deslocadas, como em "Vivendo assim por tanto tempo a fez acreditar que essa felicidade duraria para sempre" em vez de "Vivendo assim por tanto tempo, ela começou a acreditar que essa felicidade duraria para sempre" (uma pequena reformulação foi feita); "Por milênios vivendo naquela Terra isso nunca tinha acontecido" em vez de "Viveu por milênios naquela Terra, mas isso nunca tinha acontecido" (mais uma vez, houve uma pequena reformulação para aplacar o gerundismo). "Em uma guerra violenta a Deusa da vida e o Deus da morte perceberam o erro que cometeram por seus desejos egoístas transformando tudo aquilo que queriam proteger em dor e lamento" em vez de "Em uma guerra violenta, a Deusa da vida e o Deus da morte perceberam o erro que cometeram por seus desejos egoístas, quando viram que transformaram tudo aquilo que queriam proteger em dor e lamento". "Ela, se selou junto a cura" em vez de "Ela se selou junto à cura, a paz e a fartura, criando os portões do além Celestial"; "criou os portões Mundanos onde ninguém deveria atravessar" em vez de "criou os portões Mundanos, que ninguém deveria atravessar" 2)Crase: "junto a cura" em vez de "junto à cura"; "junto a guerra, a doença e a morte" em vez de "junto à guerra, à doença e à morte"; "se agarram as tripas dos mortos" em vez de "se agarram às tripas dos mortos" 3)Onde deve ser usado para indicar local; por exemplo: "Com os dias passando a criatura não voltou a se mover, ao invés disso, começou a se tornar esquelética de uma forma incomum onde todo seu brilho havia desaparecido" em vez de "Mesmo com o passar dos dias, a criatura não voltou a se mover, em vez disso começou a tornar-se esquelética e todo seu brilho havia desaparecido" — "de forma incomum" foi retirado da reformulação, pois ficar esquelético não é comum; "onde" foi retirado, caso contrário daria a impressão de que o lugar onde a criatura estava que perdeu o brilho. Algumas frases precisam de atenção para que consigam passar com clareza o que realmente se quer dizer com elas, como pode ser observado no item "1". Não há necessidade de colocar "deusa" e "deus" em maiúsculo, pois não se tratam de nomes próprios; por isso aconselho que verifique se "cura, guerra, doença e morte" são seres (no parágrafo que fala sobre os portões); caso sim o nome deles devem estar em maiúsculo. "O que?" em vez de "O quê?"; "Por que?" em vez de "Por quê?". 4)Verbo e concordância: "Então vamo" em vez de "Então vamos". "Então, para tentar se redimirem com as criaturas" em vez de "Então, para tentarem se redimir com as criaturas"; "Os restos dessa história ainda estão aqui" em vez de "O resto desta história ainda está aqui"; uso de dois tempos verbais na narrativa, como "São os cegos", "A fome é a necessidade", "se agarram" — no presente — e "foi", "tomava forma", "satisfazia" — no pretérito. É importante escolher um tempo verbal para a narrativa e se manter nele durante a história. Obs.: os apontamentos acima são exemplos, há mais o que ser revisado na história além deles. Aconselho que procure um beta reader; é sempre bom ter alguém para ler nosso trabalho e apontar o que acertamos e o que podemos melhorar, e os betas do Inkspired, quando contratados, fazem uma análise detalhada da sua história e a enviam através de um comentário. Caso se interesse, esse recurso também é disponibilizado pelo Inkspired através do Serviços de Autopublicação. Além disso, também temos o blog Tecendo Histórias, que dá dicas sobre construção narrativa e poética, e o blog Esquadrão da Revisão, que dá dicas de português. Confira! Bom... Basta responder esta mensagem quando tiver revisado a história, então farei uma nova verificação.
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 24 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!