Uma noite no bar Seguir história

abo-dream Projeto Abo Dream

Yixing não acreditava nessa história de que as almas eram ligadas pelo cheiro e essas coisas que seus amigos diziam. Ele gostava de meninas e ponto, sempre foi assim. Mas o que fazer quando o cheiro de Junmyeon não permite que ele se afaste?


Fanfiction Bandas/Cantores Para maiores de 18 apenas.

#romance #comédia #chanbaek #sulay #abo #projeto #hunhan #almas-gemeas #abo_dream #ligação
Conto
1
3.4mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Nosso segredinho

UMA NOITE NO BAR
CAPÍTULO ÚNICO
POR _Avallon

Na sociedade atual somos divididos por Alfas, Betas e Ômegas.

O tipo mais comum de casal que se encontra na rua é um Alfa e um Ômega, isso porque a genética os impele a se apaixonar. Vivemos assim a tanto tempo, mas eu não consigo fingir que não acho isso forçado, meus amigos (que já são casados) dizem que o sentimento é único, é algo quase mágico, a forma como vão amar seus parceiros por toda a eternidade, isso é besteira. Eles apenas estão acostumados com a doutrina de que as coisas devem ser assim.

Há aqueles que se apaixonam por pessoas da mesma classificação, por betas ou por árvores, cada um sente-se atraído por algo diferente, é um desejo que vive dentro de nós, não pode ser controlado.

Eu, por exemplo, gosto de um tipo específico de ômegas, as do sexo feminino, é o que mais me atrai, mas é difícil de encontrar alguma solteira dando sopa por aí. Meus amigos acham que todo ômega é igual, seu sexo é irrelevante, pois se for a sua alma gêmea, o sentimento que irá trazer será diferente de qualquer coisa e por mais que eu não sinta-me atraido por aquele gênero, esta será a última coisa importante no momento.

O que nos leva ao momento atual.

— Yixing, eu vou casar com o Baekhyun, o que custa você ir com a gente numa festinha? É só uma comemoração, nem uma despedida de solteiro é.

— O que custa? A gente sempre vai em uma boate onde ômegas ficam dando em cima de mim, eu não estou à procura de um namorado, Chanyeol. — disse tentando fazer uma carinha fofa, mostrando minhas covinhas para que ele parasse de insistir.

— Você deveria parar de ser tão seletivo e tentar se jogar. Qual foi a última vez que você ficou com alguém? Foi na faculdade? Você namorou uma menina por, sei lá, três meses e achou que essa era a única coisa boa da vida. Se você pegasse um cara, ia ver que nada a ver isso.

— Chan, eu amo você e bucetas. — disse rindo e dando um tapinha no seu ombro — Mas eu vou na sua festinha. Quem vai estar lá?

— O Jongin, Kyungsoo, Luhan, Sehun, um amigo deles, meu noivo e eu e você.

— Tudo certo. Mesmo bar de sempre?

— Sim.

— Ótimo, vejo você às oito.

(...)

Era inevitável chegar na “festa” e começar já por uma bebida bem forte, já que eu era o único ali “segurando vela”.

Chanyeol sempre foi o meu melhor amigo, talvez seja por isso que ele se preocupe tanto com a minha vida amorosa, mas acontece que eu vou sempre discordar dele, era questão de atração física, não conseguia fazer conexão com os cheiros, eu gostava de mulheres e pronto.

— Oi. — disse um cara, ele parecia ter mais ou menos a minha idade e estava segurando uma bebida rosa em mãos — Posso sentar aqui com você? — perguntou, já sentando ao meu lado.

— Claro, você conhece meus amigos também? — tentei perguntar da forma mais correta possível, apesar de achar que talvez já estivesse um pouco solto demais.

— Sim, eu conheço o Sehun. Sabe, eu sou o ômega melhor amigo. — disse rindo e tomou um grande gole da sua bebida, como se estivesse ficado constrangido.

Acabamos por conversar por um longo tempo, afinal, aquela era das poucas noites que não precisava ficar dando fora em diversos ômegas querendo dar em cima de mim.

Era algo normal de acontecer, afinal, meus amigos eram todos casados - ou quase - e eu ficava em um canto solitário, eles obviamente pensavam que eu estava a procura de alguém, e não poderia culpá-los, pois as boates em que me levavam sempre eram frequentadas exclusivamente por cavalheiros.

A conversa estava descontraída, estava até que nos dando bem, ele não dava sinais claros de que estava dando em cima de mim. Mas em algum momento a música pareceu alta demais e ele teve que chegar mais perto, um sorriso malicioso adornava seus lábios quando ele colocou a mão em minha coxa e a apertou, chegando mais perto para sussurrar algo em meu ouvido.

(...)

Acordei sentindo minha cabeça latejar e, apesar de lembrar de flashes estranhos da noite anterior, apenas deixei de lado, vestindo minha roupa que estava do lado da cama. Como quase sempre acontecia, eu estava no quarto de hóspedes de Chanyeol, ele me levava para sua casa, já que eu nunca estava em condições de seguir para a minha.

Fui até o banheiro e escovei os dentes, mas enquanto lavava meu rosto eu tinha uma lembrança vívida de segurar as coxas daquele cara que conversava comigo na festa, lembrava de seus beijos e até mesmo de tê-lo nu sobre meu corpo, o que não me parecia fazer sentido nenhum.

Saí do quarto de hóspedes ouvindo vozes vindo da cozinha, eu provavelmente deveria ter sido o último a acordar e todo mundo já deveria estar na casa, já que os meninos eram vizinhos de Chanyeol, apenas eu vivia em outro bairro e vivia aquela vida de solteirão chato.

— Mas olha só quem acordou… — suspirei só de olhar aquele sorriso demoníaco no rosto de Chanyeol — Bem na hora do almoço. Tem algo que quer nos dizer, Xing?

— Bom dia. — disse com um sorriso um tanto debochado e sentei a mesa, em uma das cadeiras que estava livre.

Passei meus olhos por todos que estavam ali até parar em alguém desconhecido, ou melhor, conhecido, mas que eu não esperava na mesa da “família”.

— Não seja mal-educado, Lay, encarar é feio. — disse Baekhyun, apertando meus ombros e sentando ao meu lado — A gente viu que você gostou da noite de ontem, mas nada de repetir essas coisas aqui na cozinha.

— O quê? Que coisas? Que noite?

Senti um arrepio gelado na minha espinha, as minhas perguntas eram quase retóricas, eu não estava tendo nenhum sonho erótico ou imaginando coisas, eu realmente havia dormindo com aquele ômega e o pior é que eu mal lembrava o que eu havia feito.

E sendo sincero comigo mesmo, isso era o que mais estava me matando. Odiava fazer isso com as pessoas, magoá-las com as minhas atitudes estúpidas.

Desviei meu olhar para aquele ômega novamente, vendo o sorriso morrer em seu rosto e o constrangimento surgir, assim como todo mundo entrar naquele silêncio constrangedor .

— Ah, sobre isso… Acho que paguei a língua para o Chanyeol né. — dei o meu melhor sorriso — Tinha razão cara, depois da faculdade é muito melhor.

Ele praticamente suspirou aliviado, dando tapinhas nas minhas costas, como quem diz “obrigado por evitar o constrangimento de todos aqui”.

Olhei para o ômega e levantei da mesa, mantendo o olhar para que ele viesse comigo para o lado de fora da casa do Park e ele veio.

— Desculpa qualquer coisa. — foi a primeira coisa que disse, colocando as mãos nos bolsa da calça.

— Tudo bem, seus amigos estavam me contando que você nunca ficou com um ômega antes… que você prefere outra coisa …

— Pois é. Eu lembro pouco da noite de ontem, sinto muito. Mas não foi mentira, foi bom. A primeira coisa que eu lembrei quando acordei de manhã foi de você em cima de mim. — soltei um riso leve, sendo acompanhado por ele.

— Que bom, me sinto melhor sabendo disso.

Eu não estava esperando por aquilo, mas também não neguei quando senti seus lábios sobre os meus. Ele era ousado, talvez seja por isso que tenha me envolvido com ele na noite anterior.

Ele levou suas mãos para meus cabelos e colou os nossos corpos o máximo possível, até que minha perna estivesse entre as suas. Foi instintivo levar minha mão de sua cintura para sua bunda, apertando-a e o colocando contra parede, segurando uma de suas coxas no alto e praticamente transando com ele naquela quintal.

— Xing, Jun… o almoço está pronto. — a frase de Chanyeol foi morrendo aos poucos, me olhando com a sobrancelha arqueada — Tudo bem, podem vir depois, sem problemas. — disse rindo, fazendo o Jun rir também.

Ainda bem que Chanyeol disse o nome dele, não teria que perguntar.

Olhei para os olhos daquele ômega novamente, não conseguindo soltá-lo, sentia seu cheiro como se ele estivesse no cio e diferente dos meus amigos, eu não conseguia me controlar com ele.

— Quero muito lembrar você da noite anterior, mas acho melhor fazer isso mais tarde.

— E-eu não entendo como você me deixou desse jeito, juro que se o Chanyeol não aparecesse eu te virava e fazia empinar essa bunda para eu meter sem dó. — disse num sussurro, beijando seus lábios em seguida.

Eu estava duro demais para conseguir soltar ele, o que fez um sorriso malicioso misturado com deboche adornava seu rosto, eu olhei aquele sorriso e lembrei de imediato da noite anterior, quando ele sorriu da mesma forma e chegou mais perto, apertando minha coxa com força e aproximando-se do meu rosto para que eu pudesse ouví-lo, o agarrei naquele momento, praticamente o trazendo para meu colo e o beijando com fervor, apertando seu corpo.

— Eu posso resolver isso para você. — disse levando sua mão até meu membro, o apertando — Podemos ir para sua casa, não precisamos almoçar com eles… se é isso que quer.

— Mas até chegar em casa, vai demorar muito… — disse rouco, nem eu mesmo me reconhecia.

— Eu sei como resolver isso. — disse desvencilhando-se de mim e entrou na casa pé por pé, voltando de lá com uma chave — Sehun é meu amigo, vamos para a casa dele, eles não vão notar. — disse rindo e começou a me puxar pelos fundos do quintal de Chanyeol para entrar no de Sehun, que era o vizinho mais próximo dele, Jongin e Kyungsoo moravam no fim da rua.

Ele abriu a porta e eu o abracei por trás, beijando seu pescoço e infiltrando minha mão por dentro de sua blusa, sentindo a pele quente se arrepiando com o meu toque.

Eu não consegui deixá-lo ir muito longe dentro da casa, o coloquei contra a primeira parede que vi, podendo manter seu corpo pressionado contra o meu.

Beijei sua nuca e senti o seu cheirinho e como ele predominava tudo, talvez nunca tivesse conhecido um ômega como aquele com um cheiro tão forte, fazendo parecer que eu não era alfa o suficiente para ele.

Sorri com meus pensamentos bobos e tirei sua roupa, fazendo-o empinar aquela bunda maravilhosa para mim enquanto eu analisava seu corpo por inteiro, praticamente salivando com a visão que eu tinha.

Voltei a beijar a partir da sua nuca, descendo pela linha da sua coluna até que eu estivesse de joelhos no chão, beijando a sua bunda. Ele suspirou manhoso, me dando ainda mais coragem de segurar as suas nádegas com força, olhando sua entradinha se contraindo antes de começar a chupá-la.

Lembrei de seu nome ao ouvi-lo gemer com as chupadas. Kim Junmyeon. Esse era o nome do ômega que havia me deixado louco na noite anterior.

Suguei sua entradinha com ainda mais fervor, como se estivesse com raiva, apertando as nádegas de Junmyeon com força, deixando meus dedos marcados nas nádegas fartas.

Não precisamos dizer nada quando eu levantei do chão, segurando firme a sua cintura, o fazendo se curvar em frente a parede. Ver sua entrada dilatada e avermelhada pela foda da noite anterior me deu mais tesão do que eu imaginava, ainda mais quando ela piscava daquela forma enquanto esfregava meu membro ali.

Sentia que não era eu ali naquele momento, colocando meu membro de uma única vez em seu interior e começando a foder com força, o fazendo gemer mais alto do que deveria.

Passei a minha mão pelo seu corpo e levei aos seus cabelos, segurando firme e virando seu rosto para o lado, para que eu pudesse ver sua boca entreaberta enquanto eu o fodia.

Era gostoso demais e uma sensação única. Me dava raiva e satisfação ao mesmo tempo e eu não sabia como me livrar daqueles sentimentos. Quanto mais eu via seu rosto contorcido em prazer, tocava sua pele e metia com força, mais vontade eu tinha de fazer isso para sempre.

Me retirei de seu interior de forma abrupta, segurando em seu braço e o virando de frente para mim, para que pudesse beijar seus lábios. Sentia que naquele momento ele queria a mesma coisa que eu, um toque mais simples e que dizia tantas coisas em um momento como aquele.

O beijei até ficar sem ar, logo depois levando minha mão para suas coxas e o pegando no colo, voltando a beijar seus lábios enquanto íamos rumo ao quarto de hóspedes de Sehun.

Sentei na cama e voltei a beijar seus lábios, vendo que ele sorria durante o beijo. Aquilo fez meu estômago se revirar por um segundo, mas logo depois voltei a passar as mãos por suas coxas, as apertando.

Junmyeon empurrou meu corpo pelos ombros, me fazendo deitar na cama e levou meu membro de volta a sua entrada, cavalgando lentamente e intensificando os movimentos de forma lenta, me deixando louco, fazendo-me apertar as suas coxas exatamente como na noite anterior.

Naquele momento eu tinha a mesma visão dos flashes que inundavam a minha mente quando acordei naquela manhã, ele sobre mim, cavalgando rápido e mordendo os lábios, suas mãos apoiadas no meu peito, arranhando minha pele vez ou outra, quando ele não controlava e contorcia-se.

Ele parecia um anjo naquela posição, sua pele alva, os cabelos castanhos um tanto úmidos caídos sobre os olhos… fodidamente perfeito.

Segurei sua cintura e o joguei sobre a cama, voltando a beijar seus lábios e segurar sua coxa no alto, começando a meter com força, escondendo meu rosto em seu pescoço e me inebriando com seu cheiro, chupando sua pele e fazendo gemer ainda mais, até que nenhum de nós dois aguentasse e gozasse.

Tirei meu membro rapidamente de seu interior, gozando em sua barriga assim como ele fez.

Deitei ao seu lado completamente ofegante e não conseguindo evitar o sorriso bobo que enfeitava meus lábios.

— Agora de fato eu paguei a língua para o Chanyeol, eu lembro de tudo. — disse rindo, ofegante pelo que tinha acontecido.

— Eu fico feliz que você gostou. — ele sorriu, deitando de bruços na cama e ficando com o tronco erguido, passando seus dedos pelo meu peito — Eu sei que você prefere outra coisa, mas esse pode ser o nosso segredinho se quiser… e podemos repetir muitas outras vezes. — disse olhando de forma tímida pela primeira vez.

— Então esse será o nosso segredinho. — sorri e o trouxe para mais perto, beijando seus lábios.

Junmyeon era diferente de todos os ômegas que já havia conhecido em minha vida. Talvez fosse porque ele não deu em cima de mim logo do cara ou… Chanyeol estava certo desde o início, esse lance de almas gêmeas ligadas pelo cheiro existia e eu estava completamente fodido daquele momento em diante.

Pois se acontecesse comigo assim como aconteceu com o Park, eu jamais ficaria longe daquele cara, isso seria muito mais do que um segredo, ele mudaria tudo.

Ele seria a minha vida.

— Talvez eles não tenham dado falta da gente, o que acha de fazer de novo? — e lá estava o maldito sorriso malicioso, o que me consumiu duas vezes naquele dia e consumiria novamente.

— Tudo que quiser, sempre que quiser. — sorri e trouxe seu corpo para sobre o meu novamente, sentindo seu cheiro e a temperatura de sua pele.

Sentindo que tudo havia mudado.

12 de Maio de 2019 às 22:27 0 Denunciar Insira 120
Fim

Conheça o autor

Projeto Abo Dream Olá, Dreammers! Nós somos o ABO_DREAM. Um projeto de fanfics do boy group EXO. Nossas fanfics são apenas do gênero ABO, hybrid e wolf. Atualmente nossa equipe tem 12 escritores dedicados a crescer o número de fanfics nesse tema que foi deixado de lado por um longo período. Nós temos conta também no Spirit: https://www.spiritfanfiction.com/perfil/abo_dream E no Wattpad: https://www.wattpad.com/user/ABO_Dream Nós também aceitamos plots: https://goo.gl/BNdVH5 Bjoos ^.~

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~