Wastry(Onr) Seguir história

cuteiel PrinceG.A

Wastry, é um garoto nascido no final do século XIX, por isso desde pequeno enfrentou as dificuldadess de uma vida simples, sua mãe era costureira enquanto seu pai fazia de tudo que sua origem permitia, trabalhando para fazendeiros. Em 1905 Wastry perde seus pais em um assassinato e vive sozinho tendo apenas algumas visitas de seu primo da capital. Com o passar dos dias, Wastry conhece a outra face da tristeza, aquela que a solidão trás, aquele era o fundo do poço para ele quando em um de seus sonhos ouve a pergunta. Qual seu pedido? Seus sonhos lhe mostram um local um pouco afastado, entre as arvores. Um jardim que o garoto conhece por acaso até perceber que ali estaria sua chance de um dia ser feliz. Contudo, apenas suas escolhas levariam a essa felicidade. Iniciado: 2018 Postado: 2019 Finalizado: ... Plágio é crime! Wastry(Onr) Copyright Cuteiel © 2019 Todos os direitos reservados


Fantasia Épico Todo o público.

#sonhos #autoajuda #magia #passado #futuro #fantasia
0
2996 VISUALIZAÇÕES
Em progresso
tempo de leitura
AA Compartilhar

I

O brilho azul do céu
A esperança dada a milhares de anos atrás
Não um simples fenômeno cético
Mas sim sua chance de ser feliz
Qual seu pedido?

Lembrança ( 1904, Um dia qualquer, de um lugar qualquer)

- A morte me parece um castigo e nesse contexto uma frustração.

Wastry lia enquanto folheava as páginas de seu livro, um trágico romance, no mesmo momento ouvia vagamente seus pais brigando na cozinha de casa.
(A vida muitas vezes nos surpreende,mas nem sempre é para arrancar sorrisos)
ensou, antes de ser interrompido por sua mãe que fora chama-lo para a última refeição antes do fim da noite.
Saindo de seu quarto, seguiu caminhando de um pequeno corredor até passar pela cozinha, onde estavam os seus pais.
- Boa noite pai! Boa noite mãe!
Wastry forçava um sorriso, o garoto não era de revelar suas emoções verdadeiras, no fundo ele sabia que podia piorar a situação perante seus pais.
Ao sentar-se Wastry manteve a neutralidade no olhar,o garoto não queria parecer ter ouvido a discussão entre eles, mesmo que desde alguns dias tudo estivesse piorando.
- Seu dia foi bom mãe? -- Wastry perguntava a Agatha, um tanto curioso,ao mesmo tempo em que mexia em sua refeição usando da colher.
-Filho, o dia hoje foi menos cansativo
Agatha sorria, convencendo seu filho que não perceberia a mentira em tom de verdade.
Wastry olhou para seu pai brevemente, voltando em seguida a atenção a sua mãe, dividindo-a com a comida.
- Isso aqui está gostoso
- Eu gosto de sopa, queria sopa todos os dias.
Embora não tivesse percebido naquele instante seus pais olharam um para o outro, até que seu pai abriu a boca inesperadamente.
- Amanhã te levarei para aprender a ser um homem
- Vou te levar ao meu trabalho, você vai já se preparando para quando depois de seu aniversário ajudar aqui em casa.
Disse William,seu pai, de modo firme e sereno na tentativa de levar a quem saber outro rumo aquela conversa.
- Ele precisa aprender a ser independente Mulher.
Disse Seu pai como investida a uma expressão de sua mãe, que parecia não ter gostado.
Como reposta ela olhou para baixo como tivesse parecido reconhecer a intenção de seu marido.
- Ele tem razão filho...
- Tudo bem.
Disse Wastry sentindo -se um pouco estranho, mesmo que ainda empolgado com aquele dia que estava tão próximo.
Já Agatha, sua mãe, estava com uma expressão reflexiva, como se tivesse se lembrado de algo naquele desde aquele estranho diálogo entre seu marido.
- Boa noite, pai e mãe.
O garoto se despediu ao terminar de comer, seguiu caminhando até seu quarto sentido-se um pouco satisfeito, como tudo parecesse um sonho.
Durante a caminhada, o garoto observou alguns quadros antigos que tinha na parede por todo lugar até por fim chegar em seu destino desejado.
(Eles acham que eu não percebo, e isso me fez pensar um pouco, eu queria poder ter feito algo pra mudar, eu sei que não estamos bem.
Não quero ter que fingir estar.)
O garoto então pegou seu diario e foi procurando uma página em branco. Seu diário estava dentro daquela casa desde quando chegaram, aquela era a distração de Wastry desde que aprendeu a escrever.
Entre as páginas em branco escreveu:

Olá...
Meu nome é Wastry
Tenho 15 anos e minha vida continua o mesmo de sempre

Meus pais brigando, e algumas pessoas estranhas nos visitando pela madrugada...
Gostaria muito de que tudo fosse diferente...ou que pelo menos meus pais não brigassem mais.
Pois mesmo que eles não queiram me dizer, eu sei de quase tudo.

Assim que escreveu continuou a folhear as páginas até o final, na última página havia uma desenho que passou despercebido pelo Wastry.
Logo após isso resolveu dormir um pouco, porém acordou às meia noite e decidiu dar uma volta.
Por morar distante da cidade não havia perigo além de animais.
Enquanto caminhava, Wastry sentia o frio de congelar superficialmente sua pele,ele também observava as árvores a sua volta, em movimento pelo sussurros dos ventos.
(Eu não sei bem se foi uma boa ideia)
Pensou Wastry dando a meia volta, pois estava muito distante de sua casa e ainda por cima o clima não ajudava mas ele ainda notou um pequeno lago que já estava quase cristalizado, e além dele um jardim de apenas uma árvore só.
Wastry continuou encarando o lugar até que decidiu voltar para casa às preças.
Não demorou muito tempo até que o garoto chegou em sua casa.
O curto passeio teria feito bem a ele.
Wastry ao passar pela porta notou o silêncio, e não deixou passar a oportunidade de correr em direção ao seu quarto e chegando lá, pulou em sua cama e fechou seus olhos.
Alguns segundos depois,sua porta foi aberta mas o garoto não teria visto bem quem foi pois ele teria cedido ao sono.

[...]

As histórias guardam segredos
Diálogos implícitos
Amor
Dor
Felicidades
Tristeza
Mas nada
Sem sentido

Então...
Qual seu pedido?

Naquele momento ouvi uma voz doce e calma em minha mente, parecia até o canto do pássaro canora aos ouvidos de quem escuta.
A origem daquela voz eu não conseguia ver, tudo que vi era um jardim escuro.
Uma claridade azulada me impedia de captar o dono daquela voz.
Minhas tentativas foram falhas...

Abril ,1905

Wastry sentiu seu corpo sendo puxado dali e sua visão foi desconstruindo toda aquela imagem até uma claridade revelar outra paisagem, a de seu quarto.
Despertando-se sentindo os feixes de luz atravessando sua janela e clareando em seu rosto, Wastry olhava para cima em extrema confusão.
(Mais uma vez)
Wastry pensava sobre aquele sonho, e ao olhar sua volta reparou em seu diário que estava prestes a cair da cama.
- Te amo, mãe e pai.
Wastry virou para o outro lado, mas acabou levantando em seguida.
O garoto despertou-se dando um bocejo e espreguiçando-se antes de tomar seu banho.
Ainda com a cara inchada o garoto fora ao seu banheiro
e tomou um banho rápido para que sabe despejar sobre o ralo tudo que estava lhe afetando naquele momento.

7 de Maio de 2019 às 02:32 0 Denunciar Insira 119
Leia o próximo capítulo II

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 2 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!