Areia de Sangue Seguir história

skyterblack Carlos Eduardo

O mundo é cheio de mistérios e profecias que não sabemos, os que sabem demais estão presos com seus demônios.


Horror Impróprio para crianças menores de 13 anos.
Conto
0
849 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Sou Um Monstro.

De todas as pessoas desse patético mundo, porque eu fui nascer com isso em meu corpo? Justo eu? É muita sacanagem.

Dizem que faço parte de uma profecia antiga, onde uma legião de Demônios são guardados dentro um bebê de mente pura e coração bondoso, eles pensam que sou filho de um demônio, mas creio que não.

Minha mãe morreu após eu nascer, meu pai é um alcoólatra idiota que gostava de me culpar pela morte de sua esposa, mesmo assim eu o amava.

Doce doce infância, um belo mar de merda na minha vida, onde crianças sabiam sobre o que eu sou e com isso ganhei nenhum amigo. Minha adolescência até que foi bacana, não tenho do que reclamar comecei a assaltar lojinhas, ganhei um dinheiro vendendo os meus roubos e fugir daqueles guardas sempre foi algo incrível para mim.

Mas tudo mudou da noite para o dia, comecei a ter pesadelos perturbadores sobre coisas que eu nunca tinha pensado, ouvia gritos e gemidos de dor dentro de minha cabeça.

Durante dois anos convivi com todos esses gritos, gemidos, sonhos e pessoas pensando que sou louco. Até que conheci um homem conhecido como O Curandeiro, ele mostrou o que esses sonhos significavam.

Aquela profecia estava correta, uma legião de Demônios vivendo dentro de mim e finalmente eles estavam prontos para sair, mas não vou permitir que isso aconteça.

Por mais que eu odeie esse lugar, odeie esse mundo inútil, existem pessoas que são boas e estão prontas para mudá-lo. Então me escondi de todos, fui para minha casa e disse ao meu pai que iria viajar e nunca mais voltar.

Antes de dizer isso, ele estava sentando enchendo a cara e assistindo dois cães se matarem. Mas depois que eu disse, ele se levantou, largou a bebida e me olhou fundo nos olhos, colocou as mãos em meus ombros e disse: "Obrigado por sair da minha vida!".

Pela primeira vez eu deixei de amar alguém, os gritos incessantes tomaram conta de mim e diversas mensagens de matar meu pai apareceram em meus olhos. Ignorei tudo isso, fui embora e vaguei durante dias até chegar em uma caverna escura.

Ali passei meu aniversário de dezessete anos, me deitei e me parabenizei... Quando abri meus olhos, uma silhueta de uma criatura apareceu em minha frente, de olhos brilhantes, chifres que pareciam de um Alce e diversas crianças se escondendo atrás dele.

Me levantei pronto para me defender mas ele não me atacou, apenas ficou me observando e depois de um tempo, essa criatura abriu sua boca, com seus dentes afiados e falou comigo.

"Estamos te observando durante dezessete anos, está na hora de se juntar á mim." Disse a criatura sorrindo, eu sempre fui arrogante com pessoas que não conheço, resolvi não dar ouvidos.

"Você não pode correr de mim." Disse a criatura, depois que ele me disse isso, eu não senti mais medo de nada e andei na direção dele com meu olhar sereno.

Eu disse: "Quero que você se foda.", as crianças começaram a me encarar de forma surpresa e quando menos percebi, elas estavam se escondendo atrás de mim.

Aquela coisa ficou bem confusa, começou a gritar e finalmente me atacou, meus olhos se encheram de fogo, minhas mãos se tornaram foices e com um golpe eu arranquei a cabeça da criatura.

"Agora você se tornou o Guardião." Disse uma das crianças, "Guardião do quê?" Eu perguntei confuso e ela me respondeu: "O Guardião dos Demônios."

Fiquei totalmente perplexo, mas em poucos segundos percebi uma coisa, esse é o único jeito de manter os demônios presos e o mundo salvo.

Ass: Fritz

Ps: Você que leu isso, por favor, me ajude.

28 de Junho de 2019 às 14:16 0 Denunciar Insira 0
Fim

Conheça o autor

Carlos Eduardo Meu nome é Carlos Eduardo, tenho 16 anos. Gosto de criar histórias, pois minha imaginação é bem fértil. Gostaria muito se vocês opinassem sobre minhas histórias ou uma teoria interessante... É isso aí.

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~